expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

terça-feira, 19 de julho de 2016

Eleições Presidenciais em S. Tomé e Príncipe – Missão Africana, ainda não ratifica o candidato vencedor, Evaristo de Carvalho – Mas também não é desmancha prazeres - Omissa nas irregularidades - Em declaração preliminar conclui, em tom elogioso e politicamente correto, que o processo tem decorrido de acordo com a carta africana sobre a Democracia – “– E há protestos de Maria das Neves e Manuel Pinto da Costa, que impugnaram o ato eleitoral

Jorge Trabulo Marques - Jornalista - Informação e análise  CEN-STP Comissão Eleitoral Nacional - E a casca da banana  - Se a decisão for aceite por todas as candidaturas  - As eleições marcadas para o dia 20. numa das secções de voto, no norte do país, legitimam o vencedor  - Onde os votos poderão ser pagos a peso de oiro e dar azo a alguns abusos

MISSÃO DE OBSERVADORES da UA  - Classifica o ato eleitoral – até agora – de acordo com os princípios da Carta Africana, bem  como no quadro legal em vigor em S. Tomé e Príncipe; ainda o não dá por concluído  mas também o não contesta  - Depois passa à mera retórica: “A  Missão encoraja os cidadãos e os actores políticos da República Democrática de São Tomé e Príncipe a continuarem a pautar por uma atitude política e ordeira até o final do processo e insta todas as partes a utilizar apenas as vias legais para a resolução de qualquer contenciosos eleitoral












Pelos vistos, a Comissão Eleitoral, não  tomou em conta as queixas apresentadas por Maria das Neves e Manuel Pinto da Costa e avança para legitimar um ato posto em causa - Que é o que  pode depreender-se da decisão de convocar para o dia 20,  eleições, em Maria Luísa, distrito de Lembá -  - Mais uns dias para Missão de Observadores se espreguiçar nas praias e depois deixar as Ilhas, com a trivial justificação de Dever Cumprido. 

Obviamente que nem era de  esperar outra decisão  que pudesse vir a ser desmancha prazeres aos órgãos institucionais que acolheram a Missão de Observadores –  Não o fez até agora nem o fará - Deixa recomendações  para o futuro mas o que os santomenses agora mais gostariam de saber eram conclusões esclarecedoras do presente – E não lhas deram   - Tudo o mais não passa de retórica - Não nos compete julgar nem fazer acusações mas informar e analisar  - É o que estamos aqui a fazer -  Por amor à verdade informativa e ao rigor.

Missão dos Observadores da União Aricana, já fez distribuir a sua declaração preliminar, da qual podemos aqui transcrever algumas passagens:

Até ao momento,  tudo decorreu nos conformes e de acordo com o tom elogioso e do politicamente correto – Deixa recomendações à Comissão Eleitoral  para o futuro mas o que os santomenses agora mais gostariam de saber eram conclusões esclarecedoras do presente – E ainda  não lhes foram dadas 


Eleição Presidencial em S. Tomé e Príncipe –  Missão Africana, omissa nas irregularidades - - Video parcialmente extraído de reportagem da RTP África

Missão Africana,  não ratifica  a vitória do candidato Evaristo de Carvalho, mas também não o põem em causa - ou antes, dir-se-á que até o confirma    – Diz  que “o processo formal do apuramento ainda está em curso. Em declaração preliminar conclui que o processo até ao momento tem decorrido, de forma geral, de acordo com a carta africana sobre a Democracia – A  Missão encoraja os cidadãos e os actores políticos a continuarem a pautar por uma atitude política e ordeira até o final do processo e insta todas as partes a utilizar apenas as vias legais para a resolução de qualquer contencioso eleitoral – E há protestos de Maria das Neves e Manuel Pinto da Costa, que impugnaram o ato eleitoral - E a Missão deveria dizer alguma coisa e nada disse

(…) 34 - Conclui que o processo da eleição presidencial de 17 de Julho de 2016 na República Democrática de S. Tomé e Príncipe até ao momento tem decorrido, de forma geral, de acordo com a carta africana sobre a Democracia, Eleições e Governação e os outros instrumentos  da União Africa que regem as eleições democráticas em África, bem como o quadro legal em vigor em S. Tomé e Príncipe

35 -  A Missão felicita os Órgãos de Administração da República de São Tomé e Príncipe pela forma independente como conduziram o processo eleitoral até agora

36.A Missão saúda o Povo e as forças politicas de São Tomé e Príncipe pela sua maturidade cívica e politica, o que resultou num processo pacífico e ordeiro, e felicita-os pelo seu encorajamento pelo seu compromisso contínuo  com a consolidação da democracia e da boa governação no país.

37.A Missão está ciente do facto de que o processo formal do apuramento ainda está em curso. Por isso, a Missão encoraja os cidadãos e os actores políticos da República Democrática de São Tomé e Príncipe a continuarem a pautar por uma atitude política e ordeira até o final do processo e insta todas as partes a utilizar apenas as vias legais para a resolução de qualquer contenciosos eleitoral

VI  - RECOMENDAÇÕES:

38.Com base nos resultados apresentados acima, a Missão faz as seguintes recomendações:

À ASSEMBLEIA NACIONAL

1.Incluir disposições explícitas na Lei eleitoral para permitir a observação nacional de acordo com os instrumentos da União Africana sobre eleições democráticas
2.Tomar a CEE uma instituição mais permanente

3.Garantir a separação de funções entre os órgãos que realizam e os que derrimem o contencioso em relação ao apuramento dos resultados
(...)
A Comissão Eleitoral Nacional
1.Assegurar a implementação das disposições legais da Lei Eleitoral sobre a votação por correspondência

2.Certificar-se de que o Regulamento sobre a Observação garanta os observadores o acesso a todas as fases do processo eleitoral, incluindo o apuramento geral e a proclamação dos resultados, em consonância com instrumentos da União Africana que regem eleições democráticas.

EIS O QUE DISSEMOS NO PASSADO DIA  13 - A QUATRO DIAS DO ATO ELEITORAL



S. Tomé e Príncipe – Eleições 2016 - Armando Quebuza, confiante de que o processo eleitoral, decorra com normalidade

Em declarações à RTP-África, o ex-Presidente de Moçambique Armando Guebuza, que chefia a missão de observação da União Africana (UA) às presidenciais em São Tomé e Príncipe, marcadas para o próximo dia 17,  recebido pelo Presidente da Comissão Eleitoral, manifestou-se confiante na Experiência das autoridades santomenses e deixa uma mensagem ao povo destas ilhas, para que, juntos, façamos democracia.

O Ex-Presidente Armando Guebuza é uma personalidade distinta e respeitável. E, por isso, o seu nome é uma boa garantia para chefiar a referida missão - Por outro lado, a mensagem que procurou transmitir ao  Povo Santomense é de facto um  excelente estímulo. No entanto, embora sendo politicamente correta e positiva, não significa que seja totalmente tranquilizadora;  isto, porque, aquilo que Povo não quer é chapeladas -  este é o papel dos observadores: - evitar manipulações ou boicotes e denunciá-los. Não é tanto,  ouvir dos observadores, que o Povo deve confiar na experiência das autoridades  mas acreditar no zelo e eficácia do trabalho dos observadores  - É isso que o Povo espera, que cumpram capazmente a sua missão  - Pois, ´como se compreenderá, nem toda a gente vota - nem mesmo todas as autoridades - , se dispõe a votar mas têm a sua posição politica.


CAMPANHA DE VENTO EM POPA - MARCADA ENTRE A CALMARIA E A CALEMA 

S. Tomé é um meio pequeno e pacifico e a violência não mora nestas maravilhosas ilhas - Porém,  com a abertura das urnas das eleições presidenciais, quase à vista, a voz sob de tom e exaspera paixões - Mas nada que possa comparar-se aos demais países de África, onde as campanhas eleitorais, são bem mais turbulentas - E nem a paz e a tranquilidade assenta arrais ao longo de todo o ano

PAPEL DA IMPRENSA  LOCAL - Os órgãos de comunicação social, sob a tutela Estatal, salvo os tempos de antena, não dão grandes margens à oposição  - A privada - quer no papel ou  on line - também faz a apologia dos seus candidatos  - Salvo o  http://www.telanon.info/- ainda assim o mais equilibrado e prestigiado  - Resta a liberdade de expressão na Internet: porém, aqui também as posições, se mostram demasiado sectárias  

E surgem já denúncias, em plena campanha, de que algo não vai bem - "Numa deliberação enviada a redacção do Jornal Téla Nón para a devida publicação, o Conselho Superior de Imprensa (CSI), dá conta que recebeu um recurso do Gabinete de Campanha da Drª Maria das Neves contra a TVS e a Rádio Nacional.

Tudo porque os dois órgãos de comunicação social do Estado, negaram a referida candidata o direito de resposta em relação a duas situações de autêntica propaganda política que a Rádio Nacional e a TVS realizaram a favor do seu candidato as eleições presidenciais, e em prejuízo de outras candidaturas nomeadamente a candidatura de Maria das Neves"  ExcertCSI denuncia TVS e RNl desta vez em plena campanha .
IMPRENSA PORTUGUESA  TOMA  POSIÇÃO - A imprensa portuguesa também parece estar envolvida na campanha eleitoral,  tal como sucedera nas últimas eleições legislativas, tomando  posição politica  - Omitindo candidatos e destacando outros ou até denegrindo-os - Tem-se notado no destaque de algumas noticias e até com temas à margem da campanha mas com um fim político bem determinado  - Há gente que escreve nos jornais, em Portugal,  tem influência politica nos mesmos e vem a S. Tomé  participar em campanhas eleitorais - Ou não foi isso que se passou nas eleições de Outubro de 2014? 

AGORA SURGE UM MAR DE DÚVIDAS - E CONTESTAÇÕES POR PARTE DE MARIA DAS NEVES E MANUEL PINTO DA COSTA 

Eleições Presidenciais em S. Tomé – Ensombradas com um mar de dúvidas na contagem final – Rádio e Televisão suspendem a contagem, quando o escrutínio apontava para uma segunda volta para ser retomada  a meio da madrugada com a vitória ao candidato Evaristo de Carvalho apoiado pelo partido do Governo – Manuel Pinto da Costa e  Maria das Neves. contestam resultados e tecem duras criticas. 






Foto de-global.pt
Estes os resultados, divulgados, às 4 da manhã,  pelo Presidente da Comissão Eleitoral  considerando que,  os 34 629 votos – 50,14%, apurados a favor do Candidato, Evaristo de Carvalho, lhe asseguram  a vitória absoluta das eleições, evitando uma segunda volta – Porem, a sua homologação está ainda sujeita à apreciação do  Tribunal Constitucional, que apreciará os dados fornecidos e as  eventuais reclamações, que certamente não deixará de haver.

Segundo o mesmo comunicado,  Evaristo Carvalho obteve, 50,14% dos votos.
Pinto  da Costa – 17 121 votos – 24,79%
Evaristo  Carvalho – 34 629 votos – 50,14%
Maria das Neves –  16.638 votos – 24,09%
Helder  Barros – 194 votos – 0,28%
Manuel do Rosário – 488 votos – 0,71%
69 070 votos válidos
624 votos brancos
1423 votos nulos
Abstenção de 35,91%

CANDIDATURA DE MARIA DAS NEVES – PROTESTA 

DN - Campanha de Maria das Neves pede anulação de presidenciais de domingo, alegando irregularidades. Candidato do partido no governo ganhou à primeira volta São Tomé E Príncipe - Candidatos derrotados contestam vitória de Evaristo Carvalho

Maria das Neves - Téla Nón 
Refere a Lusa, que, Maria da Neves contesta resultados e pede anulação dos resultados Por Lusa A candidatura de Maria das Neves, terceira classificada nas eleições presidenciais de domingo em São Tomé e Príncipe, anunciou hoje que vai contestar judicialmente os resultados e pedir a anulação do ato eleitoral. Evaristo Carvalho venceu as eleições, à primeira volta, por apenas 188 votos, mas, segundo Danilo Santos, diretor de campanha de Maria das Neves, as eleições presidenciais "não foram nem livres, nem justas nem transparentes". "Em círculos eleitorais onde uma grande maioria dos eleitores não exerceu o seu direito de voto, foi anunciado um número exacerbado de votos em detrimento da nossa candidatura", afirmou Danilo Santos, salientando que o recurso será entregue ainda hoje no Supremo Tribunal de Justiça (STJ) de São Tomé e Príncipe. 

Por seu turno, o jornal Téla Nón - diz o seguinte: Contrariamente ao que tem vindo a ser propalado nos órgãos de comunicação social nacional e internacional, São Tomé e Príncipe ainda não tem um novo Presidente da República.


O que se assistiu na noite eleitoral nos órgãos de comunicação social estatais, particularmente na Televisão São-tomense, demonstra o culminar de um processo ardilosamente preparado, previamente anunciado pelo seu líder, de que o seu candidato tem que ganhar custe o que custar.Mais pormenores em Maria das Neves rejeita o resultado provisório das eleições e pede a






Candidatura de Pinto da Costa promete reagir às suspeitas de fraude

Pelo lado da candidatura de Manuel Pinto da Costa – Também as mesmas dúvidas (..) "Perante tais factos, que podem indiciar a existência de graves irregularidades do processo de apuramento dos resultados" a candidatura "reserva-se no direito de não se pronunciar sobre os resultados provisórios apresentados, até que esta situação seja devidamente esclarecida".

Comicio de Encerramento Pinto da Costa - Téla Nón
Fonte da candidatura de Manuel Pinto Costa disse à Lusa que estão a ser contabilizadas as eventuais irregularidades, um processo lento porque é feita uma contagem mesa a mesa. Só depois, a candidatura irá apresentar um recurso junto do Supremo Tribunal de Justiça, uma ação que já foi feita pela candidatura de Maria das Neves, a terceira classificada. Candidatura de Pinto da Costa promete reagir às suspeitas de fraude






Nenhum comentário :