expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Em noite escura, quando estou só a minha alma não responde mas voa não sei para onde.. – “Estar Só é Estar no Íntimo do Mundo” - António Ramos Rosa - 17 de Novembro de 1924 – 23 de Setembro de 2013

Peregrino da Luz - Heterónimo de Jorge Trabulo Marques 



Desprendido de tudo, menos do que é o mistério intrínseco da vida....



Em noite escura, nos ermos montes, quando estou só 
a minha alma não responde mas voa não sei para onde..

Perdido ando, Senhor Deus, no tempo, quando,
em noite escura, pregado à Terra, contemplando 
sem vós, sem mim, nisto me refugio, ausente de tudo
porém, seguro de que, solto  e solitário de todo o mundo,
poderei  voar de asas abertas ao vento, silencioso, 
iluminado e mudo


Peregrino da Luz



Estar Só é Estar no Íntimo do Mundo

Por vezes   cada objecto   se ilumina
do que no passar é pausa íntima
entre sons minuciosos que inclinam
a atenção para uma cavidade mínima
E estar assim tão breve e tão profundo
como no silêncio de uma planta
é estar no fundo do tempo ou no seu ápice
ou na alvura de um sono que nos dá
a cintilante substância do sítio
O mundo inteiro assim cabe num limbo
e é como um eco límpido e uma folha de sombra
que no vagar ondeia entre minúsculas luzes
E é astro imediato de um lúcido sono
fluvial e um núbil eclipse
em que estar só é estar no íntimo do mundo 

António Ramos Rosa, in "Poemas Inéditos" 

A sós com a minha dupla identidade 
Dia virá que das cinzas nem despontarão cardos nem espinhos




Jorge Trabulo Marques e António Ramos Rosa

Poeta e ensaísta António Ramos Rosa, um dos nomes cimeiros da literatura portuguesa contemporânea, autor de quase uma centena de títulos, de 
O Grito Claro (1958), a sua célebre obra de estreia, até Em Torno do Imponderável
, um belo livro de poemas breves publicado em 2012. Exemplo de uma entrega radical à escrita, como talvez não haja outro na poesia portuguesa contemporânea! In https://www.publico.pt/2013/09/23/culturaipsilon/noticia/morreu-antonio-ramos-rosa-1606787


Poema dito por António Rosa e o excerto de uma entrevista, na altura em que recebeu o Prémio Pessoa – Deu-me a honra e o prazer de me receber, várias vezes em sua casa. As fotos são todas de minha autoria - Autor de oito dezenas de livros de poesia, além de antologias e outras obras, com traduções em vários países – Considerado um dos melhores poetas portugueses contemporâneos, António Ramos Rosa, foi distinguido com inúmeros prémios e chegou a ser proposto, pelo Pen Clube Português. ao Prémio Nobel da Literatura. Mas, tal como ele reconheceu: “o prémio Nobel obedece, por vezes, a critérios que não são propriamente literários – Afirmação feita, alguns anos antes de José Saramago, ter recebido tão prestigiada distinção. António Ramos Rosa , nasceu a 17 de Outubro, em Faro, e faleceu no dia 23 de Setembro, 2013 . - Não é muito fácil falar da minha poesia, porque, quem tem mais autoridade a fazê-lo, são os outros, os críticos, os escritores Mas eu também tenho uma visão de mim próprio, embora muitas vezes, não possa ser muito clara - O que dissemos da obra e da personalidade de António Ramos Rosa: http://www.vida-e-tempos.com/2013/09/... - http://www.vida-e-tempos.com/2013/09/... -- http://www.vida-e-tempos.com/2013/09/... -- http://www.vida-e-tempos.com/2013/01/...



Nenhum comentário :