expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sábado, 10 de junho de 2017

São Tomé e Príncipe – “Álcool atinge 60% os Jovens” - Ilhas belas mas de futuro incerto para juventude: deputados dizem que “ a culpa não é dos santomenses mas da falta de condições: "As pessoas não estão a morrer na rua porque é um país agrícola"

Jorge Trabulo Marques - Jornalista - Informação e análise 

UM PAÍS POBRE E DESCAPITALIZADO – NÃO OBSTANTE RECEBER MILHÕES DE FUNDOS INTERNACIONAIS, QUE DESAPARECEM NÃO SE SABE COMO



A vida do dia a dia do “Povo Pequeno” de S. Tomé e Príncipe” já conheceu melhores dias: mesmo para quem tem de se conformar com o ordenado mínimo de 45 euros mensais, arranjar meios para  garantir o sustento  é um tremendo calvário! Que só quem tem de arrostar com essa pesada  cruz, é que poderá compreender o que é esse tão penoso sacrifício diário.: ”Temos  empresários descapitalizados; temos médicos descapitalizados!... As pessoas não têm dinheiro!... Nós sabemos que todos os países atravessam uma situação de crise mas nós estamos numa situação péssima!!...  Essa crise não tem limite em S. Tomé e Príncipe?!...  As pessoas não estão a morrer na rua por ser um pais agrícola! – Desabafo de um dos deputados da oposição”, no aceso e polémico debate preliminar que antecedeu a aprovação do projeto de lei sobre o futuro funcionamento do Tribunal constitucional – Até porque, como dizia outro deputado, nesse mesmo período parlamentar, “Hoje o Governo tem a mão de tudo! Até dos Tribunais!”

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE – O  SEGUNDO PAÍS LUSÓFONO COM MAIOR CONSUMO DE ÁLCOOL

Mais de seis em cada dez jovens com mais de 19 em São Tomé e Príncipe consomem bebidas alcoólicas, revelam estudos que concluem que o consumo entre os estudantes está a crescer a um ritmo “assustador”, disseram investigadoras. 

Quase todos os dias vimos anúncios de cerveja, de vinhos! Há uma lei que proíbe o consumo de álcool aos menores de 18 anos mas na publicidade nunca consta isso!.... Mas não custava nada chamar atenção…  Não se deve estar a acusar os santomenses de estar a beber muito: deve-se é arranjar soluções  para que se ponha cobro a esse tipo de situação: porque, se é verdade que as pessoas estão a beber exageradamente, deve ser fruto da frustração de falta de condições! E isto é culpa do próprio Governo  que tem que criar condições para que as pessoas” – Palavras que se ouviram, no inicio do  mais recente debate parlamentar

Mais de 60% dos jovens são-tomenses com mais de 19 anos consomem álcool -  Título de um artigo hoje publicado, baseado num estudo académico  

Mais de seis em cada dez jovens com mais de 19 em São Tomé e Príncipe consomem bebidas alcoólicas, revelam estudos que concluem que o consumo entre os estudantes está a crescer a um ritmo “assustador”, disseram investigadoras.
Mais de 63% dos jovens com mais de 19 anos bebem álcool, disse a investigadora luso-são-tomense Isabel Santiago, responsável por um estudo sobre o consumo de álcool e drogas entre os jovens são-tomenses.
“É elevadíssimo, isso é assustador”, concluiu.
Para a cientista, os resultados apontam de um modo geral para toda a população escolar, com o consumo geral de álcool a atingir 58% dos rapazes e 43% das raparigas.
“Todavia, eu fui fracionando esses consumos e dividindo em subgrupos, por idades”, concluindo que entre 39 e 46% dos jovens com idades entre 15 e 18 anos consomem álcool, “mais do que deveriam”, explica.

“Agora, jovens com mais de 19 anos - e eu já estou a falar de 12ª classe e ensino superior público - bebem mais de 63%, é elevadíssimo”, acrescenta Isabel Santiago.
Segundo a autora do inquérito, no ensino noturno e alfabetização, os dados apontam para um consumo de 57%, nos dois géneros (homens e mulheres), enquanto no ensino técnico (frequentado apenas por adultos) o consumo de álcool é de 73%.
“No ensino superior - e aí é também assustador - são 79% de consumidores”, sublinha.
O estudo sobre o consumo de álcool nas escolas foi entregue às autoridades governamentais, designadamente ao ministro da Educação, Cultura, Ciência e Comunicação, Olinto Daio, ao parlamento são-tomense e às direções das diversas escolas.
O documento inclui recomendações que apontam para que haja mais atividades de ocupação de tempos livres das crianças “para deslocalizá-las do contexto familiar onde se verifica o consumo de álcool”.
Um dos resultados aponta que 56% dos filhos de pais que bebem e 59% dos filhos de mães que bebem consomem mais.
“Ou seja, se eu fosse uma mãe consumidora habitual de álcool, os meus filhos, ao verem-me beber álcool, começa o efeito multiplicador”, explicou Isabel Santiago.
A diretora do Instituto da Droga e Toxicodependência (IDT), Ivete Lima, revelou, por seu lado, que em São Tomé e Príncipe já foram feitos quatro estudos que concluíram no “aumento de consumo de drogas e bebidas psicotrópicas no seio de jovens e adolescentes na faixa etária dos 10 a 24 anos”.
Os estudos foram realizados em 2010, 2014, 2016 e o quarto estudo realizado este ano pelo Unicef.
O estudo de 2016, realizado pelo Instituto da Droga e Toxicodependência, indica que foram realizados inquéritos na Região Autónoma do Príncipe, no Liceu Nacional (principal centro do ensino do país), no liceu Manuel Margarido, no distrito de Mé Zóchi e na escola de Algés em Cantagalo, terceiro maior distrito do país.
“Nós inquirimos mais de três mil jovens e adolescentes na faixa etária dos 10 aos 24 anos e tivemos uma percentagem bastante elevada em termos de consumo de bebidas alcoólicas, sendo a mais elevada as idades entre os 20 a 24 anos, em que nós detetamos 68% de consumo de bebidas alcoólicas”, explicou Ivete Lima.
A proliferação de venda de bebidas alcoólicas, aumento de fabrico de bebidas espirituosas locais, importação descontrolada de bebidas, a desagregação de valores na família são-tomense e festas noturnas são as causas apontadas pelo IDT para o alto consumo de bebidas e drogas no país.
O comando da polícia nacional são-tomense associa o aumento de criminalidade no país ao aumento de consumo de drogas e de bebidas alcoólicas.
Na semana passada, a Policia Nacional anunciou mais de 160 crimes numa semana, ou seja, mais de 22 crimes por dia, destacando-se entre eles a violência domestica, assaltos a mão armada, violação sexual e um caso inédito de uma criança de sete anos que esfaqueou outra de seis anos que foi socorrido no hospital Ayres de Menezes. Extraído de http://www.dnoticias.pt/mundo/mais-de-60-dos-jovens-sao-tomenses-com-mais-de-19-anos-consomem-alcool-CE1530774






Nenhum comentário :