expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Bispo de S. Tomé, toma posição politica : cede sob alta pressão da censura governamental e suspende programa “Resenha da Semana” da Rádio Jubilar” – “Por favor Não Matem a Democracia” - Diz Liberato Mata Moniz - Prossegue vaga da censura na televisão e rádio do Estado, tal como no tempo colonial: "Que a atividade missionária católica não tem criado dificuldades ao Governo” (...) No entanto e em boa verdade, a religião católica, está perdendo terreno, em proveito da Igreja adventista e evangélicos aqui estabelecidas"

Por Jorge Trabulo Marques - Jornalista - Informação e Análise - Desde há 46 anos 


Depois da mordaça na televisão e rádio do Estado, o bisturi censório  à rádio que não gravita na órbita Governamental e não pretendia ser  seu satélite – Pastor e Poeta, Dom António Mendes dos Santos, isso não é  nem fé nem poesia mas chocante heresia - Não se deixe intimidar por uma certa arrogância e sobranceria -- Temos indicações que paira alguma incerteza e inquietação no  futuro das  maravilhosas ilhas de São Tomé e Príncipe, nas humildes vidas que se dispersem e quase diluem na sua beleza incomparável,   que  inspiram também o Pastor na sua poesia. 

Realmente o momento é  de alguma apreensão -  Certo de que a vida continua na sua aparente normalidade: turista  talvez nem se  dê conta da  inquietação intima de um povo sofredor mas alegre e goze tranquilamente as suas férias de sonho 

IGREJA COM MAUS VÍCIOS - QUE AINDA NÃO EXPURGOU


1963 - "Comunidades protestantes - Sobretudo os adventistas tem desenvolvido volvido grande actividade e recrudescido na sua luta  contra a Igreja.
Sabemos que não trabalham por Deus nem por Portugal.
Sabemos que - a gente nova, sobretudo - não é por Deus nem por motivos de religião que os escutam. Há poucas semanas a Emissora Nacional  referiu-se àsperamente a eles e às suas actividades terroristas {adventistas) E a nós que primeiramente  importa combatê-los. Necessitamos para isso o devido apoio•
Consta-nos que pretendem construir igreja e escola na vila da Trindade, com um subs1di o pedido à Fundação  Calouste Gulbenkian. É terreno que o Estrangeiro ganha em perda da pátria e da Igreja. Importa opor-se a tal por todos os meios.



É realmente, lamentável, que, a Igreja Católica, em S. Tomé e Príncipe, em vez de distanciar dos poderes temporais, a ele se associe ou não ganhe fôlego para os enfrentar. A Igreja, ao longo dos tempos, foi sempre um fiel aliado do poder económico e dos mais poderosos – Em S. Tomé, foram-lhe ate conferidos alguns privilégios acrescidos, justamente por ser vista como um baluarte  colonial  - E, agora, ei-la uma vez mais ao lado das forças liberais, mais anti-democráticas  e neo-neocolonialistas .

"POR FAVOR, NÃO MATEM A DEMOCRACIA!"

Carta aberta aos Órgãos de Soberania e aos governantes de São Tomé e Príncipe -  Por   Literato Mata Moniz um dos mais antigos e prestigiados jornalistas da Televisão e da Rádio Santomense 

Caríssim@s compatriotas!

"A democracia, em minha opinião e de muitos outros tem princípios que protegem a liberdade, que deve promover as liberdades de expressão, de religião, de cidadania e participação na vida política, económica e social e presupõe-se que garanta os direitos individuais e de minorias, independentemente das classes sociais a que pertençam" 

(...)Ao Reverendíssimo Bispo da Diocese de São Tomé e Príncipe, a todas as autoridades religiosas, aos governantes e à sociedade civil em geral deixo aqui o apelo de não cederem perante quaisquer tipos de tentativas de silenciar, discriminar e hipotecar esta jovem nação. 

E porque acredito que podemos fazer melhor, estendo as mãos a todos para que, juntos, independentemente de quem está no poder, possamos continuar a dar o nosso contributo! São Tomé 01 de Agosto de 2016

Liberato Mata Moniz

Mais à frente o texto integral 

MORDAÇA EM CURSO PELA TRIBO DO SR. PRIMEIRO-MINISTRO PATRICE  TROVOADA 

 Depois do afunilamento censório na televisão e rádio do Estado, impedindo -(através de apagão) que o discurso do Presidente da República, Manuel Pinto da Costa, fosse passado integralmente na TVS - televisão de STP, bem como o comunicado integral da Ordem dos Advogados (omitido e distorcido nos pontos principais), assim como de outros atos inibidores da liberdade de expressão, é agora a  vez de um programa da Rádio Jubilar - propriedade da Igreja  Católica,  - ser desautorizado por consentimento do Bispo mas (pelos vistos) devido a fortisssimas pressões governamentais

Pastor e Poeta, Dom António Mendes dos Santos, um lutador e um homem de profundas convicções, desculpe-me o desabafo mas compreenderá que um ato de censura à liberdade de expressão,    nem é um ato fé nem de poesia mas a evidente manifestação de grave e chocante heresia - Compreendo a delicadeza da sua missão mas há que impedir   que a Igreja  e as suas instituições continuem a servir de instrumento alheio ou presa fácil à sua doutrina 

A igreja não necessita de criar embaraços mas que não se deixe embaraçar  como no tempo colonial, em que: "a actividade missionária católica não tem  criado dificuldades ao Governo (...) No entanto e em boa verdade, a religião católica que, no passado, usufruiu da total adesão da população nativa, está perdendo terreno, em proveito da Igreja adventista e evangélicos aqui estabelecido" - anos 60 - Não aprende com os erros.

Pois, creia,  que o episódio, de que ontem  tomei conhecimento, me deixou  bastante dececionado e entristecido - Sim, porque não esperava que, um poeta, pudesse apadrinhar, tão manifestas arbitrariedades, visto que, suspendendo o programa. está a aliar-se a um dos aspetos que eu, como jornalista profissional,  considero dos mais negativos da atual maioria governamental: a sua obsessão pelo controlo dos meios de comunicação social 


2014 - Um dos programas radiofónicos mais populares em S. Tomé e Príncipe. Na estação de  rádio que me deixou as melhores recordações, 39 anos depois de ter partido numa canoa para a tentativa de uma  travessia oceânica de S. Tomé ao Brasil, que acabaria num longo e penoso calvário de 38 dias no Golfo da Guiné – Foram estes jovens talentosos, que me deram o prazer das primeiras palavras ao magnífico Povo de São Tomé e Príncipe, tanto tempo depois de meus olhos a deixarem no horizonte oceânico – Obrigado Amigos e os Votos sinceros dos maiores sucessos – Trabalhei na Rádio Comercial- RDP, em Portugal, antes de ser privatizada e reconheço o vosso mérito e o vosso dinamismo para levar um painel diversificado de  informação e de  boa música aos milhares de ouvintes que vos escutam.


IGREJA CATÓLICA EM DECADÊNCIA


A Igreja Católica, pese ser uma das confissões religiosas a   que recebe maiores apoios institucionais e aquela que detém o maior património religioso histórico, no entanto, continua a perder fieis  – Justamente pelo facto de ser uma igreja velha, que não sabe renovar-se e ir ao encontro das preocupações e dos interesses imediatos da população, continuando  divorciada e distanciada dos seus problemas  - Segundo informações que pude recolher,  no cenário atual, a Igreja Católica não está perdendo terreno somente para os Adventistas e Evangelistas. Atualmente o terreno tem sido ocupado por dezenas e dezenas de ceitas que se implantaram em STP. Somente a Igreja Nova Apostólica tem neste momento, para cima de 25.000 fieis.

 VELHA ALIADA   DOS PODEROSOS   - JÁ NO TEMPO COLONIAL

Não se pode medir uma árvore por uma floresta  - Em todas as profissões, há os bons e os maus - Na via sacerdotal  a mesma coisa

Todavia, há que recordar que a Igreja, ao longo dos tempos, foi sempre um fiel aliado do poder económico e dos mais poderosos.

Em S. Tomé, foram-lhe ate conferidos alguns privilégios acrescidos, justamente por ser vista como um baluarte do domínio colonial: o Governador, Silva Sebastião, nos anos 60 (conheço bem a história, tenho documentação, sei como tudo se passou), logrou que, por esse facto, numa altura em que começava  a perder terreno por outras confissões religiosas, tidas como suspeitas pelo poder colonial,  sim, que, a Santa Sé, lhe conferisse maior autonomia, ou seja, a categoria de dioceses, uma vez que, desde 1534, era abrangida pela mesma diocese de Angola e Moçambique:Eis um excerto de uma extensa troca de correspondência, entre Portugal e a Santa Sé:.

"Comunicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros estar a nossa Embaixada junto da Santa Sé a encarar a possibilidade  de nomeação de um Bispo residencial para a Diocese de S. Tomé e Príncipe.
Segundo a Santa Sé, porque a Diocese de S,Tomé e Príncipe estava confiada ao Arcebispo de Luanda D.Moysés Alves de Pinho, foi sempre julgado preferível aguardar a nomeação de quem, na altura própria, o substituísse, para evitar a Sua Excelência Reverendíssima  um possível desgosto na redução dos fiéis que lhe estavam destinados confiados.  Presentemente a situação actual do Arcebispo de Luanda é diferente, pois Senhor  D. Manµel Nunes Gabriel é apenas o Administrador Apostólico ·da Diocese, o que afastaria qualquer possibilidade de  melindre da sua parte se a mesma  viesse  a ser separada da Jurisdição do Arcebispo de Luanda.

Em face do que antecede e a fim de poder submeter-se o assunto  à consideração superior tenho a honra de solicitar o parecer urgente  de V. Exa sobre o mesmo parecer, que deverá incluir o aspecto referente aos antigos encargos.

NEM COM OS ERROS APRENDE  - FIEL SERVIDORA DA CRUZADA COLONIAL - E AGORA ESTENDENDO O TAPETE AO GRANDE PODER LIBERAL

Diz um documento colonial: (...) em boa verdade, a religião católica que, no passado, usufruiu da total adesão da população nativa, está perdendo terreno, em proveito da Igreja adventista e evangélicos aqui estabelecidos.

Se algum parecer este Governo pode emitir sobre tal. facto não pode ser outro que não seja o de que se verifica  uma atividade daquelas últimas muito mais dinâmica que a da Igreja Católica e só na total falta de apoio oficial impede que o seu desenvolvimento seja mais espectacular
Por outro lado e de justiça considera-se de salientar:

 Que a actividade missionária católica não tem  criado dificuldades ao Governo;
- Que a acção das Irmãs da Congregação das Franciscanas  Hospitaleiras da Imaculada Conceição, - Que a acção das Canoosianas missionárias embora afectada pela relativa ortodoxia da ordem, também se tem tornada credora do apreço deste Governo.

Em conclusão: - este Governo é de parecer que a acção missionária . nesta província  deveria adaptar-se mais  perfeitamente às características da sua população e às necessidades do seu estádio  e evolução, isto é, a uma esclarecida  acção no campo social, com vista essencialmente a fomentar a constituição  da célula familiar, cuja falta constitui actualmente a lacuna mais grave da estrutura social  nativa da Província~


A MAIORIA DOS COLONIZADORES NÃO PRATICA A RELIGIÃO E O INDÍGENA NÃO COMPREENDE NEM ACREDITA”

Anos 40 - "A Missão Católica de S. Tomé  e Príncipe está confiada a Corporação dos Missionários de Imaculada Conceição de Maria, a qual pertencem 7 dos 8 padres que se encontram na colónia a e constitui uma diocese dividida em 10 freguesias com igrejas paroquiais; Além das igrejas e capelas  possui a Missão residências, em S. Tomé, no Príncipe  e na Trindade, e nesta vila um bom edifício escolar.- A obra missionária  é por vezes  difícil de prosperar, sobretudo quando a maioria dos colonizadores, os europeus, não pratica, a religião, como é sabido; o indígena não compreende nem acredita no que se lhe prega, nem na moral que se ensina, tão diferente daquela que ele vê seguida;

Os costumes entre os  nativos são dissolutos,  em preponderância, a constituição da família é viciosa, mas o trabalho de transformação de uma sociedade no sentido  que se pretende é imponderável e de sua natureza muito lento, pois que  as medidas violentas são contra-indicadas. "

"POR FAVOR, NÃO MATEM A DEMOCRACIA!"

Diz Liberato Mata Moniz, um dos mais antigos e prestigiados repórteres da Televisão e da Rádio, aos dirigir-se aos seus amigos e amigas na  sua página do facebook . 

“No passado sábado, dia 30 de Julho de 2016, por imperativos que violam transversalmente a liberdade de expressão e a possibilidade de se viver em liberdade, o programa “Resenha da Semana”, um programa de debate da Rádio Jubilar – o único no país, em qualquer meio de comunicação, público ou privado –, em que participo há já mais de quatro anos, foi aconselhado, a pedido de certos Órgãos de Soberania, a não transmitir o seu programa tomando como base que os participantes do programa, por muitas vezes estarem em desacordo com as posições desses órgãos, e particularmente das do atual governo, estavam, assim como a própria igreja católica, a serem considerados de anti-patriotas e desestabilizadores sociais.

Conhecendo eu como conheço a base que sustentam os atuais órgãos de soberania e, particularmente este XVI Governo Constitucional e a maioria do ADI, que chegam ao poder precisamente para, muita gente acreditou, promoverem o contraditório, para criticarem o governo anterior e terem chegado a colocar o Estado santomense no Tribunal Internacional (pasme-se!) por perseguição política e falta de liberdade de expressão, morre dentro de mim um pouco mais de esperança que sempre tive em, um dia, ver o meu país diferente, rumo ao melhor.
Acresce ao que acima afirmei que, para além do ADI e o seu “líder espiritual” terem encontrado meios alternativos para promoverem o contraditório no país (STPtv e o FÓRUM Téla Non), a própria Rádio Jubilar era, antes de chegarem ao poder em Outubro de 2014, uma das principais antenas abertas para a transmissão das suas mensagens e ideologia política.


Ao sermos aconselhados pelos altos responsáveis da Diocese de São Tomé e Príncipe, Bispo e Padres, por igual pedido das “autoridades santomenses” a não fazermos, pelo menos enquanto decorrem os vários “conflitos” existentes no país, o programa “Resenha da Semana”, fica patente a inabilidade dos governantes do país em conviverem com o contraditório e a desavergonhada face de um “poder democrático” em que só as suas opiniões contam. Como me recuso a aceitar que vivo em ditadura, mesmo sendo um pedido da Igreja Católica de São Tomé e Príncipe, não posso deixar de manifestar publicamente a minha repulsa e afirmar toda a disponibilidade e luta para que a São Tomé e Príncipe não volte a viver num clima ditatorial que conheceu no passado e contra o qual muitos lutaram, dando a sua própria vida. A minha homenagem aos mesmos!
Sei que os próprios governantes, lá no interior das suas almas e corações, reconhecerão a verdade do que digo e se penitenciarão pelo pecado cometido com a desfaçatez de um pedido tão grosseiramente anti-democrático. 

Amigas e amigos "IRMÃOS",
A minha revolta é ainda maior quando todos sabemos a forma tão apaixonada como o actual poder político, assim como o partido que apoia o atual governo e o seu líder se apoderaram dos órgãos estatais de comunicação social em que mais de 90% das notícias são para passarem as suas mensagens e transformarem as outras forças políticas e a sociedade civil visível em meros espectadores de bancada, coartando-os de transmitirem os seus pensamentos, as suas opiniões e as diferentes ideologias políticas, assim como o exercício democrático da promoção do contraditório, princípio básico e elementar de um Estado democrático. Assim:
Porque julgo que nenhum partido, governo, mulher ou homem são suficientemente fortes para se imporem a todos e a todo o tempo, e que igualmente ninguém pode estar todo o tempo eivado de medo de que outros lhe possam fazer mal, prejudicar e melindrar;
Porque como eu, Vossas Excelências, membros do Governo, da Assembleia, muitos amigos meus de longas jornadas, defendem, tenho a certeza, a democracia, a liberdade de expressão, a separação de poderes e o Estado de Direito deixo aqui o meu veemente repúdio e a certeza de que jamais voltará a acontecer um ato tão ignóbil como este.
Ao Reverendíssimo Bispo da Diocese de São Tomé e Príncipe, a todas as autoridades religiosas, aos governantes e à sociedade civil em geral deixo aqui o apelo de não cederem perante quaisquer tipos de tentativas de silenciar, discriminar e hipotecar esta jovem nação.
E porque acredito que podemos fazer melhor, estendo as mãos a todos para que, juntos, independentemente de quem está no poder, possamos continuar a dar o nosso contributo!
São Tomé 01 de Agosto de 2016
Liberato Mata Moniz
",

PATRICE TROVOADA,  DEVIA SER MAIS PRUDENTE E LIDAR COM OS SEUS ADVERSÁRIO POLÍTICOS, COM MAIS ALGUMA SABEDORIA E HUMILDADE


Imagem de apoiantes da Campanha de Maria das Neves
Patrice Trovoada, líder do atual governo, apoiado por maioria absoluta parlamentar, parece, ter entrado num certo resvalar neurótico, de incontida  vaidade ou incontrolável autoritarismo:

Não se pode dizer que sejam tiques ou comportamentos de alguns dos antigos ditadores africanos, que  surgiram após as independências dos seus países, porque, por onde passa ou a quem quer que o cumprimente, nunca se cansa de distribuir apertos de mão  e largos sorrisos: sim, pelo menos, por enquanto, ainda se vai valendo desse trunfo, lá vai disfarçando, nas suas secretas ambições,  através dessa  faceta pomposa e teatral  de  eventuais arrogos ou tentações ditatoriais.

  S. Tomé e Príncipe, é um país pobre  e não chega a Primeiro-ministro, quem quer mas quem pode: e não há assim tanto milionários, neste pequeno país - Mas também estes tropeçam quando menos esperam

DOM ANTÓNIO NÃO É UM BISPO QUALQUER

Dom António Manuel Mendes dos Santos, não é um Bispo qualquer: é uma pessoa muito ativa e dedicada à sua Missão Sacerdotal: além de devoto pastor  também é poeta e observador das causas sociais e politicas: deu-me o prazer e a honra de me receber em sua casa e até de participar na celebração do Equinócio do Outono, junto a um dos ancestrais templos solares: nenhum pároco das redondezas  ali lhe foi dar formalmente as boas-vindas ou cumprimentar, pois são todos novatos e por entenderem estar a participar num ato pagão, o que não é o caso  – Seu sobrinho, que já ali foi párico, apareceu lá no adro da igreja, mas mais na qualidade de ciclista -  E, pasme-se, isto opinado dos sacerdotes, mais jovens, de quem era supsoto esperar-se, um olhar mais tolerante e uma visão mais alargada,  postura completamente diferenciada do saudoso Cónego José, que, por várias vezes, ali se deslocou, tanto mais que uma das pedras, conhecida por Pedra da Cabeleira de Nº Srª, é lugar de devoção e de peregrinação, desde há muito. O Sr Bispo de S. Tomé, aproveitando a sua estadia em Portugal, quis dar-nos o prazer da sua presença

Confesso, realmente,  que não esperava esta cedência de um Pastor,  aos caprichos da  mordaça de tão totalitárias pressões:

Além das suas inerentes funções da mais alta figura da igreja acatólica, na Diocese de S. Tomé, como disse, é também um brilhante poeta: por isso mesmo, deverá compreender, que, uma das coisas que mais  desagradará a qualquer poeta que se preze, é cortarem-lhe a voz, a possibilidade  de exprimir os seus sentimentos, a liberdade de expressão.

A Igreja, em S. Tomé, ao contrário das outras confissões religiosas, dispõe de um canal de rádio, de nome Rádio Jubilar, conheço os estudos, que  se situam numa antiga residência paroquia, onde até já fui entrevistado l –

Esta emissora não existia no tempo colonial – Embora, de volta e meia, se depare com alguns problemas, com o seu modesto equipamento técnico, no entanto, dentro do possível, lá  vai cumprindo  a sua função pastoral e social – E até a destacar-se do monocordíssimo, imposto pela ditadura liberal, que se instalou em todos os órgãos e serviços do Estado (a Presidência da República, está a um passo) de ser conquistada, através de um dos servidores  do "empresário misterioso" 


Empresário misterioso chega ao poder em São Tomé

Ete o titulo, com que , o Diário de Noticias, rotulou  um extenso artigo, em Junho de 2010, quando, Patrice Trovoada, foi eleito  Primeiro-ministro da República Democrática de S. Tomé e Príncipe,  de  um Governo, que, dois anos depois, mercê de vários escândalos, acabaria por ser derrubado: hoje tem a maioria mas poderá não corresponder às constantes mudanças e humores que se operam na mente do Povo.

O citado artigo, começava por dizer que o “filho de um ex-Presidente”,  (Miguel Trovoada) “passou parte da vida longe de São Tomé” – Então, com 48 anos, atualmente, portanto, 54,  “entrou no mundo político a trabalhar como assessor do pai - chefe de Governo de São Tomé logo após a independência, em 1975, e Presidente depois entre 1991 e 2001 - até chegar a ministro dos Negócios Estrangeiros em 2001. Paralelamente ao trabalho na política, enveredou pelo campo empresarial. Sabe-se que tem investimentos em países como o Gabão, Guiné Equatorial ou Estados Unidos, mas o tipo de negócios a que se dedica não é do conhecimento público.

Em São Tomé, o filho do ex-Presidente é visto como uma pessoa misteriosa e ausente. São- tomenses disseram ao DN que o líder do partido Acção Democrática Independente (ADI) desde 1991 "é uma pessoa muito fechada no seio da sua família, não costuma juntar-se com as pessoas nos bairros, nem participar em convívios". Por não ter ligações fortes à terra e estar afastado da "promiscuidade interna que existe no país", os são-tomenses decidiram conceder a Patrice o "benefício da dúvida", depois de várias "frustrações" a nível político. Desde a introdução do multipartidarismo, em 1990, o Governo já foi chefiado por 14 primeiro-ministro.

Mas, pelos vistos, por este andar, o mais certo é ficar na história da democracia  santomense, não tanto como exemplo a seguir, mas a esquecer
.
Refere ainda o mesmo artigo que, Patrice só começou a estar presente em São Tomé a partir de 1991, quando o seu pai foi eleito Presidente. Antes disso viveu sempre fora do país. Completou o ensino primário na sua terra natal, o secundário em Lisboa e foi em França que terminou a licenciatura em Economia, iniciada na Roménia.

Em São Tomé ocupou o cargo de conselheiro para os assuntos petrolíferos do actual Presidente, Fradique Menezes, até ser afastado em 2005, sob suspeita de usar a sua posição em benefício próprio. Foi também Menezes que, no início de 2008, o nomeou primeiro-ministro pela primeira vez, funções que na altura assumiu por apenas três meses.

Pai de cinco filhos, dois dos quais da primeira mulher, uma são-tomense, Patrice Trovoada professa o islamismo e é actualmente casado com uma maliana.

Durante a campanha, prometeu mudança e luta contra a corrupção no arquipélago que conta com 163 mil habitantes e onde, como o próprio referiu na terça-feira, "os níveis de miséria são assustadores".
No seu gabinete, Patrice Emery Trovoada tem fotografias de Malcom X, Martin Luther King e Nelson Mandela, mas quando posa para fotografias é a imagem de Barack Obama que escolhe como pano de fundo.Empresário misterioso chega ao poder em São Tomé



Nenhum comentário :