expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

PINTURAS DE “ALÉM MAR” DE SASKIA MORO - NA GALERIA VALEBOM, LISBOA - UM CONVITE PARA CONTEMPLAR A TRANQUILA BELEZA DA IMENSIDADE ONDE A TERRA, A ÁGUA E O CÈU, SE SEPARAM



Além  Mar”   - Este é o tema da exposição da pintora Saskia Mora, de 16 de Fev. a 30 de Março, Galeria Valbom
   Avenida Conde de Valbom 89, lisboa– 

Cultura Online - - Além Mar



 Saskia Moro - Nascida em Londres, em 1967,  estabelecida no Reino Unido, trabalha essencialmente no estilo abstracto minimalista. Expôs na Holanda, Índia, XI Bienal de São Paulo - Brasil, em várias cidades espanholas e em Portugal. Foi galardoada com os seguintes prémios: Villa Lucio Muñoz Printmaking, 2000, Madrid; I/II/III Bienal Internacional of Orense. Encontra-se representada: Biblioteca Nacional, Madrid; Miró Foundation, Palma de Maiorca; Calcografía Nacional, Madrid.- Informação   pormenorizada em  Exposición Olhar álem - 2004 - saskia moro






O mar é o cenário e o ambiente que eu vivi até ao limite extremo da minha resistência física e anímica   que me é profundamente caro. Estive presente na  inauguração de Saskio Moro e apreciei imenso os belíssimos trabalhos ali expostos. Daí o prazer de aqui os reportar



Não venho falar-lhe da pintura dos violentos tornados tropicais, nem do mar das lânguidas e podres calmarias, das noites banhadas de luar ou das tempestuosas e intermináveis horas nocturnas, com nuvens negras, pesadas e baixas, revolvendo-se como  que por sinistros tectos ou fantasmas da cor do luto e da morte, assombrações mais negras que a  fuligem ou do espesso breu, que eu vivi a bordo de uma frágil canoa, nos 38 longos dias e noites nos mares do imenso Golfo da Guiné,  cujo diário  tenho estado a transcrever neste site.

O que me foi dado poder observar e admirar,  na mostra recentemente inaugurada na Galeria Valebom, pareceram-me telas inspiradas em   mares, bem mais  tranquilos, silenciosos  e serenos do que aqueles em que arrisquei a vida  - E, também,  alguns quadros - esses, sim,  lembrando-me típicos dos mares do sul, espaços costeiros,   não devassados por olhares profanos, ainda defendidos da  poluída febre do consumismo desenfreado, que tudo destroi e conspurca, simples paraísos desertos onde até o brilho e a limpidez dourada da areia empresta a sua luminosidade à pureza do azul esmeralda das calmas águas que ali vão tranquilamente perder-se e espraiar-se

O mar é sempre o mar em qualquer parte do globo. Porém, a cor e a transparência  das águas, diverge bastante, ou por via das diferenças climatéricas ou devido ao fenómeno da poluição,   profundidades, caraterísticas  dos sedimentos, passagem de correntes frias ou quentes, grau de salinidade, quietude ou  ondulação  oceânica  - Mas, sobretudo  em função da hora do dia e da claridade solar.

 Claro que a verdadeira  paleta das cores do mar,  está nos olhos de quem  o observa,  no seu estado de alma  - No que  pretende transmitir ou partilhar das suas emoções.  - Pintar uma ou mais telas do mar, não é preciso estar a vê-lo. Mas também só faz um belo poema quem conheça a realidade ou viva a vida com desmesura, superação e  intensidade.

Tal como o poeta que faz um poema, em qualquer lugar e em qualquer momento, inspirado na poderosa imensidão oceânica, na fragilidade e pequenês do ser humano face à extensão das águas, aos espaços indefinidos, sem limites  ou num qualquer motivo da vida marinha que instigue a sua imaginação, também o pintor pincela o seu mar. Mostra-nos a beleza de como os seus olhos o viram ou o coração ainda o sente pulsar. Por isso mesmo, os quadros de Saskia Mora  são únicos e singulares. É poesia marinha. 

Alquimia da arte em termos técnicos é o mesmo que falar da alquimia do amor. A adrenalina que concebe o acto criativo é comum em todas as áreas de expressão artística.  E o seu mistério é o da sensibilidade voltada para a criatividade e para a  beleza. A fascinação, a transcendência do real. O poeta serve-se das sublimação das palavras, o pintor da sublimação  das cores, cuja realidade reconstroi à medida do seu deslumbramento.  O que eu descubro nas paisagens marinhas de Saskia é justamente a inquietude  e a busca desse fascínio. O elo que liga o real ao transcendental.  O sinal presente da infinitude divina. A demanda  do mistério  que paira além dos espaços indecisos. Aparentemente existe um elo comum  em todos os seus trechos - Olhamos para um quadro e descobrimos a plasticidade e a magia da sua técnica e a sua relação com o anterior. Não revelam ilhas mas episódios que se interligam numa pluralidade de emoções.  . Manchas pictóricas que inesperadamente  nos fazem soltar comoções e sentimentos e nos parecem contar pequenas histórias de lugares e atmosferas. Conhecidas ou imaginadas.

Em "Além Mar", descobre-se, pois, não apenas a margem que bordeja a praia ou o recanto recolhido e tranquilo da enseada arenosa e luminosa que as glaucas águas vão beijar, como  o significado do que parece  intangível, o aceno do abstracto e da sua invisibilidade,  a  vaga memória ou o confuso desejo de aventura que se oculta  para  além do circulo ou da linha, que se imagina mas que se desconhece em concreto,  sim,  "a imensidão, o espaço inabarcável, que em si tudo contém", a que se refere logo no inicio do catálogo desta sua exposição - 

Afinal, que pude eu descobrir, ao cair daquela fria e húmida tarde de Fevereiro, na digressão  que empreendi à frente daquelas telas que ao mesmo tempo que ia fotografando me lançavam como que aromas e desafios de épicas viagens solitárias?... Que pude eu descortinar da linguagem cifrada daquelas telas, de quando meus meus olhos se coroavam  de salgema e meu nariz, quase se entupia de vento e mar salgado, minha boca  e pulmões aspiravam   o aroma genesíaco da crespa espuma que saltava da rebentação das vagas?... Que recordações me transportavam a   memórias antigas de infinitude e de solidão?!...  . Oh, agora?!... A liberdade de navegar através da imaginação e da memória, com os pés bem assentes em terra  e de me libertar por espaços de etérea maresia.  Isto, porque, a pintora, ao não titular cada uma das suas obras, conferiu  plena  liberdade a quem as observasse, promovendo a sua viagem, a interpretação indivual e a aventura. 

Pois bem, foram céus cobertos de azuis a raiar o cinzento, rasgados por enormes clareiras de um tom de marfim, tonalidades e cores de águas, que, dir-se-ia assemelharem-se, ora a um verde acobreado, ora a um azul raiado de chumbo, entre outros matizes e  tons que, por serem simultaneamente tão estranhos, densos e ao mesmo tempo claros e subtis, quase estáticos e  de uma luminosidade a raiar o brilho e o baço,   me faziam recuar àquelas  manhãs ou tardes de absurdo e de incerteza, com atmosferas que antecipavam visões irreais e augúrios estranhos -  Mas não creio que tivesse sido essa a intenção  de Saskia Mora, até porque, em muitos deles, pairava a proximidade de terra - E, à minha volta, só existia a vastidão, o deserto líquido e  o  imenso  círculo vazio.






Pelo que me foi dado depreender, a sua sensibilidade feminina, buscará, naturalmente,  o lado místico, sereno e alquímico dos sinais de intemporalidade, a misteriosa sensualidade das superfícies marinhas, espaços líquidos e aéreos  que se assemelham e confundem nas mesmas tonalidades e cores, se unem e diluem  nas distâncias – E, se algum dramatismo existe, visa tão só transportar-nos ao além mar, ao  inexprimível,  ao inatingível, às associações das formas mais difusas e indistintas – Tal como acrescenta ainda no mesmo catálogo, “as possibilidades, as formas, o inconcebível, o inalcançável: estamos perante  o todo  que tem de ser demarcado para ser compreendido.

Necessitamos de limitar a imensidade, ou tentar captar a distância num espaço.
Sugere-nos a atracção  rumo a esse lugar onde a terra, a água e o céu se separam. Um lugar em permanente transformação. Esse sinal ancestral; o horizonte. Com o seu ritmo reiterado e hipnótico. Essa linha definida que quando se aproxima se converte em areia, na terra que pisas , que vives.

A linha que convoca à curiosidade de conhecer e nos leva a imaginar e a perceber  a existência com a distância.

Os desejos reflectem-se nessa atmosfera extensa de areia e água. Rodeada por essa luz que tudo enche depois das tormentas e abre clareiras  na distância, no horizonte” – Saskia Moro

UM OLHAR  DIFERENTE DE CONTEMPLAR O MAR

 Se é um apreciador da pintura e gosta de admirar temas marinhos que lhe inspirem beleza, mistério e serenidade,  a face  do enigmático e  do desconhecido, pois bem,  pode admirá-los nas magnificas  telas de Saskia Moro – Nas tais manchas de névoas nebulosas e difusas, nos horizontes imprecisos, que,  por mais que se avance ao seu encontro, ficam sempre para além da linha do  inatingível e do absurdo. 

Vá lá mas não espere que lhe  mostre  o  mar violento, o mar colérico e destruidor! Quadros das tormentas?! .....Com barcos  a debaterem-se por entre a fúria selvagem e efervescente das  vagas?!... De facto, para espíritos sensíveis, esse lado trágico do oceano, também possui  a sua  beleza, mas  angustia, atormenta  e oprime em demasia - Alguns quadros desses, estiveram expostos há pouco tempo na Gulbenkiam, a que me refiro na postagem anterior. São sobretudo quadros dos tempos das heróicas caravelas - Agora, já não há essas épicas viagens. Para quê forçar os pintores a mostraram episódios  que não viram nem ouviram falar. De resto, as narrativas pictórias dessas trágicas tempestades, enquadravam.se mais na pintura masculina.  


Trata-se, com efeito,  de um conjunto de telas a óleo – De média e grande dimensão. Como já referi, em nenhuma delas há títulos. Estes, são deixados à imaginação de cada observador – Mas sempre no sentido do apelo a um curioso e fascinante apaziguamento interior. Não há títulos,  é certo, pois em cada tela subiste o inesperado, a possibilidade da  descoberta de  um elo comum, o estilo  da escrita da sua autora, a  inconfundível linguagem  da sua alquimia plástica, a matriz da sua sensibilidade,  em cuja expressão artística se espelha  como que o desejo de reflectir e partilhar uma atmosfera que lhe é muito amada e pacificadora .-

Pois bem, se adora ver o mar como elemento matricial, o mar das origens, dos sinais da ancestralidade, se é dado a ver,  na quietude da superfície marítima, os momentos mais relaxantes, contemplativos e  sonhadores, recordações inesquecíveis de raro pendor introspectivo e poético, pois, então,  residindo em Lisboa ou tendo a possibilidade de  passar pela capital, digo-lhe que vale a pena ir dar um saltinho  à Avenida Conde de Valbom 89,  ver a exposição, Sáskia Moro, subordinada ao tema genérico “Além Mar – Patente até ao dia 30 de Março



Como é reconhecido, o mar transmite solidão, imensidade, tragédia, violência, serenidade ou  recolhimento. Ao determo-nos à frente de cada um dos quadros de  Saskia Moro,    sabemos que não estamos sós nessa observação,  pois sentimos que a autora nos acompanha, que está presente do primeiro ao último quadro –  Nota-se que há como que o  desejo de partilhar da  serena  sensualidade  marítima de alguém que manifesta um estreito conhecimento e uma  íntima ligação ao elemento marítimo: de uma artista que  já observou e contemplou o mar,  sob vários ângulos e até do mar para terra – Ou não fosse amiga de acompanhar o seu pai no veleiro


Pai português, apaixonado pelo  mar  (tem um lindo barco à  vela) nascido muito longe do litoral oceânico, em Meda,  uma vila frente à minha aldeia. Mãe holandesa, Henriette Moro Também ela artista plástica, em pintura e escultura -  A exposição de Saskia Moro,  inaugurada no passado dia 16 de Fevereiro, vai continuar exposta até 30 de Março – Uma bela surpresa que eu não contava. Meu amigo Luís Pereira de Sousa, com quem tive o prazer de trabalhar num programa, na ex-RDP-Rádio Comercial, foi ele que me alertou para a curiosidade desta exposição – Por um lado, por ser amigo da família Moro, por outro, porque, também ele, é um navegador do mares – Tem o seu barquito, mais das vezes para se isolar e respirar a maresia, quebrar rotinas  e aliviar stresses,    contemplar a beleza de um nascer ou de um pôr do sol, ao sabor do fluxo e refluxo das marés .Pois, não se julgue que quem tem veleiro é só para viajar.




Há em todo o ser humano, um amor pela natureza, de contemplar os seus caprichos e as suas maravilhas – A essência da sua beleza e  harmonia, está presente em todo o lado – Mesmo que viva na cidade mais ruidosa e movimentada, basta que eleve os olhos ao azul dos céus. E, se acaso o disco resplandecente do sol vivificador   estiver cinzento e coberto  por  grossas nuvens, com todo o azul  denso  e ofuscado, subiste, todavia,  aos seus olhos a grandeza e o sentimento da  infinitude, pelo que não dará por perdido esse  seu gesto. Porém, se  for num dia de chuva, pensando bem, lembrar-se-á de   que a chuva é um dos fenómenos mais misteriosos da Mãe-natureza – Sem a chuva fertilizadora, não haveria vida, nem florestas, nem mares – Porém, conquanto o céu, as árvores, um jardim, a chuva a cair no telhado ou a bater nas vidraças, o voar de uma ave ou o cantar de um passarinho, podem estar ao alcance de toda a gente – O mesmo já não sucede às possibilidades de, ao vivo,  se poder contemplar o  eterno vai e vem das ondas, aspirando o seus odor, nos seus constantes  marulhos,  a rebentarem e a desfazerem-se, a recuarem ou avançarem  sobre areias finas de aprazíveis  praias ou a baterem estrondosamente nas encostas rochosas. Nem toda a gente desfruta dessa oportunidade. Daí que o oceano  continue a fascinar, não apenas quem vive perto dele, como também aqueles que o vêm apenas através das imagens - Os pintores foram os primeiros retratistas dos vários episódios do mar. Hoje julgo que são mais os impressionistas ou abstraccionistas de que os realistas - É o caso de Saskia Moro. Cuja expressão artística  a distingue dos demais.





Jorge Trabulo Marques - Jornalista

Nenhum comentário :