expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sábado, 8 de agosto de 2015

Em S. Tomé – Gente de sucesso numa ilha, que se abre ao Mundo e que continua a ser um exemplo democrático em África - Nem mesmo quando os Deputados da oposição abandonam o Parlamento - Nada que se compare à instabilidade que grassa na Guiné Bissau




Os meios políticos santomenses, seguem com atenta preocupação o desenrolar da situação na Guiné-Bissau – Apontada como bastante inquietante por Miguel Trovoada, um dos dirigentes históricos do MLSTP, Primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe (1975-1979) e mais tarde presidente (1991-2001), que atualmente desempenha, na capital daquela ex-colónia portuguesa, as funções de representante das Nações Unidas ONU considera situação na Guiné-Bissau "bastante inquietante"


Em S. Tomé, por vezes, Gravana um pouco fresca mas ambiente de calmia absoluta. Nem mesmo quando os deputados da oposição, tal como sucedeu nesta Sexta-feira, abandoam o Parlamento -  O que não é novidade alguma, pois o mesmo já aconteceu com o partido vencedor nas últimas eleições ,  quando a ADI (Acção Democrática Independente) não era Governo –

 Porém, nada que se compare ao que vai na Guiné, onde a desgovernação passou de pontual a estado crónico - Ou das convulsões que vão pelo mundo árabe, em muitos outros países de África e em tantas outras partes.  No extremar de ódios sangrentos que, todos os dias,  abrem os telejornais, 

– Estas ilhas, são um prodígio da Natureza e de gente hospitaleira e pacífica  - É o que diz quem as visita ou vem aqui trabalhar. “Não tenho palavras para exprimir o quanto é de maravilhoso S. Tomé e Príncipe. Nos meus 37 anos de vida, nunca encontrei uma terra tão virgem e tão bonita. Aqui há uma calma especial. Pessoas sossegadas, sociáveis! Sociedade Livre! Sociedade Democrática! S. Tomé e Príncipe é um modelo a imitar.  Declarações do   Secretário da Embaixada da Guiné Equatorial, Teodoro Lan Ela Ngui,  numa breve entrevista que, honrosamente, me concedeu, nas vésperas do Dia do Golpe da Liberdade, na  Guiné Equatorial

De facto, S. Tomé, continua a ser um autêntico paraíso – no qual as principais instituições financeiras mundiais,  continuam a ver na estabilidade, politica e social, o seu principal  motivo de confiança. 

Por exemplo, a  última noticia diz-nos que  “A Corporação Financeira Internacional (IFC), agência do Banco Mundial disponibilizou três milhões dólares para investir em médias e pequenas empresas em São Tomé e Príncipe, através de uma parceria com o Banco Internacional do arquipélago (BISTP) – Soube-se quinta-feira em São-Tomé” -

Ilhas paradísicas, não só pelas suas extraordinárias belezas naturais, como pela tranquilidade e  democraticidade, que aqui se vive,  face ao panorama africano e à onda de pessimismo, à crise económica, que percorre o Globo. Sim, é   do que nos falam as noticias. Pois, como dizem os entendidos” qualquer pessoa com um mínimo de conhecimento de economia e finanças, vê  os sinais da crise por todos os lados. Não precisa nem ler revistas e relatórios de consultorias especializadas, basta fazer suas compras mensais em qualquer supermercado Crise Econômica de 2015 já é um fato inevitável -


SALÁRIOS BAIXISSIMOS MAS A CAPITAL NÃO PARA DE FERVILHAR COM JIPES DO TOPO DE GAMA E OUTROS CARROS DE ALTA CILINDRADA.

É o que se pode dizer, um autêntico milagre de sobrevivência: - isto, porque, a  média dos salários, em S. Tomé e Príncipe, ronda os 30 a 40 euros mensais. Um euro vale 25 mil dobras. Por isso, bastam uns poucos euros para se falar em milhares de  dobras ou de milhares de contos. Só que, os preços das produtos importados, vêm aferidos ao valor do euro. – E, realmente, é um bico de obra viver com tão exíguos salários: o que vale  é que aqui não faltam frutos, prontos a colher, ao longo do ano e um mar a toda a volta, com pescaria abundante e peixes das mais diversas espécies –  Aparentemente, o que mais custa encaixar é como é possível haver tantos carros de marca. – Esta é uma observação que se depara ao observador, mais atento - E que, em parte, tem a sua explicação: 

por um lado, devido às facilidades de crédito na compra de carro; por outro, devido ao facto de S. Tomé ser também um país que levou, muitos dos seus filhos, a emigrar mas que,, após a reforma, dificilmente, ficam por lá: Sim, mais tarde ou mais cedo, acabam por regressar à sua pacata ilha, e, tendo reformas acima da media dos seus conterrâneos, gostam de exteriorozar sinais de sucesso.  Claro, que este é também o ponto de vista dos pequenos e médios empresários e funcionários - Mostrar posiçao social.


Sim, longe vão os dias em que, os carros  que davam mais nas vistas, eram praticamente  os jipes das roças e os automóveis dos administradores e feitores gerais – E também as viaturas da tropa, em missão de serviço ou  de certos funcionários públicos, – Agora, a cidade de S. Tomé, fervilha de motas e de carros, a qualquer hora. Ainda na noite passada, aqui mesmo em frente onde estou hospedado, às tantas da noite, com o Palácio do Povo, ao meu lado,  subitamente sou acordado por um enorme estrondo: um carro vai embater violentamente noutro que estava estacionado. Há muito que não presenciava uma tal cena: - Tanto pelo aparato do acidente, como pelas  discussões, que se seguiram. Obviamente, que ninguém foi além das palavras . O santomense é por natureza expansivo mas não tem por hábito ir a vias de factos.


ROSTOS DE UM SÃO TOMÉ E PRINCIPE – LIVRE, DEMOCRÁTICO E INDEPENDENTE

É agradavelmente surpreendente, todos dos dias, deparar com rostos, que, há mais de 40 anos, antes da independência de S. Tomé e Príncipe, no período colonial,   eram adolescentes ou já jovens crescidos, mas, por certo, longe de imaginarem de virem a desempenhar, tão altos cargos – Sim, de virem a ser, tão bem sucedidos na vida – E, curiosamente, nem por isso deixando de cultivar os mesmos sorrisos, tão genuínos e espontâneos, como é apanágio do Povo destas Ilhas – Ontem, por exemplo, quando entro no Serviço de Migração e Fronteiras, onde ia buscar o passaporte, devido ao prolongamento do visto da minha estadia, com quem me cruzo, logo numa assentada?  - Com santomenses, que me conheceram, ainda garotos, e que hoje desempenham altos cargos. Obviamente que fico satisfeito em ver exemplos, tão bem sucedidos na vida. E também eles por estarem junto de alguém que – tal como reconhecem  – foi uma referência de coragem e determinação.

Deparo com  o  Samuel António, atual Comandante Geral da Policia Nacional, filho do  Serafim, que, nos princípios da década de 70, me fez  a primeira escada de corda para escalar o Cão Grande . Diz que o seu pai, com os seus 92 anos, ainda continua a lembrar-se das minhas aventuras, lá pelo coração da floresta virgens do Caué. Outro dos rostos, é  o Major Leopoldo (mais conhecido por Rambo) comandante da Guarda Presidencial –  Outra figura, que subiu igualmente a corda a pulso, é o  Tenente Coronel, Fernando Pereira, Director dos Serviços de Emigração e Fronteiras;Assim, como o  Intendente Kiakizik, Vice-Comandante da Policia Nacional; funcionário do SMF – Na outra foto, igualmente dois santomenses, dignos de exemplo de sucesso pessoal e profissional  - É o caso de António Viegas , Assistente Representante das Nações Unidas para o desenvolvimento e de seu amigo, o Carlos Alberto Santiago, Secretário do Presidente da República.  Naturalmente que todos estes sucessos, mercê da Revoluçao do  25 de Abril  e dos ventos libertadores, que se  lhes seguiram

Tal, como dizia, Manuel Pinto da Costa, no seu discurso de 12 de  Julho: "Herdámos terras e explorações agrícolas, base da nossa economia, abandonada. Uma administração pública desmantelada. Um país sem quadros formados, sem recursos financeiros. Tivemos de construir um Estado a partir do nada”, referiu o primeiro Presidente de São Tomé independente, que governo o país de 1975 a 1990.

Entretanto, muita coisa mudou, segundo o Chefe de Estado santomense, e o arquipélago, de quase 200 mil habitantes, soube “acompanhar essa mudança” e ser “pioneiro em África” na “transição pacífica e tranquila” do monopartidarismo para a democracia multipartidária.


Por Jorge Trabulo Marques - Jornalista 


Nenhum comentário :