expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Eleição do Presidente do Ruanda, Paul Kagame, com quase 99% dos votos posta em causa pelos EUA – A coroação carnavalesca decorreu, dia 18, em Kigali, no Estádio Nacional Amahoro - O Primeiro-Ministro, Patrice Trovoada, figurou nas manchetes dos Chefes de Estado – Onde estava Evaristo Carvalho neste teatro bufo? - Relatório da Amnistia Internacional no mês passado disse que duas décadas de ataques muitas vezes mortais contra opositores políticos, jornalistas e ativistas dos direitos humanos criaram um "clima de medo" à frente das eleições de Ruanda,

Por Jorge Trabulo Marques - Jornalista 



Sob a mais apertada e musculada vigilância policial e militar, controlo e censura dos media, Kagame ganhou facilmente um 3º mandato no que ele chamou de "uma formalidade”
Os Estados Unidos, puseram em causa a votação que elegeu, com quase 99% dos votos, , Paul Kagame, o Presidente em exercício há 23 anos, denunciando que o processo eleitoral foi perturbado pelas irregularidades observadas durante a votação"

A chamada coroação de Paul Kagame, teve lugar no passado dia 18, no Estádio Nacional Amahoro, engalanado para o efeito, contou a presença de vários Chefes de Estado e de governo africanos, enviados diplomáticos e chefes de organizações multinacionais. - E, naturalmente, como não podia deixar de ser, também com a presença vaidosa do Primeiro-Ministro de S. Tomé e Príncipe, Patrice Trovoada - Que, uma vez mais, marginaliza as altas funções do Presidente Evaristo Carvalho

ELEIÇÃO VICIADA E SOB FORTE REPRESSÃO


Antes das eleições, Um relatório da Amnistia Internacional denunciou, que, duas décadas de ataques à oposição política, aos meios de comunicação independentes e defensores dos direitos humanos,  criaram um clima de medo em Ruanda antes das eleições,  não permitindo que o debate genuíno e diversas opiniões fossem expressas livremente .

A República Dominicana Ruandesa assumiu o poder há 23 anos, os ruandeses enfrentaram obstáculos enormes, e muitas vezes mortais, para participar da vida pública e expressar críticas às políticas governamentais. "Os assassinatos e desaparecimentos em 2017 precisam ser colocados no contexto de muitos anos de violência similar, para os quais ninguém ainda foi responsabilizado. Nessa atmosfera arrependida, não é surpreendente que os futuros críticos do governo pratiquem a autocensura e que o debate político seja limitado antes das eleições ".

O relatório documenta como os políticos da oposição, os jornalistas e os defensores dos direitos humanos enfrentaram restrições aos seus direitos à liberdade de expressão, associação e reunião pacífica nas duas décadas desde o genocídio. Eles foram presos, atacados fisicamente - até mortos - e forçados ao exílio ou ao silêncio.

Casos recentes - No caso mais recente, Jean Damascene Habarugira, um representante do partido local da oposição não registrada do Partido Democrático Unido (FDU-Inkingi) faleceu depois de ser convocado para conhecer um funcionário responsável pela segurança da aldeia.

A história de repressão política de Ruanda, os ataques contra figuras da oposição e as vozes dissidentes no contexto de eleições anteriores, sufocam o debate político e fazem com que aqueles que falem pensem duas vezes antes de assumir o risco

Os candidatos presidenciais potenciais às eleições também foram alvo de repressões . Em 3 de maio de 2017, Diane Rwigara anunciou que representaria a Presidência como candidata independente. Nos meses que antecederam a declaração de sua candidatura, Diane Rwigara tinha sido sincera sobre questões como a pobreza, a injustiça, a insegurança e a falta de liberdade de expressão. Poucos dias depois, ela anunciou sua candidatura, fotos nulas dela foram vazadas e circuladas nas mídias sociais, no que muitos consideravam uma campanha de difamação.

Diane Rwigara e Philippe Mpayimana, outro candidato presidencial, ambos queixaram-se de que seus representantes haviam enfrentado assédio e intimidação ao coletar as assinaturas necessárias para sustentar sua nomeação. A Comissão Nacional Eleitoral não os incluiu na lista provisória de candidatos qualificados, dizendo que seus documentos estavam incompletos. Eles receberam cinco dias para finalizar sua papelada. 

Jornalistas, sociedade civil visada - O governo ruandês também suprimiu a liberdade de mídia. Jornalistas foram presos, assediados e até mortos, e muitos foram forçados a exilar ao longo dos anos. Em 2016, pelo menos três jornalistas foram detidos após investigar questões delicadas, como corrupção ou possíveis mortes suspeitas.

Os defensores independentes de direitos humanos que criticam a política do governo ou são percebidos como opositores ao governo enfrentaram diferentes formas de ataques e restrições no Ruanda. As ONGs estão sujeitas a procedimentos de registro onerosos e onerosos. A carga nebulosa de promover a "ideologia do genocídio" foi cobrada nas organizações internacionais e nacionais de direitos humanos que criticam o governo.

"A história de repressão política de Ruanda, ataques contra figuras da oposição e vozes dissidentes no contexto de eleições anteriores, sufoca o debate político e faz com que aqueles que falem pensem duas vezes antes de assumir o risco", disse Muthoni Wanyeki.
caminho para os políticos! 

Assim mesmo, entre outras graves acusações, feitas por  no Facebook, por um destacado operacional, que aqueceram o último debate parlamentar na Assembleia Nacional de S. Tomé  -O Sr. Patrice Trovoada; tu lembras-te que tens compromissos!... Eu tenho cartas assinadas pela tua secretária, pelo teu Gabinete, para eu trazer investidores a S. Tomé, pelo qual, eu fiz, eu trouxe! Gastei tempo, gastei dinheiro! Fiz compromissos  com os meus parceiros internacionais, que trouxe!... Gastei dinheiro nas viagens!... Acomodação!.. Com provas  que o Senhor é que me mandou trazer investidores para S. Tomé: quem vai pagar esses gastos todos!

O Sr. Tem vários compromissos connosco!... O Sr. disse-nos que, depois do Senhor estar no poder – e nós apoiámos o Senhor para estar no poder – nos iria dar a parte dos negócios: aqueles negócios que nós poíamos fazer! E o Senhor não cumpriu!
O Sr. tem que lembrar… O plano do Sr. depois do Golpe de Estado era para assassinar o ex-presidente Fradique Menezes! … Às ordens do Sr.tem que lembrar que tem compromissos connosco a dizer para nós assassinarmos o Óscar de Sousa! – O que nós negámos

O Sr. tem que lembrar!... O Sr foi a fonte  da destruição dos 12: o Sr, infiltrou no nosso grupo e destruiu os Búfalos!
O Sr. disse-nos para deixar o caminho para os políticos! Para ti


Fradique Menezes
Mao Tse Tung e M. Pinto da Cotsa
Presença de uma musculada milícia do Ruanda, em S. Tomé, causa medo e é tomada como um ato terrorista pela oposição - Patrice Trovoada, financiador e mandante assassinatos políticos do Golpe de Estado de 16 de Julho 2003 – Acusa operacional no facebook - Como é que podemos conviver com esta situação? Quando, abertamente, publicamente! Aparece alguém a dizer  que foi convidado para assassinar o Presidente Fradique Menezes? Como é que podemos conviver com isto?  - Questionava, entre outras preocupantes observações,o líder da bancada do MLSTP, Jorge Amado, que, entre outras questões, colocadas

Patrice Emery Trovoada, the Prime Minister of São Tomé and Príncipe, on arrival at Kigali International Airport Thursday




Patrice Emery Trovoada, the Prime Minister of São Tomé and Príncipe, on arrival at Kigali International Airport Thursday

Patrice Trovoada, obviamente que não podia deixar de faltar neste canaval mediático a coroação do ditador Ruandês - O papel da representação santomense estaria mais talhado para o Presidente Evaristo Carvalho, mas.é claro,  nem um  Primeiro-Ministro, corrupto e oportunista, deixaria de perder esta oportunidade para  outros negócios e estratégias mais do foro do Empresário misterioso,  num país dos genocídios



DE PAU-MANDADO A MANDA PAU - VÃO VER - A CADEIRA DE PEDRA, ONDE O FOTOGRAFEI, DAR-LHE-Á GARRA E PODER - Apesar de tudo, conhecendo a natureza do Evaristo Carvalho, a sua aparente passividade de nativo balança - fomos colegas de trabalho, - acredito que, o homem que criou e soube educar 20 filhos, ainda acabará por ajudar a fazer tremer e cair o Patrice - Não creio que alguém possa ter amizades sinceras e genuínas com o apátrida gabonês- O Bispo Dom Manuel dos Santos é bem mais volúvel e jogador que o Presidente Evaristo Carvalho . 

Paul Kagame, Presidente de Ruanda, acusado de ajudar crimes de guerra  - Stephen Rapp, que lidera o Escritório de Justiça Criminal Global dos EUA, disse ao Guardião que a liderança ruandesa pode estar aberta a acusações de "ajudar e encorajar" crimes contra a humanidade em um país vizinho - ações semelhantes àquelas para as quais o ex-presidente liberiano, Charles Taylor , foi preso por 50 anos por um tribunal internacional em maio. Rwanda's Paul Kagame warned he may be charged with a




É BOM NÃO ESQUECER  - Que o  Primeiro-Ministro Patrice de S. Tome e Príncipe,  assinou vários acordos,  com o Governo de Ruanda, liderado pelo ditador Paul Kagame, ao qual ofereceu  500 hectares da Roça Monte Café –  A mais bela e próspera propriedade, onde, no período colonial, se produzia um dos melhores cafés do Mundo – Membros do Governo dizem-se orgulhosos pelo feito, que tem como contrapartida o mais que suspeito envio de uma pelotão de 20 militares, a pretexto de vir dar formação às Forças Armadas e Policiais Santomenses



Na verdade, as Ilhas Verdes do Equador, além de maravilhosas, são habitadas por um povo solidário e pacifico, que não excede as 200 mil almas: a terra é fértil e generosa e o país podia ser um exemplo de governação e de prosperidade no  continente africano, onde os horizontes que se abriram às  independências pós descolonização, têm sido ensombrados por uma  nova elite egoísta, vaidosa e  corrupta.  Mas padece do mesmo mal:   sofre do mesmos defeitos e, ainda por cina, é  o país mais pequeno e o mais pobre de África, não obstante nunca lhe ter faltado apoio externo e até avultados perdões da sua divida

Nos vários acordos assinados, muita parra mas tudo exprimido, não é fácil apurar o que, em termos concretos, ficou acordado,  alem das meras formalidades de relações de amizade e cooperação entre São Tomé e Príncipe e em Ruanda" . No entanto, segundo as nossas pesquisas, já deu para constatar que há vários interesses privados pelo meio, nomeadamente a cedência de 500 hectares da principal roça produtora do melhor café do mundo, Expropriação de Petróleo e Gás, acordo de transportes aéreos, permitido voos da RwandAir por S. Tomé    - talvez seja este um dos factos que explique a polémica legislação sobre o espaço aéreo) - 

Esta a ilação que poderá extrair-se  da noticia, divulgada, em Março passado,  em que se diz que "Um novo acordo bilateral de serviços aéreos foi assinado durante o fim de semana entre a nação insular de São Tomé e Príncipe e Ruanda, permitindo vôos entre os dois países africanos quando a companhia aérea nacional está pronta para fazê-lo.Também foram assinados acordos bilaterais adicionais que abranjam uma isenção mútua de vistos, cooperação no turismo, comércio, agricultura e recursos animais.  13/03/2017  New BASA among 5 bilateral deals signed between Rwanda and Sao ...

Noutra noticia, posterior, igualmente, em inglês 23/05/2017 é dito que, O Ministro das Relações Exteriores de Ruanda, Louise Mushikiwabo e seu homólogo da Suíça, Didier Burkhalter, assinaram um acordo bilateral de serviços aéreos para os dois países,  semelhante com a Índia, São Tomé e Príncipe, Benin, Mali, Marrocos, Djibouti e muitos outros.  Rwanda, Switzerland sign air service agreement  

Ficou-se também a saber, em anteriores noticias,  o envio de  100 cabras para procriarem com as espécies naturais:diz-se que para permitir melhorar e aumentar a qualidade da carne e do leite de cabra no arquipélago. Mais uma experiência a juntar à do milho e do cruzamento do porcos -  Por este andar, qualquer dia, as espécies autóctones, habituadas a resistir ao clima e até às próprias às doenças, deixam de existir para dar lugar a descaracterizados híbridos e a cruzamentos estranhos ao ambiente. 

RECEBIDO COMO NABABO NOS APOSENTOS PRIVADOS DO  DITADOR RUANDÊS

Avaliar pelas fotografias, editadas na Internet, quer Patrice Emery Trovoada, como a esposa, Nana Travoada, fizeram a vida de verdadeiros nababos nos solares do casal Kagam e  Prezielda, exibindo-se sob as mais diversas formas

Bom, mas eu não vou aqui recapitular  a cronologia dos encontros, que houve, desde os  fautosos banquetes, do  primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe, Emery Travoada, em finais de 2016, com o Presidente do Uganda, às formalidades  que seguiram entre ministros dos dois países, senão para sublinhar esta generosa fatia da  mais bela e produtiva roça de S. Tomé , a que se refere a noticia que, a dado passo diz o seguinte: 

, January 10th, 2017  (...) Os dois lados observaram que é necessário uma cooperação conjunta, investimento e turismo dentro da região, bem como entre os dois países. Concluíram que isso se basearia no estabelecimento e funcionalidade das operações de Rwandair em São Tomé e Príncipe.


Durante as discussões, foram identificados potenciais projetos de investimento conjunto, como o projeto Agropol em São Tomé para produção e processamento de café (Mount Coffee com cerca de quinhentos hectares disponíveis). No futuro, o Ruanda pode considerar o investimento conjunto na Expropriação de Petróleo e Gás.
Em questões relacionadas com a imigração e a emigração, as áreas propostas para cooperação incluem a partilha de conhecimentos técnicos sobre políticas de vistos, gestão de controlo de fronteira, coordenação de emissão de documentos de viagem e visto na Diáspora, utilização de infra-estrutura de TI avançada, tais como portões eletrônicos, capacitação (treinamento) , E troca de informações.(..) Foi acordado que uma delegação de São Tomé e Príncipe visitaria Ruanda para identificar os campos específicos de colaboração necessários antes do final do primeiro trimestre de 2017Rwanda- São Tomé and Príncipe Further Bilateral Relations

MAS QUE TIPO DE EXPERIÊNCIAS OU DE CONHECIMENTOS, AS FORÇAS ARMADAS E POLICIAIS SANTOMENSES, PODERÃO RECEBER DO PELOTÃO DE  MILITARES DE UM REGIME ALTAMENTE REPRESSIVO E  OPRESSOR?



"Os militares ruandeses vão permanecer em São Tomé e Príncipe dois meses e deverão efectuar exercícios conjuntos com os militares são-tomenses e capacitar as forças armadas e de defesa do arquipélago em vários domínios, com destaque para acções de terrorismo.
Jorge Amado, do Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social-Democrata (MLSTP-PSD) e Danilson Coutu do Partido da Convergência Democrática (PCD), ambos líderes parlamentares dos respectivos partidos da oposição, criticaram a presença do pelotão de militares do Ruanda em São Tomé e Príncipe. 

Do lado do Governo, Afonso Varela, ministro da Presidência do Conselho de Ministro e dos Assuntos Parlamentares de São Tomé e Príncipe, realçou que se trata de uma acção que se inscreve no relacionamento entre São Tomé e Kigali.
Maximino Carlos, correspondente em São Tomé08/05/2017Ouvir  




EXÉRCITO RUANDÊS ACUSADO - De usar nas suas fileiras pobres  e infelizes adolescentes - De perseguir objetores de consciência, de ameaçar as suas famílias com prisão, confisco de propriedades, de promover sequestros e assassinatos dentro do país e em países de exílio. – Indicamos-lhe o link através do qual poderá ler o relatório acerca da prepotência e arbítrio de um dos exércitos mais truculentos e perigosos de África 







RWANDA: Kagame usando criança soldado  RWANDA: Kagame using child soldie  (Nova York) - 30/06/2016 -A administração Obama deve exigir que os governos estrangeiros que recebem ajuda militar dos Estados Unidos para acabar imediatamente com o uso de crianças-soldados, disse hoje a Human Rights Watch. Em 30 de junho de 2016, o Departamento de Estado dos EUA emitiu uma nova lista de países envolvidos no uso de crianças-soldados como parte do relatório anual sobre Tráfico de Pessoas. A lista de 10 países inclui a Birmânia, República Democrática do Congo, Iraque, Nigéria, Ruanda, Somália, Sudão do Sul, Sudão, Síria e Iêmen. https://www.hrw.org/news/2016/06/30/us-dont-fund-child-soldiers-abroad


RELATÓRIO CHOCANTE  – DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO MILITAR NO RUANDA  

Ruanda: 16/12/2016 - ....recrutamento, deserção e repressão de soldados - 16 Dez 2016 – Hbrock - Este relatório foi escrito por um pesquisador ruandês, trabalhando com Internacional de Resistentes à Guerra e Connection (…) Este relatório examina as barreiras à saída das forças armadas no Ruanda durante a última década. Baseia-se nos depoimentos de ex-soldados que desertaram o exército - As consequências da deserção podem ser graves, mas as dificuldades em encontrar maneiras legítimas de deixar o exército significam que a deserção continua a ser a única opção para muitos -

Nenhum comentário :