expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sábado, 13 de outubro de 2012

26º Dia - Não tenho comida. Água também não. Estou a beber água do mar. Sinto-me um bocado fraco...Vou suportando, com um bocado de paciência até ver... Já estive à pesca mas não pesquei nada...




Algures no Golfo da Guiné, 15 de Novembro de 1975







Diário de Bordo  - 1  É manhã do 26ª dia que viajo numa canoa. Passei uma noite quase sempre acordado. Havia ameaças por todo o lado. Travejou mas na canoa não choveu. Eu precisava que chovesse.



Esta manhã ainda se apresenta bastante cinzenta, com nuvens espessas no horizonte. O mar muito cavado, com bastante carneirada! Muito agitado!...Continuo sem ver quaisquer contornos de terra...Não tenho comida e não tenho água senão do mar.

Entretanto, vou ver se pesco mais qualquer coisa.... Não tenho outro recurso senão pescar. Quanto ao facto de beber água salgada, sinceramente, já há quatro dias que o faço e  o estômago já não está lá muito bem!...Sinto dores  de cabeça. Tenho assim umas certas perturbações... Efetivamente, pode beber-se água do mar mas durante um determinado período de tempo.

Diário de Bordo  - 2  São 10 horas da manhã. O mar apresenta-se bastante azul mas muito cavado! Com vagas bastante fortes!... Está com aspeto bonito, as vagas muito azuis e brilhantes, mas está ao mesmo tempo perigoso, na medida em que provoca na minha canoa movimentos desencontrados... E, por vezes, chega a galgar o próprio interior da canoa.

(imagem fotográfica da popa da canoa e do caixote de plástico, onde pude guardar a máquina fotográfica e um gravador, com o qual fiz o registo do meu diário - as partes arrancadas, foram utilizadas para construção de um remo improvisado - Na imagem de cima, registada com uma das mãos, estou bebendo golos de água salgada)

Diário de Bordo Desde ontem que deixei de ver os tubarões, os meus fiéis companheiros, digamos, assim, tubarões martelo. E a verdade é que hoje já tive aqui a visita de um tubarão dos escuros!, que é o voraz que costuma atacar a canoa e que andou aqui às voltas. Um tubarão muito grande! Um tubarão gigante!...Realmente, não sei porque é que os outros deixaram de aparecer...Espero não vir a ter problemas com estes.

Não posso colocar qualquer vela neste momento, é demasiado perigoso!...É preferível deixar a canoa andar à deriva, apesar, de, enfim, ser muito arriscado...De qualquer maneira prefiro ir assim, até porque não tenho perfeito domínio da minha canoa, visto não ter leme e o remo principal.

Já choveu aqui na zona, próximo!...Aqui apenas chegaram umas pequenas gotículas... Trovejou mas nem sempre quando troveja chove em toda a parte do mar.... O mar está fortemente agitado!, devido às trovoadas que se desencadearam  noutras   partes...Noutros lugares.... Não consigo ver qualquer sinal de terra. Deixei  completamente de ver a Ilha de Fernando Pó (Bioko)...Farto-me de mirar  o horizonte para noroeste, mas não há qualquer sinal.

 Não tenho comida. Água também não tenho. Estou a beber água do mar. Sinto-me um bocado fraco...Vou suportando, com um bocado de paciência até ver... Já estive à pesca mas não pesquei nada...Continuo aqui com o tubarão... Já ontem aproveitei um bocado dele mas hoje já tem um aspeto um bocado deteriorado...Vamos lá a ver...Vou conservá-lo de qualquer maneira. Pois, se não pescar outra coisa, vou aproveitá-lo...Fome é que não hei-de passar... Enfim, alguma hei-de passar mas guardo-o até ver....



Diário de Bordo .... 15ª dia -  UM GRANDE BARCO PASSOU AO MEU LADO ***** ******.....17ª Dia - Se me perguntassem qual era o meu maior desejo ..... ....;BIOKO À VISTA - ILHA DO “DIABO......***.;NÁUFRAGO - 18ª DIA – MAIS UM BARCO PASSOU A CURTA DISTÂNCIA ......; 19º Dia – Sinto muita sede  ...     ...; 20ª Dia Estou envolvido por enorme cardume,...........;21º DIA – “Sinceramentejá tenho pena de ter ferido aqueles tubarões n............;Náufrago 22.º dia - A canoa esteve há pouco à beira de se virar .......;23º Dia -Vi uma borboleta!    ..24º Dia - É tubarão!.... Filho da mãe....... 25º diaEstou cheio de sede e de fome............      . 27ª dia  mar nunca se podem fazer cálculos seguros!...........28º Dia - Grandes vagas alterosas entravam dentro da minha canoa!.        29ª dia - Passei a noite todo encharcado.....       30º Dia - Não comi nada: limitei-me a comer uma das barbatanas do tubarão. .......... 31º Dia - A canoa a meter água cada vez mais!.... .............. .32º Dia -Estou comendo o coco! Avidamente!... Sofregamente!................33º Dia - Estou exausto!.........Dia 34º -  Sinto uma grande dureza no estômago..........35ºDia - Acordei com o barulho de uma enorme baleia aqui próximo da canoa ....36º Dia - Comi a ave que apanhei ontem! (...) Tenho a costa de África muito próxima... É já noite"... Estou a velejar! Estou-me a precipitar como um suicida. Tenho fome! ... Não posso demorar mais tempo!......37ª Dia Estou partido! Tenho o estômago metido para dentro...Estou realmente bastante fraco...

sem destino e a noite por companheira. poema




A canoa continua a meter água da parte da carlinga...Não sei porquê... Continua a meter cada vez mais água; isso preocupa-me imenso, porque, realmente, não sei até que ponto  se pode manter ou agravar.



 Diário de Bordo  - 3 São 3 ou 4 horas da tarde. Direi que o mar continua muito agitado, bastante mesmo agitado!...É quase difícil equilibrar-me na canoa... As trovoadas ameaçam de todos os lados!... Devem estar muito próximas... Devo ser atingido, dentro de pouco tempo por alguma trovoada...Ainda não vi terra... Tenho fome. Sede também,  porque ainda não choveu... Deve chover daqui a pouco, com certeza.... A situação é bastante incerta!... O mar bastante agitado e difícil. A canoa continua a meter água!... Realmente, é preciso ter uma moral e uma confiança muito grande! Para conseguir levar a bom termo a minha empresa....Os tubarões martelo já apareceram! Vi dois ou três.



 Aliás, eu esta tarde coloquei um bocado a vela mas tive que a tirar porque era impossível continuar a velejar!... A canoa ameaçava virar-se a todo o momento.... Eu não tenho leme ( nem remo adequado) e tive que deixar-me andar de novo à deriva! À mercê das vagas e daquilo que elas quiserem fazer de mim.


 Diário de Bordo  - 4 Devem ser cerca das 5 horas da tarde do 26º dia. Finalmente, surgiu uma chuvada!...Não direi uma trovoada, embora o mar esteja bastante agitado mas não houve muito vento...Choveu bastante!...Consegui arranjar aí uns seis ou sete litros de água!...Portanto estou satisfeito!...Já tenho água doce...Aliás, tinha aqui uns produtos químicos que me foram oferecidos  pelo Sr. Dr. Epifâneo da Franca, em São Tomé, os quais adicionei para fazer água doce. A água das chuvas é água destilada, é água pobre. Consegui, portanto, arranjar água doce!... Estou mais satisfeito, porque com água potável é possível sobreviver  durante mais tempo...Muitos dias!...Quer dizer, sem água não é possível sobreviver muito tempo. Sem comida é que se pode sobreviver mais dias....Portanto, eu tendo água posso sobreviver à vontade, aliás, eu vou pescar...Ainda tenho o tubarão, o qual vou comer cru; não tenho outra hipótese...

O fim de tarde está brusco, o mar está muito cinzento. Está agitado, com certeza. Cheio de carneirada (de lembrar que o sol, nestas regiões equatoriais, nasce e põe-se à mesma hora - às 05.30;17.30) A trovoada já passou. Aliás, apareceram duas chuvadas, uma vinda do sul, outra vinda do norte. Os ventos dominantes continuam a sentir-se para nordeste, o que facilita bastante...Estas trovoadas agitam bastante o mar, pois dão mais velocidade à canoa...Espero que não esteja já muito afastado...Aliás, não sei porque é que, depois de ter visto Fernando Pó, esteja a demorar tanto tempo em relação ao que demorei desde lá de baixo (da Ilha de Ano Bom, onde fui largado). Já estou mais satisfeito, estou mais otimista!..Vamos ver como é que vou passar a noite...

Agora não desejo a chuva...Enfim, quero passar uma noite agradável... Está molinhando ainda mas isso há-de passar . Porque, o mar, aqui,  quando vem uma trovoada, fica muito agitado, mas um bocado depois já está calmo...

Ainda não há qualquer vislumbre  de vestígio de terra !... Mas... eu não devo estar  longe, com certeza....Estou animado, sinto-me mais satisfeito!... Há bocado, estava  um bocado aborrecido porque não tinha água!... Estava a beber água do mar, água salgada, claro. Também não tenho comida. A comida que disponho é só do tubarão (já estragado) mas lá me hei-de remediar...

Continuo a ver aqui debaixo da canoa, uma barracuda. As barracudas também são perigosas!.... (Barracuda).Os tais tubarões martelo, desopilaram; não sei para onde é que foram...Portanto, é tudo por agora.

  
Diário de Bordo  - 5 Aliás, poderei dizer que a canoa está toda molhada, encharcada mas o que me continua a preocupar é a entrada da água pela carlinga (o buraco onde assenta o mastro), visto os pregos terem atingido o fundo. Portanto, a madeira foi apodrecendo e a água continua a entrar. Mas espero que aguente até chegar a terra.

 Mar sonoro

"Mar sonoro, mar sem fundo, mar sem fim.
A tua beleza aumenta quando estamos sós
E tão fundo intimamente a tua voz
Segue o mais secreto bailar do meu sonho.
Que momentos há em que eu suponho
Seres um milagre criado só para mim."

Sophia de Mello Breyner Andresen
 

Nenhum comentário :