expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

terça-feira, 18 de julho de 2017

Evaristo Carvalho, Presidente da República de S. Tomé e Príncipe – E as voltas que o mundo dá ou que os caprichosos caminhos das vidas ditam nos enigmáticos destinos terrestres – Fomos colegas num organismo de investigação agrário do Estado, no tempo colonial – Há um ano deu o maior salto da sua carreira política para chefiar a Nação Santomense


 Jorge Trabulo Marques - Jornalista

EVARISTO CARVALHO, MEU ANTIGO COLEGA NO TEMPO COLONIAL  -  DE MODESTO CHEFE DE SECRETARIA  A PRESIDENTE DA REPÚBLICA 41 ANOS APÓS  A INDEPENDÊNCIA -  



FOI HÁ UM ANO  QUE A PRIMEIRA BRONCA ELEITORAL REBENTOU  -  PROCLAMADO VENCEDOR À 1ª VOLTA  E POR MAIORIA ABSOLUTA APENAS POR UM DIA  - O inesperado resultado, deu tanto nas vistas que os zelosos obreiros de Patrice Trovoada  foram forçados aceitar um segundo escrutínio, que acabaria por ser solitário: -  Manuel Pinto da Costa, não querendo pactuar com  a grosseira farsa,  afastou-se de rosto erguido e honradamente – Agora, caberá a quem lhe sucedeu, que ao menos saiba honrosamente distanciar-se das espessas teias  de um  Governo, minado pela corrupção e compadrio ,  em que já nem os seus acreditam
Os resultados, então divulgados,  provisoriamente,  davam  a vitória a Evaristo de Carvalho,  apoiado pela ADI - Partido do Governo -  O candidato que fotografara numa cadeira de pedra,  cinco meses antes de ser eleito  –  Comentava eu, nestes termos: 


ESTE ERA O MEU COMENTÁRIO: -Não é que o resultado divulgado, a favor de Evaristo de Carvalho, seja insólito mas dir-se-ia  - face ao peso de outros dos candidatos -  ser quase o mesmo que  acertar no euro-milhões. Aliás, julgo que tal resultado, nunca sucedeu na história das eleições presidenciais, nestas Ilhas.

Estava acompanhar a leitura dos resultados, através da Rádio Nacional, e constatei que, quando era suposto transmitiram os escassos resultados que faltavam, numa altura em que os resultados indicavam uma diferença de pouco mais de uma centena de votos, a separarem Maria das Neves de Manuel Pinto da Costa, e que a votação em Evaristo de Carvalho, conduziria a  uma segunda volta,  estranhamente,  tal informação foi  silenciada: porque razão isso aconteceu, é uma pergunta que já vi exposta, por santomenses, no facebook e que também, pessoalmente, me intrigou.

DOU-LHE O MEUS PARABÉNS MAS ELE SABE, QUEM EU GOSTARIA DE CONTINUAR A VER A  CHEFIAR A NAÇÃO SANTOMENSE - DISSE-LHO NA LAGOA AZUL QUANDO O FOTOGRAFEI SENTADO NUMA PEDRA, A QUE CHAMEI DE "CADEIRA DE PODER" - Perto de um marco geodésico em que as duas vidas passadas se voltavam a cruzar.

 Há, entre nós, laços  de amizade e de camaradagem, que nos ligam desde os distantes tempos, em que ambos trabalhávamos na Brigada de Fomento Agropecuário: ele, como Chefe de Secretaria, eu como modesto técnico agrícola. Mesmo assim, ele sempre foi humilde, pacato e cordial, igual a si próprio, relacionando-se com todos, da mesma maneira respeitosa, simpática, cordata a e comunicativa – Obviamente, que ver um antigo companheiro de trabalho, a alcandorar-se a tão elevado cargo da Nação, me dá satisfação e orgulho.


No entanto, Evaristo de Carvalho, sim, ele sabe,  em quem votaria, caso fosse eleitor santomense  –   Pois tive oportunidade de lho declarar pessoalmente, em S. Tomé, num agradável passeio à Lagoa Azul, quando o mandei sentar numa cadeira de pedra e lhe passei para as mãos um enorme amuleto.

Mais pormenores em

Nenhum comentário :