expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

quarta-feira, 1 de março de 2017

S. Tomé em foco - Doença desconhecida –– Leva ProMed - em 2017-02-28 12:20:29 - a divulgar comunicado - Sociedade Internacional de Doenças Infecciosas admite tratar-se de uma infecção de categoria I, da úlcera de Burruli: A OMS classifica a gravidade da úlcera de Buruli em três categorias Embora os sintomas descritos no relatório do Governo sejam ligeiramente diferentes dos da úlcera de Buruli, pode ser uma infecção de categoria I, de acordo com a categorização da OMS

Por Jorge Trabulo Marques - Jornalista - Informação, investigação e análise
  


A ProMed, classifica a Úlcera de buruli, em três categorias, admitindo poder tratar-se se  da infeção 1,  a relacionada com os casos das úlceras que têm sido registadas na população santomense  - Pede-se urgência nos exames  -  "A úlcera de Buruli raramente é fatal. É óbvio que mais informação sobre este surto em São Tomé é urgentemente necessária - uma clara descrição clínica das lesões cutâneas. E os resultados dos testes utilizados para confirmar o diagnóstico de Buruli"


 Continua a dança das estatísticas e das informações contraditórias. No passado dia 25 de Feve.  dizia-se que a enfermidade alastrava por todos os distritos do país .Uns dias  depois vem-se afirmar que as principais vítimas são pescadores e agricultores dos distritos de Lembá e Loba


 Depois de terem afirmado a existência de 4 mortes e 2000 casos, falam agora de 1500 casos - E, nas afirmações  reproduzidas pela televisão (TVS) diz-se que não houve mortes.

"Doença rara" em São Tomé é celulite necrotizante e já afectou 1500 pessoas
02-03-2017 - Óscar  Medeiros - Maria Tome Palmer disse em conferência de imprensa que após as pesquisas realizadas em laboratórios estrangeiros conclui-se que a doença até agora desconhecida é celulite necrotizante, mas que o agente patológico ainda não foi descoberto. http://www.voaportugues.com/a/doenca-rara-sao-tome-e-principe-celulite-necrotizante-oms/3746959.html

DOENÇA RARA - MAS DE MORTALIDADE ELEVADA - SE SE TRATASSE DA ÚLCERA NECROTIZANTE – HAVERIA MENOS CASOS MAS MUITAS MORTES 


A celulite necrotizante (ou fascite necrosante), uma forma rara mas grave de celulite, é a temida "doença carnívora" que ocasionalmente ocupa as manchetes dos meios de comunicação. No entanto, o risco de se obter celulite necrotizante é extremamente pequeno. O risco é um pouco maior para as pessoas que já estão doentes ou têm um sistema imunológico comprometido. Cellulitis - Causes, Symptoms, Treatment, Diagnosis - M

As infecções cutâneas necrotizantes, incluindo celulite necrosante e fascite necrotizante, são formas graves de celulite caracterizada pela morte de pele e tecidos infectados (necrose). (…) A taxa global de mortalidade é de cerca de 30%. As pessoas mais velhas, aqueles que têm outras doenças médicas e aqueles em quem a doença atingiu um estágio avançado têm um resultado mais pobre. Um atraso no diagnóstico e tratamento e insuficiente remoção cirúrgica de tecido morto pioram o prognóstico Necrotizing Skin Infections - Skin Disorders 
ORA DIZEM UMA COISA ORA DIZEM OUTRA 

(Atualizaçao) As informações contraditórias: de úlcera de Burruli a Necrotizante  - Persiste, a incongruência da dança das estatísticas e das informações contraditórias, pelo Ministério da Saúde de S. Tomé e dos seus porta-vozes, com o objetivo de ocultar uma enfermidade que foi negligenciada pelo atual governo -  No passado dia 25 de Fev, dizia-se:  que, só, numa semana, se haviam registado 42 novos casos e que a enfermidade alastrava por todos os distritos do país .Uns dias  depois, vêm afirmar que as principais vítimas são pescadores e agricultores dos distritos de Lembá e Loba e do Príncipe - Durante vários meses, ignoraram-se os alarmes das muitas pessoas que se queixavam dos mesmos padecimentos e só passou ao conhecimento público quando a bronca tinha mesmo que rebentar




As autoridades sanitárias, que até já admitiram, tratar-se da úlcera de Buruli, agora dão-lhe outra versão: que passou de desconhecida à designação da doença dos dois pés ou úlcera de Buruli –Agora chamam-se úlcera Necrotizante  - Se se tratasse desta doença, já tinha morrido muita gente As infecções cutâneas necrotizantes, incluindo celulite necrosante e fascite necrotizante, são formas graves de celulite caracterizada pela morte de pele e tecidos infectados (necrose). (…) A taxa global de mortalidade é de cerca de 30%. 

 03/02/2017 Óscar Medeiros Em cerca de oito meses, 1094 pessoas foram internadas na maior unidade hospitalar do país vítimas da doença, “até agora desconhecida pelas autoridades sanitárias” como disse à VOA a directora dos cuidados de saúde, Maria Tomé o Ministério da Saúde do arquipélago acredita tratar-se de uma úlcera de buruli -Doença rara em São Tomé e Príncipe continua por identificar

  01/02/2017 -Doença gera preocupação em São Tomé e Príncipe - Cerca de 2 000 pessoas teriam sido afectadas por uma estranha patologia em São Tomé e Príncipe, duas outras teriam morrido.  A OMS enviou para o arquipélago um perito do Benim. Suspeita-se de tratar-se de úlcera de Buruli. Doença gera preocupação em São Tomé e Príncipe –


Águas pantanosas - ótimos hospedeiros
Doença desconhecida – Leva a  Pro-Med - em 2017-02-28 12:20:29 - a divulgar comunicado

Sociedade Internacional de Doenças Infecciosas admite tratar-se de uma infecção de categoria I, da úlcera de Burruli: A OMS classifica a gravidade da úlcera de Buruli em três categorias - As autoridades sanitárias santomenses afirmaram recentemente que até agora já morreram 4 pessoas e pelo menos 2000 pessoas foram notificadas infectadas por uma doença que chamam de celulite necrosante, tendo-se registado na última semana 42 casos.

Embora os sintomas descritos no relatório do Governo sejam ligeiramente diferentes dos da úlcera de Buruli, a Pro-MED admite que possa ser uma infecção de categoria I, de acordo com a categorização da OMS

DIZ O COMUNICADO  - "É uma grande notícia que a OMS enviou cientistas para a ilha para investigar o surto de mistério. Espera-se que mais cedo, em vez de mais tarde, cheguemos ao fundo desta doença, que o diagnóstico seja conhecido e que uma melhor gestão e medidas preventivas serão postas em prática para evitar novas infecções e morte."

A EQUIPA DO INSTITUTO  RICARDO JORGE AINDA NEM SEQUER ESTÁ EM S. TOMÉ - AO  CONTRÁRIO DO QUE AFIRMAM AS AUTORIDADES SANTOMENSES Mas vai estar e esperemos que reúna condições para desempenhar o seu trabalho e faça luz onde até agora permanece um profundo sentimento de angústia e um cerrado mistério de sombras 



  GROSSEIRA E DESCARADA MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA 

Estes exames já circulam no Facebok e não deviam ter circulado - Inadmissível procedimento da divulgação pública de dados pessoais, de análises que deviam ser confidenciais e não expostas à curiosidade da opinião pública 


"ANALISE NEGATIVO». A OMS GARANTE: “DOENÇA DE PÉ” CONTINUA ENIGMA E DESCONHECIDA E NÃO SE TRATA DE “ULCERA DE BURULI”

"A Organização Mundial de Saúde desmente a notícia posta a circular, que a “Doença de Pé” seja a Úlcera de Buruli. Na carta enviada a ministra de Saúde, Maria de Jesus Trovoada (que tivemos acesso), no passado dia 20 de Fevereiro, comunica os resultados preliminares das 25 amostras enviadas ao Laboratório de Referencia para Microbactéria de Cotonou (Benim). As 25 amostras tiveram resultados todos negativos, como podem ver nos documentos anexados."


 MANIPULADORES - O rótulo da Organização Mundial de Saúde pode servir para muita coisa:além de proporcionar dinheiros, que poderão muito bem ter destinos bem diversos dos que os oficialmente inscritos e não propriamente para tratar das doenças das populações - Tal como  proporcionar generosos  proventos para que tem o privilégio de trabalhar para esta organização, pelo que, infelizmente, num mundo mais norteado pelo materialismo de que pela solidariedade humana, a capa dessa mesma instituição, não pode ser tomada como bíblia sagrada - O padre por vestir a batina ou os paramentos no altar, não significa que seja um santo.  

O atual Governo  de S. Tomé e Prince, que durante vários meses silenciou da opinião pública,  o grave problema que continua a afetar a  saúde das populações, vem agora dizer que  os resultados das análises efetuadas  pelo bacteriologista Ghislain Emmanuel, não confirmam tratar-se da  Úlcera de Buruli - Mas onde estão os resultados de outros investigadores que confirmem ser a úlcera necrotizante?

A avaliar pelas declarações da Ministra Saúde,  já suspeitava que os exames não iam confirmar tratar-se da úlcera de Burruli quer pela dúvida que persistia em continuar a ocultar a doença, quer pelas mesmas análises não terem sido efetuadas por vários especialistas e  laboratórios.

STOP à livre circulação de pessoas no Hospital Ayres de Menezes, 


Depois de um tal Ministro Varela , o braço-direito de Patrice Trovoada, ter vociferado contra a visita de deputados da oposição ao Hospital Ayres de Menezes, decidiu impor medidas que restringem o acesso de pessoas ao centro hospitalar. Segundo a Direcção do Hospital a partir de 6 de Março próximo, a entrada do público fica condicionada a recepção de um cartão de acesso na porta de entrada.STOP a livre circulação de pessoas no Hospital Ayres de Menezes

O Governo liderado por Primeiro-ministro Patrice Trovoada, havia dificultado a visita dos deputados dos partidos da oposição, representados na Assembleia Nacional, aos doentes internados no Hospital Ayres de Menezes, por não desejar que a enfermidade fosse conhecida – E só se tornou pública quando os dois filhos de uma personalidade santomense, foram afetados por as dolorosas úlceras – Foi então que o escândalo rebentou.




Com uma gravíssima enfermidade a alastrar no seio da população, cuja expressão nem o Governo é capaz de contabilizar, numa altura em que as atenções deveriam concentrar-se no combate à doença e à informação das populações por forma a saberem defender-se e prevenir-se, aí está mais uma vez um caixeiro-viajante, armado em Primeiro-ministro de costas voltadas ao seu país, aliás,  donde nem nasceu nem sequer tem raízes e laços afetivos firmados

Emery Trovoada, que não nasceu em S. Tomé, mas no Gabão,onde viveu a sua adolescência e uma parte da sua juventude, continua a revelar-se uma personagem misteriosa, estrangeirada e sem laços afetivos ao pais que governa, com maioria absoluta parlamentar, por força dos votos comprados nas eleições, tal como sucedeu com a última eleição do Presidente da República, num dos países mais pequenos e pobres de África, com ordenados miseráveis - Não por falta de recursos naturais ou de apoios internacionais, mas pela sua deficiente e duvidosa aplicação. Passando a maior parte do tempo da governação, no estrangeiro, onde detém negócios empresariais em vários países.

Os observadores internacionais, que tinham a obrigação de evitar a fraude, mais não fizeram que pactuarem com os infratores, silenciando as enormes irregularidades. O mesmo havia sucedido com uma comissão judicial de Portugal, que se deslocou a S. Tomé a convite do Governo para dar cobertura ao saneamento dos juízes que não eram da sua confiança politica. - Num sistema judicial onde o mesmo Juiz assume a presidência dos principais tribunais, superiores e alguns subalternos.

É simplesmente escandalosa a devassa dos nomes das pessoas, que dizem ter sido submetidas às autopsias para a deteção da úlcera de Burruli, o que leva a admitir que o estudo realizado mais não foi de que um descarado jogo politico e não um exame rigoroso, sério e escrupulosamente científico.- 

COMUNICADO DA Pro-MED - AGORA DIVULGADO


Published Date: 2017-02-28 12:20:29
Subject: PRO/EAFR> Undiagnosed disease - São Tomé and Príncipe: fatal, Buruli ulcer susp
Archive Number: 20170228.4869545
UNDIAGNOSED DISEASE - SÃO TOMÉ AND PRÍNCIPE: FATAL, BURULI ULCER SUSPECTED
*****************************************************************************

Tradução:

Ublished Data: 2017-02-28 12:20:29
Assunto: PRO / EAFR> Doença não diagnosticada - São Tomé e Príncipe: fatal, ulcera de Buruli
Arquivo: 20170228.4869545
DOENÇA NÃO DIAGNOSTICADA - SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE: FATAL, BURULI ULCER SUSPECTED

Uma mensagem do ProMED-mail
Http://www.promedmail.org
ProMED-mail é um programa do
Sociedade Internacional de Doenças Infecciosas
Http://www.isid.org


Pelo menos 2000 pessoas foram notificadas infectadas por uma doença misteriosa em São Tomé e Príncipe.
DW Radio citou as autoridades dizendo que 42 novos casos foram relatados na semana passada sozinho [fevereiro de 2017], a partir da doença que foi chamado de código "celulite necrosante" [celulite necrosante].

 Um total de 1994 casos de infecções foram relatados em janeiro [2017], desde quando foi detectado pela primeira vez em outubro do ano passado [2016], DW Radio disse.
 Até agora, 4 pessoas morreram da infecção.
 A infecção ataca os membros inferiores, com os homens mais propensos a isso do que as mulheres, DW Radio explicou.
 Os sintomas, de acordo com o relatório DW, incluem prurido corporal, pernas inchadas e descoloração da pele.
 DW Radio citou a diretora de saúde da nação insular, Maria Tomé Palmer, dizendo que não havia nenhuma cura conhecida para a infecção.
 A Organização Mundial de Saúde (OMS) enviou um representante para a ilha para investigar e relatar o surto de mistério.
 São Tomé e Príncipe é uma nação de língua portuguesa composta por 2 ilhas. Encontra-se ao largo da costa noroeste do Gabão e é o segundo país menos povoado da África, depois das Seychelles. O país ganhou oficialmente independência de Portugal em 1975.

[Byline: Arnaldo Vieira]

Comunicado por:  ProMED-EAFR dos alertas da HealthMap

"Tem havido relatos anteriores sobre uma doença não diagnosticada em São Tomé e Príncipe desde Outubro de 2016. Esta doença foi suspeita de ser úlcera de Buruli e foi relatada por ProMED-mail (ver notícias adicionais em http: //www.lexpress. Fr / actualite / societe / sante / afrique-un-ulcere-d-origine-inconnue-seme-l-inquietude-sur-l-ile-de-sao-tome_1875757.html;

A úlcera de Buruli (também conhecida como a úlcera de Bairnsdale na Austrália) é uma infecção crônica da pele e dos tecidos moles devido a Micobacterium ulcerans, com grandes úlceras geralmente nas pernas ou braços que podem levar à infecção óssea adjacente e desfiguração e incapacidade permanentes. A OMS classifica a gravidade da úlcera de Buruli em três categorias: uma única lesão pequena (categoria I), placa não ulcerativa e ulcerativa e formas edematosas (categoria II) e formas disseminadas e misturadas, como osteíte, osteomielite, comprometimento articular (categoria III) (Http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs199/en/). No entanto, o diagnóstico tardio pode levar a formas avançadas da doença e grande incapacidade.

Embora os sintomas descritos no relatório acima sejam ligeiramente diferentes dos da úlcera de Buruli, pode ser uma infecção de categoria I, de acordo com a categorização da OMS. Estes sintomas incluem prurido corporal, pernas inchadas e descoloração da pele.

É uma grande notícia que a OMS enviou cientistas para a ilha para investigar o surto de mistério. Espera-se que mais cedo, em vez de mais tarde, cheguemos ao fundo desta doença, que o diagnóstico seja conhecido e que uma melhor gestão e medidas preventivas serão postas em prática para evitar novas infecções e morte. - Mod.YA



VEJA AS DIFERENÇAS ENTRE A FASCIITE NECROSSANTE OU CELULITE NECROTIZANTE  COM  A ÚLCEIRA DE BURULI - QUE, PORVENTURA, DEVERÁ SER A DOENÇA ENDÉMICA DESTA REGIÃO AFRICANA QUE ESTÁ A AFETAR MUITOS SANTOMENSES 

 

 FASCIITE NECOROSSANTE -  É uma infeção bacteriana que progride rapidamente A mortalidade neste grupo é muito elevada, aproximando-se de 50 % a 70 % .4 - É rara, com apenas 3 a 4 casos em cada milhão de habitantes por ano nos EUA e Canadá, ou seja, cerca de 1000 casos por ano nos EUA. É mais comum em adultos e idosos com doenças crônicas , doenças cardíacas, doença vascular periférica, doenças pulmonares, insuficiência renal e diabetes mellitus), abuso de álcool, condições imunossupressoras (uso de corticosteróides sistêmicos, doenças do colágeno, infeção pelo HIV, transplantes de órgãos sólidos e doenças malignas em tratamento), uso de drogas endovenosas, cirurgias, varicela em crianças, úlceras isquêmicas e de decúbito, psoríase, contato com pessoas infectadas por Streptococcus e traumas cutâneos penetrantes e fechados ou até mínimos.2,10-14iabet





ÚLCERA DE BURULI -  É  uma doença que pode ser tratada com sucesso quando diagnosticada mais cedo. A maior dificuldade para resolver é a detecção precoceAo contrário lepra ou tuberculose, a infeção bacteriana não é transmitida por contágio humano para humano - A úlcera de Buruli (BU) é uma doença tropical negligenciada causada por Mycobacterium ulcerans . que afeta particularmente as populações dos países do Golfo da Guiné. Causada por uma micobactéria  transmitida por insetos aquáticos, destrói a pele, os músculos e pode até mesmo tocar o osso. É a terceira doença micobacteriana mais comum após tuberculose e hanseníase em pessoas imunocompetentes em Bénin. A doença tem sido relatada em mais de 30 países do mundo, mas a maior carga de pacientes está na África Ocidental - Estima-se que atualmente cerca de 20.000 pessoas por ano estão infectados com úlcera de Buruli e tratada. O número de casos não é alto. Mais de metade dos afetados são crianças menores de 15 anos.

Pictures of Buruli ulcers can be seen at (https://www.youtube.com/watch?v=XCQ67NGmytI).


Published Date: 2017-02-08 15:46:43
Subject: PRO/EDR> Buruli ulcer - São Tomé and Príncipe
Archive Number: 20170208.4824961

ULCERIA DE BURULI - SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE
***************************************

Data: Sexta-feira 3 Fev 2017 13:46 CET
Fonte: L'Express, Agence France-Presse (AFP) [em francês, trans máquina, editada]
Http://goo.gl/DUrF3d

Uma doença de origem desconhecida, manifestada por uma úlcera cutânea violenta, atormenta os habitantes de São Tomé. 1094 casos foram registados desde Outubro [2016] entre uma população de menos de 200 000 habitantes, as autoridades sanitárias do pequeno arquipélago africano anunciaram esta [Sex 3 Fev 2017].

As autoridades solicitaram o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS), que enviou um especialista

Comunicado por:
Dra. Irene Lai
International SOS

[O ProMED-mail agradece a Irene Lai por enviar o noticiário acima.

São Tomé, com uma população de 56 945 habitantes, é a capital da nação insular de São Tomé e Príncipe, no Golfo da Guiné, ao largo da costa equatorial ocidental da África Central. (Https://en.wikipedia.org/wiki/São_Tomé).

S. Tomé - Óscar Medeiros
A úlcera de Buruli (também conhecida como a úlcera de Bairnsdale na Austrália) é uma infecção crônica da pele e dos tecidos moles devido a úlceras com grandes úlceras geralmente nas pernas ou braços que podem levar à infecção óssea adjacente e desfiguração e incapacidade permanentes. A úlcera de Buruli é nomeada após um condado em Uganda.

_M. Ulcerans_ precisa de uma temperatura entre 29-33 graus C (84.2-91.4) para crescer in vitro (http://jcm.asm.org/content/36/11/3420.full). O organismo produz uma toxina única - mycolactone, que causa danos nos tecidos e inibe a resposta imunológica. As propriedades imunossupressoras locais da toxina mycolactone permitem que a doença progrida sem dor e febre. O diagnóstico pode ser confirmado por reação em cadeia da polimerase (PCR), microscopia direta, histopatologia e cultura.

A úlcera de Buruli foi relatada em mais de 30 países, geralmente com climas tropicais na África, América do Sul, Ásia e regiões do Pacífico Ocidental, bem como na Austrália. Países da África Ocidental e Central - Benin, Camarões, Costa do Marfim, República Democrática do Congo e Gana - relatam a maioria dos casos. Na África, a maioria dos casos ocorre em crianças com menos de 15 anos, enquanto na Austrália, apenas 10% são crianças com menos de 15 anos; E no Japão, 19% são crianças com menos de 15 anos.

Águas pantanosas -A evitar! Álfobre de doenças infecciosas 
_M. Ulcerans_ foi identificado em água doce e salobra e solo em áreas pantanosas. Abrasões da pele após contato com água contaminada, solo ou vegetação são rotas prováveis ​​de entrada. _M. Ulcerans_ não é acreditado para ser transmitido de pessoa para pessoa; Mas o modo exato de transmissão é desconhecido e pode variar por região geográfica. Vetores, em particular insetos aquáticos e mosquitos, também podem desempenhar um papel em alguns locais. No sudeste da Austrália costeira, os gambás, que têm confirmado laboratorialmente _M. Ulcerans_ lesões cutâneas e / ou _M. Ulcerans_ PCR-positivo fezes, pode ser um reservatório (ProMED-mail post Buruli úlcera - Austrália: (VI) M. ulcerans, possum fezes 20140913.2771412).

Buruli úlcera foi relatada para desenvolver em viajantes no local de um trauma após ter deixado uma doença endêmica área.

80 por cento dos casos detectados precocemente podem ser curados com uma combinação de antibióticos; Entretanto, o diagnóstico tardio pode resultar em hospitalizações longas e onerosas com morbidade e incapacidade significativas. O tratamento médico é a rifampina, combinada com estreptomicina, claritromicina ou moxifloxacina durante 8 semanas, além do tratamento cirúrgico da ferida." - Excerto 

 COMEÇARAM POR LHE CHAMAR ÚLCERA DE BURULI 

- Voz da América-03/02/2017 Óscar Medeiros Em cerca de oito meses, 1094 pessoas foram internadas na maior unidade hospitalar do país vítimas da doença, “até agora desconhecida pelas autoridades sanitárias” como disse à VOA a directora dos cuidados de saúde, Maria Tomé o Ministério da Saúde do arquipélago acredita tratar-se de uma úlcera de buruli -Doença rara em São Tomé e Príncipe continua por identificar

10/02/2017 São Tomé et Principe, les autorités sanitaires de l'archipel ont notifié depuis le mois d'octobre 2016 un total de 1094 cas d'ulcère de Buruli sur une population de moins de 200 000 habitants.NOTICIAS  -  Ulcère de Buruli à São Tomé et Principe

DEPOIS PASSARAM A APELIDÁ-LA DE OUTRO NOME DE CELULITE NECROTIZANTE – ISTO PORQUE, ENTRETANTO, DADA A AUSÊNCIA DE ESTUDOS –  O CASO SUSCITOU  DÚVIDAS NO Pro-MED E ALGUMA CONTROVÉRSIA

Data de publicação: 2017-02-10 14:27:12
Assunto: PRO / EDR> Úlcera de Buruli - São Tomé e Príncipe (02): comentário, RFI
Número do arquivo: 20170210.4830051
BURULI ULCER - SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE (02): COMENTÁRIO, PEDIDO DE INFORMAÇÃO

(…)
Data: Qui 9 Fev 2017
De: Pamela Small [editado]
O grande número de casos relatados desde outubro [2016] não é consistente com o que se sabe sobre a epidemiologia da úlcera de Buruli. _Mycobacterium ulcerans_ não se propaga de pessoa para pessoa, tem um período de incubação de semanas a meses, e não há outros "surtos" conhecidos desta magnitude. Também a descrição de uma úlcera "violenta" para uma condição geralmente indolor não parece consistente com a apresentação usual da úlcera de Buruli. Será muito útil saber mais sobre esta situação
Pamela Small, PhD.
Professor emérito
Departamento de Microbiologia
Universidade de Tennessee,
Knoxville, TN, EUA

[Dr Small é correto em que, embora o modo de transmissão para os seres humanos continua a ser desconhecida, é pensado para envolver o contato com uma fonte ambiental, e não a propagação de pessoa a pessoa; E o período de incubação é pensado para ser prolongado. O período de incubação, estimado por entrevistar pacientes que relataram um período definido de contato com uma área endêmica no sudeste da Austrália antes do diagnóstico, foi encontrado em uma média de 135 dias (intervalo: 34-264 dias) (https: /www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3789762/).
Verdadeiros "surtos" da úlcera de Buruli em regiões endêmicas, como na África, onde o contato com uma fonte ambiental é provavelmente uma ocorrência diária, não ocorrem. Um grande número de pacientes diagnosticados em tempo relativamente curto, como 1094 casos de úlcera de Buruli registrados em São Tomé desde outubro de 2016, entre uma população menor que 200.000 habitantes, é mais provável devido ao aumento do reconhecimento da doença pelos clínicos, maior Notificação ou pesquisa de casos melhorada.

No entanto, foram descritos focos de úlcera de Buruli, principalmente em áreas focais, provavelmente devido ao surgimento de uma nova fonte ambiental ou ao aumento do contato com uma fonte ambiental existente. Por exemplo, a úlcera de Buruli desenvolveu-se em uma comunidade no sudeste da Austrália em 79 pessoas (48 residentes e 31 visitantes) de janeiro de 2002 a abril de 2007; _M. Ulcerans_ infecção não foi encontrada na área antes de 2002 (https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3375796/).

(…)No entanto, são necessárias mais informações sobre este surto em São Tomé - uma descrição clara das lesões cutâneas e os resultados dos testes utilizados para confirmar o diagnóstico de úlcera de Buruli, isto é, a reacção em cadeia da polimerase (PCR), a coloração ácida rápida, Histopatologia e cultura. http://www.promedmail.org/direct.php?id=20170210.4830051





A UM POVO ABANDONADO, RESTA-LHE A FÉ E A ESPERANÇA NO SOBRENATURAL 


FAZER-SE LUZ NAS TREVAS  - Para se combater o medo do desconhecido, não há como fazer-se luz - Pois é mais grave darem-se noticias falsas, afirmar-se publicamente que se trata de uma doença desconhecida de que apontar o nome da doença: - Pois, como se compreenderá, do desconhecido toda a gente tem medo e do que é conhecido, as pessoas podem defender-se ou acautelar-se: ora, como se compreenderá, os turistas, desde que não se banhem nos charcos e pântanos ou comam marisco e peixes pescados nestas águas, não têm problemas, podem muito bem continuar a desfrutar as suas férias, nas magníficas belezas naturais destas maravilhosas Ilhas, pois a doença não é contagiosa, tal como também a população, se for avisada dos cuidados que deve ter, evitando banhar-se nos pântanos e não fazer ali qualquer tipo de pesca, em águas contaminadas, naturalmente que não correrá riscos de contrair a tão horrível doença e, de, dentro das suas humildes possibilidades, fazer uma vida mais saudável e normal

O DESCONHECIDO É SEMPRE MAIS TEMIDO 


Tal como já tivemos oportunidade de referir, caso se  tratasse desta terrível doença, 'celulite necrotizante' , aliás, Fasceíte necrosante já tinham morrido muitas pessoas - No entanto, as autoridades sanitárias santomenses, além de terem negligenciado a doença, durante vários meses, têm procurado ocultar informação dos pormenores da mesma, que  designam por desconhecida, embora havendo  noticias a correr no estrangeiro que  lhe apontam o nome de  úlcera de Buruli, que, de resto, vão ao encontro das  biopsias, que já teriam sido realizadas pelo especialista beninense Ghislain Emmanuel, a pedido do OMS, as quais foram enviadas para o laboratório em Yaondé, Camarões -  Mas, afinal, anteriormente já haviam sido feitas outras biopsias

PRO/EAFR> Undiagnosed disease - São Tomé and Príncipe: fatal, Buruli ulcer susp - ProMED Anglophone Africa - 02/28/2017

At least 2000 people have been reported infected by a mystery disease in São Tomé and Príncipe.DW Radio quoted authorities saying 42 new cases had been reported in the past week alone [February 2017], from the disease that has been code-named "necrosant cellulite" [necrotizing cellulitis].A total of 1994 cases of infections were reported as at January [2017], from when it was first detected in October last year [2016], DW Radio said.So far, 4 people have died from the view full article - See 


(...) [O ProMED-mail tem posto relatos deste surto de infecção cutânea
Úlcera em São Tomé e Príncipe. Inicialmente (3 de fevereiro de 2017), nós
Foram informadas de que as autoridades haviam solicitado o apoio da Organização
Organização Mundial da Saúde (OMS), que estava enviando um especialista
úlcera. Naquela época, havia 1094 casos relatados desde outubro
2016. O número aumentou para "pelo menos 2000" casos com 4 mortes
Devido à doença. O noticiário diz que as úlceras têm sido
Descrito como "celulite necrosante"; A histopatologia da úlcera de Buruli
É dito ser caracterizado por necrose de coagulação, onde a célula
Núcleos e estrutura intracelular estão ausentes, deixando "células fantasmas"
(< Http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0365-05962010000300002&lng=en&nrm=iso&tlng=en >).


No entanto, a úlcera de Buruli raramente é fatal.

PRO/EDR> Buruli ulcer - São Tomé and Príncipe (04): fatal, susp, RFI




Nenhum comentário :