expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Marshall Islands JournaL - enviou-nos uma foto do barco do "náufrago" José Alvarenga para aprofundarmos a nossa análise - Pois é nossa convicção de que se trata de uma fraude

"His parents in El Salvador say that he was known by the nickname Cirilo in his home town, a name that concides with the first name of the man registered as missing with the civil defence. -But why has the fisherman given Marshall Islands officials the name of Jose Salvador Alverenga rather than the name he was known by in Mexico and El Salvador? 'What happened to Pinata?' Family of Castaway's companion who

This site provides translators in various languages ​​- Read our position through its ideoma. ideoma.Este sitio proporciona traductores en varios idiomas - Lea nuestra posición a través de su ideoma

"tudo em mim estava destruído. Do homem que eu tinha só restava uma pequena  porção de carne e ossos que se podiam torcer com um trapo.   (...) eu pesava apenas quarenta quilos em relação aos  oitenta eu tinha há quatro meses   Tava'e Raioaoa -118 dias a la deriva em pleno Pacífico."- Mais de que uma fraude, as afirmações de Alvarenga, são uma blasfémia, se  comparadas com a situação de um verdadeiro náufrago. 

Foto de .theguardian.com Castaway José Salvador Alvarenga


(updated post) “Nikolai Maximenko and Jan Hafner, from the University of Hawaii, used their computer modelling systems to "place" 16 electronic tracers into the ocean from almost exactly the same spot, at the same time that Mr Alvarenga left land - Mr Maximenko and Mr Hafner charted the positions of their tracers, as part of their research into ocean currents at the International Pacific Research Centre. Castaway's unbelievable tale of survival is backed up by science ......Estudo sobre correntes do Pacífico confirma história de homem

comparing objects drifting with human survival? - It is not impossible any boat across the Pacific Ocean - The sea currents give their help. - In the history of solitary navigators have many examples with smaller bots. But it is manifestly impossible - a man adrift - in conditions described by hipotéctico castaway alvarenga

No other shelter than a box (once you can stand the heat - get to a Pacific island in the physical conditions we arrived - How Numas beautiful holiday in an island paradise?  -Who have questions - try a month to see their condition



Barnacles: The bottom of the boat had some sea life attached  : http://www.dailymail.co.uk/news/article-1wVTH 



Todas as imagens são do Marshall Islands Journal newspaper - a  que gentilmente nos foi enviada - via e-mail - é a terceira foto  - Depois da sua leitura, não deixe de consultar o post anterior.

Pedimos ao Marshall Islands Journal a colaboração fotográfica para  aprofundarmos a nossa análise, acerca do barco que  teria sido usado por José Salvador Alvarenga (que inicialmente se apresentou com o nome de José Iván Alvarengo),  na alegada longa deriva de 13 meses no Pacífico, do México às Ilhas Marsahall - Embora já tivéssemos tomado a liberdade de nos servirmos de algumas fotos do mesmo jornal (nomeadamente a foto com que abrimos esta postagem e a seguinte) fomos prontamente atendido, gesto que muito agradecemos e  que aqui registamos com todo o apreço -  Depois de ler o texto e ver a imagem, sugerimos-lhe a leitura  do post anterior





Proa completamente limpa acima da linha da água e só do meio até à popa se apresenta mais enegrecida, possivelmente devido à amarração onde a embarcação esteve fundeada -  O que não aconteceria se tivesse andado à deriva através de milhares de milhas e ao longo de 13 meses..

Imagem da popa - Alguma vez este barco andou aos solavancos das vagas? - Image of the stern - this boat ever walked jerkily vacancies? Tem mais aspecto de ter servido de uma lança de outro barco - Has more aspect of having served as a spear from another boat

Mesmo tratando-se de um bote de fibra de vidro, onde diz ter naufragado tanto tempo, dificilmente se apresentava com o aspeto que tem: teria forçosamente que mostrar outros estragos e não a uniformidade que documenta a imagem - Mas não só: leia mais adiante outras interrogações.

TEXTO DO EMAIL ENVIADO AO Marshall Islands JournaL   :

Sou jornalista e português. Na década de 70, conheci a experiência de náufrago numa frágil piroga, ao longo de 38 dias nos mares do Golfo da Guiné



Tendo tomado conhecimento da hipotética odisseia de José Alvarenga, e duvidando da veracidade e dos seus testemunhos, sugeria para que fosse feita uma análise aprofundada, por técnicos competentes, do bote que diz ter sido utilizado. Pois o aspeto exterior da referida embarcação, não é convincente: - Se o referido bote andou à deriva, tanto tempo, era suposto que apresentasse manchas  de fungos e de lapas em todo o casco. Ou que as mesmas manchas não fossem tão delineadas e demarcadas mas mais irregulares. Fico com a ideia de que a mesma embarcação apenas terá sido usada para abordagem da ilha. Uma vez que apenas apresenta vestígios de ter permanecido fundeada. Caso queiram proporcionar-me algumas imagens, ainda mais pormenorizadas, do estado do bote  para meu estudo (além das que pude consultar na Internet) desde já muito lhes agradeço, Esta questão é :http://www.odisseiasnosmares.com/2014/02/jose-salvador-alvarenga-una-historia.html
  

Pois, só assim, desmascarando os falsos heróis, seria possível evitar que  outros episódios se repetissem, perpetrados por indivíduos ávidos de fama, sem escrúpulos, que pretendem aproveitar-se da  insularidade e localização das  vossas maravilhosas ilhas, mas também da hospitalidade das suas gentes..


--------- Forwarded message ----------
From: jorge trabulo marques 
Date: 2014-02-15 4:25 GMT+00:00
Subject: Re: (this email) Suggestion for a thorough technical investigaçãpo boat to the shipwrecked José Alvarenga
To: Marshall Islands Journal <journal@ntamar.net>

2014-02-14 23:03 GMT+00:00 Marshall Islands Journal <journal@ntamar.net>:

Here’s a shot of the hull of his boat for you to take a look at.



A legenda é nossa

(EXCERTO DO POST ANTERIOR) QUE FOI TRADUZIDO PELO TRADUTOR GOOGLE EM ESPANHOL E INGLÊS)

Quem tem experiência de mar não pode deixar de ficar surpreendido com a aventura do Sr. Alvarenga, o feliz naufrago agora descoberto. Tanto surpreende pela sua odisseia como pela fragilidade de algumas situações que a serem analisadas mais em pormenor fazem nascer contradições que põem em risco toda a veracidade do feito que nas últimas semanas surpreendeu o mundo.

Assim observemos a foto. O bote está sobre um areal e é bem visível a presença de uns quantos moluscos fixados ao casco. Admitir que a embarcação tenha navegado ou andado à deriva com eles não é admissível uma vez que estes só se alojam quando em águas paradas ou quase, mas sobretudo quando a embarcação está atracada. Na maioria dos casos soltam – se com o embate das águas ao sabor das correntes. Por outro lado é difícil admitir que  as cracas estejam a seco há muito tempo pois  se tal tivesse acontecido apresentariam outro aspeto; menos vivo e em desagregação.  Assim quando o náufrago declara que, andou à deriva 13 meses, só talvez quem não tem o mínimo de experiência do mar pode aceitar tal enormidade.

Nenhum comentário :