expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

terça-feira, 21 de novembro de 2017

S. Tomé e Príncipe – Da Independência à extrema pobreza da atualidade - Imagens que fizeram história nos acalorados dias da dinâmica Associação Cívica Pró-MLSTP - De que fui testemunha na primeira pessoa




RECORDANDO ATRAVÉS DAS MINHAS IMAGENS OS ACALORADOS DIAS DA DINÂMICA ASSOCIAÇÃO CÍVICA, PRÓ-MLSTP

Os dias que antecederam a proclamação da independência de São Tomé e Príncipe, já quase se vão esfumando com o imparável calendário  do tempo, todavia, merecem ser recordados, e é  também  o propósito desta postagem, com algumas fotos e textos, de minha autoria, publicados, na Revista Semana Ilustrada, acerca das primeiras manifestações públicas  do movimento pró-independentista,  em vésperas de mais um dia histórico na consolidação da democracia e do multipartidarismo das Ilhas Verdes do Equador -



   Imagens e palavras históricas – Comício Público

São Tomé – Julho 1974 


“Independência Total de S. Tomé e Príncipe é o que o Povo quer. Era o grito, vibrado em uníssono, por largos milhares de santomenses, no seu dialecto, numa grandiosa manifestação organizada pela Associação Cívica Pró-Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe.



A  referida manifestação teve lugar num sábado à tarde. Principiou no Riboque, sede daquela Associação Cívica, foi engrossando à medida  que ia percorrendo as principais ruas e avenidas da cidade de S. Tomé,  e terminou mais tarde no mesmo local, num verdadeiro mar de gente, em calorosa exaltação de confiança e de apoio ao novo destino político que o Movimento de Libertação de S. Tomé e Príncipe, com sede em Libreville, Gabão, pretende dar a estas terras e às suas populações.


Dirigiam o prolongado e grosso cortejo de manifestantes, os irmãos, Costa Alegre, que, sobre o tejadilho de um carro, proferiram frases de apoio não só ao Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe, como aos mais representativos Movimentos dos outros territórios, sob domínio portugês, cujos nomes, seguidamente, eram repetidos em coro pela multidão



Registaram-se algumas paragens, durante as quais os dois irmãos Costa Alegre chamaram a atenção do Povo para a necessidade imediata da independência total e das vicissitudes que o colonialismo lhes havia imposto ao longo de séculos. Fez-se ainda a leitura de alguns panfletos, que no final foram distribuídos a todos os manifestantes,  e nos quais se referia que “só com a independência total  as riquezas que o Povo de S. Tomé e Príncipe produz servirão Povo. E ainda: “A instrução, a assistência médica para servir o Povo de S. Tomé e Príncipe, só com a independência total, pois com ela haverá o controlo da riqueza pelo Povo para satisfação das necessidades do Povo” e noutro passo a seguinte frase: “Enquanto a riqueza continuar a sair para o estrangeiro, para servir alguns, o Povo de s. Tomé e Príncipe não será verdadeiramente livre”


A dita manifestação, a primeira até agora levada a cabo, decorreu, embora calorosa, como o maior aprumo, ordem e civismo.
Julho – 1974 - A associação Cívica pró-Movimento Libertação de São Tomé e Príncipe promoveu há dias  o seu primeiro Comício.

Teve lugar frente ao  largo do mercado Municipal, e congregou enorme multidão de simpatizantes daquela Associação Cívica.

Nos panfletos distribuídos a toda a assistência podia ler-se: "O M.L.S.T.P. (Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe) definiu sempre como único meio para a satisfação das necessidades do povo de São Tomé e Príncipe, a independência total, o que significa o fim da exploração, o combate à fome, à miséria, ao analfabetismo, à doença crónica, que o colonialismo nos deixa, depois de 500 anos de dominação. A nossa causa é justa e para a sua total realização, o Povo de São Tomé e Príncipe precisa de conhecer quem são os seus inimigos.

Lotamos contra a exploração que nos brutaliza e oprime. Os inimigos são, portanto, os exploradores, os colonialistas"

NOS DIAS DO DESESPERO DE HOJE...

Eis o grito desesperado que nos chega da Ilha do Príncipe Olá Senhor Trabulo:
Como esta?... Nós aqui no Príncipe estamos mesmo com grande problema: não há dnheiro! Pessoa n tem dinheiro nem para comprimido

Isto anda complicado - Que tristeza!


Agora estou sem receber da empresa - a UNIEL  - para onde trabalhava - Como posso ver e matar a fome aos meus filhos?"


São Tomé e Príncipe tem 70% das crianças afectadas pela pobreza e falta de protecção social
Não foi para isto que os nacionalistas santomenses lutaram pela independência – para que, um governo utra-liberal, caraterizado pela arrogância despudorada, autoritarismo e desenfreada corrupção, por parte de quem nem sequer nasceu nestas maravilhosas, nem aqui cultivou quaisquer laços afetivos,  sim, para que as centenas de milhões  de ajuda externa pobreza, em vez de serem canalizados para o bem-estar e progresso das populações, tivessem outros destinos
08/06/2016 -Um relatório do Fundo das nações Unidas para Infância (Unicef) relata que mais de 70% das crianças são-tomenses são pobres. O estudo, realizado a cada cinco anos, analisa a situação das crianças, que representam cerca de 50% dos 187 mil habitantes do país.

estudo relata que num país onde mais de 66% da população vive abaixo da linha da pobreza, a incidência da pobreza é ainda mais elevada nas crianças, que “apresentam maior vulnerabilidade relativamente à situação da protecção social” do que os adultos.

Segundo a representante adjunta da Unicef para São Tomé e Príncipe, Ainhoa Jaureguieitia este estudo revelou três aspectos que devem ser urgentemente combatidos: a proteção das crianças contra a violência (que abrange abuso sexual, negligência, abandono e trabalho infantil), o saneamento e a área da nutrição.

Para melhor apreciação da situação das crianças em São Tomé e Príncipe, o leitor tem acesso ao estudo apresentado pela UNICEF – Apresentacão SITAN 120516  São Tomé e Príncipe tem 70% das crianças afectadas pela pobreza e ...


A pesquisa mais recente sobre as causas da pobreza em São Tomé e Príncipe, uma nação insular da costa ocidental da África, remonta a 1995. Indicou que mais de 40%da população vivia abaixo da linha de pobreza e 33% eram vivendo em extrema pobreza.

Tucker Hallowell Causes of Poverty in Sao Tome and Principe - The Borgen Project

Dependência pesada de auxílio e alívio da dívida 

STP há muito tempo sofreu problemas para reembolsar sua dívida externa. Isso tornou o país fortemente dependente da ajuda e do alívio da dívida de outros países. Em 2000, o STP recebeu US $ 200 milhões em alívio da dívida no âmbito do Programa de Países Pobres Altamente Endividados. Outros programas também ajudaram o STP a aumentar as receitas fiscais do país, reformar costumes e melhorar as empresas locais.

Vulnerabilidade a choques naturais 

São Tomé e Príncipe é suscetível a catástrofes naturais e os efeitos das mudanças climáticas . Isso representa uma grande ameaça de novos danos aos ecossistemas já fracos da região e à falta de desenvolvimento socioeconômico. O Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas prevê que eventos climáticos extremos e temperaturas médias mais elevadas serão parte do futuro do STP. Como resultado, o abastecimento de água será reduzido, a produção de energia diminuirá e a infraestrutura será perdida.- Emilee Wessel 
Causes of Poverty in Sao Tome - BORGEN

Trabalho infantil   -Em princípio, a lei permite que as crianças trabalhem a partir dos 14 anos de idade. Mas os números nos mostram que, na prática, isso não é respeitado. Por exemplo, em 2000, 15,4% das crianças de 5 a 14 anos trabalharam; destes, 17,2% eram meninos e 13,5% eram raparigas. As crianças são geralmente empregadas na agricultura, nos setores ilícitos (drogas, etc.), ou mesmo como empregados domésticos. Além disso, no país, um menor pode assinar um contrato de trabalho e receber salários.

PROPAGANDA MANIPULADORA - São Tomé e Príncipe manteve a 11.ª posição no Índice Ibrahim de Boa Governação Africana 2017, mas o crescimento desacelerou nos últimos cinco anos, segundo o estudo hoje divulgado.  – Propaganda da media  que se limita a replicar apenas as noticias da propaganda governamental

O país somou uma pontuação de 61 num total de 100 pontos, contra 60,5 no ano passado, confirmando a tendência positiva que mostra desde 2007. 

Porém, nos últimos cinco anos, o crescimento perdeu velocidade. 
https://www.abola.pt/Africa/Noticias/Ver/702669

POVO A ESPIGAS DE MILHO E A VIVER EM MISERÁVEIS CUBATAS A  MEIAS COM -POCILGAS E OS GOVERNANTES EM GRANDES  ALMOÇARADAS  AO VELHO ESTILO COLONIAL, DESBARATANDO MILHÕES DE AJUDAS FINANCEIRAS 
“São Tomé e Príncipe tem 70% das crianças afetadas pela pobreza e falta de proteção social”

08/06/2016 Um relatório do Fundo das nações Unidas para Infância (Unicef) relata que mais de 70% das crianças são-tomenses são pobres. 




estudo relata que num país onde mais de 66% da população vive abaixo da linha da pobreza, a incidência da pobreza é ainda mais elevada nas crianças, que “apresentam maior vulnerabilidade relativamente à situação da protecção social” do que os adultos. abandono e trabalho infantil), o saneamento e a área da nutrição. Pobreza e falta de proteção social afeta 70% das crianças de São Tomé.


CORRUPÇÃO DESPUDORADA 



GOVERNO DESACREDITADO – MINADO PELA CORRUPÇÃO E JOGADAS  DO MAIS DESPUDORADO OPORTUNISMO - Que tem como esteio parlamentar um partido fundado por Miguel Trovoada - Muito mal rotulado pelos guineenses da Guiné Bissau, nos anos em que ali esteve como representante especial do Secretário-Geral da ONU 


30/04/2016 Miguel Trovoada foi um desastre na gestão da crise política (ou será de ego?!) que assola a Guiné-Bissau desde agosto do ano passado. Esteve claramente - ele e o Ovídeo Pequeno, da UA - do lado de um PR acossado e assustado. Numa palavra: estiveram contra o POVO DA GUINÉ-BISSAU. http://paginaglobal.blogspot.pt/2016/04/guine-bissau-miguel-trovoada-um.html ERAM  SILEN

AQUELES DIAS EM QUE PATRICE ERA NOTICIA MAS ESTAS ERAM SILENCIADAS



15 de maio de 2005 Breaking News: Não há notícias hoje da Nigéria - Por que as mudanças incríveis em São Tomé e Príncipe sobre o processo do petróleo do país foram ignoradas na imprensa nigeriana?

"O presidente de São Tomé e Príncipe, Fradique de Menezes, acabou de se retirar da presidência do Conselho Nacional do Petróleo para evitar um conflito de interesses que seus críticos dizem ter existido há muito tempo; O assessor especial do presidente sobre o petróleo, Patrice Trovoada, ele mesmo, filho do imediato presidente Miguel Trovoada, foi demitido pelo presidente de Menezes por ter realizado ações em uma empresa petrolífera que ofereceu sem sucesso os blocos de petróleo no desenvolvimento conjunto Nigéria-São Tomé e Príncipe Zona; e o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros e secretário de Estado, agora membro do gabinete do presidente, foi obrigado a demitir-se do Conselho Ministerial Conjunto da Nigéria-DRSTP que decidiu os prêmios porque ele era acionista e ex-executivo de outra companhia de petróleo. licitante aprovado, buscando prêmios em bloco.

(…) Em São Tomé, o Jornal da São Tomé, de língua portuguesa, é tão ruim, e enquanto Tela Non e Vitrina, as principais lojas de imprensa diárias do país (e também em português), tiveram várias histórias ultimamente, passaram semanas sem em todos os eventos que provavelmente moldarão o futuro de sua nação nos séculos vindouros.

Enquanto a imprensa da Nigéria é conhecida por sua ultra corruptibilidade, alguém pode ter comprado 15 jornais diferentes, além da Agência de Notícias oficial da Nigéria (NAN)?


Nenhum comentário :