expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Dia Mundial da Criança - Milhões de Crianças em risco de fome, violência, abuso sexual e exploração do trabalho infantil –– O direito de uma criança ruandesa à saúde é ameaçado mesmo antes do nascimento. - Cerca de 1,4 milhão de crianças em risco de morrer a fome na Nigéria, Somália, Sudão do Sul, Iemen e Angola - E até no Reino Unido – a fome afeta 3 milhões de crianças - Nas Ilhas Verdes do Equador: mais de 70% das crianças são-tomenses são pobres -Estima-se que cerca de 120 milhões de crianças vivem nas ruas do mundo

Jorge Trabulo Marques - Jornalista - Informação e análise

A FOME NÃO É SÓ EM ÁFRICA, AMÉRICA E OCEANIA, JÁ CHEGOU AO PAÍS EUROPEU DO MAIOR IMPÉRIO COLONIAL  -  REINO UNIDO TRÊS MILHÕES DE CRIANÇAS  AFETADAS POR CARÊNCIAS ALIMENTARES  - 
05/03/2016 -  (..) Mais de 63% dos ruandeses continuam a viver abaixo da linha de pobreza, com  as populações rurais em especial o sofrimento. - Pormenores mais à frente 




O sistema de proteção social no Reino Unido, que chegou a ser um dos mais sólidos na Europa, também já está a descambar para o salve-se quem puder:  a globalização, dominada pelo liberalismo selvagem, logrou esbater fronteiras e expandir-se à escala planetária, em que os ricos são mais ricos e os pobres mais pobres.

Referem noticias que "A fome afeta um número crescente de crianças na Grã-Bretanha. Até três milhões de crianças na Grã-Bretanha estão ameaçadas de desnutrição fora do prazo, quando não recebem refeições escolares, de acordo com novas pesquisas.

Um terço destas crianças qualifica para refeições gratuitas fornecidas pelas escolas durante o período de tempo e muitas vezes ficam com fome durante as férias escolares. Dois milhões são de famílias trabalhadoras que ganham salários de pobreza, mas não se qualificam para refeições escolares gratuitas.

Esta foi a conclusão do Grupo Parlamentar de todos os partidos (APPG) sobre Hunger, que encomendou dois meses de pesquisa, incluindo 52 inscrições escritas, entrevistas com painéis de testemunhas experientes e consulta com instituições de caridade que fornecem alívio de alimentos.
.
(…) A fome acumula vidas jovens em todo o país, com mais de meio milhão de crianças em Londres enfrentando insegurança alimentar durante as quebras da escola. https://www.wsws.org/en/articles/2017/05/09/maln-m09.html

Milhares de crianças começam com fome da escola, avisam os deputados

Mais de uma em cada cinco crianças de algumas escolas primárias da Inglaterra iniciam os primeiros e os últimos anos do ensino médio da escola primária, mostram os números

Em algumas escolas, mais de uma em cada cinco crianças chega a terras com fome a cada dia, e para algumas crianças, sua refeição escolar gratuita "pode ​​ser o único alimento quente que comem a cada dia", disseram pesquisadores. Thousands of children start school hungry, MPs warn | The Independent

06/05/2016 - Mais de 8 milhões de pessoas na Grã-Bretanha vivem em famílias que lutam para colocar comida suficiente na mesa, com mais de metade indo regularmente um dia inteiro sem comer, de acordo com estimativas de fome no Reino Unido. 

Um em cada 10 adultos sofreu níveis moderados de insegurança alimentar em 2014, colocando o Reino Unido na metade inferior dos países europeus em medidas de fome abaixo da Hungria, Estónia, Eslováquia e Malta.More than 8 million in UK struggle to put food on table, survey says ...


Crianças desaparecidas: Crime contra a humanidade Em Portugal, a Polícia Judiciária investiga, em média, cinco desaparecimentos de crianças por dia. Por ano, são mais de dois mil desaparecimentos, a maioria fugas de casa e, em geral, acabam bem no espaço de cinco dias. Todavia, desde 1990, continuam por encontrar 13 menores desaparecidos. - Quando uma criança desaparece, as possibilidades são inúmeras, mas podem resumir-se a seis: fuga, perda, rapto, crime, pedofilia ou prostituição. http://www.audacia.org/v2/article/criancas-desaparecidas-crime-contra-a-humanidade/

Pobreza e falta de proteção social afeta 70% das crianças das crianças de São Tomé






12/5/2016, 21:00  - Um relatório do Fundo das nações Unidas para Infância indica que mais de 70% das crianças são-tomenses são pobres e "apresentam maior vulnerabilidade relativamente a situação da proteção social". . Um relatório do Fundo das nações Unidas para Infância (Unicef) indica que mais de 70% das crianças são-tomenses são pobres e “apresentam maior vulnerabilidade relativamente a situação da proteção social”. São Tomé e Príncipe tem 70% das crianças afectadas pela pobreza

NO RUANDA –  O DIREITO DE UMA CRIANÇA À SAÚDE É AMEAÇADO ANTES DO NASCIMENTO  Ruanda não cumpre totalmente os padrões mínimos da Lei de Proteção de Vítimas do Tráfico,



“Crianças de Ruanda | Humanium - Juntos por direitos da criança”



05/03/2016 -  (..) mais de 63% dos ruandeses continuam a viver abaixo da linha de pobreza, com  as populações rurais em especial o sofrimento. A pobreza afeta a grande maioria das crianças ruandesas, com sérios efeitos sobre o acesso a alimentos nutritivos, educação , serviços de saúde , etc. Os programas de proteção social que trabalham diretamente com os pobres e os beneficiam são oferecidos pelo governo e organizações não-governamentais.



O direito de uma criança ruandesa à saúde é ameaçado mesmo antes do nascimento. Apenas 69% dos nascimentos têm um atendente qualificado presente, e a taxa de mortalidade infantil acima de 37 ‰ é motivo de grande preocupação . 

A taxa de mortalidade de menos de 5 anos é pior, a 52 ‰. 7% das crianças nascidas têm um baixo peso ao nascer e 12% das crianças menores de 5 anos estão abaixo do peso - com quase duas vezes mais crianças rurais abaixo do peso do que as crianças urbanas. Quase metade das crianças menores de 5 anos são atrofiadas, provavelmente devido a apenas 17% das crianças que recebem a dieta mínima aceitável de 6 meses a 23 meses de idade.


Uma grande variedade de doenças e doenças contribuem para esta situação infeliz (malária, tuberculose, diarreia, febre tifóide), assim como a falta de profissionais qualificados. Quase um terço dos ruandeses não tem acesso a fontes de água potável melhoradas



A situação da Street Children em Ruanda está severamente sub-documentada e carente de dados significativos. Estudos recentes descobriram que a maioria das crianças da rua do Ruanda são meninos, e a maioria deles pode ser encontrada na capital do país, Kigali. Mais de 85% das crianças da rua não frequentam a escola.
As crianças da rua estão expostas a numerosos riscos, incluindo a exploração sexual e econômica, problemas de saúde desnutrição, etc.

(…)Muitas crianças foram forçadas às ruas como resultado da pobreza , abuso , tortura, estupro ou abandono. 71,5% das crianças de rua entrevistadas em um estudo tinham uma mãe vivendo e 51,6% tinham um pai ainda vivo. Crianças urbanas e crianças de extrema pobreza que não possuem cuidados e supervisão adequados são mais suscetíveis de se tornar crianças de rua.

Quase metade das crianças vistas nas ruas em Ruanda durante o dia, de fato, retornam às casas à noite. Essas crianças, consideradas crianças "nas ruas", em vez de "das ruas", ainda enfrentam barreiras significativas à saúde, à educação e ao bem-estar. Eles podem passar algumas noites em casa e outras noites na rua. Muitas vezes, eles vêm para a rua para escapar de abuso ou pobreza em casa, e muitos trabalham ou vendem itens para ganhar dinheiro durante o dia antes de voltar para casa.

O Ruanda ratificou todas as principais convenções internacionais relativas ao trabalho infantil. Apesar dos esforços do governo para eliminar o trabalho infantil, continua a haver uma alta taxa de trabalho infantil na nação, com 16-22% das crianças ruandesas trabalhando. As leis relativas ao trabalho infantil nem sempre são aplicadas, especialmente em ambientes de atendimento doméstico, mas os órgãos responsáveis ​​pela aplicação da lei tomaram medidas recentes para combater o trabalho infantil.

Tráfico de Crianças  - A lei ruandesa condena a prostituição infantil , a escravidão e o seqüestro, e o governo recentemente aprovou e implementou um plano de ação nacional contra o tráfico. De acordo com o Relatório 2015 sobre Tráfico de Pessoas, o Ruanda não cumpre totalmente os padrões mínimos da Lei de Proteção de Vítimas do Tráfico, mas está fazendo esforços significativos para se tornarem compatíveis. Foi relatado que o número de ruandeses submetidos ao tráfico diminuiu em 2014.
Ruanda é considerado um país-fonte para mulheres e crianças sujeitas a tráfico sexual e trabalho forçado, mas mulheres e crianças de países vizinhos também podem ser encontradas em cargos de trabalho forçado ou prostituição.Children of Rwanda | Humanium – Together for Children's Rights


EM TODO O MUNDO - 120 MILHÕES DE CRIANÇAS DE RUA VIVENDO  AO RELENTO, SOB O TECTO DOS MAIS ALTOS CÉUS  

Estima-se que cerca de 120 milhões de crianças vivem nas ruas do mundo (30 milhões em África, 30 milhões na Ásia e 60 milhões na América do Sul).


(…)Os filhos da rua são confrontados com uma grande quantidade de problemas. Na verdade, crescendo em um ambiente geralmente considerado perigoso, eles incorrem em riscos consideráveis.
Como consequência, alguns de seus direitos são muitas vezes comprometidos.

As crianças da rua muitas vezes não têm acesso a uma dieta saudável e suficiente. Às vezes, eles nem sequer têm comida, porque vivem nas ruas, não produzem e não têm dinheiro para comprar.

Além disso, essas crianças não se beneficiam de uma dieta equilibrada: eles comem o que podem encontrar. Às vezes, quando eles têm a escolha, eles ainda favorecem alimentos pouco saudáveis ​​como sorvete, bolos, etc. e correm o risco de desnutrição. Problemas de crescimento também são comuns com essas crianças. http://www.humanium.org/en/street-children/

Cerca de 1,4 milhão de crianças em risco de morrer a fome na Nigéria, Somália, Sudão do Sul e Iemen” - UNICEF

 31/03/2017 | UNICEF, a agência das Nações Unidas para crianças, disse que no Iêmen, 462 mil crianças sofriam de desnutrição aguda. Cerca de 450 mil crianças estavam gravemente desnutridas no nordeste da Nigéria .

O diretor da UNICEF, Anthony Lake, apelou para uma ação rápida. "Nós ainda podemos salvar muitas vidas", disse ele. – Excerto de “Cerca de 1,4 milhão de crianças em risco de morrer a fome na ...



MILHÕES DE CRIANÇAS EM RISCO DE FOME, VIOLÊNCIA E ABUSO NO SUDÃO DO SUL
Cerca de 2,5 milhões de crianças enfrentam riscos cada vez maiores de desnutrição, violência e abuso no Sudão do Sul. Desde a explosão da violência em dezembro passado, as crianças não foram poupadas, e muitos foram atacados e mortos diretamente em diferentes partes do país. Casas, escolas e hospitais foram atacados. Milhares de famílias fugiram de suas casas e estão espalhadas por centenas de quilômetros, em campos ou vivendo no mato. Agora, sem um aumento imediato e generalizado da disponibilidade de tratamento, é provável que até 50.000 crianças menores de cinco anos morram de desnutrição.

Tendo fugido da violência, muitas vezes depois de sobreviver a viagens longas e perigosas, as crianças nos campos enfrentam desafios adicionais. Muitos testemunharam crueldades e matanças de familiares e amigos, mutilações e recrutamento por diferentes lados armados, e agora estão ameaçados de seqüestro, violência sexual e casamentos precoce. Milhares de crianças perderam seus pais no caos da violência ou se separaram de seus entes queridos. Eles vagueiam no mato sozinhos ou chegam a um dos muitos campos de deslocamento exaustos, assustados e profundamente afetados pela violência que eles testemunharam traumatizados. https://www.savethechildren.net/article/millions-children-risk-hunger-violence-and-abuse-south-sudan   



No mundo cerca de 100 milhões de pessoas estão sem teto; existem1 bilhão de analfabetos e 1,1 bilhão de pessoas vivem na pobreza.

A fome ainda atinge crianças recém-nascidas de uma forma alarmante. Anualmente, 20 milhões de crianças nascem abaixo do peso em países em desenvolvimento. Em alguns países como a Índia e Bangladesh, o número de casos de crianças nascidas abaixo do peso chega a 30% do total. A criança e a fome - Guia Infantil

Em um fracasso notável da democracia, a Índia é o epicentro da desnutrição crônica em escala global: 39% das crianças indianas são afetadas por ela, segundo cifras do governo — outras estimativas são mais elevadas. A desnutrição crônica é pior na Índia do que em Burkina Faso ou no Haiti, pior do que em Bangladesh ou na Coreia do Norte. Desnutrição afeta metade das crianças de estado da Índia 




ANGOLA - OUTROS DOS PAÍSES AFRICANOS, CAMPEÕES DAS DESIGUALDADES SOCIAIS  - EM QUE AS CRIANÇAS SÃO AS MAIORES VITIMAS


Angola é o PALOP onde a população mais sofre com a fome, aponta índice global - 11-10-216 - Angola está na lista dos 50 países com as taxas mais alarmantes no Índice Global da Fome 2016. Estudo diz que é preciso acelerar o combate à fome, caso contrário a meta de Fome Zero até 2030 não será atingida. Angola é o PALOP onde a população mais sofre com a fome



(...) Angola é um dos países mais ricos em recursos da África. É o segundo maior produtor de petróleo da África e o quarto maior produtor de diamantes. Além disso, o país é  rico de recusros  como minerais, madeira e peixe.

(..) As elites governamentais e os funcionários colhem os benefícios da indústria do petróleo, enquanto muitos angolanos vivem em condições árduas. Além disso, o país possui altas taxas de mortalidade infantil , acesso pobre a água limpa e saneamento e altas taxas de analfabetismo.

(…) O Índice de Desenvolvimento Humano de 2016 classifica Angola 149 em 186 na escala de pobreza , uma vez que a pobreza permeia toda a nação.

A pobreza em Angola é maior nas áreas rurais, que contém 38,5% da população. De fato, 94% das famílias rurais são categorizadas como pobres.

(...) Uma quantidade considerável da população (38 por cento)  não tem acesso a fontes de água potável. Consequentemente, a taxa de mortalidade para crianças menores de cinco anos é de cerca de 17%.

Além disso, muitas crianças não têm acesso à educação, dificultando o emprego futuro. De fato, 34,6% das pessoas têm acesso desigual à educação. Como resultado, 28,9 por cento da população tem uma renda desigual.
capital de Luanda , uma das maiores cidades de Angola, contrasta drasticamente com os seus arredores. Apenas fora dos limites da cidade, centenas de milhares de pessoas vivem em extrema pobreza. – Excerto de Pobreza em Angola: Causas, atualizações e estatísticas

SAQUE  DOS POVOS À ESCALA UNIVERSAL POR OPORTUNISTAS E MALFEITORES 
A crise económica mundial tem sido uma tenção para os criminosos transaccionais. Graças à fraca economia - organizações criminosas podem adquirir empresas em dificuldades financeiras, mas potencialmente valiosas  

 Indivíduos ricos com fundos de negócios suspeitos são procurados filantropos  para controlar estações de rádio e televisão e jornais próprios influentes
. ,Mafia States - Carnegie Endowment for International Peace.. - Traduzir esta página

CONTROLAM AS EMPRESAS MAIS LUCRATIVAS - E ATÉ OS CASINOS - E JÁ ESTÃO NO CONTROLO DOS MEDIA - EM PORTUGAL NÃO FALTAM EXEMPLOS 



Tal como um dos protagonistas dos chamados Vistos Gold afirmou,
 Agora há que arrebanhar por todo o lado ...De Novembro de 2013 a Novembro de 2014, os investigadores ouviram as conversas telefónicas de António Figueiredo, então presidente do Instituto dos Registos e Notariado (IRN), de Manuel Jarmela Palos, então director do SEF, e de empresários chineses que viriam a ser detidos por suspeita de terem alegadamente montado uma rede de corrupção em torno dos vistos gold. 

ANGOLANOS E CHINESES - DONOS DOS JORNAIS PORTUGUESES  DE REFERÊNCIA MAIS ANTIGOS 

17/09/2016 Grupo chinês KNJ Investment Limited, sediado em Macau —  e liderado pelo empresário Kevin Ho, sobrinho do ex-chefe do Executivo em Macau, Edmund Ho — está a preparar-se para assumir o estatuto de maior acionista do grupo Global Media, proprietário de meios como “JN”, “DN” e TSF.Expresso | Chineses vão ficar a mandar na dona do “DN”  

Que, por sua vez, já havia sido adquirida por António Mosquito, Empresário angolano, a par de Joaquim Oliveira. Luis Montez, BES e BCP assumem 15% cada um. 28/02/2014 -  António Mosquito oficializa compra de 27,5% da Controlinveste ...

TAP – NA CALHA  -  24/11/2015 O chinês HNA Group assinou acordo para se tornar acionista da Azul Linhas Aéreas Brasileiras, empresa de David Neeleman, empresário que, com o português Humberto Pedrosa, ganhou a privatização da TAP. Grupo chinês compra 23,7% de empresa do dono ... - Diário de Notícias

A PESTE ULTRA LIBERAL  SÓ EXTREMA A POBREZA E AGRAVA AS DESIGUALDADES .

As chamadas democracias ocidentais, levadas pela peregrina ideia de que, com o escancaramento de fronteiras ao grande capital internacional, fosse qual fosse a sua origem, trazia consigo prosperidade para o grande capital e que, com o fomento da riqueza acumulada,  ainda sobrava uma fatia para contemplar o resto da maralha,
enganaram-se: as fábricas imediatamente foram deslocalizadas para a China e a Índia, deixando legiões de desempregados no espaço europeu.

Por sua vez, o que essas fábricas produzem, é vendido na Europa e em todo o mundo por logistas chineses, esmagando o comércio local

A índia, que era governada por 500 manjarás, passou a ser  dona de 50 bilionários, que, além de corromperem o seu país, apoderam-se do resto do mundo – Com os chineses, ainda pior, porque, na China - Um em cada mil chineses é milionário : e graças à exploração do povo chinês e dos outros povos

ÁFRICA -UMA ENORME JANGADA DE PEDRA À DERIVA 

Os Governantes  do continente Africano, portam-se mil vezes  pior que no tempo colonial: sacam descaradamente as riquezas dos seus países, em proveito próprio, da elite dirigente e dos seus familiares e amigos ou desviando-a para paraísos fiscais  - Depois, tal como os certos de países orientais, apoderam-se das melhores empresas europeias,  fazendo delas o que lhe aprouver - Não nos sentido de as desenvolverem ou de promoverem  progresso social e de gerarem empregos mas de as espremerem, pagando luxuosas luvas aos seus testas de ferro, empregando apenas quem se submeter  ao seu omnipotente domínio:

Daí que, as cidades europeias, além de se tornarem cada vez mais inseguras e  incaraterísticas, desde a gastronomia, ao comércio, aos costumes,  vão sendo mais estrangeiras que nacionais, dificultando a vida aos seus próprios cidadãos - Por mais estatísticas, falseadas, que sejam propagandeadas,  a realidade é bem mais cruel e  penosa para quem queira arranjar um posto de trabalho: 

COMO É POSSÍVEL VIVER EM LISBOA - COM QUARTOS A 2550 E A 300 EUROS E ORDENADO MÍNIMO DE 566 EUROS 

Em Lisboa, ninguém consegue arranjar um quarto, minimamente decente, por menos de 250 a 300 euros - Veja-se o que depois fica para a alimentação, transportes   e outras despesas essenciais, com um ordenado mínimo  atual de 556,50 euos.



"Angola é o PALOP onde a população mais sofre com a fome, aponta índice global
Angola está na lista dos 50 países com as taxas mais alarmantes no Índice Global da Fome 2016. Estudo diz que é preciso acelerar o combate à fome, caso contrário a meta de Fome Zero até 2030 não será atingida.


Angola é o País Africano de Língua Oficial Portuguesa onde a população mais sofre por causa da fome. A informação foi divulgada nesta terça-feira (11.10.), em Berlim, na apresentação do relatório 2016 do Índice Global da Fome. O relatório inclui Moçambique e Guiné-Bissau, que também registam altos índices de fome.

Nenhum comentário :