expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sábado, 11 de outubro de 2014

Eleições 2014: São Tomé e Príncipe na hora de ação - Acalmados os ânimos, esquecida a festa há que passar das promessas à realidade: “mais escolas, saúde, formação, água, energia, mais estradas, proteção às crianças e às mães carenciadas.” Bonitas palavras mas o Povo continua nos limiares da pobreza – Onde vão os tempos da independência total, cá cu pôvô mecê? – Claro, há passos a dar e o orgulho do santomense ter uma pátria, vale mais que todas as riquezas - E já tem uma: o paraíso das Ilhas


Tem 40 anos esta afirmação:  - “Pelo facto de S. Tomé ser pequeno, isto não quer dizer que vá precisar de esmolas" - Declarações de um dirigente do MLSTP - 
Infelizmente é quase do que vive: da dependência, quase total, das ajudas externas - Todavia, é bom não esquecer: 

Alcançou-se a liberdade, deram-se importantes passos  na irradiação do analfabetismo, houve significativas reformas na urbanização e turismo, alguma industrialização, se bem que ainda insipiente, combateu-se o índice mortalidade infantil, que no tempo colonial atingia dramaticamente todas as famílias, deu-se um grande salto no combate às doenças endémicas, houve realmente grandes progressos em múltiplos aspetos e sectores da vida, económica, politica e social de São Tomé e Príncipe - A população, quase triplicou e, e se tal aconteceu foi por alguma razão e, os filhos destas Ilhas, deixaram de ser colonizados, podem orgulhar-se de têm uma pátria e uma bandeira


Já lá vão 39 anos, em que, o Povo de S. Tomé e Príncipe pedia a independência total e acalentava um futuro risonho e mais justo.  

Os mesmos 39 anos sobre a entrevista que me concedeu o Dr. Victor Correia e o Dr. Celestino da Costa – Este que, entre outros cargos ministeriais, haveria de ser  primeiro-ministro e chefe do Governo de São Tomé e Príncipe entre fevereiro de 1988 e o mesmo mês de 1991. . Faleceu em 24/12/2010. hospital de Santa Maria, em Lisboa, vitima de doença prolongada.

Recordo aqui algumas das suas declarações, que então me concedeu, uns meses depois do 25 de Abril, para a revista Semana Ilustrada, de Luanda:  acerca do maior problema de ontem e de hoje: o da perversidade do boato:
  
Dr. Celestino Costa - "Nós temos que nos acautelar com os boatos; eu não acredito que os dirigentes da Associação Cívica, sejam extremistas. Eles tentaram consciencializar a população. Não devemos esquecer que se falou em referendo; ora eles tinham que galvanizar a população para uma independência total Mas, ultrapassada essa fase, julgo que outra vão iniciar uma outra: uma fase da explicação  do que  é independência total; aquilo que a população de S. Tomé e Príncipe terá que  fazer quando obtiver a sua independência". 
(imagem oferecida por Renato Sena Santos ) 
É um facto que os boatos continuam a encontrar o seu campo fértil num meio pequeno como é S. Tomé, provocando algumas perturbações no desempenho da máquina social, política e administrativa.

  Não há violência mas há má-língua. E desse fenómeno se queixam os políticos nesta última campanha. Por exemplo, de   "contaminar a opinião pública"



Seja ou não verdade, o boato foi e continuará sendo, em toda parte, uma arma política. Tem autor mas é sempre anónimo e de origem desconhecida.  Dessa perversidade e maledicência, também não escapa um certo linguarejar nestas Ilhas.

O FACTO DE S. TOMÉ SER PEQUENO NÃO SIGNIFICA QUE LHE SEJA IMPOSSÍVEL ASPIRAR AOS MESMOS SONHOS DOS  GRANDES PAÍSES 



Sem dúvida, era perfeitamente compreensível a explicação do Dr. Victor Correia, proferida há 40 anos  - Pois é do que praticamente vive – De uma quase absoluta dependência externa.  
Dizia ele que,“Pelo facto de S. Tomé ser pequeno, isto não quer dizer que vá precisar de esmolas; nós temos casos de países pequenos que não carecem de terem um exercito, ou mantêm  uma pequena força simbólica e esses países, também pequenos, não tem Universidade. E o caso de S. Tomé, pois não poderá  aspirar a ter uma Universidade. S. Tomé, após a sua independência, estabelecerá acordos com quem entender, a fim de assegurar todos esses aspectos que por si só n:ío poderá; acordos que poderá salvaguardar a sua defesa, sem  efectivamente  ter um grande exército; acordos que poderão assegurar  a formação dos elementos  de S. Tomé  mais capazes  queiram prosseguir cursos superiores".

JÁ ERA  TEMPO DE SE PASSAR À AÇÃO…
 
Os alegres dias de campanha passaram à história. Agora, a fase seguinte  é a de  se irem às urnas e se contarem os votos para que, apurado que seja o vencedor ou vencedores, arregacem as mangas (aliás, nestas ilhas as mangas são curtas, pois há muito calor) e se passe à ação.



Figuras históricas no processo de Libertação e democratização de S. Tomé e Príncipe. 

O entendimento, entre eles tem sido conflituoso, porque, quer o líder histórico do MLST-PSD, quer o fundador da MDFM/PL, são pesos demasiado pesados na politica destas pequenas ilhas; personalidades de um perfil muito forte, cada um arvorando os seus pergaminhos,  pelo que, cada um,  não admite que o vizinho lhe passe em cima. 


Fradique Menezes já disse: "que vai correr com o Presidente da Republica no Palácio do Povo, caso ganhe as eleições com maioria absoluta" -Ora, estas afirmações não anteveem grandes plataformas de estabilidade E então se tiver mesmo que negociar com o partido do Chefe de Estado?...




Quanto a Patrice Trovoada,  filho de outro líder histórico, Miguel Trovoada,  que as sondagens apontam  como provável vencedor e que  se fez acompanhar de deputados portugueses, depois de dois anos com residência em Portugal  -.Sondagem dá vitória ao ADI e a Patrice Trovoada -    , tal  facto gerou alguma controvérsia pelos opositores mas há que reconhecer que é  uma prática corrente nos países democráticos: o convite de personalidades estrangeiras nos comícios políticos - A questão poderia colocar-se era de outro modo, com a seguinte pergunta: o que faz levar deputados a "voarem" tão longe?... Para mostrarem o seu apoio e solidariedade a um projeto de reconhecido mérito ou na mira de se colarem a eventuais projetos de cobiça estrangeira neocolonial? É que isto de política, também tem que lhe diga. E, pelos vistos, há mais quem faça política a pensar no seu umbigo de que no interesse coletivo

CALILÚ  PARA TODOS OS PALADARES

Pelo que me foi dado conhecer através das notícias, nesta última campanha eleitoral, houve episódios para todos os gostos mas certamente mais alarido de que guerrilha. 

Há vozes que vieram publicamente afirmar que a campanha decorreu calma e sem perturbações, outras, pelo contrário, falam em ações de violência, de uma “campanha  entre os apelos  à festa e denúncias de emboscadas”.   

Não acredito em nenhuma destas versões. 

O santomense é um povo pacífico e calmo. É certo que gosta de fazer as coisas leve e leve, moli e moli, contudo, onde há dois santomenses, não há silêncio, porque o santomense é extrovertido por natureza, gosta de extravasar, alto e em bom som, o que lhe vem na alma: discute,  discorde, critica, berra, comenta, entra facilmente em polémicas, afasta governos através da verborreia como quem dá palmadas nos mosquitos.

ERA ALTURA DOS ERROS SERVIREM DE LIÇÃO

Já lá vão 23 governos, com 18 primeiros-ministros, nos 39 anos de independência. É obra!  Era altura de se passar mais ação de que ao palavreado.  O colonialismo não deixou bons exemplos e os movimento do 25 de Abril, também mais não deixou que o pão já desmiolado,    mas, como é sabido, a melhor escola é a da vida:  aquela que se aprende com os próprios erros. Errar é próprio do homem. 



 
Na verdade, o povo de S. Tomé é único no seu género – Não deve haver nos oceanos outras ilhas em que as pessoas sejam tão hospitaleiras e pacíficas para com elas próprias e para com os estrangeiros que as visitam

Pois  quem é capaz de afirmar que, nestas ilhas, alguma vez alguém foi morto ou espancado por razões de natureza política? 

Isso  é quando há coeca metida em sarilho ou  ciumeira grossa -  Só assim é   que pode dar pró torto. Geralmente a vítima é a mulher. 

Mesmo assim, como há muita fruta por onde escolher, pelo que dificilmente o homem de S. Tomé e Príncipe, perde as estribeiras. Há muita mulher bonita e muita beleza nestas Ilhas à mão de semear.

É certo que a maioria esmagadora da população, vive no limiar da pobreza,  e dificilmente pode dar-se ao luxo de consumir produtos importados. No entanto, não morre de fome. Mesmo com as roças completamente desfiguradas, reina ainda muito mato, na floresta não faltam frutos e  porcos , Além disso, o mar é imenso e cerca as ilhas para qualquer ponto para onde se estenda o olhar.

Nenhum comentário :