expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

terça-feira, 23 de agosto de 2016

S. Tomé e Príncipe - Mais milhões para encher bolsos corruptos, que não servem a população - Banco Mundial e Banco Europeu de Investimento disponibilizam 29 milhões de dólares, para diversificar as fontes de energia renováveis e melhorar o sistema de fornecimento de electricidade à população santomense.



O fornecimento de água e de eletricidade, em S. Tomé e Príncipe,  bem essencial à vida da população , continua a ser privilégio dos que podem pagar faturas exorbitantes  para encher os bolsos da uma certa elite corrupta, ligada ao sistema politico, que se serve deste mesmo instrumento como arma politica: desde o transporte de postes de postes eletricidade na manhã do escrutínio das eleições, mas que depois ficam por lá  aos mosquitos por erguer,  aos apagões quando é preciso silenciar discursos inconvenientes: assim sucedeu com  o discurso do Presidente Manuel Pinto da Costa, proferido aos embaixadores acreditados no pais, subitamente silenciado da emissão da televisão do Estado, sem explicação.

Mais uns milhões para encherem os cofres de privilegiados corruptos, nos quais se cruzam interesses orientais  e europeus para irem sacar milhões externos: ao FMI ou à Comunidade Europeia 
São Tomé e Príncipe: 29 milhões de dólares para energias renováveis
Noticia recente refere que "As fontes renováveis de energia e o fornecimento de eletricidade serão melhorados em São Tomé e Príncipe, através do financiamento de 29 milhões de dólares, sendo 16 do Banco Mundial e 13 do Banco Europeu de Investimento.

Um acordo foi assinado neste sentido esta segunda feira (22/08) pelo Ministro santomense das finanças, Américo Ramos e Clara Sousa, representante do Banco Mundial para o arquipélago que afirmou "este projecto contribui para que São Tomé possa caminhar em direcção aos seus objectivos de desenvolvimento sustentável e adaptação às questões que são levantadas pelas mudanças climatéricas".

BENEFICIÁRIOS: A MINORIA QUE PODE SUPORTAR TARIFAS ESPECULATIVAS  

Numa população calculada em 187.356 habitantes, vêm dizer que metade é servida por eletricidade, o que é uma rotunda falsidade

Os principais beneficiários do projecto incluirão 90 mil consumidores da rede da empresa de água electricidade EMAE, que irão beneficiar do aumento no fornecimento de energia e de melhor fiabilidade, designadamente através da reabilitação da central hidroeléctrica do Rio Contador e da instalação de contadores. São Tomé e Príncipe: 29 milhões de dólares para energias renováveis
934 273 778
EXEMPLOS DE MANIPULAÇÃO INFORMATIVA, NÃO FALTAM –Estudo diz que 70% dos são-tomenses têm água potável” -  Notícia desmentida por quem convive de perto com as populações

Propaganda governamental desmentida no dia mundial da água – Notícia referia, que “A empresa de água e eletricidade de São Tomé assegurou que 70% da população tem água potável mas as organizações não-governamentais no terreno contestam o valor e sublinham que ter água canalizada não é o mesmo que potável.

"Um estudo divulgado pelo diretor da Empresa de Agua e Eletricidade (EMAE), Mário Sousa, aponta para cerca de 70% a percentagem de são-tomenses que têm tem acesso a água potável.
O número "pode ser de pessoas com acesso a água canalizada e não potável, que é coisa muito diferente", alertaram, no entanto, fontes de organizações não-governamentais (ONG) sedeadas em São Tomé e ligadas à Saúde. 22/03/2015Estudo diz que 70% dos são-tomenses têm água potável, ONG duvidam

A PROPAGANDA DE PATRICE, NÃO CONTAVA QUE, NAS ELEIÇÕES, O POVO VIESSE FAZER BARRICADA  POR FALTA DE ÁGUA - RECURSOS NATURAIS E EXPLORAÇÃO DA POPULAÇÃO NA MIRA DE COBIÇA INTERNACIONA







S. TOMÉ E PRÍNCIPE - RECURSOS NATURAIS E EXPLORAÇÃO DA POPULAÇÃO NA MIRA DE COBIÇA INTERNACIONA



Visita do senhor Huang,Chen-Ching, Director da TEMES ( Taiwan Electrical and Mechanical Engineering Services, INC.) à Central Eléctrica de São Tomé , com objectivo de conhecer o seu funcionamento.- Fonte  In https://www.facebook.com/emaestp/


NA MANHÃ DO ESCRUTÍNIO, EM MARIA LUISA  - AÍ  VÃO POSTES DE ELETRICIDADE PARA MANIPULAR VOTOS   "A roça que faz parte da circunscrição número 12 da região eleitoral do distrito de Lembá, está a receber todo tipo de apoio para a sua modernização. O futuro chegou a Maria Luísa nas últimas 24 horas. Os moradores que acordaram esta manhã para exercerem o direito de voto nas eleições presidenciais, marcadas pela Comissão Eleitoral Nacional, depararam-se com camiões da empresa de eletricidade EMAE carregados de postes de eletricidade para serem afixados na roça. Energia eléctrica deverá chegar a Maria Luísa ainda hoje Maria Luísa é Rainha hoje em STP | Téla Nón

A ESMAGADORA MAIORIA DA POPULAÇÃO VIVE ABAIXO DO LIMIAR DA POBREZA – QUEM NÃO PUDER  PAGAR OS LUCROS ESPECULATIVOS DOS MERCENÁRIOS, NÃO TEM ACESSO À ELETRICIDADE EM CASA -  FAZEM ULTIMATOS

Jornal Transparência :  – Depois do ultimato anunciado na passada semana pela Empresa de Água e Electricidade (EMAE) de São Tomé e Príncipe, para que os clientes que têm duas até três facturas em atraso, pagassem as suas dívidas acumuladas e pudessem regularizar a situação junto a empresa.

(…) “ a Direcção da EMAE poderia adoptar mecanismos que pudesse facilitar a população, quando muitas das vezes a empresa tem cobrado a taxa tão elevada, que nem sempre correspondem aquilo que consomem ou gastam diariamente, e por outro lado sugeriam que a empresa descentraliza-se os serviços em termos de pagamento em cada distrito do país, de forma reduzir os custos de transportes, tendo em conta que muitas pessoas deslocam de zonas distantes para a cidade capital para o efeito de pagamento das suas facturas”.

Enquanto alguns cidadãos, reclamam que o custo de vida tem tornado cada vez mais difícil e o salário é muito reduzido, o que tem posto em causa acumulação das facturas em atraso e outras despesas que suportam diariamente no seio familiar. – Excerto 22.04.2015


IMPORTAM A QUINQUILARIA OBSOLETA, PAGA COMO NOVA PARA QUE OS LUCROS SEJAM AINDA MAIS REFORÇADOS


Muitos de geradores, que chegam a S. Tomé e Príncipe, já deviam estar no ferro  velho mas são importados como novos  - Claro para justificar fundos milionários, cujos milhões são repartidos pelos comissários que os assinam, testas de ferro das  empresas multinacionais e a escumalha politica que os recebe.  – Obviamente que não é São Pedro que despeja das nuvens o cifrões mas os contribuintes nos seus impostos, que têm que andar a alimentar toda uma cambada de malfeitores

DEPOIS VÊM COM ESTAS EXPLICAÇÕES  ESFARRAPADAS - DE QUE A CULPA É DOS GERADORES  -MAS O FUTURO VAI SER PROMISSOR - A COSTUMEIRA CANTILENA


08/03/2016 -Geradores novos que pararam de funcionar, e a mudança dos cabos de alta tensão, estarão segundo o Primeiro-ministro Patrice Trovoada, na base do corte no fornecimento de energia eléctrica a população.

O Primeiro-ministro indicou as acções em curso no sentido de melhorar a rede de distribuição de energia, como uma das causas do apagão nacional.

A segunda causa e por sinal a mais importante, deixa o Chefe do Governo aborrecido. Trata-se dos novos geradores importados para aumentar a produção de energia eléctrica, e que deixaram de funcionar.  «Mais grave tem a ver com a inoperância de alguns geradores dos quais, alguns são geradores novos. O problema desses geradores levam-nos a questionar porquê que esses geradores têm esses problemas?».Patrice Trovoada, garantiu que já começou a encontrar respostas, após ter-se inteirado da situação. «As respostas estão avir a superfície e o que importa agora é por esses geradores em funcionamento», sublinhou08/03/2016. Patrice explicou as causas do Apagão Nacional | Téla Nón  23/05/2016 - Patrice anuncia fim do ciclo de instalação de centrais


LIBERALIZAÇÃO PARA O BOLO SER REPARTIDO PARA NOVAS CLIENTELAS POLITICAS

Oferta da EMAE em eletricidade supera a procura 13 Jan 2012 -No 2º Governo de Patrice Trovoada - A boa nova foi anunciada pelo Director Geral da empresa de electricidade. Raul Cravid(na foto) garante que nesta altura, o fornecimento de energia é estável em todo o país, e que a EMAE, está a ultimar os diplomas legais com vista a liberalização da produção de electricidade no país.

Obviamente, que, um bem essencial, tinha de ser também objeto de cobiça pela pirataria  liberal, instalada no poder com faca e garfo à espera de novas sobremesas

2012 - Raul Cravid, que no passado dirigiu a EMAE regressou a casa por ordem do Governo, para chefiar a comissão provisória de gestão da empresa. Três meses depois de reassumir o cargo,  dá boas nova Oferta da EMAE em electricidade supera a procura |


SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE – UM DOS PAÍSES MAIS PEQUENOS E MAIS POBRES DE ÁFRICA – NÃO TEM A VIOLÊNCIA NEM A EXTREMA MISÉRIA  DE OUTRAS NAÇÕES - MAS NA POLÍTICA NÃO FALTAM IMITAÇÕES.

Em S. Tomé e Príncipe, a Natureza é bela e fértil, há frutos por todo o lado e durante o ano inteiro, dificilmente alguém morre de fome, no entanto, sofre as carências de bens essenciais, nomeadamente dos que são importados, e sobretudo na compra de medicamentos, já que, a generalidade média das pensões, ronda os 20 a 30 euros mensais e o ordenado mínimo, à volta dos 60



Políticos destes, que vão para a política, unicamente para trampolim dos seus interesses pessoais, há-os em todos os partidos, em todas as lideranças e em toda a parte  - E, nos tempos que correm, vai sendo cada vez mais difícil, separar o trigo do joio: nos famigerados tempos em que as ideologias fascistas e nazistas,  estavam na mó de cima, os políticos desses ideários, aperfilhavam essas doutrinas, por convicção; estavam convictos de que essa era o caminho politico que deviam seguir. Agora, as convicções vão-se esbatendo, os egoísmo pessoais, sobrepõem-se aos ideais e a politica, vai-se transformando-se num jogo de cifrões, ao estilo de Durão Barroso – O mundo é dominado pelo liberalismo, mais desenfreado, egoísta e selvagem, cruel e desumano, gerando milhões de desempregados e provocando crescentes injustiças e desigualdades sociais.

QUEM É ESSE TAL ESSE HÁBIL JOGADOR RAUL CRAVID - QUE ABANDONOU A CAMPANHA DE MARIA DAS NEVES PARA SE JUNTAR DE NOVO ÀS FALANGES DE PATRICE TROVOADA 

Foto do Téla Nón
Foi ainda nos últimos dias da campanha, da 1ª volta das eleições presidenciais, que, Raúl Cravid, teria abandonado as funções de Diretor da Campanha de Maria das Neves para se juntar às hostes de  Evaristo de Carvalho,  levando consigo eventuais "avultados apoios".  

O  antigo Ministro do Planeamento e das Finanças, em 2008, Ministro da Administração Interna, em 2009,  diretor da Empresa Nacional de Aeroportos e Segurança Aérea (ENASA), de São Tomé, em 2013, secretário-geral do Movimento Democrático Força da Mudança-Partido Liberal (MDFM-PL), em 2010, pelos vistos, tem atrás de si, um currículo algo atribulado: Raul Cravid, foi militante e membro dos órgãos directivos do MLSTP/PSD. Deixou o então partido do seu coração, onde começou a fazer política, após as eleições legislativas de 2006 que deram vitória a coligação MDFM-PCD.    – Depois, disso, a sua passagem pela política, tem dado origem a várias polémicas

Nos finais de Julho, de 2010, ele era notícia pelo facto de ter deixado, S. Tomé, de forma precipitada ou sorrateira, apenas com a roupa que trazia no corpo e uma mochila nas costa, num voo da TAGG, que liga Cabo-Verde, onde teria procurado refúgio. Secretário-geral do MDFM-PL pôs-se em fuga? | Téla Nón - 

SECAS PROVOCADAS PELA GRAVANA ESTÃO A DEIXAR NO DESESPERO ALGUMAS DAS POPULAÇÕES MAIS ISOLADAS 

Tal como é referido por especialistas, mesmo até por estudos realizados há mais de cem anos ( o caso deste breve texto)  na xtensão da Ilha de São tomé  há uma diversidade enorme de climas: enquanto se registamo 11 graus centígrados desagradáveis no Pico nas manhãs da gravana ou das chuvas, a cidade derrete-se a 28 ou 33 graus á sombra; enquanto o nordeste da Ilha se mirra na gravana  seca e ventosa, chove diluvialmente em S. Miguel

Mesmo dentro da altitude da cultura cacoeira, até 800 metros, há uma diversidade enorme de condições atmosféricas, como se vê pela época da maturação do cacau , tão diferente do norte da Ilha para os Angolares, por exemplo, e pela distribuição da colheita no decorrer do ano. Não se faz bem ideia de quantas modalidades o clima apresenta ao longo da Ilha" 

Esses são os factores inerentes ao relevo  geográfico, porém, o mau é que a esses factores naturais, se vieram associar as agressões climáticas  - Tal como já alertei neste site, de nada poderão valer as ajudas monetárias se  a desflorestação e as queimadas prosseguirem – Esse panorama persiste e agrava-se a cada dia que passa. Em queimadas, a noroeste e, em desmatação, selvagem a sul. 

Algumas das praias poderão desaparecer até ao fim do século –O aquecimento global, atividade vulcânica dos Camarões, exploração dos carbonetos, as principais causas de uma catástrofe à vista e de imprevisíveis consequências.  Mas, a desflorestação em S. Tomé, além de propiciar alterações climatéricas na Ilha, também pode contribuir para o agravar destes riscos. 


NÃO SE PODE FICAR INDIFERENTE  ESTA DESFLORESTAÇÃO  DESMEDIDA - Justiça trava devastação da zona sul de S.Tomé -  Mas será que travou mesmo?

Já conhecia a desflorestação através de vídeos e de fotografias - Porém, longe de imaginar que a sua dimensão  fosse tão  extensiva - Pelo que me foi dado observar,  a área devastada, ao sul da ilha de S. Tomé,  pareceu-me duplicar ou mesmo triplicar os tais 4000 hectares que  foram concessionados  pelo Estado santomense a um grupo privado 

Vi que existem graves ameaças ambientais, tanto à beira mar como no interior. 

Por exemplo, onde está o recife (ilha), que se situava frente à praia lagarto, que  há 40 anos ficava completamente descoberto? - Sim, no qual os pescadores iam buscar o isco  para a sua pescaria e os veraneantes  se estendiam ao sol. Não só não descobri os menores sinais desse recife espalmado, como, ainda bem pior: vi uma baía, quase  sem margem, com a maré cheia a invadir a estrada e, nalgumas áreas,  com mais cascalho de que areal.  

Bem diferente daquela que fora uma das mais aprazíveis praias – Ornada de coqueiros, por um extenso e suave areal, junto à qual surgiam inúmeros caranguejos verdes, vindos das tocas que esburacavam no mato para capturarem as suas presas.  Eram tantos a atravessarem a estrada, que havia quem se divertisse a esmagá-los com os pneus do carro, sobretudo à noite. Agora, o que se descobre é uma curta língua de cascalho, que entretanto o asfalto vai protegendo, comida pelo avanço do mar, alguns troncos de esguios coqueiros e de outras árvores, que ameaçam ser arrancados a todo o momento, devido às investidas das ondas na própria estrada, também já esta, de onde em onde, bastante comida e esventrada. 

Orlas costeiras comidas pelo mar, colocando em risco habitações, caminhos ou estradas. Então, na estrada das Neves, depois da Lagoa Azul, por mais paredões que ali se façam – e vimos que havia importantes obras em curso – não tarda, que o troço existente, acabe  por ficar submerso e de se tornar intransitável. E se torne necessário  romper as veredas e fazê-la noutras curvas de nível, mais alto. O pior é a insegurança para  as pequenas comunidades  piscatórias, que vivem as suas vidas, intimamente com o mar,  junto de encostas, tão abrutas, e ao mesmo tempo já tão ameaçadas pelo avanço das águas,  as quais, não tendo  outra alternativa onde se alojar, só restará a possibilidade de virem a  transformar-se em aves.  Pois, mas é gente que vive com um pé em terra e outro no mar – E, este, além de ser adverso, lá fora, nas fainas do seu dia, agora, ainda por cima, lhes ameaça o próprio lar, a humilde cubata de madeira.  Antevê-se, pois,  um futuro algo incerto e inseguro. 

A caminho do sul, ao chegar-se à Ribeira Afonso, até há  porcos que, na fase da maré-vazia,  tranquilamente invadem a margem do escasso areal negro que resta para se  refastelarem de marisco, contudo, um observador mais atento, nota que, uns metros mais ao nível do arruamento,  facilmente se apercebe que já  nem as obras de proteção,  igualmente ali levadas a cabo,  poderão  assegurar que as canoas, ali empoleiradas, deixem de ser  arrastadas por um temporal mais agressivo. 


MILHÕES PARA TUDO FICAR COMO DANTES


Referem as últimas notícias que “O financiamento previsto para cobrir o período de 2015 à 2019, no valor de 1 milhão de dólares por ano, está a ser preparado numa altura em que se encontra em São Tomé e Príncipe, uma equipa do CADRI-capacidade para redução de riscos e catástrofes. A equipa veio avaliar o desempenho nacional na prevenção de catástrofes e as capacidades de resposta.
 4 Milhões de dólares para combater efeitos das mudanças .


De nada servem uns velhinhos, e umas velhinhas,  sorridentes e de máquina fotográfica ao tiracolo, andarem a dar umas passeatas pelas praias, fotografando aqui, fotografando acolá, arvorados em especialistas quando o objetivo dessas ditas comissões, mais não é de que justificar subsídios – Formalizar toda uma engrenagem de formalidades: de chorudos empregos, a que acedem uns afortunados  e umas migalhas para o essencial

Ainda se ao menos os fundos das ajudas externas, fossem bem aplicados!.... Mas, pelos vistos, tanto em S. Tomé, como em Portugal – e não só – constata-se que, em matéria de subsídios  os exemplos não têm sido os mais edificantes. Vivemos num mundo de ostentação, de egoísmos e de aparências. Os vícios neoliberais espalharam-se como erva daninha por toda a Terra, privilegiando o privado em detrimento do interesse coletivo

A

Nenhum comentário :