expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

ASSALTO AO PETRÓLEO DE SÃO TOMÉ - Dossier nº1 - “ERHC assegurou posição de privilégio através de subornos a Patrice Trovoada, atual PM e filho de Ex-presidente Miguel Trovoada, presidente no momento do acordo com a ERHC" – Revela estudo académico - Obasanjo, o peso-pesado do PM de STP acusado de ter sido o cúmplice nigeriano nestas trapaças - Ouro negro ainda não jorrou uma gota à superficial mas já fez grandes fortunas nos Texas, em Lisboa, S. Tomé e Nigéria. "(…) "Há evidências esmagadoras de que Obasanjo não só fortaleceu a empresa como violou todas as regras conhecidas e padrões éticos"




Jorge Trabulo Marques - Jornalista - Informação e analise  - A

O que aqui lhe revelo não pretende ser uma tese ou propriamente um estudo interpretativo. Mas proporcionar a leitura de informação, que não está traduzida para português . Pelo que, as dispersas citações, que aqui lhe apresento de vários autores poderão conter eventuais erros ou gralhas de tradução, razão pela qual   se recomenda a consulta ao texto integral e na língua original nos linkes postados

(…) "De facto, Trovoada já havia recebido dinheiro do petróleo - Em uma entrevista a uma revista nigeriana em Fevereiro de 2002, um associado e primo de Emeka Offor do Chrome confirmou que anteriormente «Offor havia assistido o partido do ex-presidente [Trovoada] para ganhar suas eleições e quando eles ganharam eles instalaram o atual presidente [Menezes]" 

"O Ex-presidente, Miguel Trovoada ungiu o atual presidente, Fradique Menezes, como seu sucessor. Mas depois da vitória de Menezes, Miguel Trovoada endossou seu próprio filho, Patrice, como o principal rival de Menezes.!


(…) " (… )  Em 4 de fevereiro de 2002, Patrice Trovoada, filho de Miguel e ministro das Relações Exteriores da STP, foi mesmo forçado a renunciar, após acusações de Menezes de que a família Trovoada tratavam o país como seu feudo privado 96 . Embora as questões ideológicas fossem geralmente de pouca importância, mas era relevante o acesso ao dinheiro da ajuda externa e os contratos  de negócios

Da mesma forma, o golpe militar em julho de 2003 parece ter sido motivado, por em grande medida, pela insatisfação dos líderes do golpe com o curso de Política petrolífera do governo e sua frustração sobre a sua exclusão dos benefícios esperados

NOSSA PESQUISA APROFUNDADA  EXPLICA-LHE AS RAZÕES PELAS QUAIS O EX-PRESIDENTE NIGERIANO, OBASANJO É A GRANDE MULETA DE PATRICE TROVOADA  - PORQUE AMBOS SE EXTASIAM COM PERFUMES DE PETRÓLEO  DA MESMA  LABAREDA CHAMUSCADA 

(…) As acusações e insinuações, tentando associar o Primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe, Sua Excelência, Patrice Emery Trovoada ao Golpe perpetrado em 2003, pode apenas estar motivado pela ignorância, e são incoerentes com os factos, e inteligências, na qual baseamos para a nossa intervenção, e acção.http://www.jornaltransparencia.st/b89.htm

Em S. Tomé e Príncipe, a população vive abaixo da linha de pobreza e o país permanece, "inviável", no sentido de que depende da ajuda externa; não produz o suficiente nas exportações para satisfazer o seu próprio nível de consumo." - Contudo, há um Primeiro-Ministro que passa o tempo em mil passeatas e a esbanjar -  Sem manifestar a mais leve sensibilidade ou sinais de constrangimento para o grosso do Povo Pequeno que tem que sobreviver com salários  de fome: - de 45 euros mensais! 

"Na véspera das  eleições parlamentares 2002, o presidente Fradique de Menezes anunciou que ele   queria  promotor público para abrir um inquérito oficial sobre o acordo de exploração de petróleo negociado entre seu antecessor e PGS, referindo-se a ele como 'very estranho'"  E lá tinha as suas razões e bem fundamentadas - No entanto, o caso ficou por ali - E porquê?...Porque a burocracia judicial  e governamental é demasiado pesada e ineficaz em matéria de combater a corrupção, mesmo que abertamente escancarada e não opaca: - Quem está de fora clama e critica,  não tem poder e quem lá está dentro, entende que faz parte do sistema para se governar.  E, então, agora em que há um governo com esmagadora  maioria parlamentar, mil vezes pior. 

E, como se trata de um povo pacifico, em que não há conflitos internos, tal como em Angola e noutros países africanos, os financiadores internacionais pensam que tudo aqui decorre às mil maravilhas e de forma exemplar – E também porque o controlo interno da  media é cerrado  e a imprensa estrangeira geralmente não se dá ao trabalho de analisar ou interpretar o que aqui se passa  - Ou  porque deverá ser financiada para dar noticias só positivas, ou porque lhe é sempre mais fácil repetir as noticias cor de rosa dos servidores do regime

Mas é uma falsa imagem: não me espanta que, num dia destes, Patrice Trovoada, siga os piores exemplos dos seus amigos ditadores: tal como sucede na Nigéria e no Ruanda, países que ele tem como modelos 


02/01/2014 - Rwanda's former spy chief 'murdered' in South Africa Nyamwasa, que ele mesmo sobreviveu a duas tentativas de assassinato em Joanesburgo em 2010, expressou tristeza, mas não surpresa com a morte. "Não é novo. Não é a primeira vez e não é o último. A maioria das oposições políticas do presidente Kagame estão no exílio ou na prisão ou estão mortashttps://www.theguardian.com/world/2014/jan/02/rwanda-former-spy-chief-karegeya-murdered-kagame




(…) "Danilson Cotu não aceitou a revista e teve que ficar na rua. Jorge Amado, que chegou mais tarde, também foi impedido de entrar no recinto parlamentar. «Fui barrado na porta de entrada. Os portões estavam acorrentados. Apareceu um militar a paisana, que me disse que eu não poderia entrar sem ser devidamente revistado, tanto eu como a minha viatura" .


Fradique Menezes
Mao Tse Tung e M. Pinto da Cotsa




"Talvez a melhor esperança para a STP é que não há pressão externa suficiente de instituições internacionais credores e a sociedade civil incipiente para assegurar uma maior transparência na distribuição das receitas do petróleo

Caso contrário, STP é susceptível de sofrer dos mesmos males que outros estados ricos em petróleo na África,"

"Chegou ao meu conhecimento, artigos divulgados pelas redes sociais, acusando o Senhor Primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe, Sua Excelência, Patrice Emery Trovoada, de ter financiado o Golpe de Estado de Julho de 2003, naquele país, foi antes um golpe organizado, e executado por um grupo de antigos membros do Batalhão Búfalo, uma criação do exército do Apartheid da África de Sul, o golpe abortou, e a ordem constitucional, foi reinstalada na sequência da intervenção, e envolvimento directos do Governo da República Federal da Nigéria”.


ENCONTRO PARA DESFAZER ACORDOS INJUSTOS OU PARA OS AGRAVAR AINDA MAIS? 02/09/2015  - Nigéria, Sao Tome & Principe to review joint development authority Obviamente, que, com os Trovoadas, é difícil esperarem-se boas coisas para STP  - Mas aqui lhe recuperamos a noticia de há dois anos – “O presidente Muhammadu Buhari disse na quarta-feira em Abuja que a Nigéria e São Tomé e Príncipe devem se sentar em breve para rever as atividades de sua Autoridade de Desenvolvimento Conjunta com vistas a torná-la mais eficiente e produtiva. Nigeria, Sao Tome & Principe to review joint development authority ...


JOINT DEVELOPMENT ZON - Na primavera de 2001, São Tomé e Príncipe e Nigéria assinaram um tratado que estabelece uma JDZ para o desenvolvimento conjunto de petróleo e outros recursos na área de sobreposição de seus respetivos limites marítimos.(…) DIREITOS DA ERHC NA JDZ Em abril de 2003, a Companhia e a STP celebraram um Contrato de Opção (o "Contrato de Opção de 2003") em que a Companhia renunciou a direitos legais e interesses financeiros significativos na Zona de Desenvolvimento Conjunto ("JDZ") em troca de direitos de exploração preferenciais em o JDZ. Joint Development Zone - ERHC Energy Houston, Texas USA


American firm opens discussion on Nigeria-Sao Tome oil blocks

28 de abril de 2017, Sweetcrude, Abuja - A ERHC Energy Inc., uma empresa americana de capital aberto com ativos de petróleo e gás na África subsaariana, está em discussão com a Autoridade de Desenvolvimento Conjunta Nigéria-São Tomé e Príncipe (JDA), com relação aos termos de um novo Contrato de Compartilhamento de Produção para o bloco dois da Zona Conjunta de Desenvolvimento (JDZ). http://sweetcrudereports.com/2017/04/28/american-firm-opens-discussion-on-nigeria-sao-tome-oil-blocks/

ESTE É APENAS UM DOS VÁRIOS TEXTOS QUE AQUI LHE TRADUZIMOS E OUTROS QUE AINDA TEMOS PARA EDITAR

Buhari, OBJ & Emeka Offor Por Mohammed Al-Bishak

(…)06/08/2015  "Há evidências esmagadoras de que Obasanjo não só fortaleceu Offor, como violou todas as regras conhecidas e padrões éticos. Gostaria de citar apenas um exemplo que conheço muito bem: a Zona de Desenvolvimento Conjunto (JDZ) entre a Nigéria e a ilha gêmea de São Tomé e Príncipe. Acreditava ser rico em recursos naturais, especialmente em hidrocarbonetos ou reservas de petróleo e gás, a Nigéria e São Tomé e Príncipe assinaram um acordo durante a administração Obasanjo para explorar os recursos em seus limites marítimos. 

A Nigéria é o parceiro sénior no Joint Development Agreement (JDA) com uma participação de 60%, enquanto o pequeno país da ilha de língua portuguesa levou 40%. Dois gigantes petrolíferos norte-americanos, ChevronTexaco e ExxonMobil, foram contratados em 1 de fevereiro de 2005, por ambos os governos da Nigéria e São Tomé e Príncipe para realizar a exploração quando o contrato para o primeiro bloco de petróleo foi concedido.

Mas os contratos para os próximos quatro blocos foram da maneira nigeriana. Tudo foi entregue à Environmental Remediation Holding Corporation (ERHC), uma empresa muito pequena, que a Offor havia adquirido e transferido sua sede para Houston, Texas. Muitos operários do Partido Democrático dos Povos (PDP) como Tony Anenih e sua empresa, A & Harmattan Ltd, já entraram no negócio de petróleo na JDZ entre Nigéria e São Tomé e Príncipe.

ExxonMobil e ChevronTexaco ficaram enojados e se recusaram a participar das rodadas de licitação que provocariam controvérsias ao redor do mundo. Outras empresas americanas que apresentaram um lance superior à ERHC foram ignoradas. O Banco Mundial entrou e contratou a professora Debie Langenkamp, ​​da Universidade de Tulsa, nos Estados Unidos, para analisar a reivindicação generalizada de negócios obscuros.

Em um relatório publicado em 9 de dezembro de 2005, o presidente de São Tomé e Príncipe, Fradrique de Menezes, acusou o governo da Nigéria e seus amigos de confraternizar para privar seu povo de uma quantidade substancial devido a práticas corruptas. 

 "Os procedimentos utilizados para selecionar as empresas que receberam concessões continham falhas graves, uma vez que não satisfaziam os padrões mínimos exigidos para a atribuição de tais licenças", descrevendo as empresas nigerianas como "veículos de investimento de emergência de especuladores financeiros sem histórico na exploração e produção de petróleo ". 

Nos Estados Unidos, as autoridades reguladoras descreveram a ERHC como "pouco mais do que uma empresa de papel sem operações e apenas um contrato favorável em sua carteira". Meu amigo da Clearwater Research de Londres, Anthony Goldman, um respeitado analista judeu, chamou os negócios com a ERHC "ruinously desfavorável a São Tomé e Príncipe".

Claro, os acordos controversos não foram entregues à pequena nação insular pela ERHC unilateralmente.Funcionários de São Tomé e Príncipe foram comprometidos. Por isso, Arlindo Carvalho, Ministro dos Recursos Naturais, foi forçado a demitir-se em 18 de maio de 2005. 

Duas semanas antes, Patrice Trovoada, conselheiro do presidente da Petroleum Issues, foi demitido por colocar seus interesses pessoais sobre os da nação enquanto outro conselheiro chamado Manuel Rita, foi expulso após as revelações de que ele tinha partes na ERHC. Enquanto isso, havia rumores de que o presidente de Menezes havia coletado dinheiro da ERHC. Foi, de fato, um período difícil para Adelino Pereira, o procurador-geral trabalhador de São Tomé e Príncipe.

Escusado será dizer que a ERHC poderia fazer tudo isso no JDZ entre a Nigéria e São Tomé e Príncipe porque foi apoiado a cada passo do governo nigeriano. Portanto, é inaceitável que Obasanjo tente criar a impressão de que todo governo da Nigéria apoiou a Offor em seus negócios controversos, exceto o dele. Obasanjo provavelmente fez mais do que qualquer outro presidente para capacitar a Offor. Mas a semente central de sua mensagem para o presidente Buhari não deve ser perdida em qualquer pessoa: afastar-se de empreiteiros controversos, especialmente aqueles que fizeram os governos Yar'Adua e Jonathan se transformarem em palavrões por mal-estar.
Al-Bishak, engenheiro de petróleo, foi consultor no Acordo de Desenvolvimento Conjunto entre Nigéria e São Tomé e Príncipe Buhari, OBJ & Emeka Offor By Mohammed Al-Bishak - PM NEWS ...Traduzir esta página

06/08/2015 PATRICE TROVOADA NÃO SÓ NÃO  É FILHO DA PÁTRIA  SANTOMENSE COMO NÃO PARECE SER DIGNO DE EXERCER O ALTO CARGO DE PRIMEIRO-MINISTRO - 


P.Trovoada não tem esta vida


Este é o primeiro de uma série de dossiers que temos para lhe revelar sobre como os dinheiros públicos, que deveriam reverter para os cofres do Estado Santomense, acabaram por ir parar a  destinos bem diferentes - Além de outras gravíssimas falcatruas dos acordos firmados com as empresas petrolíferas da alta esfera corrupta Obasanjo 



STP realizou eleições multipartidárias em 1990, por força de fortes  pressões dos financiadores do FMI, constituindo-se como uma das primeiras democracias em África,  pós independências de partido único, em rotura com o mesmo figurino do ortodoxíssimo  marxista da China, Cuba e URSS

Tal experiência, se bem que se dispersasse por  vários governos de curta duração e de relativa ação executiva, permitia, no entanto, o confronto democrático, dando a imagem, ao exterior do modelo de uma democracia  funcional emergente , sim, comparativamente à  turbulência do que vai no vizinho continente  e por esse mundo fora

Mas, pelos vistos, esta já não é a  realidade atual:  o alcoolismo, a pobreza recrudescem, a criminalidade  aumenta  e torna-se mais violenta; o sentimento de insegurança, a par de doenças desconhecidas, geram inquietação e mal-estar social – Por duas vezes, o comando policial de STP já veio alertar publicamente que, a mentalidade santomense, está a mudar –

Claro, não admira, porque, o exemplo deve vir dos governantes e  o atual Governo, sendo liderado por quem aqui não foi nado nem criado, tem sido um péssimo exemplo de governabilidade: quer agravando as condições sociais, quer  desconsiderando e conflituando com a igreja católica e com a oposição.

BUSINESS AND POLITICS IN SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE: FROM COCOA MONOCULTURA - PETRO-STATE  African Affairs (2003), 102, 51–80 © Royal African Society 2003

Negócios e Política de São Tomé e Príncipe – Sem precedentes!

(…) De acordo com estimativas do FMI, o lucro tributável ERHC / do Chrome a partir da ZDC pode chegar aproximadamente US $ 70 milhões por ano para o período 2005-2024, no valor de cerca de US $ 1,446.8 milhões no total 66 . (…) Não temos conhecimento de qualquer precedente semelhante na história do petróleo de África desde o fim do colonialismo. 

(…)Outro beneficiário de contratos de petróleo questionáveis ​​de STP foi Chris Hellinger, o Sul-Africano que teve muitos interesses comerciais não petrolíferos em STP. - Hellinger  um jogador-chave  STP durante duas décadas 75 . Ele aproveitou-se do desnível superior das conexões políticas em STP, Gabão e Angola e tem sido acusado de ter tido boas ligações com indivíduos intimamente associados à Inteligência Militar Sul Africana e inteligência francesa. 

(..) As eleições de 2001 e 2002 foram talvez um prenúncio do que está por vir em que o dinheiro parecia desempenhar um papel maior e movimentos políticos santomenses  assistidos por nigeriano, assistência financeira de Angola, Gabão e Taiwan. Em uma entrevista com os autores deste artigo, o ex-presidente Miguel Trovoada afirmou que, enquanto as pesquisas eram muito tranquila, «os resultados das eleições foram feitas através da intervenção de dinheiro » 82 . Isso pode ser algo de um exagero, mas é provavelmente correto que o partido de Trovoada foi outspent
na campanha eleitoral de 2002. Dinheiro já desempenhou um papel nas eleições

(…) De facto, Trovoada já havia recebido dinheiro do petróleo - Em uma entrevista a uma revista nigeriana em Fevereiro de 2002, um associado e primo de Emeka Offor do Chrome confirmou que anteriormente «Offor havia assistido o partido do ex-presidente [Trovoada] para ganhar suas eleições e quando eles ganharam eles instalaram o atual presidente [Menezes]

Havia definitivamente grandes irregularidades na condução da STP da política de petróleo (…) Parece que a soma é de US $ 550.000 mencionada num relatório de ERHC / Chrome para a Comissão de Segurança e Câmbio dos EUA foi pago para aqueles acordos envolvidos com o petróleo santomense, mas o dinheiro foi canalizado para a África do Sul e STP Energy Corporation, numa das Ilhas Virgens Britânicas registrados  pela empresa, mas os beneficiários não são conhecidos por nós 84 . 

Em 2002,  o Presidente Fradique de Menezes anunciou que queria o Ministério Público para abrir um inquérito oficial sobre a exploração de petróleo negociado entre seu antecessor e PGS, referindo-se a ele como "muito estranho". Menezes disse em entrevista coletiva que ele tem «dúvidas» sobre o negócio porque permite PGS para escolher três blocos offshore para operar depois

O FMI afirmou na sua habitual linguagem  diplomática que «nas negociações do setor de petróleo em 2001 havia falta de transparência» e «A liquidação ERHC desviado receitas do petróleo potencial de São Tomé e Príncipe, podendo levantar problemas de governança graves

A prevalência da maldição dos recursos efeitos já era evidente antes mesmo de STP começar a produzir todo o óleo.

(…) Em setembro de 2001, Menezes dissolveu o Parlamento (… )  Em 4 de fevereiro de 2002, Patrice Trovoada, filho de Miguel e ministro das Relações Exteriores da STP, foi mesmo forçado a renunciar, após acusações de Menezes de que a família Trovoada tratavam o país como seu feudo privado 96 . Embora as questões ideológicas fossem geralmente de pouca importância, mas era relevante o acesso ao dinheiro da ajuda externa e os contratos  de negócios

Da mesma forma, o golpe militar em julho de 2003 parece ter sido motivado, por em grande medida, pela insatisfação dos líderes do golpe com o curso de Política petrolífera do governo e sua frustração sobre a sua exclusão dos
benefícios esperados

(…)As interligações dentro do elite têm facilitado a corrupção e a falta de prestação de contas (… ) Comparado com outros países africanos, os despojos da entrada de capital estrangeiro puderam ser compartilhados dentro de elite  (… ) nas  mãos da família Trovoada, que estava no poder no momento em que os vários acordos de petróleo foram feitos

Em maio de 2002 Presidente Menezes anunciou sua intenção de revogar ou re-negociar os contratos de petróleo anteriores e acordos, incluindo o contrato com Energia Chrome, a STP-Nigéria ZDC e licenças de petróleo da ExxonMobil.

Menezes havia previamente solicitado a assistência técnica do Banco Mundial para
examinar o contrato com Energia Chrome e realizar uma boa relação custo-benefício

(…)O governo nigeriano estava muito irritado com este curso deste evento. O Presidente Obasanjo voou para São Tomé no início de junho 2002 insistindo na  inviolabilidade dos contratos de petróleo anteriores com ameaças graves contra a STP 103 . Mas a pressão nigeriana não alterou a posição de Menezes que poderia contar com a proteção dos EUA governo, que prometeu assistência militar a STP, reforçando a segurança na sua Voz da América estação retransmissora em STP e teve - em algum momento - mesmo considerando o estabelecimento de uma base naval regional para porta-aviões e barcos de patrulha em STP 104 . Parece que Menezes está esperando para ser capaz de contar com a proteção dos Estados Unidos em uma partida das estratégias de seus antecessores, que contou com o patrocínio de Angola, Gabão ou Nigéria.

No momento da escrita (Setembro de 2003), ninguém na elite santomenses foi julgada em conexão com os contratos de petróleo anteriores. Uma investigação genuína do passado de corrupção e má gestão constituiria uma descontinuidade, como – até agora - nenhum esqueletos no armário, mesmo aqueles que pertencem a «rivais» políticos, manteve-se firmemente sob fechadura e chave

(…) Talvez a melhor esperança para a STP é que não há pressão externa suficiente de instituições internacionais credores e a sociedade civil incipiente para assegurar uma maior transparência na distribuição das receitas do petróleo

Caso contrário, STP é suscetível de sofrer dos mesmos males que outros estados ricos em petróleo na África, exceto que qualquer guerra civil ou agitação social é altamente improvável na sociedade santomense suave. STP sempre foi muito pacífica e, a partir dessa perspectiva, um modelo altamente positivo para o continente. Ao contrário de outros petro-estados africanos emergentes ou já existentes,

A elite política santomense tem-se revelado extremamente hábil em escorar as fortunas do que acabou por ser um estado inviável, lucrando a venda da pompa de um Estado, que vão desde as bandeiras de conveniência ao diplomático reconhecimento de Taiwan. No entanto, embora ao que parece provável que eles teriam materialmente beneficiado de uma série de acordos de petróleo recentes ; sua inexperiência nesta área sugere que indivíduos com base no continente africano vão ganhar muito mais. 

Excertos de i, vasto artigo In - Business and politics in Sao Tome e Principe: From cocoa monoculture to petro-state (PDF Download Available). Available from: https://www.researchgate.net/publication/31168952_Business_and_politics_in_Sao_Tome_e_Principe_From_cocoa_monoculture_to_petro-state

OBASANJO E TROVOADA - DE CATEGORIAS DIFERENTES MAS ABRAÇADOS POR INTERESSES CRUZADOS  - Só que o currículo do velho general é de cinco estrelas (embora sujas), enquanto o caixeiro viajante gabonês - mesmo de pasta atestada - nem são de papel nem de chapa.

Olusegun Mathew Okikiola Aremu Obasanjo ,  nascido em 5 de maio de 1937) é um ex  general do exército nigeriano. Foi presidente da Nigéria de 29 de maio de 1999  a 29 de maio de 2007 – ganhando fama e visibilidade (mas sobretudo benefícios pessoais) com  boom do petróleo, salvo uma pequena recessão em 1978-79. Quando viu o que saco já estava bem atestado e em boas mãos privadas, o general-filósofo teve a visão de saber retirar-se, de modo a curtir io resto da vida sem  chatices e de passar à demagogia nas artes da diplomacia para disfarçar os avultados saques desviados, fazendo-se passar ainda por cima por um democrata sábio e bem comportado


 A corrupção politica in Nigeria é um fenómeno persistente em África, aliás, como o é em S. Tomé e no mundo em geral dominado pelo liberalismo selvagem. E, a descoberta de petróleo  e de gás natural  no Golfo da Guiné   foi o grande maná  que levaria ao aumento das práticas corruptas, nomeadamente protagonizadas  por Obasanjo, que, além de se ter  aproveitado à fartazana das riquezas dos seu pais, estendeu também as unhas a S. Tomé e Príncipe, na altura em que o el-dourado “petróleo” começou atrair a cobiça e as atenções dos grandes tubarões da especialidade. Sim, já num período em que estava ele já bem envolvido e experimentado nas novelas  das negociatas petrolíferas, enquanto a “turma” santomense,  além de ignorante na matéria, em vez de  defender o património do seu  país, vai capitular aos aliciantes jogos de sedução pelos bens do interesse coletivo.

Mas, já agora, valerá apenas aqui citar duas breves linhas sobre o currículo deste hábil militar-politico-empresário - agora com 80 anos - que ganhou fama e protagonismo, quando, em 12 de Janeiro de 1970, na qualidade de general e comandante do estado sudeste da Nigéria,  aceitou a rendição de Biafra que encerrou a Guerra Civil da Nigéria. Porém, o que lhe catapultaria a dar ainda mais nas vistas, foi quando, em 29 de julho de 1975, o general Murtala Mohammed assumiria o poder como chefe de Estado por meio de um golpe militar, e Obasanjo é nomeado, chefe de gabinete da sede suprema.
Entretanto, com a morte do golpista Murtala, por outro que lhe quis tomar o lugar, Obasanjo  escolhido para  Chefe de Estado pelo conselho militar supremo em 13 de fevereiro de 1976.” – E, então, é aí que saltam ao de cimo os dotes  de arte malabarista de  bem baralhar, de seduzir e de saber  estar sempre na crista da vaga e nas modas, quando, três anos depois, se demite de Chefe de Estado a pretexto de entregar o poder   ao recém-eleito presidente Shehu Shagari  (1979-1983) conquistando o rótulo de democrata, o que lhe haveria de  vir abrir as portas para facilmente lhe vir a suceder nas eleições seguintes.
Para enriquecer, nem é preciso ficar longo tempo no poder:  - o mais importante é fazer como faz  raposa à boca do covil do coelho, logra entrar dentro do poleiro ou saltar na hora em cima da presa e correr com ela bem agarrada nos dentes:

Assim parece ser o percurso de mais este hábil corrupto: Quando Obasanjo ocupou o último cargo, obteve o respeito internacional por meio de seus esforços para acabar com o domínio da minoria branca na África do Sul e no Zimbabwe, apoiando países vizinhos, como Angola e Moçambique. Depois de abandonar o poder, continuou a aumentar sua posição internacional ao escrever livros, juntando-se ao Commonwealth Eminentes Pessoas Group, fundando o Fórum de Líderes Africanos e aceitando lugares em numerosas comissões internacionais” -
E. aí temos o Tony Blair Africano a dar lições pelas sete partidas. Nomeadamente, em Inglaterra para defender  Patrice Trovoada, como bons amigos da mesma vida airada.

FORMER PRESIDENT OBASANJO PUTS HIS WEIGHT BEHIND THE AFRICAN ISLANDS OF SAO TOMÉ E PRINCIPE -

LONDON, Reino Unido, 16 de outubro de 2015 - Convocada e organizada pelo Governo de São Tomé e Príncipe, liderada pelo primeiro-ministro Patrice Emery Trovoada, a "STP In London" http://stepinconference.com/  foi a primeira Conferência Internacional para investidores privados e parceiros de desenvolvimento. agraciada por SE Obasanjo:

Milhões gastos em viagens e o Povo a viver em pocilgas 
Falando na sessão de abertura, Obasanjo disse: "Quando o primeiro-ministro Trovoada me pediu para falar nesta importante conferência, aceitei o convite por três motivos. Em primeiro lugar, somos vizinhos e, como vizinhos, estamos expostos a amar nossos vizinhos como a nós mesmos. São Tomé e Príncipe beneficia das economias da África Ocidental e Central, por isso é amor fraternal que me trouxe aqui. Em segundo lugar, estou aqui por razões pessoais: o primeiro-ministro é um grande líder e um homem de confiança e estou encantado de prestar meu apoio a um líder honrado, buscando uma causa honrosa. Em terceiro lugar, quando assumi o cargo, tive a mesma visão do líder de São Tomé e Príncipe: atrair investidores e parceiros de desenvolvimento. Alguns recusaram-se a aceitar a oferta, mas aqueles que fizeram agora estão se beneficiando de seus investimentos em vários setores, incluindo telecomunicações, petróleo e gás, educação e indústria mineira ".
http://amediaagency.com/former-president-obasanjo-puts-his-weight-behind-the-african-islands-of-sao-tome-e-principe/



TROVOADA - aramado em vitima - VAI DE SERVIR-SE DO ANTIGO PRESIDENTE NIGERIANO, OBASANJO A QUEM FIELMENTE SERVIU EM DETRIMENTO DO INTERESSE PÚBLICO SANTOMENSE  – Alegando  que “as acusações e insinuações, tentando associar o Primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe, Sua Excelência, Patrice Emery Trovoada ao Golpe perpetrado em 2003, pode apenas estar motivado pela ignorância, e são incoerentes com os factos, e inteligências, na qual baseamos para a nossa intervenção, e acção".

Acaso não haverá, até no seio do seu partido – ADI – homens corajosos e honrados capazes de darem uma grande vassourada a estes despudorados gananciosos predadores, comerciantes oportunistas? - Note-se: que bastaria o dinheiro que ele gasta nestas passeatas para aumentar, com alguma dignidade, os ordenados a todos os funcionários públicos - Já não falando das reformas de miséria de 20 euros mensais: alguma vez, empresários, com tão faustosa vida, se cordoem  ou têm sensibilidade para com o sofrimento e as privações dos mais desfavorecidos?... De modo algum; - esta gente tem a mente noutros interesses, que não os do Povo.

DONDE VIERAM OS MILHÕES PARA ESTAS EMPRESAS NO  TEXAS?

Não será talvez por mero acaso que, tanto o Sr. empresário Patrice Trovoada, como sua esposa Nana Oumou Touré Trovoada, gestora principal de CHARMBORDEAUX, S.A, empresa constituída em Dezembro de 2013, em Lisboa, num edifício da Rua Castilho, dedicada à compra e venda de bens imobiliários, Nana Oumou Touré Trovoada - eInforma, assim como outros com-pinchas têm milionários negócios conjuntos no Texas, Gabão, além de em outras misteriosas paragens TEXAS OVERSEAS CONSULTING SERVICES,INC.,001 713 7808627 ......

TEXAS OVERSEAS CONSULTING SERVICES,INC. Importer Category: Ceramics Country : United States Address: 7100 REGENCY SQUARE SUITE 102,HOUSTON,TEXAS 77036 Contact PATRICE EMERY TROVOADA Email : PTROVOADA@AOL.COM...2010-2016 v9.14  TEXAS OVERSEAS CONSULTING SERVICES,INC. - 001 713 ...

TEXAS OVERSEAS CONSULTING SERVICES,INC. is an international purchaser taking part the canton fair in China, it's from United States and need to buy products of Furniture, Building and Decoration Materials etc. categories.
Clike neste linkes onde encontrará toda uma vasta gama de informação de que precisa sobre a TEXAS OVERSEAS CONSULTING SERVICES,INC. TROVOADA – e afins – relacionadas

RECLAMAÇÃO DE FRAUDE - Aspeto curioso é uma reclamação, datada de 2002   - A uma empresa com a mesma morada, das que são referenciadas nos vários linkes em 7100 regency square suite 102 houston tx 77036    Address: 7100 regency square suite 102 houston tx 77036 a 20/11/2002  MWI GalleriaUsa, aka galleria123 Fraudulent Billing on my credit card ...“MWI Galleria Usa is a fraudulent company that also operates under the name Gallera123. They are based in Houston Tx, Connecticut, and Nebraska. I responded to a pop-up that offered a $25.00 Kmart gift card for trying their shopping club 30 days RISK FREE (HA!!!) They needed my credit card number to process a $1.00 fee. (Address: 7100 regency square suite 102 houston tx 77036


"A CORRUPÇÃO É UMA TRADIÇÃO E COMPRAR  VOTOS FAZ PARTE DO JOGO 18/04/2008 -"Patrice Trovoada, passou a maior parte de sua vida fora do país. Ele fala Português, língua oficial de São Tomé, com um acento; tinha-se convertido ao Islão. Ninguém sabe como ele fez o seu dinheiro. Ele é dono de uma empresa de construção em Houston, Texas. Ele diz que está injustamente acusado de envolvimento no tráfico de drogas. Ele também diz que a corrupção faz parte da tradição da ilha, e compra de votos faz parte do jogOil Speculation in São Tomé: To Get Rich, Be a Minister - SPIEGE - 

Solução 'Ogbologbo' de Obasanjo para combater a corrupção

(...) Aqueles que conhecem o ex-presidente muito bem podem atestar a sua auto-denominada franqueza na propagação de episódios melodramáticos encenados que duram mais tempo do que a realidade. 

É uma verdade não diluída de que, como um homem que roubou os corredores do poder na Nigéria, ele conhece e entende muito bem o pedaço de terra chamado Nigéria. Obasanjo permaneceu forte na política da nação, movendo-se majestosamente em qualquer lugar que ele pensa, observando a podridão que ele ajudou a criar e distribuir soluções fragmentadas sempre que ele sinta a atenção ser engendrada. Ele é sempre um dos principais personagens da dramaticidade nos shows que ele frequentemente dedica a seus seguidores entusiasmados. Em suma, ele teria ganho muitos prémios como protagonista de suas próprias viagens didáticas.

Ele era um presidente, como Buhari, que chegou ao poder quando todos os olhos: global, regional, nacional e local, estavam na Nigéria. Ele teria sido, se ele se importasse, o Mandela da Nigéria, chegando ao poder no momento certo em que a democracia era praticamente renascida no país. Na busca direta de um acordo para a presidência rotacional, ele foi redigido de quase ausência. A terra era fértil para ele cultivar e alimentar, crescer e sustentar o povo nigeriano. E ele fez o seu melhor.Nenhum compatriota sincero pode consultar seus esforços. Ele não poderia ter feito o contrário porque ter sido deixado apenas cerca de N20,000 depois de ter provado grandeza e liberdade nas forças armadas, a comunidade nigeriana era demais para ele controlar. E ele fez o que podia fazer e conseguiu entregar a Umaru instável.Yar'Adua. Antes disso, conseguiu hipotecar recursos nacionais, vendeu alguns para leais e adquiriu outros por procuração. Mas poucos duvidam da sinceridade de Obasanjo em unir nigerianos juntos, incluindo o Igbo a quem ele ama com autenticidade aproximada.
  
Às vezes, as pessoas não o levam a sério porque ele prefere o Ali Baba ao Hollywood.Mas ele é um homem tão simples que pode se engajar em absurdos, mesmo que ofereça um discurso oficial escrito erudito. Eu usei a palavra "simples" porque, como um homem que mais tarde se tornou estudante de teologia, percebeu que o mundo era muito duro para segui-lo com dureza. Se alguém deve ser bem-sucedido, é arriscado correr, exceto se isso implique a conversão da comunidade em armazéns privados e para o engrandecimento pessoal. Por que não, depois de todos os nigerianos, durante o seu senhorio de oito anos, as pessoas mais felizes da terra, sofrendo todos os tipos de pandemia, falta, humilhação internacional e lentidão.
Obasanjo's 'Ogbologbo' Solution To Fight Corruption | THISDAYLIVE


Corruption in Nigeria under Obasanjo administration

(...) Nigéria Autoridade de Desenvolvimento Conjunta de São Tomé e Príncipe, JDA foi formalmente criada em janeiro de 2002 para explorar o petróleo bruto no Golfo da Guiné e o estreito entre a Nigéria e São Tomé e Príncipe. De acordo com o tratado, que duraria 45 anos, com uma revisão devida após 30 anos, 60% dos recursos seriam para a Nigéria, enquanto 40% seria para São Tomé e Príncipe.

Mas o governo Obasanjo mudou o poste de meta no meio da partida, apenas um ano após esse tratado, um desenvolvimento que agravou a relação entre os dois países.

(…) Em 2005, o procurador-geral de São Tomé, Adelino Pereira, investigou uma acusação levantada por uma grande companhia petrolífera baseada em Estados Unidos da América em certas ofertas de sombra, afirmou que caracterizou os prêmios FLR pelo JDA. As investigações foram apoiadas pelo Banco Mundial e Dobie Langenkamp, ​​professora de Energia da Universidade de Tulsa, Oklahoma, EUA.

De acordo com o relatório anterior da TheNEWS, a empresa de petróleo protestante apresentou uma oferta substancialmente maior do que as empresas nigerianas que acabaram sendo adjudicadas.

"Mas a alegada manipulação política e certos direitos de opções da Environmental Remediation Holding Corporation, a ERHC, o principal beneficiário dos prémios, frustrou a empresa dos EUA para abandonar a causa, embora fosse muito mais qualificada e possuísse as capacidades financeiras, técnicas e gerenciais necessárias para lidar com as operações principais na JDZ do que as empresas favorecidas ".

EHRC é de propriedade do chefe Emeka Offor, polêmico político e amigo de Obasanjo. Outras figuras perto de Obasanjo foram identificadas como beneficiárias do prêmio: o Chefe Anthony Anenih, presidente da Autoridade de Portos da Nigéria, que possui ações de controle da A & Harmattan Ltd., que ganhou o 2º bloco de petróleo; Godsonic Incorporated Oil and Gas, que conseguiu o bloco 4; Aliko Dangote conquistou o bloco 3 através de sua empresa, DEER. Assim como Mike Adenuga, cujo Conoil ganhou no bloco 4.

"Kema Chikwe, o ex-ministro da aviação": Hope Uzodinma, uma amiga de Obasanjo, que recentemente foi detida pela Comissão Econômica e Financeira por uma suposta operação de fraude para o petróleo Filtzim-Huzod e o gás. A empresa, registrada nas Ilhas Cayman, era ainda outra beneficiária, assim como o Sahara Energy, de Tonye Cole, filho do Dr. Patrick Dele Cole, ex-Conselheiro Especial de Obasanjo ..
. "
Além da falta de uma experiência acadêmica ou profissional de engenharia geológica ou petrolífera, "Os procedimentos utilizados para selecionar as empresas que receberam concessões continham falhas graves e não satisfaziam os padrões mínimos exigidos para a concessão de tais licenças ". O relatório considera que as empresas de propriedade da Nigéria obtiveram direitos de exploração como veículos de investimento emergentes de especuladores financeiros, sem registro de resultados no petróleo produção ou exploração ". Também os documentos regulatórios publicados nos EUA, onde a ERHC está domiciliada, descreveram a companhia da Offor como" pouco mais do que uma empresa de papel sem operações e apenas um contrato favorável em sua carteira ".02/06/2009  Corruption in Nigeria under Obasanjo administration | eWASH

A CORAGEM E A NOBREZA DE CARÁCTER DE PREDIQUE MENEZES - QUE SOUBE BATER O PÉ AO CORRUPTO  OBSANJO SEM LHE PISAR DEMASIADO OS CALOS - SENDO CERTO QUE ERA O NIGERIANO QUE O QUERIA ESMAGAR  PARA MELHOR ROUBAR O  PATRIMÓNIO DA PÁTRIA SANTOMENSE 

"O Ex-presidente, Miguel Trovoada ungiu o atual presidente, Fradique Menezes, como seu sucessor. Mas depois da vitória de Menezes, Miguel Trovoada endossou seu próprio filho, Patrice, como o principal rival de Menezes.

Em 1997, um investidor sul-africano com algum conhecimento do potencial do petróleo do Golfo da Guiné encontrou-se com o governo, funcionários e garantiu os direitos de exploração em nome de um americano - Empresa, a Environmental Holding de Remediação (ERHC). Porque quase ninguém em STP teve algum tipo de experiência com o setor de petróleo,

A ERHC não teve nenhum problema para garantir termos sem precedentes favoráveis, incluindo a propriedade de quatro blocos de sua escolha, reivindicações sobre o futuro; tributação do petróleo e nenhum bônus de assinatura exigido.  O FMI estimou que, os termos estão em pé, a ERHC e que os seus sucessores terão direito a quase US $ 1,5 bilhão, em fluxos de renda futuros.  Em contrapartida, a ERHC pagou apenas US $ 5 milhões. Não tem obrigação de executar nenhum serviço além de conduzir uma viabilidade. (...) Parte da soberania do governo ressalta tanto a falta de São Tomé, como da sofisticação e a extensão de sua corrupção. 

Pois, como foi descoberto mais tarde, a ERHC assegurou sua posição de privilégio através do uso de subornos projetados através de Patrice Trovoada. Trovoada é o atual primeiro-ministro e filho do Ex-presidente do STP, Miguel Trovoada, presidente no momento da ERHC

A ERHC não era a única entidade estrangeira interessada em aproveitar-se da 
inexperiência do STP; O governo da Nigéria também o fez, com mais dinheiro em jogo e um diferencial de poder ainda maior. 

(...) arquivou as suas reivindicações de fronteira marítima com a Comissão do Direito do Mar da ONU (UNLSC).  (...) As negociações com Gabão e Guiné Equatorial começaram em 1998 e foram resolvidos no ano com base em um princípio de equidistância entre as ilhas e o continente e as fronteiras dos países ".  A Nigéria, no entanto, mostrou-se muito mais obstinada. Porque o princípio de  equidistância daria a STP tantos blocos de petróleo em potencial, insistiu na Nigéria.

Em uma parcela muito maior do que seria geralmente devido. STP não podia pagar uma Batalha legal prolongada, no entanto, o governo de São Tomé,  rapidamente capitulou para termos extremamente favoráveis ​​aos nigerianos. 

Sob o  acordo de 2000, a Nigéria e STP juntos administrariam um "Desenvolvimento Conjunto da Zona  "que compreendia quase 28.000 km 2 de área, grande parte do qual provavelmente pertencia à Zona Económica Exclusiva de STP.  Além disso, as receitas não seriam equitativas; A Nigéria manteria 60% de todas essas receitas, deixando 40% para STP.  A Nigéria justificou a sua insistência em uma JDZ devido à sua experiência como um dos maiores exportadores de petróleo de África, e o status da STP como um

(...) O exemplo mais destacado disso pode ser o corte de STP da base naval dos EUA nas Ilhas para proteger o STP, diz o presidente Menezes, de "aqueles que são ambiciosos e  estão olhando para chegar ao país quando o petróleo é extraído das nossas águas ". 

Em entrevista a uma revista nigeriana em Fevereiro de 2002, um associado  da    Emeka Offor (Chrome Group)    declarou que  anteriormente 'Offor ajudou o partido do ex-presidente Miguel Trovoada  para ganhar suas eleições .Lá   foram irregularidades definitivamente significativas na conduta de    STP's petróleo
  política (...) Dos pagamentos reais, parece que a soma de $ 550,000 mencionada em um relatório ERHC / Chrome , mas o dinheiro   foi canalizado para a África do Sul
  
Na véspera das eleições  parlamentares de 2002, o presidente Fradique de Menezes anunciou que   queria que o promotor público abrisse  um inquérito oficial sobre o acordo de exploração de petróleo (..) As negociações do setor do petróleo em 2001 não tinham transparência" e "liquidação desviada São Tomé da receita potencial do petróleo,  criou sérios problemas de governação  " Excertos de 


OBASANJO - O DIABÓLICO ANJO LUCIFERINO SOB AS VESTES DE MUÇULMANO 

 O presidente Obasanjo e alguns de seus principais amigos políticos foram implicados no acordo de petróleo com corrupção entre a Nigéria e o pequeno país insular de São Tomé.TON, neste relatório exclusivo, traz os detalhes de corrupção, suborno e intimidação.  

Quando o presidente Olusegun Obasanjo persuadiu o governo de São Tomé e Príncipe a resolver uma disputa prolongada com a ERHC, uma pequena empresa petrolífera dos EUA, o governo saotomense desconhecia o fato de que a ERHC era uma frente para altos funcionários do governo nigeriano, incluindo o presidente Obasanjo ele próprio e do persistente problema que se desenrolaria depois disso.

(..) A disputa do contrato da ERHC foi levada ao conhecimento do presidente Olusegun Obasanjo durante as negociações com o governo de São Tomé e Príncipe sobre a fronteira marítima em disputa entre os dois países. O presidente Trovoada de São Tomé estava no líder da equipe de negociação do lado de São Tomé.

(…)Sob o acordo, a Nigéria recebeu 60% do lucro da zona comum e STP 40%, e eles compartilharam os custos de operação nas mesmas proporções. Na sequência de várias outras rodadas de negociação, os Ministros dos Negócios Estrangeiros, Rafael Branco, da STP e Dubem Onyia, da Nigéria, finalmente assinaram um tratado de 45 anos em 21 de fevereiro de 2001 que criou uma Zona de Desenvolvimento Conjunta (JDZ) de 28 mil quilômetros quadrados que seria gerida por uma Joint Autoridade de Desenvolvimento (JDA) com sede em Abuja. O conselho da Autoridade é composto por quatro diretores executivos, dois de cada país, a serem nomeados pelo respetivo chefe de estado por um período renovável de seis anos

(…..)  Além disso, o Chrome se gabou de que seu presidente, Sir Emeka Offor, pedisse ao presidente Obasanjo que não ratificasse o tratado no JDZ e recorreria ao direito internacional para confiscar os ativos do STP no exterior e impedir a exploração de petróleo no STP por muitos anos. A STP subsequentemente abandonou a arbitragem e o governo permitiu vantagens financeiras de grande alcance da ERHC / Chrome dentro da JDZ, incluindo uma participação de 15% em dois blocos de escolha da ERHC / Chrome, uma participação de 5% em bônus de assinatura e uma participação de 10% no lucro do petróleo , e 1,5% sobre os juros de royalties na produção.



Além disso, a ERHC / Chrome recebeu dois blocos de sua escolha na ZEE sem pagar um bônus de assinatura e a opção de adquirir um interesse operacional de 15% em outros dois blocos de sua escolha. A ERHC / Chrome atribuiu sua participação de 49% na STPetro à STP e, consequentemente, renunciou aos seus direitos de adquirir, como STPetro, quatro blocos dentro da ZEE. Este novo acordo de 25 anos com a ERHC / Chrome substituiu o assinado em 1997 e dependia da ratificação do tratado na JDZ pela Assembléia Nacional em São Tomé. O ministro das Relações Exteriores da Nigéria, Dubem Onyia, testemunhou a assinatura do acordo em maio de 2001.

A ameaça de Emeka Offor para bloquear o país de assinar um tratado com a Nigéria, escorregando a capacidade do país para iniciar a exploração do petróleo, não era uma ameaça vazia. Na verdade, em uma reunião, com o presidente de São Tomé em 2001, o chefe Dubem Oyia, então ministro das Relações Exteriores da Nigéria, deixou bem claro durante as negociações que a Nigéria assinando um tratado com São Tomé era "Contingente em um acordo amigável" com o ERHC / Chrome da Emeka Offor . 

"Seus funcionários deixaram bem claro que eles não assinam um acordo connosco sem o Chrome. O presidente Obasanjo veio aqui várias vezes na companhia de Offor. "Um funcionário do governo altamente colocado que fazia parte da equipe de negociação de São Tomé disse à TheTimesOfNigeria.com.

O presidente Menezes, de São Tomé, disse que não tinha mais escolha do que lidar com Emeka Offor e o Chrome Oil, renunciou a si mesmo e ao seu país para o destino. No entanto, as coisas assumiram uma tendência diferente quando os Estados Unidos começaram a mostrar interesse no tratado assinado pela Nigéria e São Tomé. Sob o pedido dos Estados Unidos, o governo do presidente Menezes entrou em contato com um escritório de advocacia dos Estados Unidos e pediu que ele ajudasse a investigar o contrato.

Em maio de 2002, enquanto o presidente Menezes estava nos Estados Unidos para participar da Cúpula das Nações Unidas para Crianças, ele recebeu uma cópia da análise dos advogados americanos sobre os acordos petrolíferos. De volta a São Tomé, no dia 24 de maio, durante uma coletiva de imprensa, Menezes exigiu publicamente a renegociação de todos os acordos petrolíferos assinados por vários governos com ERHC / Chrome, Exxon Mobil, Nigéria e PGS. Com base na análise dos advogados, o chefe de Estado argumentou que os acordos continham graves erros e seus termos eram extremamente desfavoráveis ​​para o país. Ele também culpou os conselheiros do STP e os advogados que participaram das negociações pelos termos prejudiciais dos contratos.

Menezes atribuiu as anomalias detetadas pelos advogados americanos à falta de experiência dos negociadores do país. Esta crítica também foi dirigida ao ex-presidente Miguel Trovoada e seu filho Patrice, Rafael Branco e Posser da Costa, que negociaram ou assinaram os contratos, embora no momento Menezes fosse deputado da ADI no parlamento e não levantasse dúvidas sobre os tratados. Menezes também reagiu em resposta às demandas do FMI, que em fevereiro de 2002 instou o governo de São Tomé a agir seguindo os resultados da análise do acordo assinado com o EHRC / Chrome.

O governo da Nigéria ficou desconcertado com a mudança de eventos e ameaçou que fará difícil para São Tomé começar a exploração de petróleo se o país da ilha renegar seus acordos com a Nigéria e o Chrome. Com o apoio do governo dos Estados Unidos solidamente atrás dele, o presidente Menezes chamou o Chefe da Nigéria e exigiu que os contratos fossem renegociados. O presidente Obasanjo ficou incenso.

Como forma de adoçar o acordo e pacificar o presidente Menezes, o presidente Obasanjo fez algumas concessões a São Tomé. A Nigéria prometeu fornecer anualmente 60 mil barris de petróleo para São Tomé. Nigéria também prometeu bolsas de estudo a cidadãos de São Tomé para estudar nos Estados Unidos e no Reino Unido. Esta concessão foi adicionada como um memorando ao tratado JDZ entre os dois países. A razão oficial dada para a alteração t foi a necessidade de compensar São Tomé para a única exploração da Nigéria no bloco 246, que São Tomé insistiu é parte da JDZ, mas a Nigéria quer os direitos exclusivos deste bloco por causa da grande quantidade de depósitos nele. TheTimesOfNigeria.com tem em boa autoridade que esta concessão foi feita para aplacar o governo de São Tomé e Príncipe sobre a insistência da Nigéria no Chrome e Emeka Offor como principais atores da JDZ.

Quando os prometidos 60 mil barris de fornecimento diário de petróleo e bolsas de estudo não se materializaram em tempo útil, o presidente Menezes enviou uma delegação de Santomean a Abuja liderada por Rafael Branco, ministro de recursos naturais para conversas com Abuja. Ao retornar da Nigéria, Branco disse ao presidente Menezes que, antes de definir a quantidade de petróleo bruto, as modalidades de fornecimento deveriam ser discutidas. No que diz respeito às bolsas prometidas, ele declarou que, em setembro, os primeiros estudantes poderiam sair para as universidades nigerianas e outras no exterior. Este foi o compromisso que ele conseguiu atrapalhar de Abuja.




No entanto, o presidente Menezes recusou-se por pacificado pelas concessões. Mais uma vez, ele exigiu publicamente que os contratos e os tratados fossem renegociados com especial referência ao negócio doce do Chrome.

O presidente Obasanjo ficou furioso. Ele convocou seu caucus interno e funcionários da Comissão Nacional do Petróleo da Nigéria e instruiu-os a procurar maneiras de sair do pântano.

Em 3 de junho de 2002, o presidente Obasanjo voou para São Tomé e seus funcionários confiáveis ​​para uma discussão de três horas com o objetivo de reconciliar as partes. Sir Emeka Offor do Chrome esteve presente na reunião. Os funcionários do protocolo do presidente Menezes ficaram com raiva quando Offor chegou com Obasanjo porque o encontro deveria ser privado entre os dois presidentes. Depois de algumas brigas, Emeka Offor foi permitido entrar na reunião. Um alto funcionário do governo que esteve presente na reunião disse à TheTimesOfNigeria.com que o presidente Menezes reafirmou a posição de seu país sobre a necessidade de renegociar todos os contratos de petróleo e o tratado entre os dois países.

Mais uma vez, o presidente Obasanjo procurou fazer concessões adicionais a São Tomé. Ele prometeu o pagamento antecipado de US $ 5 milhões para bônus de assinatura, no momento estimado em US $ 120 milhões e para ajudar a resolver a questão sobre o suprimento diário de 60 mil barris. Em julho, a Nigéria pagou a soma de US $ 5 milhões para São Tomé, no entanto, a questão dos suprimentos em bruto permaneceu sem solução.

Mais uma vez, a promessa do presidente Obasanjo não foi cumprida. -Em setembro desse ano, na Cúpula das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável realizada em Joanesburgo, o presidente Obasanjo prometeu novamente ao presidente Menezes 10 mil barris de petróleo por dia em compensação pelo bloco 246, apenas 1/6 da quantidade inicialmente prometida. No mês seguinte, o embaixador da Nigéria em São Tomé, Saidu Pindar, confirmou a Menezes que a oferta seria de 10.000 barris por dia. 

(…)O Sr. de Menezes continuou a procurar ajuda, em 2003, por exemplo, ele se aproximou do Sr. Sachs." Ele chamou e disse: "Olhe, nós encontramos um pouco de petróleo e os tubarões estão nadando em nossa volta agora, "Como o Sr. Sachs lembrou em uma entrevista recente. Como parte desse esforço, uma equipe da Universidade de Columbia e outros ajudaram a elaborar uma nova lei de petróleo que continha salvaguardas para garantir que São Tomé gastasse seu petróleo, A equipe então viajou ao redor do país, realizando reuniões sobre plantações de cacau e igrejas, onde explicaram aos moradores como o novo estatuto protegeria seus interesses. "Imagine o que aconteceria se houvesse uma grande inundação que nos atingisse, "declarou um livreto de desenho animado que eles entregaram aos moradores." A lei do petróleo cria uma barragem ". No final de 2005, no entanto, um relatório do procurador-geral de São Tomé entregou uma dose de realidade. Entre outras coisas, descobriu que algumas empresas que ganharam blocos na zona controlada conjuntamente por São Tomé e sua vizinha foram lideradas por empresários nigerianos com laços políticos, mas sem experiência no petróleo ".

Meier e Mouawad implicam que o Sr. Mendes, o presidente do país, pode ter jogado na toalha e se virou para o lado escuro. Entretanto, o petróleo tem sido difícil de encontrar.

"Apesar das previsões anteriores de grandes achados de petróleo, não está claro se as águas fora de São Tomé jamais produzirão petróleo em quantidades comerciais. No ano passado, a Chevron perfurou o primeiro poço de exploração, mas não conseguiu encontrar muito óleo e, por enquanto, não tem nada imediato A ERHC disse que isso e um parceiro planejaram perfurar no próximo ano. Os novos estatutos de petróleo e anticorrupção elaborados por consultores como o Sr. Bell, o advogado de Washington, tornaram-se lei. Mas com toda a obscuridade e intriga que tem agora desceu sobre São Tomé, ele, como outros, pergunta se isso vai fazer alguma diferença. "O jogo ainda não está perdido", disse Bell. "Mas é um jogo muito difícil"
.

Se o petróleo não for encontrado, a alma de São Tomé pode ser salva, mas seu povo permanecerá empobrecido. Parece haver muita culpa de dar uma volta. A ganância é o fator motivador e a corrupção é o facilitador. A exposição da corrupção não é suficiente. É necessário criar programas que ajudem a desenvolver líderes com integridade e visão. A educação é a chave para ampliar o grupo de candidatos para tal treinamento. Imagine a esperança que poderia ser gerada em todo o continente africano se a Nigéria, seu estado mais populoso fosse governado corretamente e suas receitas de petróleo investiram sabiamente em infra-estrutura, serviços sociais e criação de emprego. O velho provérbio é certamente verdade que, quando não há visão, as pessoas perecem. A razão pela qual Tom Barnett e eu continuamos pressionando nas fronteiras da globalização é que queremos ajudar a apoiar aqueles que têm a visão necessária para tornar este um mundo melhor.
Forum: Koffiekamer » ERHC Energy (ERHE.ob) » Pagina: 3 | IEX.nl   ...Traduzir esta página

Corruption in Nigeria under Obasanjo administration | eWASH

(...) 02/06/2009  Nigéria Autoridade de Desenvolvimento Conjunta de São Tomé e Príncipe, JD  foi formalmente inaugurada em janeiro de 2002 para explorar o petróleo bruto no Golfo da Guiné e o estreito entre a Nigéria e São Tomé e Príncipe. De acordo com o tratado, que duraria 45 anos, com uma revisão devida após 30 anos, 60% dos recursos seriam para a Nigéria, enquanto 40% seria para São Tomé e Príncipe.

Mas o governo Obasanjo mudou o poste de meta no meio da partida, apenas um ano após esse tratado, um desenvolvimento que agravou a relação entre os dois países.

Problemas iniciados após a primeira rodada de licenciamento de 2003, FLR, de prêmios do bloco de petróleo. Em 2005, o procurador-geral de São Tomé, Adelino Pereira, investigou uma acusação levantada por uma grande companhia petrolífera baseada em Estados Unidos da América em certas ofertas de sombra, afirmou que caracterizou os prêmios FLR pelo JDA. As investigações foram apoiadas pelo Banco Mundial e Dobie Langenkamp, ​​professora de Energia da Universidade de Tulsa, Oklahoma, EUA.

De acordo com o relatório anterior da TheNEWS, a empresa de petróleo protestante apresentou uma oferta substancialmente maior do que as empresas nigerianas que acabaram sendo adjudicadas.

"Mas a alegada manipulação política e certos direitos de opções da Environmental Remediation Holding Corporation, a ERHC, o principal beneficiário dos prêmios, frustrou a empresa dos EUA para abandonar a causa, embora fosse muito mais qualificada e possuísse as capacidades financeiras, técnicas e gerenciais necessárias para lidar com as operações principais na JDZ do que as empresas favorecidas ".

EHRC é de propriedade do chefe Emeka Offor, polêmico político e amigo de Obasanjo. Outras figuras perto de Obasanjo foram identificadas como beneficiárias do prêmio: o Chefe Anthony Anenih, presidente da Autoridade de Portos da Nigéria, que possui ações de controle da A & Harmattan Ltd., que ganhou o 2º bloco de petróleo; Godsonic Incorporated Oil and Gas, que conseguiu o bloco 4; Aliko Dangote conquistou o bloco 3 através de sua empresa, DEER. Assim como Mike Adenuga, cujo Conoil ganhou no bloco 4.

"Kema Chikwe, ex-ministro da aviação", escreveu esta revista, "recrutou Hope Uzodinma, uma amiga de Obasanjo - que recentemente foi detida pela Comissão Econômica e Financeira por uma suposta operação de fraude para o petróleo Filtzim-Huzod e o gás. A empresa, registrada nas Ilhas Cayman, era ainda outra beneficiária, assim como o Sahara Energy, de Tonye Cole, filho do Dr. Patrick Dele Cole, ex-Conselheiro Especial de Obasanjo ... "

Além da falta de uma experiência académica ou profissional de engenharia geológica ou petrolífera, as empresas, como o governo de São Tomé , "também carecem da garantia financeira para atualizar a operação". O escritório de São Tomé AG alegou ainda: "Os procedimentos utilizados para selecionar  as empresas que receberam concessões continham falhas graves e não satisfaziam os padrões mínimos exigidos para a concessão de tais licenças ". O relatório considera que as empresas de propriedade da Nigéria obtiveram direitos de exploração como veículos de investimento emergentes de especuladores financeiros, sem registro de resultados no petróleo produção ou exploração ". Também os documentos regulatórios publicados nos EUA, onde a ERHC está domiciliada, descreveram a companhia da Offor como" pouco mais do que uma empresa de papel sem operações e apenas um contrato favorável em sua carteira ". Corruption in Nigeria under Obasanjo administration | eWASH

OBASANJO'S MONUMENTAL CORRUPTION EXPOSED – The News

No dia 16 de maio, 13 dias até o final de seu mandato, Obasanjo anunciou ao Conselho Executivo Federal, FEC, a adjudicação de contratos no valor de N756 bilhões. Essa proposta navegou pelo conselho como um porco amassado em um matadouro. Como Frank Nweke, então ministro da Informação, explicou, N70 bilhões desta seria a ressuscitação das indústrias têxteis na Nigéria; N58.6 bilhões para a segunda ponte do Níger; a manutenção foi de trazer N42 bilhões. As empresas para executar os projetos não foram nomeadas..

(...) O presidente Obasanjo usou sua posição para encurralar partes consideráveis ​​da Transcorp, uma empresa de blue chip que foi formada durante a noite para negociar contratos suculentos e fazer aquisições gordas da empresa. Foi incorporado em novembro de 2004 e lançado oficialmente em 21 de julho de 2005, no Salão Presidencial do Banquete, Casa do Estado, Abuja, com Obasanjo como convidado especial de honra.

(...) De acordo com o relatório anterior da TheNEWS, a empresa de petróleo protestante apresentou uma oferta substancialmente maior do que as empresas nigerianas que acabaram sendo adjudicadas.

"Mas a alegada manipulação política e certos direitos de opções da Environmental Remediation Holding Corporation, a ERHC, o principal beneficiário dos prêmios, frustrou a empresa dos EUA para abandonar a causa, embora fosse muito mais qualificada e possuísse as capacidades financeiras, técnicas e de gestão necessárias para lidar com as operações principais na JDZ do que as empresas favorecidas ".
EHRC é de propriedade do chefe Emeka Offor, polêmico político e amigo de Obasanjo. Outras figuras perto de Obasanjo foram identificadas como beneficiárias do prêmio: o Chefe Anthony Anenih, presidente da Autoridade de Portos da Nigéria, que possui ações de controle da A & Harmattan Ltd., que ganhou o 2º bloco de petróleo; Godsonic Incorporated Oil and Gas, que conseguiu o bloco 4; Aliko Dangote conquistou o bloco 3 através de sua empresa, DEER.Assim como Mike Adenuga, cujo Conoil ganhou no bloco 4.

"Kema Chikwe, ex-ministro da aviação", escreveu esta revista, "recrutou Hope Uzodinma, uma amiga de Obasanjo - que recentemente foi detida pela Comissão Econômica e Financeira por uma suposta operação de fraude para o petróleo Filtzim-Huzod e o gás. A empresa, registrada nas Ilhas Cayman, era ainda outra beneficiária, assim como o Sahara Energy, de Tonye Cole, filho do Dr. Patrick Dele Cole, ex-Conselheiro Especial de Obasanjo ..
. "
Além da falta de uma experiência acadêmica ou profissional de engenharia geológica ou petrolífera, as empresas, como o governo de São Tomé alegou, "também carecem da garantia financeira para atualizar a operação". O escritório de São Tomé AG alegou ainda: "Os procedimentos utilizados para selecionar o as empresas que receberam concessões continham falhas graves e não satisfaziam os padrões mínimos exigidos para a concessão de tais licenças ". O relatório considera que as empresas de propriedade da Nigéria obtiveram direitos de exploração como veículos de investimento emergentes de especuladores financeiros, sem registro de resultados no petróleo produção ou exploração ". Também os documentos regulatórios publicados nos EUA, onde a ERHC está domiciliada, descreveram a companhia da Offor como" pouco mais do que uma empresa de papel sem operações e apenas um contrato favorável em sua carteira ". - Excertos de OBASANJO'S MONUMENTAL CORRUPTION EXPOSED – The News 

Senhor Presidente, solicitamos sinceramente uma investigação e um processo contra a acumulação primitiva da riqueza ilegalmente, o roubo executivo de bens do Estado e a violação da legislação existente que rege as atividades econômicas do governo nos oito anos sob o comando do Chefe Obasanjo, que incluem o seguinte:

O fim do sonho do óleo Por Gerhard Seibert  - Em 23 de setembro de 2013, a empresa petrolífera francesa Total abandonou o bloco 1 na Zona Conjunta de Desenvolvimento de São Tomé e Príncipe - Nigéria (JDZ). Isso ocorre apenas cerca de um ano depois que a empresa de energia estatal chinesa Sinopec, sua subsidiária Addax, Equator Exploration e outras partes interessadas abandonaram três blocos de petróleo lá. Os motivos de Total são os mesmos que os indicados em 2012: resultados decepcionantes de perfurações de exploração devido a reservas de hidrocarbonetos que são muito limitadas para justificar novos investimentos. Mais pormenores emhttp://chegepublishing.net/the-end-of-the-oil-dream/~

Nenhum comentário :