expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Ruanda e as crianças – soldados: Crimes contra a humanidade pelo exército ruandês, que se serve de adolescentes para apoiar a desestabilização da República Democrática do Congo. - Já alvo de sanções pelo EUA - Pelotão militar do Ruanda, em S. Tomé, do regime do ditador Paul Kagame, a pedido de Patrice Trovoada, continua a gerar crescente polémica, acentuada desconfiança e um profundo mal-estar nos vários sectores da sociedade santomenses – E com justificado fundamento: bastará ler o relatório (assustador) da prestação de serviço militar no Ruanda – Divulgador por pesquisador Ruandês

Jorge Trabulo Marques - Jornalista - Informação e análise


RELATÓRIO ASSUSTADOR DO SERVIÇO MILITAR NO RUANDA - Liderado pelo ditador Paul Kagame, desde há três décadas no poder e que alterou a constituição através de um forjado referendo para se perpetuar até 2034 - QUE SE SERVE DAS INOCENTES CRIANÇAS-SOLDADOS NA GUERRILHA CONTRA OS PAÍSES VIZINHOS 

– Será este o exemplo que o Governo de Patrice Trovoada quer introduzir nas maravilhosas e pacificas ilhas Verdes do Equador, sob a instrução de um pelotão de 20 militares ruandeses? 


EXÉRCITO RUANDÊS ACUSADO - De usar nas suas fileiras pobres  e infelizes adolescentes - De perseguir objetores de consciência, de ameaçar as suas famílias com prisão, confisco de propriedades, de promover sequestros e assassinatos dentro do país e em países de exílio. – Indicamos-lhe o link através do qual poderá ler o relatório acerca da prepotência e arbítrio de um dos exércitos mais truculentos e perigosos de África 





RWANDA: Kagame usando criança soldado  RWANDA: Kagame using child soldie  04/10/2013 - Os Estados Unidos mobilizaram-se para bloquear a ajuda militar dos EUA ao Ruanda por causa do apoio ao grupo rebelde congolesa M23 que se acredita usar crianças soldadas"

08/10/2013  Um terço das crianças soldados que escaparam do grupo rebelde M23 do Congo foram atraídos pelo vizinho Ruanda com promessas de dinheiro, emprego e educação, disseram as Nações Unidas no sábado. - Algumas crianças soldadas M23 receberam treinamento da Força de Defesa de Ruanda - Pormenores mais à frente


RELATÓRIO CHOCANTE  – DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO MILITAR NO RUANDA  – Poderá lê-lo na integra no link que mais abaixo lhe indicamos.

Ruanda: recrutamento, deserção e repressão de soldados - 16 Dez 2016 – Hbrock - Este relatório foi escrito por um pesquisador ruandês, trabalhando com Internacional de Resistentes à Guerra e Connection (…) Este relatório examina as barreiras à saída das forças armadas no Ruanda durante a última década. Baseia-se nos depoimentos de ex-soldados que desertaram o exército - As consequências da deserção podem ser graves, mas as dificuldades em encontrar maneiras legítimas de deixar o exército significam que a deserção continua a ser a única opção para muitos - Pormenores mais à frente 

OS PATRIOTAS SANTOMENSES TÊM BASTAS RAZÕES PARA FICAREM PREOCUPADOS COM A ESTRANHA E INEXPLICÁVEL PRESENÇA DE UM PELOTÃO DE MILITARES RUANDESES NO SEU PAIS  - Mais à frente compreenderá melhor as razões



JORGE AMADO disse, no Parlamento,  que,  em 1998, foi  vitima de uma Granada atirada por  elementos da Guarda Presidencial do então Presidente Miguel Trovoada, pai do atual Primeiro-Ministro, Patrice trovoada – Pelos vistos, talvez seja este um dos motivos pelos quais se foi buscar uma tropa especializada em vários atos condenáveis, a que alude o extenso e bem pormenorizado  relatório, que deveria ser anexado ao recurso apresentado ao TC, antes que Patrice lá instale outra das suas bandeiras.  

08/05/2017  Jorge Amado, do Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social-Democrata (MLSTP-PSD) e Danilson Coutu do Partido da Convergência Democrática (PCD), ambos líderes parlamentares dos respectivos partidos da oposição, criticaram a presença do pelotão de militares do Ruanda em São Tomé e Príncipe.  Do lado do Governo, Afonso Varela, ministro da Presidência do Conselho de Ministro e dos Assuntos Parlamentares de São Tomé e Príncipe, realçou que se trata de uma acção que se inscreve no relacionamento entre São Tomé e Kigali. Ouvir  http://pt.rfi.fr/sao-tome-e-principe/20170508-oposicao-contra-presenca-de-oficiais-ruandeses-em-sao-tome  -  Oposição contra presença de oficiais ruandeses em São Tomé - RFI




As crianças de S.T.P têm direito a serem felizes 


Que os interesses  forjados   nos bastidores por políticos corruptos e sem escrúpulos, com   jogos militares de mais que duvidosas intenções, alicerçados em ações de desumana crueldade, não comprometam ainda mais a tranquilidade e o  futuro das crianças e de todos os filhos destas maravilhosas ilhas 


LUTA JUSTÍSSIMA - MAS TRAVADA COM  ENORMES DESIGUALDADE DE MEIOS  E DE OPORTUNIDADES – Quer no Parlamento quer na Comunicação Social 

No passado, dia 9 de Maio, os três partidos da oposição parlamentar de São Tomé e Príncipe entregaram, no Tribunal Constitucional, uma previdência cautelar para embargar a resolução, aprovada pela maioria parlamentar do  Parlamento, autorizando a entrada de militares ruandeses no país, com alegação de  que “não foram cumpridos os trâmites legais” Oposição são-tomense quer militares ruandeses fora ...

GOVERNO DE TROVOADA QUER PERPETUAR-SE NO PODER E FINTAR AS SUAS ARBITRARIEDADES ATRAVÉS DA RECONDUÇÃO DE UM JOSÉ BANDEIRA OU DE OUTRO JUIZ-CONSELHEIRO DA SUA CONFIANÇA - É nesse sentido que aponta  a recente aprovação do projeto, na generalidade,  da lei orgânica para a criação do Tribunal Constitucional , com os votos do partido no poder ADI, os três partidos da oposição votaram contra

CANDIDATO A USAR  AS MESMAS PRÁTICAS DOS MAIS DÉSPOTAS E VELHOS DITADORES AFRICANOS

Não seria de espantar que, com o controlo absoluto dos órgãos de comunicação social do Estado e de outras descaradas arbitrariedades, com o controlo da Justiça, da Presidência da Republica, das Forças Armadas e Policiais, sim, das principais instituições do Estado, o Primeiro-ministro, Patrice Trovoada, com o seu partido trazido à trela, querendo perpetuar-se no poder, venha a mexer na Constituição da República, procedendo justamente, tal como fez o ditador ruandês, Paulo Kagame, o qual, não obstante os 30 anos que já leva, ter logrado levar à aprovação de um  referendo, travestido e fraudulento, que lhe permite manter-se poder até 2034 – Imagine-se -  Segundo a Comissão Eleitoral Nacional, o "sim" à alteração constitucional obteve 98,1% dos votos quando estavam apurados resultados em 70% do país. Presidente do Ruanda, homem-forte desde 1994, pode ficar até 2034



MAS QUE TIPO DE EXPERIÊNCIAS OU DE CONHECIMENTOS, AS FORÇAS ARMADAS E POLICIAIS SANTOMENSES, PODERÃO RECEBER DO PELOTÃO DE  MILITARES DE UM REGIME ALTAMENTE REPRESSIVO E  OPRESSOR?  – Que já foi sancionado por usar crianças soldados? – Um crime-de-lesa-humanidade.

Qual a necessidade do Governo de Patrice Trovoada, ir buscar apoio militar ao Ruanda, e de forma tão substancial e prolongada, quando, até hoje, a S. Tomé e Príncipe, nunca faltara apoio de Portugal, Espanha, França, Brasil,  EUA? a Trovoada, já não basta a mascarada dos exercícios navais, com o gabão, com o qual tem estabelecido negócios de duvida legalidade, nomeadamente com os malabarismos das embarcações e catamarãs, ou que levaram sumiço, não se sabe para onde  ou que acabaram desmantelados nas areias das praias por manifesta negligência e irresponsabilidade

DOS PAÍSES AMIGOS E COM A MESMA LÍNGUA-COMUM, NÃO TEM FALTADO APOIO

Embarcação madeirense, posta a reflutuar pela Marinha Portuguesa 



De recordar, que, Portugal, sempre manifestou o seu apoio e disponibilidade para cooperar com S. Tomé e Príncipe, quer a nível miliar quer noutros sectores  “Unidos pela vontade, mas também pelo imperativo de cooperar. É assim que vivem há quase 30 anos Portugal e São Tomé e Príncipe em matéria de Defesa. E assim hão de continuar fazendo fé nos públicos e notórios sinais de bom relacionamento entre Azeredo Lopes e o seu homólogo santomense, Arlindo Ramos, durante a visita que o ministro português realizou esta quarta e quinta-feira ao arquipélago no centro do Golfo da Guiné.




DO BRASIL TAMBÉM NÃO TEM FALTADO APOIO  - Eis igualmente alguns dos recentes exemplos:

A partir de fevereiro de 2015, o Brasil vai passar a contar com um Núcleo da Missão Naval em São Tomé e Príncipe, arquipélago na costa ocidental da África. Portaria assinada pelo comandante da Marinha, almirante Julio Soares De Moura Neto, estabelece as atribuições da representação militar, que estará subordinada ao Estado-Maior da Armada. Brasil instalará Missão Naval em São Tomé e Príncipe em 2015 ...24/11/2014 Representação da Marinha vai atuar no acompanhamento e apoio das atividades do Grupo de Apoio Técnico de Fuzileiros Navais em solo ... Brasil – Cooperação militar com São Tomé e Príncip

PATRICE NÃO CONFIA NOS MILITARES SANTOMENSES – (que naturalmente também não podem confiar num governante que nem sequer tem raízes deste pais, visto ter nascido no Gabão)  PELO QUE VAI SOCORRER-SE DA MUSCULATURA MILITAR DE UM REGIME DITATORIAL, JÁ SANCIONADO PELO USO DE CRIANÇAS-SOLDADOS NAS FILEIRAS DO EXÉRCITO  

O tumulto que se verificou, em pleno centro da capital santomense, no final de Março, do corrente ano, marcado por escaramuças, entre  Militares e Polícias , terá sido,   não o mero episódio isolado, mas talvez o sinal da profunda desestabilização protagonizada pelo atual governo, não logrando merecer a confiança da esmagadora maioria da população, uma vez que, além das enormes injustiças sociais, que continuam a persistir e que este Governo ainda veio mais a agravar, também o   voto nas urnas, com que logrou – através da fraude -ter a maioria legislativa e até eleger um presidente da sua confiança politica (a que chama de pau-mandado)  também não reflete  a vontade popular,  

EM 2013 - RUANDA - ENTRE AS SANÇÕES DOS EUA AOS PAÍSES COM CRIANÇAS-SOLDADOS

Sanções dos EUA Ruanda, outras sobre as crianças soldados - U.S. sanctions Rwanda, others over child soldiers



04/10/2013 - Os Estados Unidos mobilizaram-se para bloquear a ajuda militar dos EUA ao Ruanda por causa do apoio ao grupo rebelde congolesa M23 que se acredita usar crianças soldadas, disse o Departamento de Estado nesta quinta-feira.



As sanções também se aplicam à República Centro-Africana, Myanmar, Sudão e Síria, de acordo com o Departamento de Estado dos EUA. Não ficou claro se essas nações recebem assistência militar dos Estados Unidos.



"Nosso objetivo é trabalhar com países que foram listados para garantir que qualquer envolvimento em crianças soldados - qualquer envolvimento no recrutamento de crianças-soldados - pare", disse o secretário de Estado adjunto dos Estados Unidos, Linda Thomas-Greenfield.




A porta-voz do Departamento de Estado, Marie Harf, disse que Ruanda foi sancionada por causa do seu "apoio ao M23, um grupo rebelde que continua a recrutar e seqüestrar ativamente" e a ameaçar a estabilidade da República Democrática do Congo. -  
O Ruanda não receberá fundos de treinamento e treinamento militar militar dos EUA, que ajudem a treinar militares estrangeiros, nem obterá o financiamento militar estrangeiro dos EUA, que financia a venda de material e serviços militares dos EUA, disse Harf.



(…) Três outros países cujos militares são conhecidos por recrutar e usar crianças soldados, no entanto, receberam dispensas das sanções dos EUA - Chade, Sudão do Sul e Iêmen, disse outro funcionário do Departamento de Estado, falando sob anomalia.



(…) Por lei, o Departamento de Estado dos EUA deve acompanhar as nações cujos governos recrutaram e usam crianças como soldados como parte de seu relatório anual sobre o tráfico de seres humanos. Os 10 países afetados pelas ações de quinta-feira foram todos citados nas últimas descobertas do Departamento de Estado, emitidas em junho.



(…) Os investigadores da U.N. e o governo congolês acusaram o Ruanda de patrocinar a rebelião, uma acusação que Ruanda nega.



"Qualquer apoio desses grupos rebeldes é visto como contribuindo para o conflito na região", disse Thomas-Greenfield a jornalistas, acrescentando que os funcionários dos EUA continuarão a discutir o assunto com o governo ruandês.  U.S. sanctions Rwanda, others over child soldiers | defenceWeb
...Traduzir esta página





Rwanda fury at child soldier sanctions - Fúria do Ruanda em sanções contra soldado infantil - sexta-feira, 4 de outubro de 2013



KIGALI - O exército de Ruanda criticou as sanções dos Estados Unidos pelo uso de crianças-soldados por rebeldes, é acusado de apoiar na República Democrática do Congo, dizendo que não tinha base factual. entre os estados que usam crianças soldados não é Com base em evidências ou fatos ".



(…) As Nações Unidas acusam o Ruanda de apoiar os rebeldes M23 na vizinha RD Congo Oriental, uma acusação que o país indevidamente negou.




RWANDA: Kagame usando criança soldado  RWANDA: Kagame using child soldie 




 07/10/2013 "Os partidos de oposição ruandeses, muitos deles levados ao exílio pelo regime repressivo de Paul Kagame em Kigali, congratularam-se com a decisão dos EUA de impor sanções ao governo para o uso de crianças soldados na República Democrática do Congo.



.... o governo dos Estados Unidos anunciou sanções contra o Ruanda, a Síria, a Birmânia (Myanmar) e a República Centro-Africana pelo uso de crianças soldados em conflitos armados.




"Nosso objetivo é trabalhar com países que foram listados para garantir que qualquer envolvimento em crianças soldados - qualquer envolvimento no recrutamento de crianças-soldados - pare", disse o secretário de Estado adjunto dos Estados Unidos, Linda Thomas-Greenfield.



Com base nessas sanções, o Ruanda será negado fundos para assistência militar. A lei de 2008 também permite que os funcionários dos EUA bloqueiem as licenças necessárias para que o Ruanda compre equipamentos militares.- Excerto de  RWANDA: Kagame using child soldiers in DR Congo | Kurunzi Afrika Traduzir esta página


Children lured from Rwanda to fight with Congo rebels: U.N.  Crianças atraídas de Ruanda para lutar contra rebeldes do Congo: U.N.



08/10/2013  Um terço das crianças soldados que escaparam do grupo rebelde M23 do Congo foram atraídos pelo vizinho Ruanda com promessas de dinheiro, emprego e educação, disseram as Nações Unidas no sábado.



Algumas crianças soldadas M23 receberam treinamento da Força de Defesa de Ruanda por até duas semanas antes de serem entregues ao grupo rebelde, com algumas das crianças acreditando erroneamente que se juntaram ao exército ruandês, o chefe da proteção da criança na missão de paz da ONU No país disse.


Os especialistas da U.N. acusaram repetidamente o Ruanda de apoiar a insurgência M23 de 18 meses no leste do Congo, uma acusação que o governo ruandês rejeitou ferozmente. As raízes da rebelião dominada pelos tutsis residem no genocídio de 1994 em Ruanda, onde tropas hutu mataram 800 mil tutsis e Hutus moderados.

Desde que a rebelião começou, a missão de paz da U.N. no Congo - conhecida como MONUSCO - entrevistou 117 meninos que foram recrutados pela M23 e descobriram que 37 deles eram ruandeses.

Ainda há um centenar de crianças entre as fileiras M23, o chefe de proteção infantil da MONUSCO, Dee Brillenburg Wurth, disse a repórteres em Kinshasa durante uma visita de embaixadores do Conselho de Segurança da U.N. à República Democrática do Congo.


Ela disse que quatro dos meninos disseram que receberam treinamento militar pela Força de Defesa Rwandesa em Ruanda em campos em Bigogwe, Ruhengeri-Nyarubanda e no antigo campus universitário de Mundende antes de serem entregues à M23.

"(Eles receberam) treinamento muito, muito sofisticado, treinamento muito sério, alguns deles por ruandeses. Eles disseram que alguns dos treinadores tinham uniformes ruandeses", disse Brillenburg Wurth.

"Algumas das (crianças) pensaram que estavam sendo recrutadas na Força de Defesa de Ruanda e foram treinadas em Ruanda e depois se encontraram ... no Congo", disse ela, acrescentando que recompensas em dinheiro, educação e oportunidades de trabalho também foram usadas Para recrutar grupos de crianças no Ruanda.

Brillenburg Wurth disse que as idades das crianças-soldados variaram de 11 a 17 e a maioria tinha 15, 16 ou 17. Ela disse que algumas crianças contaram como foram recrutadas por um treinador de futebol e um policial que ganhavam US $ 5 por criança.
(…) Os Estados Unidos, que pediram a Ruanda que derrube seu apoio aos rebeldes M23, intensificaram sua pressão sobre Kigali na semana passada, movendo-se para bloquear a ajuda militar sobre o recrutamento de crianças soldados M23 em seu território.

DISOBEY E MORRE

Os ex-soldados infantis M23 disseram que foram regularmente postados na linha de frente e viram muitas outras crianças mortas.- "Dentro do grupo, há uma hierarquia e uma disciplina extremamente difíceis. As pessoas que não obedeceram as ordens foram mortas. Uma criança disse que ele tinha que matar dois adultos que haviam cometido alguma infração", disse Brillenburg Wurth.- Entre vários oficiais M23 acusados ​​pela ex-soldada de recrutar, torturar e matar crianças, Innocent Zimurinda e Baudouin Ngaruye, que estão sujeitos a uma proibição de viagem U.N. e à congelação de ativos.
As Nações Unidas disseram que Zimurinda e Ngaruye fugiram para Ruanda em março com os colegas oficiais Jean-Marie Runiga e Eric Badege, também sob as sanções da U.N., depois que M23 sofreu uma violenta divisão interna. Eles escaparam com o senhor da guerra, Bosco Ntaganda, que foi derrotado pelo rival M23, comandante Sultani Makenga.
Em julho, o governo congolês emitiu mandados de captura internacionais e pedidos de extradição ao governo ruandês para os quatro homens acusados ​​de comissão de crimes de guerra e crimes contra a humanidade, disseram as Nações Unidas.

Excerto de Children lured from Rwanda to fight with Congo rebels ... – defence  -- Traduzir esta página

08/10/2013  Rwanda: Child Soldiers  - Ruanda: soldados infantis  -Por Jared Hiltzik


 "Houve uma grande discussão em torno da ética de ter filhos soldados nos países. Essas éticas seguiram Ruanda a partir de 1994 (…)Apesar da legislação nacional que proíbe o recrutamento com menos de 18 anos, os funcionários locais regularmente convocaram jovens, incluindo menores de 18 anos. Com as crescentes tensões entre Uganda e Ruanda, o recrutamento de FDL aumentou, aumentando o risco de recrutamento para menores de idade. Estes são problemas que estão ocorrendo em Ruanda atualmente, e a ONU tentou e ainda está tentando evitar que surjam mais crianças-soldados. O uso de crianças-soldados deve ser proibido em Ruanda, e será feita uma declaração das Nações Unidas.



 O primeiro uso de crianças-soldados no Ruanda foi durante o genocídio de 1994 entre o grupo étnico Tutsis e Hutus. Durante este genocídio, mais de 800 mil dos 7 milhões de pessoas em Ruanda foram varridas, e ¼ dessa população eram crianças e crianças soldados (Mike Pflanz). O principal problema com este genocídio foi por parte das outras nações por não entrar e parar essa guerra. As nações ocidentais ainda tinham exércitos muito mais fortes, mas pelo fato de que as crianças estavam lutando, não queriam matar crianças.



O próximo problema que se deveu a crianças soldados é o fato de que Ruanda está agora tendo uma guerra com a RDC (República Democrática do Congo). É claro que as pessoas que lutam nesta guerra são os rebeldes tutsis, e o presidente do Ruanda, Paul Kagame, acaba por ser o ex-general tutsi em 1994. Por causa do fato de que os Tutsis ficariam em número superior a pelo menos 4 a 1 , Eles precisavam de um refugiado. Bem, ninguém queria entrar em guerra com a RDC para que Paul Kagame se voltasse para o LDF para encontrar mais dos jovens soldados que foram usados ​​há 15 anos no genocídio. Excerto de Child Soldiers - RWANDATraduzir esta página


dailymail.co.uk - A ajuda britânica ao Ruanda "financia um ditador": os milhões do Reino Unido alimentam conflitos armados, diz o ex-assessor do presidente - O ex-secretário particular do presidente Paul Kagame disse que £ 270 milhões de ajuda destinada a Ruanda é "sustentar um mau regime" - o regime de Kagame é suposto financiar e armar uma rebelião sangrenta Na vizinha República Democrática do Congo





British aid to Rwanda 'is funding a dictator': UK millions fuel armed conflict

 - Paul Kagame's former private secretary said £270million of aid earmarked for Rwanda is 'sustaining a bad regime' -  Kagame's regime is alleged to be funding and arming a bloody rebellion in the neighbouring Democratic Republic of the Congo





25/11/2012 A ajuda britânica a Ruanda é "financiar um ditador" e agravar a miséria de suas vítimas, disse um ex-assessor do presidente do estado africano na noite passada. O £ 270 milhões de ajuda destinada ao país nos próximos três anos é "manter um mau regime", disse David Himbara, que era secretário particular do presidente Paul Kagame até dois anos atrás.- Excertos de  .. British aid to Rwanda 'is funding a dictator': UK millions fuel armed ...     Traduzir esta página 25/11/2012 


 DIZ-ME COM QUEM ANDAS EU DIR.-TE-EI O QUE ÉS 


President Kagame begins 2 day official visit to the Kingdom of Morocco.








A ajuda da Grã-Bretanha a Ruanda é financiar um "regime repressivo" diz o ex-funcionário da Kagame



telegraph.co.ukt 24/11/2012 O ex-secretário particular do presidente ruandês advertiu que a ajuda britânica está financiando um regime irresponsável e repressivo, acusado de crimes de guerra no Congo vizinho e de matar ou revogar dissidentes no país e no exterior.

David Himbara, que era o braço direito do presidente Paul Kagame até que ele fugiu do país há dois anos, disse: "A Grã-Bretanha não financia o Ruanda. Está financiando um ditador. Está sustentando um mau regime por qualquer medida. Não deixe que nenhum contribuinte britânico se ajude Ou ele mesmo que eles estão ajudando Ruanda. Não, você está apenas estendendo sua miséria ".



Apesar de acusações cada vez mais graves de abuso de direitos humanos em casa e guerras no exterior, o Reino Unido planeja dar £ 270 milhões para Ruanda nos próximos três anos. Até então, a ajuda ao país quase dobrou desde que a coalizão liderada pelos conservadores chegou ao poder. Metade dessa ajuda será entregue diretamente ao governo ruandês, para gastar o que entender.



(…)"A ajuda do Reino Unido a Ruanda está fora de lugar. É errado. Não pode ser justificado", disse Himbara, que agora mora na África do Sul e está em uma suposta lista de sucesso do governo ruandês. Britain's aid to Rwanda is funding a 'repressive regime' says former ...Traduzir esta página

21/09/2014 "Nós, a diáspora congolesa e ruandesa, indígenas do Congo e do Ruanda, juntamente com os amigos destes dois países, denunciamos e condenamos fortemente o facto de o Presidente do Ruanda poder organizar tal reunião em solo americano com a bênção das autoridades Da cidade de Atlanta. A nossa condenação baseia-se no facto de as populações das regiões africanas dos Grandes Lagos sofrerem com os abusos cometidos por Paul Kagame e o seu governo há 24 anos.- Mais pormenores em Kagame Started the Genocide in Rwanda, then Congo | Global ...  Traduzir esta página

dd



Protesting against Kagame in Oslo 07 July 15


RELATÓRIO ASSUSTADOR – DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO MILITAR NO UGANDA – Alguns enxertos – Mas poderá lê-lo na integra no link abaixo lhe indicamos. 

Ruanda: recrutamento, deserção e perseguição de soldados

16 de dezembro de 2016 - HBrock  Este relatório foi escrito por um pesquisador ruandês, trabalhando com a International e Connection eV dos Resistentes a Guerra


(…) Este relatório examina as barreiras para deixar as forças armadas em Ruanda na última década. Baseia-se nos testemunhos de ex-soldados que desertaram o exército (usamos 'respondente a, b, c e d' para designá-los. O anonimato é importante para sua segurança). Achamos que: Geralmente, soldados recrutados entre 1990 e 2012 não receberam contratos de trabalho

Qualquer pessoa recrutada nesse período (incluindo aqueles ainda nas forças armadas atualmente) não possui um processo claro para deixar as forças armadas; Para os soldados recrutados nesse período ainda no comando militar, a habilidade de deixar as forças armadas é a critério dos comandantes

As consequências da deserção podem ser graves, mas as dificuldades em encontrar formas legais para deixar o exército significam que a deserção continua a ser a única opção para muitos- O direito de objeção de consciência ao serviço militar não é respeitado.


Práticas de recrutamento então e agora


A Frente Patriótica de Ruanda (RPF) e seu ramo armado, o Exército Patriótico de Ruanda (RPA), foram formados no final de 1989. A maioria dos oficiais do comando do exército rebelde e oficiais superiores eram membros do Exército de Resistência Nacional, o exército regular em Uganda. Eles desertaram o exército ugandense para invadir Ruanda. Eles precisavam de tropas e recrutados nos campos de refugiados e nas famílias ruandesas que se instalaram no Uganda.


(…) Serviços, Contratos e Condições de Trabalho


Os soldados ruandeses, como soldados em todos os lugares, devem seguir ordens sem dúvida. O entrevistado A esperava voltar à escola em 1994 depois de um pequeno período no exército. Em vez disso, sua unidade foi encarregada da segurança de Paul Kagame durante a rebelião e no governo a unidade tornou-se a Guarda Republicana. Ele lutou em Angola e no Congo. Ele queria estudar e perguntou a seus superiores diversas vezes para deixá-lo ir à escola, mas recusaram. Em vez disso, ele foi enviado para cursos militares, e ainda não foi promovido. Ele foi preso seis meses por insistir em voltar para a escola. Mais tarde, ele foi convocado para matar um oficial superior e decidiu sair para o bem..(..) 


(…). Crianças-soldados  Os entrevistados A e B relatam que eram menores de idade quando foram recrutados no exército (A em 1990 e B em 1991). Eles colocaram seus estudos em espera para se juntarem a outros e esperavam retornar à vida civil depois da guerra. O entrevistado D explica que uma parte importante do RPA era feita de menores de idade, alguns com menos de oito anos de idade.(…)

O destino dos desertores e consequências para as suas famílias

Deixar o exército ruandês sem permissão oficial tem sérias conseqüências. Enquanto a Ordem Presidencial n. ° 32/01, de 03 de setembro de 2012, explica no artigo 84º as causas da cessação de serviço no exército ruandês, a Art. 87 exige que os soldados solicitem por escrito a cessação do serviço. Um candidato pode esperar que uma resposta seja fornecida dentro de 90 dias. Além disso, este princípio não é aderido na prática. Onde seus pedidos de liberação antecipada são respondidos, não há garantia de que os pedidos serão concedidos. Uma vez que este sistema de aplicação é a única saída para os militares, legalmente, uma decisão negativa essencialmente armadilha o soldado indefinidamente.


(..) O exército ruandês é instado a fechar as lacunas entre a política e a implementação e informar os soldados sobre seus direitos e benefícios que eles têm direito dentro e fora do serviço. Deve permitir o direito à objeção de consciência, deixar de perseguir objetores e desertores e, mais importante, parar de ameaçar os objetores e suas famílias com prisão, confisco de propriedades, sequestros e assassinatos dentro do país e em países de exílio. - Excertos 



A OPOSIÇÃO É  É SIMPLESMENTE PERSEGUIDA OU  ESMAGADA - E ATÉ A VOZ DOS  MAIS POPULARES  CANTORES ACABAM ATRÁS DAS GRADES

 cliente falava 

Nenhum comentário :