expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sábado, 27 de fevereiro de 2016

Este fim-de-semana – S. Tomé e Guiné Equatorial – dois presidentes em diálogo privado - Manuel Pinto da Costa, em Malabo, a convite do seu homólogo Teodoro Obiang Nguema Mbasogo – Cortesia oferecida no avião presidencial, que o transportou esta manhã para o Aeroporto Internacional Mongomeyen - Encontro que surge alguns dias depois da visita relâmpago de Patrice Trovoada a Malabo

Por Jorge Trabulo Marques - Jornalista e investigador 


“O diálogo será sempre um instrumento fundamental para unir as diferenças, enriquecer a diversidade e encontrar caminhos comuns que mobilizem as energias da Nação para vencer os desafios do século XXI” – Palavras  proferidas pelo Presidente Manuel Pinto da Costa, no dia 12 de Julho de 2015, no discurso comemorativo do 40º aniversário da independência de São Tomé e Príncipe

Pelos vistos,  este terá sido um dos motivos, que, neste fim-de-semana, junta os presidentes da República Democrática de São Tomé e Príncipe e da República da Guiné Equatorial, em Malabo, num encontro privado, entre os dois Chefes de Estado

E, pelo que depreendemos, dentro do mesmo espírito de amizade e de cooperação, do estreitamento dos laços que unem os dois países,  terão sido também estas algumas das razões que levaram , o Primeiro-Ministro, Patrice Trovoada, numa visita relâmpago à Guiné Equatorial, no passado dia 18, a que nos referimos neste site - Tendo sido recebido,em audiência,   no Palácio de Malabo Popular, por HE Obiang Nguema Mbasogo. numa delegação conjunta com o  Ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades Salvador dos Ramos, Ministro da Infra-estrutura e Recursos Naturais, Carlos Villanova,



GUINÉ EQUATORIAL UMA DAS PRESENÇAS AFRICANAS MARCANTES NAS COMEMORAÇÕES DO 12 DE JULHO DE 2015

Tal como então foi noticiado, “pela primeira vez o desfile militar do dia 12 de julho pôde contar com a participação de 1 pelotão de militares do Gabão e outro pelotão da Guiné Equatorial. Dois países vizinhos que foram bases  do movimento de libertação de São Tomé e Príncipe na década de 60 do século passado






Além de várias entidades  e personalidades santomenses, o referido ato contou também com as presenças de várias entidades estrangeiras, com destaque para: o Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca; o segundo vice-presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema Mangue; o primeiro-ministro do Gabão, Daniel Ona Ondo; o ministro angolano da Administração do Território, Bornito de Sousa; o ministro argelino do Ordenamento do Território, do turismo e do Artesanato, Amar Ghoul; o secretário de Estado português da Cooperação, Luís Campos Ferreira; e o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros de Taiwan, Simon Chen





De recordar que,  em 2015, já ambos os Presidentes, Manuel Pinto da Costa e o seu homólogo Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, haviam tido encontros ao mais alto nível:  

Em 3 de Agosto, o Presidente da República Manuel Pinto da Costa,  desloca-se a Malabo para  participar nas celebrações  da festa do dia da liberdade na Guiné Equatorial, 36 anos depois  Golpe da Liberdade perpetrado a 3 de Agosto de 1979 pelo actual Presidente Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, que depôs o seu tio Francisco Macias Nguema.

Ainda durante o mesmo mês, a 19 de Agosto, é o Presidente  Manuel Pinto da Costa, que faz  uma visita oficial à Guiné Equatorial, que começou com a chegada, ao Aeroporto Internacional de Teodoro Obiang Nguema Mbasogo Mongomeyen, onde foi recebido pelo Presidente da República.

Além de assistir ao aniversário da primeira-dama da nação, Constância Mangue de Obiang, dia 20, SE Manuel Pinto da Costa foi entrevistado HE Obiang Nguema Mbasogo, boa oportunidade para fortalecer ainda mais as excelentes relações de amizade e cooperação entre as Repúblicas da São Tomé e Príncipe e Guiné Equatorial.

17 Fev. 2016 - Embaixador da Guiné  equatorial, em S. Tomé, António Ebale e M. Pinto da Costa
Dois meses depois, em 19 de Outubro, é o Presidente da Guiné Equatorial, que se desloca a .S. Tomé, em visita oficial.

A cerimónia ficou então assinalada com dois momentos especiais: a assinatura de um  acordo de cooperação, entre os dois países, assinado no palácio presidencial pelo ministro dos Assuntos Exteriores e Cooperação da Guiné Equatorial, Agapito Mba Mokuy e pelo ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades de São Tomé e Príncipe, Manuel Salvador dos Ramos Em que  “os dois chefes de Estado reiteraram a vontade de continuar a promover a cooperação para o benefício mútuo com especial ênfase nos sectores agrícola, mineiro e turístico” ao abrigo do acordo quadro de cooperação económica assinado em 2008.

O outro documento, referia-se à assinatura de um comunicado conjunto, entre o Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema Basogo, e o Chefe de Estado Santomense, Manuel Pinto da Costa. No qual se se declarava que o Presidente Obiang Nguema Mbasogo convidou o seu homólogo Pinto da Costa a realizar uma visita oficial a Guiné-Equatorial, devendo a data ser posteriormente acordada por via diplomática. Tendo considerado “excelente” as relações de cooperação existentes entre os dois Países, os dois Chefes de Estado declararam que “ a visita inscreve-se no âmbito do fortalecimento dos laços de amizade e cooperação.

Relativamente, a situação sociopolítica na Guiné-Bissau, ambos os chefes de Estado lançaram um apelo a todas as partes implicadas para o diálogo e o restabelecimento da Paz, bem como a exortação a União Africana, a Organização das Nações Unidas para redobrarem esforços para que a paz e a segurança prevaleçam em Africa, particularizando, o Mali, Somália, Sudão, Líbia, Burkina Faso e Republica Centro Africana.

A oportunidade, foi ainda aproveitada para ambos os chefes de Estado lançaram um apelo a todas as partes implicadas para o diálogo e o restabelecimento da Paz, bem como a exortação a União Africana, a Organização das Nações Unidas para redobrarem esforços para que a paz e a segurança prevaleçam em Africa, particularizando, o Mali, Somália, Sudão, Líbia, Burkina Faso e Republica Centro Africana.



AFINAL O QUE UNE OS DOIS CHEFES DE ESTADO:  Manuel Pinto da Costa e Teodoro Obiang Nguema Basogo, para os tornar em dois presidentes amigos?

É que, tanto  o  primeiro-ministro de Cabo Verde, José Maria Neves, como, o Manuel Pinto da Costa, presidente de São Tomé e Príncipe, em 2012, se manifestaram particularmente empenhados em apoiar a Guiné Equatorial, “país observador” da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), para que se tornasse membro permanente da organização composta por Portugal, Brasil, Moçambique, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tome e Príncipe e Timor-Leste
.
.Não é nossa intenção, envolvermo-nos em análises politicas, senão apenas trazermos à luz noticias factuais  - E, nem todas, visto não ser propriamente o intuito deste nosso site, mas para abordagem de questões de investigação histórica e cultural

Todavia, aqui deixamos este excerto, com data de 12/03/2012: que talvez possa explicar a grande amizade que une os dois presidentes, num ano de eleições presidenciais à vista : 

Manuel Pinto da Costa teve uma recepção calorosa na Guiné Equatorial. Isto se deve, principalmente, à relação histórica entre Pinto da Costa e São Tomé e Príncipe com seu vizinho no Golfo da Guiné. Em julho de 1972, o atual chefe de Estado são-tomense fundou, no território da Guiné Equatorial, o Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe. Agora, neste encontro em 2012, as referências aos laços entre os dois países foram constantemente relembradas: “para além dos aspectos comuns de uma história com mais de 500 anos, ligada aos descobrimentos portugueses e à respectiva colonização, não poderia deixar de sublinhar, nesta ocasião, que a Guiné Equatorial ficou sempre ligada ao nacionalismo são-tomense e a sua luta pela libertação do colonialismo quando em 1972, em Santa Isabel, nasceu o movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe”, declarou o presidente em um jantar oferecido por Obiang.

Manuel Pinto da Costa, assim, além de consolidar a parceria e cooperação da Guiné Equatorial, renovou, em sua visita, a aliança histórica entre os dois países. Deste modo, como aliado, não tardou em declarar seu apoio - e “empenho pessoal e da República Democrática de São Tomé e Príncipe” - no âmbito da CPLP em favor da Guiné Equatorial: “São Tomé e Príncipe continuará a apoiar, como tem feito até aqui, a pretensão da Guiné Equatorial de pertencer como membro de pleno direito. Posso garantir-lhe, senhor presidente, que poderá contar com o meu empenho pessoal no sentido de que sejam criadas as condições para que a Guiné Equatorial se possa tornar o mais rapidamente possível membro desta comunidade que deve assumir-se cada vez como um espaço de solidariedade, desenvolvimento e cooperação ao serviço dos seus povos”, discursou Pinto da Costa - Excerto de .. CPLP e Guiné Equatorial: o apoio de Manuel Pinto da Costa

Nenhum comentário :