expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sábado, 12 de julho de 2014

São Tomé e Príncipe: - 39º aniversário da independência – – Depois de tantas vicissitudes, só faltava mais esta desgraça: - fazer da inocência carne para canhão...Na política externa - Por este andar, não tarda que o velho amigo de Taiwan seja esquecido e torpedado pelo chinês

Por Jorge Trabulo Marques - Jornalista - Fotos de Renato Sena Santos – gentileza para Odisseiasnosmares.com - Estando longe de Lisboa, não podendo hoje associar-me ao Dia Nacional  das mais belas Ilhas do Meio do Mundo, na diáspora santomense, aqui expresso a minha singela homenagem




Independência Total/Glorioso canto do Povo/Independência Total/Hino Sagrado de Combate/Dinamismo/Na luta nacional/Juramento Eterno/No país soberano de São Tomé e Príncipe”- Última estrofe do hino de S. Tomé e Príncipe de autoria da poeta Alda Espírito Santo, (1926 - 9 de Março de 2010)


S Tomé e Príncipe está de parabéns!– Comemora hoje os seus 39 anos de independência. Quase sobre o mesmo dia em que o Presidente, Manuel Pinto da Costa, marca para o dia 12 de outubro as eleições legislativas e para os órgãos do poder autárquico e regional. 





Pelo que depreendo, uma comemoração e uma notícia ensombradas pela denúncia da mais grave afronta ou ameaça àqueles que poderiam ou poderão vir a ser os futuros homens de amanhã. «É necessário que alguns organismos estejam atentos, nomeadamente nos aeroportos, portos e alfândegas do país. Trata–se, de facto, de um fenómeno anormal, estranho e preocupante», declarações do Presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) e Constitucional, José Bandeira,


 
PEDÓFILOS NA ROTA DAS LUXURIANTES ILHAS VERDES  - ONDE PROLIFERAM AS MÃES SOLTEIRAS ADOLESCENTES (12 anos)  Crianças - sem paternidade - transformadas em bandos de meninos famintos de rua, deambulando nos meios urbanos ou rurais, na bermas da estrada, praias e até o interior do mato, em busca de esmolas ou de frutos para se alimentarem.

SERÁ QUE QUEREM  FAZER DESTAS ILHAS   O  PARAISO PREFERIDO DE ABUSADORES SEXUAIS? 

 - Obviamente que para este tipo de turismo, não faltam clientes - Até porque são as inocentes crianças que vão atrás do turista - bem ou mal intencionado - a  estender a mão à caridade e a pedinchar. O  Pesidente do STJ apela à investigação da fuga de crianças no país. Líder do STJ apela à investigação da fuga de crianças no país - Sim, tem razão, impõem-se que haja uma fiscalização atenta e creteriosa da saída de crianças.



Se apenas fosse adoção, o mal não seria tanto esse mas atrás de algumas dessas capas, há sempre um pedófilo à espreita da sua oportunidade 

Na ilha há muitas e tem muito por onde escolher - tal como têm todos aqueles que violam adoldescentes e, impunemente, não são responsabilizados. Dirão algumas mentalidades que a África é assim mesmo. É assim mesmo enquanto houver governantes que  viram as costas ao Povo.

Pois, “as adolescentes de idade compreendida entre os 12 e os 19 anos de idade representam mais de 4% de idade das mães solteiras a nível nacional, atingindo na região do Príncipe 9% - Refere o Instituto Nacional de Estatísticas
 


Era quase previsível que os traficantes de crianças e mercadores de prostituição infantil ou adulta, não iam ficar indiferentes à precariedade das condições de vida da beleza inigualável dos rostos pacíficos e carinhosos das crianças e das mulheres de S..Tomé e Príncipe.  

 


No tempo colonial, não havia roceiro, digno de nomeada,  que não desflorasse o seu cabacinho a jovem de 12, 13, ou 14 anos - E até se gabasse do feito. Os tempos mudam mas não mudam os vícios e as virtudes. Sendo o campeão um tal administrador da  Sociedade Agrícola Vale Flor - (Rio do Ouro) onde também fui escravizado como empregado de mato.   Veja-se o que se passou, há uns meses,  com as acusações que foram feitas a altas figuras, da vizinha Angola, lá pelos brasis! - E as Ilhas de São Tomé e Príncipe - ficam  tão perto!....




"O local ideal para aperfeiçoar a arte da calma”, sugere o canal de viagens da CNN. Para a CNN, São Tomé e Príncipe é um dos dez «destinos de sonho# de 2014 .

 Há muitas agências por onde escolher. Confronte as várias propostas, pois verificará que há diferenças substanciais - 

ANGOLANOS E CHINESES -  DE OLHOS POSTOS NAS ILHAS DO MEIO DO MUNDO

Depois de tantas vicissitudes, ao longo da sua história, quer na colonização, quer posteriormente, só faltava esta: - a entrega do património mais valioso à cobiça estrangeira - Vão as melhores praias, os mais belos ilhéus, as melhores florestas, as roças mais férteis e produtivas - E também já foram leiloados  os principais blocos da exploração do petróleo  - Não se sabe o que dali vai sair mas esse património já foi hipotecado a outros interesses que não os dos santomenses - Tal como, em Portugal,  as melhores empresas públicas e privadas, já são pertença de angolanos e chineses.

MUITO GENEROSOS - QUANDO OUTROS INTERESSES MAIORES SE LEVANTAM


A  VELHA TÉCNICA DA CASCA DA BANANA - GOVERNO SANTOMENSE NÃO COBRA VISTOS, TROCA-OS POR "AJUDAS"

Angola garante mais “uma ajuda financeira” de  180 milhões dólares, distribuídos por três anos - Por seu turno, em compensação, o  Governo de São Tomé e Príncipe vai facilitar a movimentação das fronteira aos angolanos – Os vip, estes, há muito têm cartão verde mas agora é a  todos que queiram desfrutar das suas belas praias ou em viagens de negócios - Passam a poder fazê-lo por duas semanas com isenção de vistos”

O Governo diz desconhecer o número de angolanos que se tem deslocado aos seu país nos últimos tempos, mas, com certeza, que não desconhece quais as entidades, empresários ou empresárias a quem tem  garantido as mais cobiçosas propostas do seu património. Comissão Mista Angola/São Tomé e Príncipe poderá reunir ...

China igualmente de olho em bico - Pelo que se vê, S. Tomé segue pelo mesmo caminho que o trilhado  pelo antigo país colonizado

Por este andar, não tarda que o velho amigo de Taiwan seja esquecido e torpedado pelo chinês  - A menos que a diplomacia santomense opere o milagre que até hoje não foi conseguido: de conciliar irmãos inconciliáveis. 

Claro que este é um problema que não é dos santomenses, o importante é que, ambos os países, criem empregos ou infraestruturas para o seu desenvolvimento – Ou será apenas mais uma incursão de açambarcamento do pequeno comércio e do aproveitamento de outras riquezas? De referir que, ainda recentemente, “O representante da sociedade chinesa, anunciou que o primeiro centro comercial de São Tomé e Príncipe será inaugurado em Dezembro próximo Obras do Centro Comercial avançam



Enquanto, em Portugal, temos milhares de lojas chinesas por todo o país – para já não falar da deslocação das fábricas europeias para a China – S. Tomé, como é uma Ilha pequena, vai ter um único bazar chinês – 

Em Portugal, houve políticos que chegaram a defender esta ideia: o de  remeter o comércio chinês a zonas específicas para salvaguarda  do comércio  local ou nacional.  Mas não foi além de mero palavreado. 

Pois quem é que se opõe à expansão oriental?!... Quem é que, atualmente,  num pequeno país à beira mar plantado,  domina o comércio, e até as empresas mais lucrativas?!,, – Mas será que a culpa é dos chineses  serem ambiciosos, trabalhadores e zelosos como  formiguinhas ou dos governantes ocidentais, em vez de pugnarem pela defesa dos seus cidadãos, preferirem envolver-se noutros jogos pessoais mais aliciantes?




SALVEM-SE AS “BOAS NOTÍCIAS” – “O QUE É POLÍTICA FICA PARA TRÁS" - diz uma novel revista santomense

Pelos vistos, tal é o credito de  que goza a política, que, ontem, Sexta-feira, nas vésperas do 39º aniversário da independência de São Tomé e Príncipe, foi apresentada na Casa Internacional de São Tomé e Príncipe, em Lisboa,  em simultâneo com o  “Debate Africano”, programa radiofónico da RDP África, a  “Santomensidade”, uma revista que promete ter tudo aquilo que são consideradas as boas notícias, o que é política fica para trás, Nova revista quer “dar boas notícias” sobre São Tomé




SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE  - E UM PASSADO QUE SE PERDE NA NOITE DOS TEMPOS

Continua a dizer-se, nalguns compêndios,   persistindo-se  na velha  rábula  colonial - fazendo letra e tese oficial - , de que as ilhas de São Tomé e Príncipe estiveram desabitadas até 1470, quando os navegadores  portugueses João de Santarém, Pêro Escobar e João de Paiva as descobriram na zona do Golfo da Guiné. 

Sendo certo que, as expedições eram privadas e nem  a data da chegada é dada como certa, quando mais afirmar-se que estavam desabitadas.  Ou poderá alguma vez acreditar-se que,  quem lá vivesse, mal visse uns barcos estranhos a aproximarem-se da sua ilha, tripulados por homens que nem sequer eram da sua cor, imediatamente acorreria, de peito aberto e de braços no ar,  ao encontro de desconhecidos, a saudá-los?  - 

Ou, pelo contrário,  não procurariam na densa floresta  esconder-se deles e camuflar a sua presença, buscando abrigo seguro?!... Naturalmente que, além do mais, sempre era mais conveniente aos argumentos da possessão colonial, justificar  que não vivia lá ninguém – Ainda hoje, mesmo quem ali chegue de barco ou de avião, a primeira impressão com que se depara  é a de estar a aproximar-se de um vasto manto verdejante e uma ilha de ninguém.

Seja como for, foi a 12 de Julho de 1975, já lá vão 39 anos – como o tempo passa! – que São Tomé e Príncipe, ascendeu ao palco das nações independentes e soberanas – Um sonho maravilhoso desenhava-se no horizonte dos seus filhos – Passarem de colónia a um país, com governos formados pelos seus próprios cidadãos, com a aprovação de leis de acordo com a defesa dos interesses da maioria das suas populações, e sem a rédea do mando opressivo colonial, sem dúvida, justíssimas as aspirações e justíssimo o sonho

NÃO HÁ FOME EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE, PORQUE A NATUREZA É MAIS GENEROSA DE QUE FOI O COLONIALISMO OU DO QUE TÊM SIDO OS ESFORÇOS POSTERIORES PARA MELHORAR O NÍVEL DE VIDA DO SEU POVO

Todavia, volvidos todos esses anos, uma pergunta se coloca, a um país que depende praticamente da ajuda externa : estará  a vida dos santomenses melhor de que no tempo colonial?.. Embora o saldo pudesse ser melhor; embora o grosso dos seus habitantes continue a conhecer níveis de enormes carências e de elevados  índices de pobreza, segundo as estatísticas vivendo com menos de um dólar por dia,  acredito, que,  pior não deve estar.

– A vida, no período colonial, só era boa para os funcionários mais qualificados da administração, mas sobretudo dos grandes proprietários das roças, que, em Lisboa, engrossavam as suas fortunas, sem ponta de suor, e um bom quinhão para os seus administradores. 

Tudo o mais, quer os empregados de mato – pessoalmente conheci  essa situação - , até os feitores das dependências ou mesmo empregados de escritório, no fundo, dir-se-ia,  que a esmagadora maioria dos negros e também  a quase generalidade  dos brancos, era carne para canhão – Estes só podiam gozar férias de quatro em quatro anos, com os descontos que lhe eram feitos no próprio ordenado. 

Refere um inquérito de 2012, realizado pelo Instituo Nacional de Estatística, que, que “,Dois terços dos são tomenses são pobres - E, no período colonial, podiam contar-se pelos dedos das mãos os santomenses que viviam em chalés.

POBREZA SILENCIOSA OU ENVERGONHADA – TAMBÉM NÓS EM PORTUGAL A TEMOS – ATÉ AO SUICÍDIO

Escreve o santomense, Lúcio Neto Amado, que “ a obstinação silenciosa da pobreza, é uma metáfora que vai ao encontro da máxima popular são-tomense que diz literalmente que «homé kú fómi, dá Dêssu kú fáka», receando, que a obstinação possa "levar o ser humano para um estado exacerbado de desespero” – Sim, é por aí que começam os conflitos sociais. Todavia, não creio que alguém, em S. Tomé e Príncipe, ponha cobro à vida por não poder matar a fome. E em Portugal, isso é pão nosso de cada dia.  

“A Crise aumenta número de suicídios em Portugal. A degradação das condições de vida da população, resultante das medidas de austeridade” #Em países como a Grécia, a Espanha e Portugal, onde os governos adotaram medidas de austeridade, tornaram-se mais comuns os suicídios e surtos de doenças infeciosas”. "O desemprego não só impede a pessoa de trabalhar e de ter um rendimento aceitável, como também destrói as famílias”

            A POPULAÇÃO TRIPLICOU E A TAXA DE ESCOLARIDADE AUMENTOU - NAS DUAS ILHAS – E POR ALGUMA RAZÃO FOI

Enquanto no período colonial, a população conhecia taxas mortalidade infantil elevadíssimas, em cinco a dez crianças, apenas uma sobrevivia, agora,  em 1000, calcula-se que apenas 75 não resistam. Pelo contrário, naquele tempo, as duas ilhas não iam além dos 60 a 70 mil  almas. Agora rondam as 170 mil e a esperança de vida vai a  69,7%  O acesso escolar era muito limitado.


Refere um estudo que, "após a independência, houve um esforço para a alfabetização da população, a massificação do ensino e o aumento da rede escolar para que as crianças de todos os cantos do país e de todos os estratos sociais tivessem acesso à escola, independentemente do sexo. Assim, verifica-se que até ao grupo dos 30-34 anos, as taxas de alfabetização situam-se acima dos 90 % para ambos os sexos, quer sejam do meio urbano ou rural”-

 Há, obviamente, indicadores positivos – Crescimento PIB( 14.6 anual) é melhor do que o português. 

mau é a insaciável sofreguidão do neocolonialismo (que não tem  cor nem raça,  desde  o amarelo, ao branco, ao pardo ou  negro) não olhar a meios para atingir os seus objetivos inconfessáveis - 

Veja-se o  que sucede com  a  industria hoteleira nestas Ilhas – Pagando miseráveis salários de 40 euros mensais, enquanto pedem por o aluguer de um quarto 90 dólares e até muito mais. 

Isto dá  bem a ideia de quanto ainda são os escolhos  para que, ao invés de se privilegiar uma elite egoísta e oportunista,  se salvaguarde  o bem comum . Se garanta o mínimo de condições de vida da generalidade dos seus habitantes..Pois adianta-se também que Cerca de 13% das crianças com menos de 5 anos sofrem de insuficiência ponderal e destas 2% de insuficiência severa", o que significa que os níveis de má-nutrição e sub-nutrição em São Tomé e Príncipe são 6 vezes superiores aos normais”

DAS ROÇAS DA MÁ MEMÓRIA AO SEU DESMANTELAMENTO

É pena que as roças estejam no estado de  quase absoluta degradação  e abandono.

 "Dois arquitectos portugueses inventariaram e estudaram 122 das cerca de 150 explorações de café e cacau de São Tomé e Príncipe. O que resta do antigo império colonial português pode ser um dos eixos estruturantes do futuro deste pequeno país.#Temos 10 anos para salvar as roças de São Tomé e Príncipe

Ao menos poderiam ter-se salvaguardado as suas instalações. Agora o governo quer redistribuir 1500 parcelas de terras abandonadas. Alegando que “Não nos podemos dar ao luxo de ter terras abandonadas neste país, se quisermos combater a pobreza no meio rural Governo são-tomense redistribui terras para combater .

Mas a verdade é que, as gentes do Príncipe e de S. Tomé  - nomeadamente as do cabelo grisalho – tem má memória das roças. O tempo em que a produção do café e do cacau gerou uma  pequena elite nativa próspera, foi de curta duração. 

Sucessivas levas de colonos garimpeiros e da pior espécie,  enviados em situação de degredo, rapidamente se apoderaram das suas propriedades por tuta e meia. Na maioria dos casos,  por simples e abusiva usurpação, a troco de nada. O trabalho forçado nas roças foi a  causa do massacre do Batepá, em Fevereiro de 1953, Muitos santomenses trabalhavam nas roças, apenas o indispensável – Unicamente por uns míseros trocados para proverem algumas necessidades mais básicas.

É verdade que, naquele tempo, era fácil distinguir a roça do branco da pequena gleba do forro. 

Cheguei a trabalhar alguns meses na Missão de Inquérito Agrícola e pude constatar que, salvo a roça do Eng. Salustino Graça – dedicada sobretudo à plantação do ananás e do abacaxi – era quase mato. 

Mas estavam assim por que razão?... Eram tão pequenas que dificilmente poderia compensar outras culturas ou plantações.  que não fosse a de extraírem a madeira para as suas cubatas, colherem os frutos  da fruta-pão, do  izaquenteiro, do Safuzeiro, abacate, mamoeiros, carambola, sape-sape, a pinha das palmeiras ou  coco dos coqueiros, a manga  ou os cachos de bananas dos tufos que cresciam  a espontaneamente. Para tanto, bastava deixar crescer naturalmente a vegetação. 

É hoje inaugurada a IV edição da Feira do Livro de S. Tomé e Príncipe em Portugal
Adicionar legenda
No âmbito do 39º aniversário da Independência de S. Tomé e Príncipe, realiza-se, hoje e amanhã,  a  IV edição da Feira do Livro de São Tomé e Príncipe em Portugal, sob o tema S. Tomé e Príncipe, Rota do Cacau e do Café, que futuro?

O evento é promovido pela Associação das Mulheres de São Tomé e Príncipe em Portugal em parceria a Plataforma Cafuka, ISCTE Instituto Universitário de Lisboa e o apoio  da  Embaixada de S.Tomé e Príncipe em Portugal 

(atualizaçao)
 «Utilizam figura do asilo como estratégia para fazer entrar em Portugal raparigas que são forçadas a prostituir-se pela Europa fora. Serviço de Estrangeiros e Fronteiras tem registo de pelo menos 23 raparigas menores.» «Portugal está na rota dos traficantes de menores .... ..Número de sinalizações de crianças vítimas de tráfico.....SEF acredita que tráfico de crianças vindas de Angola está ...



ASSIM VAI A DEMOCRACIA EM S. TOMÉ E PRÍNCIPE

Parecer de Jorge Miranda contesta governo de iniciativa presidencial em São Tomé e Príncipe - O Presidente da República "deve presidir e não governar" e o executivo deve "refletir a composição parlamentar", refere o constitucionalista Jorge Miranda, num parecer que aponta a inconstitucionalidade do derrube do Governo em São Tomé e Príncipe. Parecer de Jorge Miranda contesta governo de iniciativa

Úlltimas - "Os 6 pescadores da cidade de Neves no norte de São Tomé, que desapareceram no mar desde o último sábado, foram beneficiados com um kit de materiais de navegação marítima composto por Bússola, GPS, reflectores para radar, e bengalas luminosasPescadores desaparecidos deixaram equipamentos de
.

Nenhum comentário :