expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Alpinistas e investigadores portugueses e do Canadá, em S. Tomé, para eventual escalada do Pico Cão Pequeno, onde contam hastear as bandeiras nacionais de Portugal e de STP, uma visita de reconhecimento do Pico Cão Grande e colaborarem nas pesquisas históricas, com Jorge Trabulo Marques, na orla marítima



                           




antigo punhal resgatado do mar








Encontram-se, na cidade de S. Tomé, desde esta última terça-feira, duas equipas de alpinistas e investigadores ( dois casais ) especialistas em escalada e mergulho submarino, para uma visita de estudo ao sul da Ilha, com eventual tentativa do Pico Cão Pequeno e, em colaboração, com Jorge Trabulo Marques,  participarem  nas pesquisas, que, desde há dois anos, tem sido realizadas, por este investigador e jornalista, nomeadamente em Anambô, onde é suposto ter começado a colonização portuguesa



Ministro da Educação,  Cultura e Ciência,  com os alpinistas
As duas equipas contam com o apoio da  Presidência da República e do Governo – e também da Embaixada de Portugal, a cuja Embaixadora já foi comunicado, informalmente,  o seu projecto .  –Visto ser também seu desejo dar uma palestra do Centro Cultural Português

(Actualização) RECEBIDOS EM ENCONTRO INFORMAL PELO PRIMEIRO-MINISTRO PATRICE TROVOADA - E ainda pelos Ministros da Juventude e desportos, Marcelinho Sanches e pelo Ministro da Educação, Cultura e Ciência, Olinto Daio 


 Ontem, participaram na Marcha da Liberdade, do 3º de Fevereiro, e foram cumprimentados pelo Primeiro-Ministro Patrice Trovoada, Ministro da Educação, Cultura e Ciência, Olinto Daio e pelo Ministro da Juventude e do Desporto, Marcelino Sanches  

Primeiro-Ministro, Patrice Trovoda, encontro informal 
O tempo da Gravana (verão em Portugal) é  mais propício de que na época das chuvas – Se as condições atmosféricas, o permitirem, vão tentar hastear as bandeiras nacionais de S. Tomé e Príncipe e de Portugal, no cume do Cão Pequeno –  E ir até ao sopé do Cão Grande para uma visita de estudo  - A bandeira portuguesa, trouxeram-na de avião; a de S.T.P, foi oferecida pelo Coronel Victor Monteiro, Diretor do Gabinete do Presidente da República

A referida equipa, que conta permanecer dez  dias na Ilha de S. Tomé, é constituída por Paulo Ferreira, Engª de Ambiente; Duarte Calheiros, médico oftalmologista; Rogério Alpine Morais, Ciências Sociais, formador na Associação Desnível, em Cascais, http://desnivel.pt/actividades/curso-alpinismo-n1-2015/ , todos naturais de Lisboa e Catherine De Freitas, de nacionalidade canadadiana, Design gráfico residente em Portugal, há vários anos – Ambos, dedicados investigadores e com um vasto currículo, em mergulho marítimo e  de escalada nalguns dos picos mais difíceis em várias partes do mundo


Esta iniciativa, que é inteiramente costeada por sua livre vontade, começou a ser delineada, em Novembro passado, durante a palestra, sobre os 40 anos da escalada do Pico Cão Grande.que teve lugar na Casa da Gruta, em Cascais, sede da Associação Desnível

Tal o entusiasmo gerado  à volta da escalada do Pico Cão Grande, associado às maravilhas da paisagem de S. Tomé e Príncipe, que ficou a pairar o desejo de ali se deslocar uma equipa de alpinistas desta associação para concretizar a segunda escalada do Pico Cão Grande, depois de quatro tentativas goradas por outras equipas – Casa da Gruta, em Cascais, encheu para ouvir falar da . Mas para já, o objetivo é apenas de pesquisa de estudo, de reconhecimento deste pico e de eventual escalda ao Pico Cão Pequeno


No final da visita de estudo, será dada uma palestra no Centro Cultural Português - A Presidência da República, e os membros do Governo, a quem foi dado a conhecer este projeto, mostraram-se disponíveis a dar o seu apoio 

Nenhum comentário :