expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

quarta-feira, 4 de março de 2015

Ilha de São Tomé, afunda-se: desflorestação selvagem, a sul, e queimadas na zona da savana, a noroeste, a par do efeito de estufa a nível global, provocam profundas alterações climáticas, de consequências imprevisíveis, colocando em risco a biodiversidade e as condições vida das populações – Não bastam os "4 milhões de dólares” doados, se internamente nada se modificar.

Texto e imagens de Jorge Trabulo Marques - jornalista e investigador





De nada poderão valer as ajudas monetárias se  a desflorestação e as queimadas prosseguirem – Esse panorama persiste e agrava-se a cada dia que passa. Em queimadas, a noroeste e, em desmatação, selvagem a sul. 


Ao aproximar-me do aeroporto de S. Tomé, quando ali desembarquei, no passado dia 20 de Outubro, a panorâmica que eu esperava se revelasse  de um verde tenro, no litoral do Ilhéu das Cabras a Fernão Dias, mostrava-se-me de um verde seco e torrado, com alguns trechos a fazerem-me lembrar as manchas negras e ardidas de Angola – Diz-se que é por  causa do carvão. Fazem-se derrubadas e queimadas,  de qualquer jeito, sem a menor preocupação ambiental. 




Sabia de notícias que davam conta de que “O manto verde que cobria toda a zona sul de São Tomé, incluindo vastas áreas do Parque Arqueológico do Obõ, santuário de pássaros e árvores endémicas, estava  a desaparecer com o avanço dos caterpílares da empresa 


Algumas das praias poderão desaparecer até ao fim do século –O aquecimento global, atividade vulcânica dos Camarões, exploração dos carbonetos, as principais causas de uma catástrofe à vista e de imprevisíveis consequências.  Mas, a desflorestação em S. Tomé, além de propiciar alterações climatéricas na Ilha, também pode contribuir para o agravar destes riscos.  

O que sucedeu, no dia 31 de Maio - 2014, numa zona costeira a norte da ilha de S. Tomé poderá repetir-se em qualquer altura  - «Nunca vimos coisa igual. Ondas com cinco a seis metros de altura. Apanhou-nos desprevenidos, engoliram os nossos porcos, cães, galinhas, destruíram as nossas casas e o produto do nosso trabalho», disse a agência Lusa, José Ribeiro, um dos moradores no local» - Lusa Mar invadiu vila de Santa Catarina, em São Tomé, e ...
 
 Não se chegou a apurar se se tratou dos típicos tornados que assolam o Golfo da Guiné ou, porventura, dos reflexos de alguma turbulência sísmica nesta região: 


Noutro post, já me referi a esta questão - As ilhas Verdes do Meio do Mundo, são das mais belas e pacíficas  do Oceano Atlântico - e talvez mesmo de todos os oceanos mas erguem-se não muito longe de um dos - sete lugares mais perigosos do planeta - - Justamente na mesma linha sísmica do vulcão do Monte dos Camarões. 
O registo de numerosas atividades tectónicas e sísmicas registadas no Golfo da Guiné fazem vislumbrar riscos de tsunami nos Camarões, segundo o geomorfologista Apollinaire Zogning, pesquisador no Instituto Nacional O Monte Camarões, Camarões expostos a riscos de tsunami, diz cientista - E, porventura,  com reflexos, a toda a área subjacente - Sobretudo, nas áreas costeiras expostas a Norte de S. Tomé – Bom, era que, nestas ilhas, além de se encararem seriamente estes riscos, não se contribuísse para o agravamento de outros, nomeadamente o de profundas alterações climatéricas locais, onde há zonas onde as chuvas já escasseiam, justamente pelo abate desordenado da floresta 







NÃO SE PODE FICAR INDIFERENTE  ESTA DESFLORESTAÇÃO  DESMEDIDA - Justiça trava devastação da zona sul de S.Tomé -  Mas será que travou mesmo?

Já conhecia a desflorestação através de vídeos e de fotografias - Porém, longe de imaginar que a sua dimensão  fosse tão  extensiva - Pelo que me foi dado observar,  a área devastada, ao sul da ilha de S. Tomé,  pareceu-me duplicar ou mesmo triplicar os tais 4000 hectares que  foram concessionados  pelo Estado santomense a um grupo privado 


 Troços de estradas onde a maré cheia invade o asfalto

Vi que existem graves ameaças ambientais, tanto à beira mar como no interior. 

Por exemplo, onde está o recife (ilha), que se situava frente à praia lagarto, que  há 40 anos ficava completamente descoberto? - Sim, no qual os pescadores iam buscar o isco  para a sua pescaria e os veraneantes  se estendiam ao sol. Não só não descobri os menores sinais desse recife espalmado, como, ainda bem pior: vi uma baía, quase  sem margem, com a maré cheia a invadir a estrada e, nalgumas áreas,  com mais cascalho de que areal.  

Bem diferente daquela que fora uma das mais aprazíveis praias – Ornada de coqueiros, por um extenso e suave areal, junto à qual surgiam inúmeros caranguejos verdes, vindos das tocas que esburacavam no mato para capturarem as suas presas.  Eram tantos a atravessarem a estrada, que havia quem se divertisse a esmagá-los com os pneus do carro, sobretudo à noite. Agora, o que se descobre é uma curta língua de cascalho, que entretanto o asfalto vai protegendo, comida pelo avanço do mar, alguns troncos de esguios coqueiros e de outras árvores, que ameaçam ser arrancados a todo o momento, devido às investidas das ondas na própria estrada, também já esta, de onde em onde, bastante comida e esventrada. 

Orlas costeiras comidas pelo mar, colocando em risco habitações, caminhos ou estradas. Então, na estrada das Neves, depois da Lagoa Azul, por mais paredões que ali se façam – e vimos que havia importantes obras em curso – não tarda, que o troço existente, acabe  por ficar submerso e de se tornar intransitável. E se torne necessário  romper as veredas e fazê-la noutras curvas de nível, mais alto. O pior é a insegurança para  as pequenas comunidades  piscatórias, que vivem as suas vidas, intimamente com o mar,  junto de encostas, tão abrutas, e ao mesmo tempo já tão ameaçadas pelo avanço das águas,  as quais, não tendo  outra alternativa onde se alojar, só restará a possibilidade de virem a  transformar-se em aves.  Pois, mas é gente que vive com um pé em terra e outro no mar – E, este, além de ser adverso, lá fora, nas fainas do seu dia, agora, ainda por cima, lhes ameaça o próprio lar, a humilde cubata de madeira.  Antevê-se, pois,  um futuro algo incerto e inseguro. 

A caminho do sul, ao chegar-se à Ribeira Afonso, até há  porcos que, na fase da maré-vazia,  tranquilamente invadem a margem do escasso areal negro que resta para se  refastelarem de marisco, contudo, um observador mais atento, nota que, uns metros mais ao nível do arruamento,  facilmente se apercebe que já  nem as obras de proteção,  igualmente ali levadas a cabo,  poderão  assegurar que as canoas, ali empoleiradas, deixem de ser  arrastadas por um temporal mais agressivo. 

AS ILHAS SÃO AS PRIMEIRAS  PARCELAS DA TERRA A SOFREREM OS PIORES IMPACTOS


Dizem especialistas que “os moradores de regiões costeiras estão ameaçados em todo o planeta – seja em Nova Orleans (EUA), em Roterdã (Holanda) ou em Daca, a capital de Blangadesh, onde a cada ano as águas obrigam 100 mil pessoas a se mudarem”

Mas é  nas ilhas que o  aumento do nível das águas, mais se faz sentir: quer nas ilhas de origem vulcânica, por natureza mais elevadas, quer  nas de formação coralinea  - Muitas destas, já se toraram praticamente inabitáveis.

“A causa é o aquecimento global e o consequente aumento do nível do mar. Desde 1993, o avanço foi de 40 centímetros na região das Ilhas Carteret, cuja altitude mal chega a um metro. Estudos do Instituto de Pesquisa de Impactos Climáticos, de Leipzig, na Alemanha, prevêem um aumento do nível do mar, em termos globais, de um a dois metros até o fim deste século. Ilhas correm risco de afundar - Deutsche Welle

MILHÕES PARA TUDO FICAR COMO DANTES

Referem as últimas notícias que “O financiamento previsto para cobrir o período de 2015 à 2019, no valor de 1 milhão de dólares por ano, está a ser preparado numa altura em que se encontra em São Tomé e Príncipe, uma equipa do CADRI-capacidade para redução de riscos e catástrofes. A equipa veio avaliar o desempenho nacional na prevenção de catástrofes e as capacidades de resposta. 4 Milhões de dólares para combater efeitos das mudanças .


De nada servem uns velhinhos, e umas velhinhas,  sorridentes e de máquina fotográfica ao tiracolo, andarem a dar umas passeatas pelas praias, fotografando aqui, fotografando acolá, arvorados em especialistas quando o objetivo dessas ditas comissões, mais não é de que justificar subsídios – Formalizar toda uma engrenagem de formalidades: de chorudos empregos, a que acedem uns afortunados  e umas migalhas para o essencial

Ainda se ao menos os fundos das ajudas externas, fossem bem aplicados!.... Mas, pelos vistos, tanto em S. Tomé, como em Portugal – e não só – constata-se que, em matéria de subsídios  os exemplos não têm sido os mais edificantes. Vivemos num mundo de ostentação, de egoísmos e de aparências. Os vícios neoliberais espalharam-se como erva daninha por toda a Terra, privilegiando o privado em detrimento do interesse coletivo

Agripalma:  promete 10 mil toneladas de óleo a partir de 2016  - Mas a que preço?

É certo que S. Tomé e Príncipe precisa de desenvolver a sua agricultura, e creio que essa tem sido uma das precauções dos vários governos, todavia  sem grande êxito: a fertilidade do solo e as condições climatéricas são das mais propícias do Globo às  mais diversas culturas tropicais ou mesmo subtropicais e zonas temperadas.

Em S. Tomé existem cinco zonas climáticas distintas, que vão desde a árida, até às super-húmidas, desde de níveis de  queda pluviométrica dos 300mm anuais aos 5.500 mm,  que podem propiciar a plantação de uma alface ou de um pé de couve,  em níveis de altitudes, onde na Europa, eram  impensáveis.
Porém, o que este pequeno país, seguramente deve dispensar, é tornar-se  presa fácil de grupos multinacionais, sem escrúpulos, que outra coisa não visam que  apoderar-se das suas riquezas a troco de umas miseráveis migalhas. 

ANUNCIAR QUE VAI PRODUZIR 10 MIL TONELADAS - MUITO POUCO PARA A EXTENSÃO DE UMA ÁREA DESFLORESTADA – OCUPANDO TALVEZ  O DOBRO OU O TRIPLO  DA QUE LHE FOI CONCESSIONADA

AGRIPALMA, que no fundo é a capa  do  grupo privado belga SOCFINCO, veio anunciar que São Tomé e Príncipe deverá se transformar em 2016 num dos maiores produtores de Óleo de Palma na Região da África Central. Garantia da administração da empresa AGRIPALMA, que depois de lançar palmeiras em cerca de 1900 hectares de terra no sul da ilha de São Tomé, se prepara para construir a fábrica de produção de óleo alimentar...São Tomé e Príncipe. Agripalma quer produzir 10 .....Maior empresa do país promete 10 mil toneladas de óleo
...
Esta noticia seria relevante, se o comportamento da  empresa, em causa, não oferecesse mais dúvidas e suspeições de que motivos de confiança,  tanto noutros países, onde se instalou, como nestas Ilhas -  Quem começa torto, com atropelos ambientais e sociais, em  nome de um grande projecto agro-florestal, gerando, desde logo, forte contestação, dificilmente pode ser tomado a sério

- Há tantos terrenos a noroeste, com óptimas condições para o cultivo de palmares, sem ser necessário desmatar o apetecivel obó

Quando voltei a S. Tomé, 39 anos depois ( de 20 de Out. a 10 de Nov.) uma das minhas visitas obrigatórias era deslocar-me ao sul de S. Tomé, nomeadamente, Ribeira Peixe, Praia Grande e Caué, pois trabalhara ali, como empregado de mato, e, onde, ainda mais tarde, empreendera, com uma equipa de santomenses, a escalada do Pico Cão Grande.

Felizmente, acabei por lá me deslocar por três vezes, graças à colaboração de bons amigos -  Da primeira, a minha intenção era a de aproximar, o mais possível, daquele imponente momento basáltico, que emerge do coração da floresta vigem., e assim procedi, apesar de um dia chuvoso e do o chão enlameado e encharcado – Fui muito além da rodeira donde o jipe de Manuel Gonçalves, me deixou. – Na companhia do Zeca, um santomense que trabalha na Roça de S. João dos Angolares  

De facto, confesso que fiquei profundamente chocado pela extensa desflorestação levada a cabo pelo Grupo Socfinco), que em S. Tomé se disfarça de Agripalma, seguindo os mesmos atropelos ambientais  que vem cometendo nos vários países onde se tem instalado, desprezando  os interesses das populações locais.

A mesma multinacional, que, em 2011, na Serra Leoa, se instalou associada a uma empresa fantoche local, sob a designação Socfin Companhia Agrícola Serra Leoa Ltd. (Socfin SL), num país setenta vezes maior que S. Tomé e Príncipe, selando  um acordo de 100 milhões dólares para garantir 6.500 hectares de terras agrícolas para a borracha e plantações de dendezeiros. Mais uma vez o investimento é lavrado à revelia da população local, expropriando os seus melhores terrenos de cultivo, sob proteção de obscuros interesses  – Com  o Chefe maior e autoridades da Chefia.

Veja-se a cronologia: Um ano depois, "em 1º de dezembro de 2012, donos de terras lesados em 36 aldeias na Chefia, reagem enviando uma carta, através da sua associação local (MALOA), à Comissão de Direitos Humanos de Serra Leoa, denunciando abusos aos direitos humanos, como assédio permanente, agressões e intimidação. Eles declaram na carta que “… não vamos mais permitir que os funcionários da empresa agrícola Socfin e suas máquinas entrem nem operem em nossa terra.” Eles se opõem ao negócio de terras que a empresa fez com o Chefe maior e autoridades da Chefia.

A Socfin Agricultural Company S. L. Limited (SAC) é uma subsidiária da belga Socfin. A SAC arrendou mais de 6.500 hectares de plantações de dendê e seringueira na chefia de Malen, distrito de Pujehunt, por mais de 50 anos, com possibilidade de prorrogação por 21 anos. Apenas metade da indenização de 5 dólares por hectare vai para os donos da terra, enquanto as mulheres simplesmente não são indenizadas. Só são oferecidos empregos não qualificados, por um pagamento muito baixo de 10.000 Leones (cerca de 2,30 dólares) por dia. A expansão das plantações a outros 5.500 hectares em condições semelhantes está em andamento.

Pesquisas feitas por ONGs locais confirmam as denúncias das comunidades e acrescenta que essas comunidades não foram consultadas, não deram seu consentimento sobre as plantações e perderam terras agrícolas. As autoridades locais estão cientes da situação, inclusive de uma reclamação das comunidades de que os funcionários da Socfin destruíram suas plantações de árvores. Apesar das várias iniciativas das autoridades para tratar da situação, as queixas não foram resolvidas.Serra Leoa: plantações de óleo de dendê da Socfin violam .


Artigo Traduzido - " Em 2011, o governo assinou um contrato de arrendamento de terras de 50 anos com a empresa agro-industrial Socfin Agriculture Company Ltd., uma subsidiária da empresa belga Bolloré, para produzir óleo de palma em 6500 hectares de terra no sudeste da Serra Leoa de Pujehun Malen chiefdom.  -Murmúrios de protesto e agitação estão surgindo entre as populações locais, que estão descontentes com a forma como os negócios são feitos sem qualquer transparência  Land deals stir discontent in Sierra Leone as ... - The Progress Report....Traduzir esta página


Maio de 2011 (foto Web) Nicolas Sarkozy, Presidente da França, e seu amigo pessoal Vincent Bolloré, proprietário do Grupo Bolloré.  Socfin é uma subsidiária do Grupo Bolloré
Nicolas Sarkozy, Presidente da França, e seu amigo pessoal Vincent Bolloré, proprietário do Grupo Bolloré. Socfin é uma subsidiária do Grupo Bolloré.

(…) Desfrutando de suporte alto do governo, Socfin começou a trabalhar em abril, com período de arrendamento de terras de 50 anos e arrendamento em cerca de 7.000 hectares de terra privilegiada no Malen chiefdom de borracha e plantação de dendezeiros. A empresa busca mais terras em tribos vizinhas. 12.000 hectares.

(…) No dia 5 de março de 2011, na presença de segurança armada, força o contrato de locação, assinado contra pagamentos de 173,000,000.00 Leones ."As pessoas  sentiam-se intimidados pela polícia armada .  - excerto de The Socfin land deal missing out on best practices - Farmlandgrab…….
 
ACORDO TRAÍDO COM AS AUTORIDADES SANTOMENSES

Admito que quem esteve de boa fé terão sido as inexperientes autoridades santomenses, que se deixaram enrolar nas promessas falaciosas de uma empresa, cujo currículo parece não ser dos mais abonatórios. 

Foi então noticiado, em 10710/2012 . que “O governo de São Tomé e Príncipe assinou um contrato com a Agripalma, cedendo-lhes 5000 ha, ou seja, terra suficiente para que o negócio de venda de óleo de palma se torne rentável. O problema é que a decisão foi inegavelmente mal pensada e agora parece que não há maneira de voltar atrás... Toda a zona corresponde ao local onde se pode encontrar o Ibis, uma das três espécies de aves Criticamente Ameaçadas de São Tomé, e provavelmente a que corre maior perigo de desaparecer  São Tomé & Príncipe: Desflorestação Ameaça Biodiversidade

GOVERNO SANTOMENSE TEM DE SE ACAUTELAR 

Depois de devastarem várias zonas florestais, de se apropriarem das  terras mais férteis e privilegiadas,  em vários países da região centro africana, com apoio do depredador  ex-presidente Francês Sarkozy e outros altos representantes do colonialismo e liberalismo selvagem,   voltaram os seus tentáculos para as pequenas Ilhas de S. Tomé e Príncipe -  De facto,  há necessidade de aproveitar o solo desta ilha, sendo certo que mais de 2/3 estão por cultivar. Mas de modo algum nos moldes intensivos que demonstra o famigerado projeto. Sem o o mínimo respeito pela biodiversidade, pese as afirmações  em contrário

É verdade que, no período colonial, nalgumas áreas da Ribeira Peixe e Novo Brasil,  houve prósperas  plantações de alguns palmares - Trata-se de uma cultura que se dá bem com solos húmidos e aceita relativamente bem a salinidade dos ventos  marítimos. 

 Pessoalmente, ainda participei nalgumas dessas plantações, junto à Praia Grande,  no tempo em que trabalhei como empregado de mato, nestas propriedades da Companhia agrícola Ultramarina -  Mas não foram além de uma área restrita  -  Pois não se compare a cultura do coco ou do dendém  com a do cacau, que requer  árvores de sombra, preservando a floresta, com as plantações dos palmares, que exigem céu aberto e, sobretudo, áreas do litoral.

Então porque não o fazem em Fernão Dias?.. Zona onde, no tempo colonial, existiam excelentes palmares e é a mais adequada, preservando, assim, aquele magnífico parque arqueológico? – Espero, desejo, ardentemente, que o bom senso prevaleça.

FALTA DE ÁGUA – NUMA ILHA EQUATORIAL?

A Empresa de Água e Eletricidade, justifica o racionamento no fornecimento de água à população com a falta de chuva no arquipélago.

O país pode assim estar a ser vítima das mudanças climáticas ou do desinvestimento no setor das águas. (…) “Neste momento para colmatar a situação temos estado a fazer um fornecimento de forma racionalizado, e tem havido algumas reclamações das populações com toda a razãoBrany Cunha Lisboa Falta de água em São Tomé e Príncipe? | Repórter STP ...

Movimento contra a desflorestação no sul de São Tomé e Príncipe« Petição pede suspensão da desflorestação em São Tomé 

"Pequenos avisos como a erosão costeira já começam a ser visíveis. Entretanto para reverter a situação e precaver o futuro, o país vem ao longo dos anos, tomando parte em diversas conferências ambientais e ratificando documentos diretores extraídos destas, como são os casos do protocolo de Kioto, Joanesburgo 2002 ou a mais recente cimeira ambiental Rio + 20. Contributo para o Desenvolvimento de São Tomé e Príncipe .

No tempo da era da pedra, o homem vivia exclusivamente da natureza e com a natureza – Nos tempos que correm, vive-se contra a Natureza: as agressões ao meio ambiente são uma constante. Há cidades na China, irrespiráveis, onde tem que se andar de máscara. 

"Mesmo sem fazer parte do lote de países emissores de gases de efeito estufa, as ilhas de São Tomé e Príncipe são potencialmente vulneráveis a sentir os efeitos mais devastadores da degradação ambiental.

As principais ameaças são o aumento da temperatura e o aumento do nível do mar causados pelo, (aquecimento global).

Pequenos avisos como a erosão costeira já começam a ser visíveis. Entretanto para reverter a situação e precaver o futuro, o país vem ao longo dos anos, tomando parte em diversas conferências ambientais e ratificando documentos diretores extraídos destas, como são os casos do protocolo de Kioto, Joanesburgo 2002 ou a mais recente cimeira ambiental Rio + 20. Contributo para o Desenvolvimento de São Tomé e Príncipe .



Uma  boa notícia“ALISEI e MARAPA, duas ONG ligadas a protecção ambiental, estão a desenvolver um projecto de turismo ecológico, na região sul da ilha d São Tomé, para garantir a preservação do ecossistema considerado bastante vulnerável da região.” Malanza incubador de peixes promove turismo ecológico ...

As mudanças climáticas estão deixando cada vez mais claro que não importa onde se dá a agressão ao meio ambiente, seus impactos serão sentidos em diferentes partes do planeta..Poluição atmosférica na Ásia afetou clima na América do

Veja-se o que acontece no Brasil - É que poderá vir a suceder em S. Tomé e Príncipe

chamada.jpg

“Um dos problemas mais graves do Brasil são os impactos ambientais, visto que o Brasil é beneficiado com a maior biodiversidade mundial. A natureza sofre desde o inicio da colonização, quando nosso litoral foi devastado pelos colonizadores. Matas foram derrubadas, animais foram mortos. Estes estragos se estenderam ao interior rompendo o equilíbrio ecológico com atividades como mineração e criação de gado.

"O Brasil é um dos países recordistas mundiais em biodiversidade, mas não tem se esforçado suficientemente para manter-se como tal. A Mata Atlântica, por exemplo, possui cerca de 20 mil espécies de plantas, sendo 8 mil endêmicas, ou seja, só ocorrem nesse ecossistema e, se elas forem extintas aqui, desaparecerão do planeta. Apesar disso, a Mata Atlântica encontra-se hoje reduzida a cerca 7,3% de sua extensão original." 

Atualmente fala-se em outro tipo de agressão: o impacto ambiental urbano. As cidades estão ameaçadas pela degradação do ambiente. A degradação do ar pela poluição compromete a vida das cidadesImpactos ambientais em biomas brasileiros -

 “A seca está cada vez pior. Até para para construir as cisternas temos que comprar água porque não tem onde pegar em hipótese alguma. Se a gente não comprar, para de construir. Nunca vi na isso na vida, é negócio impressionante”, contou o presidente da ASA (Articulação do Semiárido), organização que congrega mais de 700 instituições do sertão nordestinoSem chuva no inverno, seca se agrava e falta água no Seca, corrupção e incompetênciac.Seca, corrupção e incompetência - Isto


Agripalma acusada de destruir o parque Obô.


(atualidade) "Estradas cortadas, centenas de árvores de fruto e não só tombadas, cacauzal dizimado, e quase que já não existem  bananeiras de pé na região norte da ilha É este o cenário que o temporal do último sábado, criaram na parte norte de São Tomé  -Mau tempo devastou comunidades agrícolas do norte 

Nenhum comentário :