expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

São Tomé – Festa da Passagem do Ano 1973/74 – A última da era colonial – Em video, a reportagem da rádio, com algumas imagens da revista Semana Ilustrada, sons dos conjuntos Sangazuza, Quibanzas e Untués e as vozes do então Emissor Regional de S.T.P - Momentos felizes e de euforia que não se iriam repetir no rosto dos colonos, que não esperavam por um 25 de Abril, mas a que a população aderiu com sentimento de alegria e libertação

  Momentos felizes e de euforia que não iriam repetir-se no rosto dos portugueses, ali radicados ou nascidos, que não esperavam por um 25 de Abril, mas a que a população aderiu com sentimento de alegria e libertação -
Claro, dir-se-á hoje que tudo foi muito precipitado, é verdade, com prejuízos para ambas as partes e que podiam ter sido evitados se o regime colonial - antes do 25 de Abril- tivesse compreendido os ventos da História e preparasse uma elite africana - Além de não o ter feito, perseguiu aqueles que pretendiam novos rumos. Promovendo uma guerra inútil com milhares de vítimas.



Era na altura, operador de rádio, no Emissor Regional de São Tomé e Príncipe – Nesse dia, fui destacado para fazer a cobertura, na esplanada da Pensão Henriques, com a comunidade portuguesa, oriunda das Beiras  - o Núcleo Beirão: desempenhava
a dupla função  de operador e de repórter. 


Já lá vão uns pares de anos, porém,  recuando no tempo, até me parece que foi ontem! Tão vivas ainda estão as memórias. Sim, desse dia mas não  das afrontosas represálias,  dos tormentos e brutais agressões por parte de alguns colonos,  que se opunham à descolonização, das más recordações que o Novo Ano, me havia de trazer por denunciar o que era proibido dizer antes do 25 de Abril -  Nomeadamente, os macabros episódios do Batepá. Mas, ainda antes de ter publicado esses artigos, logo a 8 de Janeiro,  sou  afastado, através de um telegrama enviado para a Emissora Nacional, de ser admitido nos quadros da rádio, devido a uma pequena critica a um organismo público, acerca do turismo  - Para já não falar da chantagem do Presidente do Instituto de Trabalho  Acção Social  (pós 25 de Abril) que ameaçara demitir-se do cargo se eu não fosse expulso de S. Tomé.

Sim, completaram-se à meia noite de 31 de Dezembro de 2015,  a bonita soma  de 41 anos, sobre  a última festa da passagem do ano, na era colonial – Era bem mais novo e bem mais sonhador - Dias para dar largas às alegrias e se esquecerem as agruras da vida. Tem sido assim, no dobrar do calendário, quando um ano acaba outro começa: é o renovar das esperanças. A vida tem que se alimentada de ilusões, senão tornava-se insuportável.

Em S. Tomé, a passagem do ano, a bem dizer, até era o grande acontecimento dos 12 meses - Não havia outra data mais desejada - Não havia televisão de canal aberto - salvo a telescola, que, segundo me recordo, era  em circuito fechado, pelo que a rádio era a grande rainha da informação, a estar sempre nos maiores acontecimentos - Fechava os olhos a muita coisa, pois assim lhe impunham as leis da censura, mas nas festas de cortar a fita, no futebol ou nos espetáculos musicais, nunca faltava.   - E, obviamente, que, sendo assim, não podia deixar de fazer a cobertura à passagem do ano 73-74. 

Eu nesse dia fiz de operador de som e de locutor. A vida foi-me muito dificil nos primeiros anos nas roças, como empregado de mato, mas agora, embora em regime precário, tinha outro estatuto - Nas famigeradas  roças, nunca me adaptei: o administrador da Roça Uba-Budo exigia que os empregados tratassem os trabalhadores todos por tu e de forma prepotente a autoritária - Não aceitei; mandou-me de castigo para a roça Ribeira Peixe, a contar cacaueiro velhos numa zona abandonada, com capim que me cobria e infestado de serpentes: - eu não fiquei lá, mas um dos trabalhadores que em acompanhava, esse infeliz, cabo-verdiano, teve morte imediata  aos meus pés.   

Não vou aqui recordar esse calvário; à frente direi mais alguma coisa mas agora do que estou a  falar  é daquela já distante passagem de ano. A cobertura, pela rádio,  naquele dia, era assegurada diretamente  dos salões de várias coletividades: da Casa do Benfica, do Sporting, do Clube Militar e de Santana - Com festas abrilhantadas pelos mais populares grupos musicais da Ilha, com a sua música típica, convidativa à dança, a puxar ao sentimento  e ao “flogá.  O grosso da população, à exceção da pequena elite santomense,   estava à margem destas festas ou então optava pelos "fundões" mais modestos. 
OS SANTOMENSES DIVERTIAM-SE NAS PRAIAS AO NASCER DO SOL

O Povo Santomense tinha também outras formas de  se divertir – Por exemplo, o costume  de, ao nascer do sol, muita gente acorrer às praias, penso que ainda hoje o faz  – Nomeadamente, no Pantufo  e na praia de S. Pedro, na Baía Ana de Chaves  - Muitos aproveitavam para ir dar o seu mergulho e dar largas à sua folia. Fiz  a reportagem de algumas dessas festas para a revista Semana Ilustrada.  Aliás, em Portugal, há também quem faça o mesmo:  não enjeite testar a sua saúde na água gelada do Inverno –  Uma das Praias, já famosa, pelos banhos do fim do ano,   é a de  Carcavelos, no estuário do Tejo. Mas, em  S, Tomé e Principie, como as ilhas se situam no Equador, as águas estão sempre quentes, os banhos, em qualquer altura do ano, são sempre um regalo, um agradável convite a devassar a água cristalina das ondas. 

VÍDEO SONORIZADO COM OS SONS E VOZES DA  REPORTAGEM DA COBERTURA DA RÁDIO – FIM DO ANO 1973/74




O vídeo, editado no You Tub,  é ilustrado com algumas fotos  das muitas  reportagens, sim,  das centenas que publiquei  na revista Semana Ilustrada, de Luanda – A qualidade, não é a melhor mas julgo que, para as gerações dos cabelos de prata, que nasceram em S. Tomé, ou que lá viveram, idos de Portugal, é capaz de  ter o seu interesse, quanto mais não seja, como memória ou documento histórico. Mas até creio que, como motivo de curiosidade, é mais abrangente.

JORNALISTA E OPERADOR DE RÁDIO – NESSE DIA TAMBÉM FIZ REPORTAGEM RADIOFÓNICA –  MAS NEM ASSIM LOGREI SER ADMITIDO NO QUADRO: 

Oito dias depois, fui banido da admissão, por ter levantado a questão da problemática do turismo, na revista Semana Ilustrada -


Um telegrama, enviado para a Emissora Nacional, pelo Intendente do Emissor Regional de São Tomé e Príncipe, Sr. Carlos Dias, pressionado pelo Diretor dos Serviços Técnicos, inviabilizara a minha admissão no quadro:

Instaurou-me um processo disciplinar, devido a um artigo publicado naquela revista – Por ter falado na problemática do Turismo, em S. Tomé  – O Diretor deste serviços, não gostou e lá tive que levar com a ripada: 

Este, como era amigo do Eng. Américo  Freire - um fascista que havia sido enviado pela Emissora Nacional, para reestruturar  os serviços técnicos do Emissor Regional,  instalar uns potentes emissores de Onda Média, para fazer de S. Tomé, um centro de propaganda colonial para a região dos países do Golfo da Guiné e África Central - , obrigou o Intendente Carlos Dias, a enviar um telegrama para Lisboa,  a  anular a minha admissão, que havia sido proposto por ele mesmo à EN. – Ainda teve a lata de me chamar o seu gabinete e  de me confessar: “você disse mal do meu grande amigo, vai-se lixar!... E não o ponho no olho da rua, porque precisamos de você!”

RECEANDO  QUE  PUDESSE SER ADMITIDO - A INFORMAÇÃO TEVE MESMO DE SER ENVIADA  DE URGÊNCIA VIA TELEGRAMA - Este o teor:

"REPARTICAO DOS SERVIÇOS GERAIS DA EMISSORA NACIONAL LISBOA

VIRTUDE DE SUMÁRIO INQUÉRITO SOBRE PROCEDIMENTO OPERADOR JORGE LUIS MARQUES. REFERIDO NSI 1929 12 CORRENTE FECAEEE PELO VEXA NÃO CONSIDERAR AQUELE OPERADOR PARA INCLUSAO ARTIGO  19/0

 CUMPRIMENTOS
CARLOS DIAS ER STP"

PRESIDENTE DO INSTITUTO DE TRABALHO, PRESSIONOU O GOVERNADOR A EXPULSAR-ME DE S. TOMÉ  - COLOCOU  O LUGAR A DISPOSIÇÃO: OU EU ERA EXPULSO OU ELE SE DEMITIA  MAS A REVOLUÇÃO DE ABRIL ESTAVA NA RUA E TROCOU-LHE AS VOLTAS

Naquele mesmo ano, quatro meses depois, surgia o 25 de Abril: passei a poder escrever o que antes me estava vedado,  porém,   só Deus sabe as represálias de que fui alvo: desde pressões para ser expulso de S. Tomé, a bárbaras agressões:  
 A revolução apanhou de surpresa, a generalidade dos colonos. A liberdade de expressão, ainda não era   bem aceite: a  mentalidade colonial,  reinante, não ia mudar de um dia para o outro.  Por isso, caso não viesse  a contar  com a compreensão  e o apoio do então Alto-Comissário, Pires Veloso, estou certo que tinha sido demitido da rádio e expulso para Portugal, tal como foram alguns revolucionários do MLSTP.

A primeira grande pressão partiu do Presidente do Instituto de Trabalho, Previdência e Acção Social, que, em vez de defender os trabalhadores, esteve sempre ao lado dos grandes roceiros e dos patrões mais abusadores 

Chamavam-lhe o cavalo branco, pela sua cabeleira  grisalha e postura autoritária. 

Era uma figura mal vista, sinistra, que passava os fins-de-semana nos banquetes dos roceiros .  Quando tive oportunidade de  criticar a sua atuação, colocou imediatamente o lugar à disposição: ou eu era expulso ou ele se demitia

Dei-me  conta de tal atitude através do Emissor Regional.de S. Tomé e Príncipe, que  difundiu um oficio  emanado da Repartição de Gabinete, dizendo que  uma noticia publicada em Semana Ilustrada, na edição Nª 362, levou o Presidente do Instituto de Trabalho, Previdência e Acção Social, a pôr à disposição do Governo o seu lugar naquele organismo público, o que não foi aceite, segundo o mesmo comunicado, por continuar a merecer a confiança do Governo".


Os jornalistas são sempre as primeiras vítimas, os bodes-expiatórios da ira popular, das guerras e conflitos - Em S. Tomé, só não me lixaram, talvez por milagre - Mas não foi da população nativa que partiram as agressões e ameaças. Aliás, foi no seio desta que eu fui protegido.

A minha sorte foi que,   nessa altura, o governador Cecílio Gonçalves (aliás, uma excelente pessoa) já quase não mandava, visto não se adaptar ao desenrolar dos acontecimentos, tanto em S. Tomé, pelas manifestações da população, que exigia a independência, como em Lisboa,  acabando por  abandonar  a colónia - E,  quem o veio a substituir, não quis embarcar nas pressões pró-coloniais dos roceiros e de Spínola, optando por criar condições para que o processo da descolonização, decorresse, pacificamente  sem derrame de sangue.  Tal como escrevi neste site, em -  http://www.odisseiasnosmares.com/2014/08/general-pires-veloso-e-hoje-sepultado.html  

“NÓS E O PRESIDENTE DO INSTITUTO DE TRABALHO

Eis outro excerto da cópia do ofício que foi enviado para a Semana Ilustrada
Da Repartição de Gabinete do Governo de São Tomé e Príncipe, recebemos o seguinte oficio: 


Incumbe-se Sua Excelência o Encarregado do Governo de solicitar, nos termos do art, 414,  do E.F.U., a transcrição seguinte comunicado na Revista da mui digna direcção de V. Exa, como mesmo destaque e na mesma página em que  a noticia foi publicada;

Sob o título: “Nós e o Presidente do Instituto de trabalho” , e assinado por Jorge Trabulo Marques, publica o número 366 da revista “SEMANA ILUSTRADA”, um artigo me que se produzem várias afirmações que põem em causa a actuação do actual Presidente do Instituto do Trabalho e Acção Social desta província

 NÃO CEDI ÀS AFRONTOSAS AMEAÇAS E  CHANTAGEM

Apesar das  prepotentes ameaças, nunca  me deixei atemorizar  – E voltei à carga:  Eis  a passagem da minha resposta:  (…) "Pelo que nos parece, o Presidente do Instituto de Trabalho, Previdência e Acção Social, não se tem conformado com verdades que lhe apontamos ( e verdades quem gosta que lhas digam?) facto que até o levou a colocar o seu lugar a disposição do Governo(atitude esta que nos deixa um bocado confusos}  vamos pois dar-lhe conhecimento de mais qualquer coisa. Até para  defesa do seu prestígio pessoal, que mais não seja.


Não sei se V. Exa já tinha dado conta que não goza de  muitas simpatias em S. Tomé. (no  Príncipe, não sei o que lá vai). E parece-me que afinal não só das classes trabalhadores com até de certas entidades patronais, para as quais, V. Exa, não vem tomando idêntico critério que usa para com outras. 


Por· outro lado, o seu pessoal, os funcionários que estão sob as suas ordens, igualmente, grande número deles não gostam de V.Exa. Nem confiam em V. Exa. Disseram-nos que tem sido muito injusto para com eles. Que não se tem interessado nem utilizado o mesmo critério para todos no que respeita a promoções, e, consequentemente, compensação  dos seus serviços. Se V.Exa.  não sabia disso então fica desde já sabendo. Mas é muito natural que, quando o senhor ler estas linhas, parte dos seus subordinados, já se tenha manifestado e feito compreender perante a sua pessoa: pois já nos disseram que iam marcar uma reunião com V.Exa.


No que respeita à calasse dos trabalhadores,  vários têm sido os trabalhadores  que se nos têm vindo a lamentar da sua pessoa. Não pretendemos apontar ninguém, até porque não é essa nossa função. Ainda, há dias, por exemplo,  um trabalhador de uma roça veio ter connosco dizendo que tinha sido despedido sem justa causa da propriedade onde  trabalhava. Ainda por cima lhe passaram uma guia (cuja fotocópia temos connosco ) para efeitos. de apresentação às entidades  oficiais, em que se referia que o dito trabalhador  se havia despedido, mas tinha sido precisamente o contrário, segundo ele próprio nos declarou.” – Excerto


Foto publicada na Revista Semana Ilustrada
AS BRUTAIS PERSEGUIÇÕES  E SELVÁTICAS AGRESSÕES FÍSICAS DE COLONOS FASCISTAS -  DE ELVÍDIOS,  DUARTES E OUTROS VIVEIROS  DO MESMO ESTILO



-Vindas de indivíduos que ainda hoje se gabam no Facebook das sórdidas patifarias, que me fizeram  - Os mesmos que se opuseram à descolonização de S. Tomé e Príncipe, e que hoje têm lá empresas a desfrutarem  dos benefícios de um Povo Livre e Pacífico .

ANTIGOS COLONOS OS MAIORES ADMIRADORES DOS DO NOVOS COLONIALISTAS NEGROS  - AINDA HOJE SE GABAM NO FB DAS SUAS PATIFARIAS – Vomitando ódio e falsidades –Ninguém destruiu placas nenhumas  “ Manuel Correia:  Sabem porquê que eu e o Elvido, lhe cortamos o cabelo? PORQUE, NA MANHÃ DE O3 DE FEVEREIRO DE 1975, ELE E UM GRUPO DA CIVICA, PERCORRERAM AS RUAS DA CIDADE DE S.TOMÉ, DE MARRETA NA MÃO, COM ELE A COMANDAR, A PARTIREM TODAS AS PLACAS TOPONÍMICAS QUE CONTINHAM REFERÊNCIAS PORTUGUESAS. Não sabiam ??? E que o menino chorou baba e ranho, a implorar que não lhe cortássemos as lindas madeixas loiras . . Curtir · Responder · 2 · 12 de agosto às 06:29   Veja quem são  https://www.facebook.com/elvido.ricardodeviveiros?fref=ts.....https://www.facebook.com/manuel.sebastiao.75?fref=ts



 Outro dos felizardos do regime colonial, um tal Duarte que auferia bons ordenados nas Obras Públicas, com uma duplicidade de tachos. 

  EM S. TOMÉ, OS PIDES NÃO ANDAVAM DISFARÇADOS - ATÉ VESTIAM FARDA À CHEGADA DOS AVIÕES E DOS BARCOS



Naquela altura - e já lá vão 40 anos - dizia-se por lá que. um dos que agora me ataca pelas costas - pois no Facebook não faz parte do grupo dos meus amigos  - era  bufo da PIDE - - Vi-o muitas vezes, nos bares da cidade, nas caveiras com os seus amigos, e até a cavaquear com os PIDES, mas nunca foi pessoa das minhas relações. Creio que nunca cheguei a falar com ele.  Não fiz caso do que  então se dizia. 

Embora soubesse que a PIDE era eficiente na sua rede de informadores (tal como em todo em todo o lado e até  nos seus espancamentos - a mim fizeram-me isso, após a minha ventura ao Principie), no entanto,  pelo menos da fama não se livrava..  





Num tempo  em que ninguém podia expressar-se livremente, era natural que a desconfiança se sobrepusesse às certezas. . Porém, neventualidade de ser verdade,  , lá terão ido, certamente, alguns santomenses a bater com os costados nos seus calabouços, tal como a mim me fizeram, como prémio da minha aventura ao Príncipe. Pois, naquele tempo, os bons tachos só os obtinham os subservientes do regime.

Não era tido como pessoa muito simpática. Valia-se mais da sua posição social, de que propriamente da forma como se relacionava. - Pois, entre outros cargos,  chamava a si a função de examinador das cartas de condução: ótimo posto para sondar confidências e passar nos exames -   Contudo, quando acompanhava o Presidente da Câmara, o então Dr. Pinto Coelho (este sim, até era uma pessoa afável), parecia um cordeiro atrás do pastor, desfazendo-se em mesuras e sorrisos. Aliás, é postura que ainda hoje parece cultivar: a das aparências e de se juntar sempre à carruagem VIP

DEPOIS DO 25 DE ABRIL, A TROPA FEZ A LIMPEZA DO CONTEÚDO DOS PROCESSOS INSTAURADOS PELA PIDE - E SE NÃO FOSSE A SEMANA ILUSTRADA, ATÉ PARECIAM QUE ESTAVAM A GOZAR UMAS FÉRIAS





Atualmente, mesmo que se queira fazer uma investigação, em relação à atuação da PIDE; em S. Tomé, penso que não é possível: tanto  pelos condicionalismos da lei, como  pelo facto dos arquivos terem sido todos limpos. Assisti ao transporte dos armários.dos arquivos

Como fui preso, quis saber o que constava da minha fixa, só lá descobri as capas do processo: - A tropa, subordinada ao  Comando Territorial Independente,  foi lesta em defender a PIDE  -  

Se não fosse uma manchete da minha revista, os agentes da PIDE continuavam a passear.se por lá, como se nada tivesse  mudado - Pena não terem chegado algumas edições  a Portugal, após o 25 de Abril. 

Aliás, numa certa manhã, um dos PIDES,, sentado com outros PIDES, ao lado da minha mesa, na esplanada do Rialto, afirmava, de expressão risonha, alto e em bom para que toda a gente o ouvisse: "eles vão precisar também de nós!" - E toca de entornar cervejas para as gargantas - Curiosamente, lembro-me que nessa mesa, até estava o tal Duarte, mais bebericando e  rindo do que falando - Mas, como toda a gente os conhecia, muitos colonos conviviam com eles.

Só depois de um artigo de minha autoria, alertando para a provocação da sua ostentação pública, é que então foram mandados para a Quinta de Santo António, a mesma que havia albergado as crianças do Biafra. Essa minha consulta, na Torre do Tombo, ainda ocorreu em boa altura, ou seja, antes de algumas forças políticas, aprovarem leis restritivas. 

COLONOS APÓS INVADIREM O PALÁCIO DO GOVERNO E INSULTAREM O GOVERNADOR MAL ME VIRAM NAS IMEDIAÇÕES, UMA AUTÊNTICA MULTIDÃO DESATOU A CORRER ATRÁS DE MIM  

.. SE ME APANHASSEM,  TERIA SIDO DEGOLADO E DESFEITO!...  - Em toda a parte os jornalistas são sempre as primeiras vitimas da ira popular, da intolerância e do ódio - Em todos as  guerras e conflitos - Mas não só.

Um total de 110 jornalistas foram mortos em todo o mundo em 2015, informou a ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF) nesta terça-feira (29), destacando que a maioria foi vitimada por causa de seu trabalho em países supostamente pacíficos.Mais de 100 jornalistas foram mortos em 2015,....Os países onde mais morreram jornalistas em 2015 -.....Dois jornalistas mortos a tiro em direto nos EUA.................Brasil registra o maior número de jornalistas assassinados ....
..

Os jornalistas são sempre as primeiras vítimas. os bodes-expiatórios da ira popular, das guerras e conflitos - Em S. Tomé, só não me lincharam, talvez por milagre - Mas não foi da população nativa que partiram as agressões e ameaças. Aliás, foi no seio desta que eu fui protegido

Por duas vezes todos os pneus à navalhada
39 anos depois
Naturalmente que não posso culpabilizar a generalidade dos colonos portugueses  pelas  suas atitudes intempestivas: - os brancos foram apanhados de surpresa pelo desenrolar dos acontecimentos e andavam muito nervosos, receando pelo seu futuro.   Ninguém os molestou fisicamente  - E a única vida que se perdeu, até foi a de um santomense, com uma bala da tropa: o acidente ocorreu  a 6 de Setembro:  Rodrigues Pinta de 59 anos, estivador, conhecido por Giovani, foi morto "por uma bala perdida" durante uma manifestação acalorada no Bairro do Riboque - 

Nesse mesmo dia, .Paulo Ferreira, um soldado de 23 anos da Companhia de Caçadores de S. Tomé e Príncipe,   morreu num brutal acidente de viação, quando a sua unidade regressava da roça de Santa Catarina.

As constantes manifestações populares, reclamando a independência, causavam-lhes alguma instabilidade. Ora, nestas coisas, como geralmente acontece, nos conflitos, os jornalistas são sempre as maiores vítimas, o bode expiatório da situação  - Enquanto em Angola, havia uma guerrilha declarada, que ceifava já milhares de vidas de parte a parte, em S. Tomé, a luta era diferente - O povo é por natureza pacífico. Em São Tomé e Príncipe, não existia criminalidade, senão esporadicamente e mais do foro passional - Apesar da população ter sido tão sacrificada ao longo dos séculos, à exceção das revoltas do "angolares" (etnia, dedicada especialmente à pesca),  os maiores problemas, com que a colonização portuguesa nas ilhas, se teve de bater, foi com os corsários franceses e holandeses.

 Mas a  verdade é que havia um movimento silencioso mas ativo. O  MLSTP , que começou estar sediado em Fernando Pó e depois se transferiu para o Gabão,  fazia as suas emissões de rádio, em dialeto e  também atuava no interior das ilhas ( em reuniões sob o maior sigilo, a PIDE andava à coca e, de volta e meia, prendia e espancava. - Tais factos estão hoje suficiente documentados e descritos. Os colonos é que desconheciam essas aspirações: julgavam que a guerra, em Angola, não lhes dizia respeito - E, a bem dizer,  do desfecho desta dependia  também o futuro de S. Tomé e Príncipe - E foi justamente o que sucedeu, com a revolução do 25 de Abril  "Nem mais um soldado para a guerra" - E, a partir daí, não havia outra solução que não fosse a dos acordos, em Argel,  para dar a independência às colónias - Há quem diga que foi mal feita - Sim, dito sobretudo por aqueles que, alheios à mortandade dos soldados e dos guerrilheiros, apenas olhavam para os seus interesses pessoais.  

Por conseguinte,  quando o Povo Santomense, teve oportunidade de  sair à rua e se manifestar, exigindo abertamente a independência, fê-lo calorosamente, mas sem atos de violência - No entanto, para os colonos, tais manifestações eram entendidas, como uma ameaça à sua continuidade nas Ilhas. De certo modo, é verdade - as roças, principal fonte da exploração colonial, nunca serviram o povo santomense mas os donos dessas grandes propriedades, que viviam refasteladamente em Lisboa: os chamados turistas da Gravana, que só ali iam a dar umas passeatas e a banquetear-se em lautas jantaradas - Salvo o administrador, o chefe de escritórios e o  feitor-geral, em cada roça, o resto, tanto empregados brancos, como trabalhadores, não passavam de escravos: pessoalmente, passei por esse dura experiência.

ESPALHARAM-SE POR TODAS AS RUAS - O  QUE ME VALEU FOI TER DESCOBERTO A ESCADA DE UMA PORTA ABERTA E REFUGIAR-ME NO TELHADO DESSE PRÉDIO

MESMO ASSIM, QUANDO CORRIA À SUA FRENTE, AINDA LEVEI COM UMA PEDRA NA CABEÇA e outra nas costas - Depois de descarregarem toda a ira e ódio na minha modesta viatura, furando-lhe os quatro pneus à navalhada, arrombara-me a casa, partiram-me tudo: escaqueiraram-me a máquina de escrever, onde nem sequer ficou um simples copo inteiro para beber água - Não satisfeitos com a malvadez, deixaram uma forca pendurada na porta, e, na parede ao lado,  uma cruz desenhada e a inscrição: " a morte sanciona cada traidor".

TIVE QUE ME REFUGIAR, EM CASA DE UM SANTOMENSE: dos pais do Constantino Bragança, que, tendo assistido à perseguição, se deslocou à noite ao local para me colher no seu modesto casebre, algures no mato: Sr. Jorge! Pode descer, que os brancos foram todos para o quartel da Polícia Militar e do Cinema Império e venha para a minha casa"


 
A minha casa ficou irreconhecível, num monte de destroços. Como não me apanharam lá no seu interior,  deixaram-me à porta  o laço da prometida forca de corda. Pelos vistos, em qualquer parte do mundo, os jornalistas são sempre as primeiras vítimas. É neles que descarregam todos as iras e ódios. Ainda hoje, ao escrever estas linhas, se me toldam os  olhos, tal os maus momentos por que passei. Ao meu modesto carro, por duas vezes, lhe furaram os pneus à navalhada.- Não me importo de ser confrontado com os elementos  da natureza mais hostil, mas ser  atingido pelo ódio humano é mil vezes pior!...Não é medo é um sentimento de profunda tristeza e revolta.

 VÍDEO DE HUMOR, ROSTOS, PAISAGENS  E MÚSICA DE SÃO TOMÉ – “Turista Americano” entrevistado pelo “Emissor Anfíbio do Pantufo” – Memórias do ERSTP de há 42 anos –





Programa de Humor com desfile de rostos e panoramas maravilhosos de S. Tomé, e , por fim, com  a audição de um antigo trecho  de música típica santomense . Acompanhe-nos na entrevista, que eu próprio fiz a   John da Purificação Semith”, o “Turista Americano” que descobriu S. Tomé, em 1973 para  visitar a ilha e escalar o Pico Cão Grande  - Uma rábula de humor, transmitida num programa radiofónico, do extinto Emissor Regional de S. Tomé e Príncipe, que aqui lhe recordamos,   com várias imagens da Ilha, que eu registei 39 e 40 anos depois de ter partido numa canoa para tentar  a travessia de S. Tomé ao Brasil


COMO LOGRARA PASSAR DE HUMILHADO EMPREGADO DE MATO A JORNALISTA

Fora admitido a  operador de Rádio, a nível de um regime precário, salvo erro, em 1971 –  Lograra entrar para a rádio, no seguimento dos meus artigos publicados na Semana Ilustrada, de Luanda – Deu-se a feliz coincidência, de, após a minha travessia de canoa de S. Tomé ao Príncipe, em Fevereiro de 1970, se encontrar o chefe de redação daquela revista, em S. Tomé, que, ao tomar conhecimento da minha aventura, me convidou a fazer o relato na referida publicação, que acabou por ser ali  editado em quatro edições, situação que iria dar novo rumo à minha vida em S. Tomé

Dois meses antes, ou seja, na véspera do início das comemorações da descoberta da Ilha pelos navegadores portugueses, havia realizado a ligação de canoa, da cidade até à praia de Anambô, onde se encontra o padrão dos descobrimentos, sim, porque, embora o regime colonial, já me houvesse dececionado bastante, com os abusos e as prepotências nas roças, eu continuava a admirar a coragem dos homens das frágeis caravelas, que haviam sulcado os vários oceanos. Em sua homenagem (mas também como um teste para outras aventuras mais arrojadas, e com outros propósitos) decidira empreender a tão arriscada ligação,  indo ali desfraldar  a bandeira portuguesa, ao lado daquele monumento histórico.  

O facto mereceu relevo na imprensa local, o mesmo não sucedeu, quando, um mês depois parti de canoa, clandestinamente, largando à meia-noite, da Baía Ana de Chaves, disfarçado de pescador. No regresso, ao desembarcar do avião, fui espancado pela PIDE e encarcerado, por ter sido tomado como desertor. A Voz de S. Tomé, limitou-se  a umas escassas linhas, a citar o correspondente da EN, que havia dado a noticia para Portugal

Contudo, mesmo assim, o   bastante para o  chefe de redação, da Semana Ilustrada, Sr. Mourão de Campos, se aperceber que a minha aventura era merecedora de outro destaque.  

 As reportagens tiveram um grande impacto e, mercê dos meus dotes literários,  fui então convidado a continuar a colaborar, ao mesmo tempo que trabalhava como Técnico Agrícola, na Brigada de Fomento-Agro-Pecuário, na tentativa de ali concluir o meu estágio de Agente Rural, já que fora este o motivo que, antes da tropa, aos 18 anos, me levara a embarcar para  S. Tomé,  o que não conseguira nas roças, onde não me adaptei  

Mais tarde, deixei aquele organismo e pude então entrar como operador de rádio, naquela estação e desenvolver, com mais tempo e oportunidades, a função jornalística  .

Alguns dos meus artigos, não chegaram a ser publicados, foram-me devolvidos com o risco da  censura – Mesmo assim, apesar dessas limitações repressivas, pude publicar ainda  muita coisa    Com o 25 de Abril, as liberdades de expressão foram instauradas, e, obviamente, os meus artigos passaram a incomodar as mentalidades que não aceitavam a descolonização e novos ventos da história. Fui vitima de feroz perseguição por alguns colonos, de traiçoeiras e cobardes agressões, ao ponto de ter que me sair da ilha, numa canoa,  com destino à Nigéria: eu já andava há algum temo com o desejo de fazer essa viagem para comprovar que as canoas poderiam fazer longas travessias, entre a continente e as ilhas  e terem sido os primeiros povoadores, pelo que, em vez de procurar sair de barco ou de avião,  aproveitei para o fazer de canoa. Uns meses depois, no mesmo ano, voltei a São Tomé, já país independente, para empreender um teste, ainda muito mais ousado: a travessia de S. Tomé ao Brasil. Não vou agora aqui descrever os pormenores, desses longos e atribulados 38 dias, pois, já os relatei neste site, e tal me levaria longe.  

SEMANA ILUSTRADA – O ÓRGÃO DA IMPRENSA ESCRITA  - DO EXTERIOR – QUE MAIS PÁGINAS DEDICOU A S. TOMÉ E PRÍNCIPE, ANTES E DEPOIS DO 25 DE ABRIL

A Semana Ilustrada, era muito apreciada e popular, nas Ilhas Verdes do Equador, tanto pelos santomenses, que a chegaram até a homenagear, como pela comunidade portuguesa – Esta só nos deixou de apoiar, quando passamos a publicar artigos das manifestações pró-independência e dos massacres do Batpá   
   
Adicionar legenda
Nunca nenhuma revista ou jornal dedicara tanto espaço nas suas páginas, como a Revista Semana Ilustrada – por duas vezes, até houve uma casa comercial, a Firma Alves e Ribeiro Lda, que decorou as suas montras com as capas da nossa revista -  A iniciativa partiu do então jovem, de 18 anos, Horácio  de Sousa Ribeiro, empregado na referida loja, que, com agradável surpresa, quatro anos depois, viemos a reencontrar na bancada do Estádio da Luz, no exercício da nossa atividade jornalística, nomeadamente,  na reportagem fotográfica – Naturalmente, que foi um momento de  calorosa surpresa e emoção, que aqui registo,  com  muito agrado, com a evocação do passado e do presente.

De recordar, que,  quando a TAP resolve suspender as suas três carreiras e passa a operar apenas um voo, foi a manchete deste semanário, que obrigou, aquela empresa pública, a repor os mesmos voo.  Nas Ilhas, o único banco era o Banco Nacional Ultramarino – E foi um artigo, igualmente de minha autoria,  com as declarações de  vários comerciantes e industriais, que levaram a que fosse autorizada a abertura de um Banco Comercial. E tantas outras coisas: a elogiar, quando achávamos que o devíamos fazer, e,    quanto a criticas, aquelas que a censura nos deixava passar – O que nem sempre sucedia, pois vários foram os artigos que me foram devolvidos pela redação com o  bisturi da censura. 

Obviamente, que, com a libertação do regime ditatorial, o que é que se esperava?... Que continuássemos a ter que medir bem as palavras? – Por nossa parte, não hesitamos: entendemos que o caminho era o da democracia e da libertação do domínio colonial – É um facto que, muitos erros se cometeram, num pais que ensaiava os primeiros passos do seu próprio caminho, e, então, em Portugal, não se cometem ainda grandes erros, hoje? – Por nosso lado, não nos estamos arrependidos dos que escrevemos. 


Nenhum comentário :