expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Memória: Cristiano Ronaldo, o encontro com Nelson Mandela - Diplomacia desportiva: “Mandela, Mandela”, «Obrigado `Madiba` pelo teu legado e pelo teu exemplo – Dez 2010 Contrastando com a receção de Alberto João Jardim ao último líder do regime racista do apartheid, em Nov de 1986, numa altura em que se pugnava pela sua libertação – Mas houve protestos, na Ilha e no continente: Mandela, Mandela”, gritou Mário Viegas na receção oficial aos Botha na Madeira


MOMENTOS EXEMPLARES DE UM ÍDOLO QUE A MEMÓRIA FUTURA NÃO DEVERÁ  ESQUECER 

  - Jorge Trabulo Marques - jornalista - Informação e análise

Cristiano Ronaldo, logrou popularizar o nome de Portugal, mais de que qualquer dos políticos ou mesmo que a própria Amália Rodrigues: o distinto filho madeirense,   não é apenas um genial artista, dentro das quatro linhas  dos mais famosos relvados mundiais, e até nos menos conhecidos, como um hábil diplomata: sim, é o atleta que não pensa apenas em marcar golos, fazendo maravilhas de artes circenses,  quando representa a seleção portuguesa, quer outras equipas, mas também em marcar tentos diplomáticos, que é justamente o episódio que hoje aqui lhe recordamos

O encontro de Cristiano Ronaldo com Nelson Mandela

Ocorreu , no início de junho de 2010, quando, Cristiano Ronaldo, Carlos Queiroz e o diretor desportivo Carlos Godinho se encontraram com Nelson Mandela. 

«Obrigado `Madiba` pelo teu legado e pelo teu exemplo. Vais estar sempre connosco», pode ler-se na mensagem divulgada na página oficial do capitão da seleção portuguesa de futebol no Facebook, que está acompanhada de uma visita de Cristiano Ronaldo a Mandela, por ocasião do Mundial2010, disputado na África do Sul. 
A Federação Portuguesa revelou que o encontro aconteceu «na sequência de um convite pessoal» do antigo presidente sul-africano, que recebeu a comitiva portuguesa «na sua residência de Joanesburgo». 

Os portugueses presentearam Mandela com uma camisa personalizada da seleção portuguesa com o nome do líder e o número 91, a idade de Mandela à data. 

Cristiano Ronaldo partilhou, na altura, o intenso privilégio que lhe coubera ao ser recebido por Madiba, uma recordação que guarda, com especial carinho até hoje.
http://www.lux.iol.pt/nacional/cristiano-ronaldo-mandela/o-encontro-de-cristiano-ronaldo-com-nelson-mandela

Cristiano Ronaldo dos Santos Aveiro (Funchal, 5 de fevereiro de 1985) é um futebolista português que atua como extremo-esquerdo ou avançado. Atualmente defende o Real Madrid e a Seleção Portuguesa.

Em 2007, Ronaldo tornou-se o primeiro jogador a vencer todos os quatro prémios principais da PFA e da FWA. Ficou ainda em terceiro lugar na votação de melhor jogador do mundo pela FIFA de 2007 e em segundo na votação da Bola de Ouro de 2007. Em 2008, conquistou a sua primeira Liga dos Campeões com o Manchester United, sendo considerado o melhor atacante e o melhor jogador da competição e o melhor da mesma, assim como ganhou a Bota de Ouro, tornando-se no primeiro médio ala a consegui-lo. Prossegue em https://pt.wikipedia.org/wiki/Cristiano_Ronaldo

DIPLOMACIA POLITICA - O CONTRASTE  COM A DIPLOMACIA DESPORTIVA

Hipocrisia da diplomacia politica a quanto obrigas - Defensores do regime racista da África do Sul, até ao último estertor:   

Alberto João Jardim recebeu o presidente do regime de ‘apartheid’, numa altura em que se pugnava pela libertação de Nelson Mandela 

Estamos em 1986 e o Mundo não perdoa ao regime de Pretória a manutenção de uma política de ‘apartheid’ que fazia com que a minoria branca da África do Sul tivesse todo o poder, político e económico, num país de larga maioria negra. Um regime que mantinha presos os lideres da luta contra o ‘apartheid’, entre eles Nelson Mandela, Walter Sisulu e praticamente todo o aparelho dirigente o Congresso Nacional Africano (ANC).

(..) Botha e a sua comitiva chegaram á Madeira a 13 de Novembro de 1986, estiveram três dias na Região e foram  recebidos por todo o Governo Regional, Assembleia e uma série de individualidades. Um aparato que motivou grandes protestos, sobretudo ao nível nacional e internacional.
Em Lisboa, o Presidente da República, Mário Soares criticou o episódio e garantiu que não tinha sido informado. Na Assembleia da República foi aprovado um voto de protesto.


Mandela, Mandela”, gritou Mário Viegas na recepção oficial aos Botha na Madeira
Jardim diz ter recebido os responsáveis pelo regime do apartheid a pedido de Cavaco Silva, na condição de “manter o assunto em segredo”. Mas o então primeiro-ministro, acusado na Assembleia da República de “cumplicidade ou capitulação”, desmente a versão do líder madeirense.


A libertação de Nelson Mandela foi reclamada pelo actor Mário Viegas, quando protestou contra a polémica presença do Presidente da África do Sul, Pieter Botha, e do ministro dos Negócios Estrangeiros, Pik Botha, na Madeira, a 13 de Novembro de 1986.

“ANC! Mandela! Mandela”, gritou Viegas quando os responsáveis pelo regime racista entravam nas adegas da Madeira Wine Company, no centro do Funchal, perto do Teatro Municipal, onde estava a ser representada Catástrofe, de Samuel Beckett, com encenação e cenografia do actor. "Estava na avenida [Arriaga], quando vi muitos carros pretos a parar. De um deles, saiu Pieter Botha, o Presidente da África do Sul, que visitava a Madeira. Não me contive e comecei a gritar, de punho direito erguido, 'ANC! Mandela!', 'You are a racist' – uma vergonha, reconheço”, relatou numa entrevista à RTP1 o actor, que faleceu em 1996.

Viegas descreve assim as reacções do visitante e do seu anfitrião: “O Botha foi, no entanto, impecável. Virou-se para mim e disse: 'OK, it's your opinion'.  O Alberto João estava estarrecido”. No dia seguinte, acrescenta, o Jornal da Madeira, propriedade do Governo Regional, “chamava-me esbugalhado, esquerdista, otelista e convidava-me a sair da ilha”.


A calorosa recepção proporcionada pelo chefe do governo regional ao Presidente da República da África do Sul, Pieter W. Botha, e ao ministro dos Negócios Estrangeiros, Pik Botha, motivou um protesto da Assembleia da República, aprovado com os votos de PS, PRD, PCP e MDP/CDE e contra de PSD e CDS. https://www.publico.pt/2013/12/09/mundo/noticia/mandela-mandela-gritou-mario-viegas-na-recepcao-oficial-aos-botha-na-madeira-1615639

O HOMEM E O ARTISTA INESQUECÍVEIS  - "António Mário Lopes Pereira Viegas (1948-1996) é considerado um dos melhores atores da sua geração. Criado no seio de uma família dedicada à exploração de farmácias e originária de Santarém, e de tradição republicana, Mário Viegas despertou para o teatro numa altura em que era estudante de História, na Faculdade de Letras de Lisboa. Posteriormente, depois de um período em que viveu no Porto, inscreveu-se na Escola de Teatro do Conservatório Nacional, tendo a sua estreia profissional ocorrido no Teatro Experimental de Cascais, com Carlos Avilez. https://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rio_Viegas





Mário há só um, o Viegas e mais nenhum!



CAVACO SILVA VOTOU CONTRA A LIBERTAÇÃO DE NELSON MANDELA  - MAIS TARDE, NO FUNERAL, LAMENTOU A SUA MORTE.
 
"O Governo de Cavaco Silva votou, em 1987, contra e a favor de resoluções diferentes das Nações Unidas que pediam a libertação de Nelson Mandela, tendo justificado o voto contrário a uma delas por legitimar o recurso à violência.


Portugal votou contra, juntamente com os Estados Unidos e o Reino Unido, a resolução "Solidariedade Internacional com a Luta pela Libertação na África do Sul", cujo ponto 4 "exige novamente que o regime racista termine com a repressão contra o povo oprimido da África do Sul, levante o estado de emergência; liberte incondicionalmente Nelson Mandela" e outros presos políticos.



Na mesma resolução, o ponto 2 reafirma a legitimidade do povo da África do Sul e o seu "direito a escolher os meios necessários, incluindo a resistência armada, para atingir a erradicação do 'apartheid'". https://www.jornaldenegocios.pt/economia/mundo/africa/detalhe/cavaco_justifica_voto_contra_libertacao_de_mandela

Os elogios do chefe de Estado a Nelson Mandela na mensagem de condolências enviada à África do Sul causaram um duplo incómodo. Primeiro no Parlamento;  https://www.jn.pt/mundo/dossiers/especial-nelson-mandela/interior/cavaco-forcado-a-justificar-voto-contra-libertacao-de-mandela-3574389.html

MANDELA – MAIS DE UM ¼ DE PRISÃO – FRUSTRADAS AS PRIMEIRAS TENTATIVAS DE SER VISITADO POR DEPUTADOS PORTUGUESES - Nelson Mandela estava na prisão há 25 anos quando recebeu o primeiro pedido de visita de portugueses. Veio dos socialistas João Soares e Caio Roque, que estavam na África do Sul com outros deputados de vários partidos para celebrar os 500 anos da passagem de Bartolomeu Dias pelo Cabo da Boa Esperança. Não conseguiram ver o líder histórico do ANC, apenas chegaram à fala com Winnie Mandela. Um dos advogados do lutador anti-apartheid disse-lhes que, em tantos anos de prisão, “deviam ser os primeiros portugueses” a pedir tal visita, contou João Soares ao SOL.

José Pacheco pereira, ex-dirigente do PSD, foi um dos primeiros cidadãos nacionais a encontrar-se com ele logo depois de sair da cadeia de robben island - Mandela e os portugueses - Sapo

27 ANOS DE PRISÃO POR AMOR À INDEPENDÊNCIA E À LIBERTAÇÃO DO SEU POVO - EXEMPLO DE CORAGEM E DE HUMANISMO QUE PARECE NÃO REPETIR-SE - Nelson Rolihlahla Mandela (Mvezo, 18 de julho de 1918 — Joanesburgo, 5 de dezembro de 2013) foi um advogado, líder rebelde e presidente da África do Sul de 1994 a 1999, considerado como o mais importante líder da África Negra, vencedor do Prêmio Nobel da Paz de 1993,[1] e pai da moderna nação sul-africana,[2] onde é normalmente referido como Madiba (nome do seu clã) ou "Tata" ("Pai").


Nascido numa família de nobreza tribal, numa pequena aldeia do interior onde possivelmente viria a ocupar cargo de chefia, recusou esse destino aos 23 anos ao seguir para a capital, Joanesburgo, e iniciar sua atuação política.[3] Passando do interior rural para uma vida rebelde na faculdade, transformou-se em jovem advogado na capital e líder da resistência não-violenta da juventude, acabando como réu em um infame julgamento por traição. Foragido, tornou-se depois o prisioneiro mais famoso do mundo[4] e, finalmente, o político mais galardoado em vida, responsável pela refundação do seu país como uma sociedade multiétnica.[5]

Mandela passou 27 anos na prisão - inicialmente em Robben Island e, mais tarde, nas prisões de Pollsmoor e Victor Verster. Depois de uma campanha internacional, ele foi libertado em 1990, quando recrudescia a guerra civil em seu país. https://pt.wikipedia.org/wiki/Nelson_Mandela

OS DITADORES DA ÁFRICA NEGRA" - ANTES DE ANGOLA TER ALCANÇADO A INDEPENDÊNCIA E DE NELSON MANDELA TER SIDO LIBERTADO  - Por George B.N. Avyttey

George B.N. Avyttey (nascido em 1945) é um economista ganense , autor e presidente da Free Africa Foundation em Washington DC . Ele é professor da American University , Estudioso associado do Foreign Policy Research Institute .

Ele defendeu o argumento de que "a África é pobre porque ela não é livre", que a causa primária da pobreza africana é menos resultado da opressão e má administração das potências coloniais , mas sim resultado de autocratas nativos opressivos modernos https://en.wikipedia.org/wiki/George_Ayittey
 DÁ QUE PENSAR - DEPOIS DE NELSON MANDELA - VEMOS A ÁFRICA A CAMINHO DO NEOCOLONIALISMO A PASSOS LARGOS - AO MESMO TEMPO QUE O LIBERALISMO SELVAGEM ALASTRA A NÍVEL GLOBAL - E quem sofre são as sacrificadas e indefesas populações  

O artigo que a seguir tomei a liberdade de transcrever da revista  Reader's Digest, já tem uns anos - Mas o que então foi escrito por George Ayittey, parece-me continuar a ter sentido oportuno

"OS DITADORES DA ÁFRICA NEGRA" 

"Não estaremos aplicar um padrão moral menos exigente em relação aos líderes Africanos?

Quando a África negra buscava a libertação do colonialismo branco, não esperava que os neocolonialistas negros viessem a chacinar o seu povo, mas foi isso que aconteceu. A Africa, devastada pela fome, pela desintegração social e pela dívida externa, gasta milhares de milhões por ano com as forças armadas. As armas são usadas não tanto em favor da paz e da estabilidade, como para aterrorizar e massacrar os negros africanos
.

No mundo ocidental, há muito quem se sinta mal com a simples menção de tal tirania. Isso poderia fornecer argumentos ao apartheid e desviar as atenções da nobre causa dos negros da África do Sul. Esta atitude sugere que se aplica um padrão moral menos exigente aos líderes negros africanos ao que aos sul-africanos brancos.


Os africanos negros desaprovam veementemente tal ideia. Para os seus compatriotas mortos, pouca diferença fez ter sido um dedo negro a puxar o gatilho.

  


No Uganda, bandidos de uniforme percorrem o país, pilhando aldeias e violando mulheres. Na Nigéria, soldados provocaram tumultos em Oshodi, um subúrbio de Lagos, em Janeiro passado, tendo agredido civis inocentes e queimado carros. Qual a razão de tudo isto? A mulher de um soldado foi atropelada quando tentou atravessar a pé uma autoestrada, em vez de usar uma passagem superior para peões.


Os povos de Angola, da Etiópia, do Gana, da Libéria, da Somália, do Zaire e outros protestam contra a tirania e exigem liberdade política e o direito de escolher os seus governantes. Se o Mundo não os quiser ajudar, talvez seja melhor não se meter nos assuntos africanos. A adoção de um padrão que apenas reconhece a tirania dos brancos sobre os negros só serve para agravar a difícil s1tuação de todos os africanos negros, incluindo os da África do Sul.

Em Angola, em Moçambique, na Somália,  no Sudão e noutros países, reinam a carnificina e uma tirania odiosa.

No Burundi, em 1972, mais de lhe 200 000 hutus, a tribo maioritária, foram massacrados em apenas na dois meses, e as suas casas e escolas destruídas pelo governo dirigido do pelos Tutsi, uma tribo minoritária. Em Agosto de I 988, o massacre repetiu-se com o assassínio de 10.000 hutus, alguns com tiros ti de metralhadora disparados a partir de helicópteros do Exército.  


Pelo que consta, nem uma só palavra de protesto ou de condenação foi proferida pelas Nações Unidas ou pelas autoridades dos países ocidentais. Se se tivesse tratado de um massacre de baleias ou de zebras, a denúncia e a condenação mundial, teriam sido ensurdecedoras. Porquê? Será que é moralmente aceitável que os tiranos negros massacrem o seu povo?

(...) Vinte e quatro países são governados por ditaduras militares. Os restantes são «democracias» fantoches, nas quais apenas um candidato, num sistema de partido único, concorre a presidente, recebe quase todos os votos e depois autoproclama-se presidente vitalício.


O princípio de partilha do poder que está a ser pedidos pelos líderes africanos para a Africa do Sul, não foi contudo ainda estabelecido na África negra. Desde 1957, houve mais de 150 chefes de Estado Africanos, mas apenas seis renunciaram voluntariamente ao poder .Os restantes foram assassinados ou depostos por golpes militares. In seleções Reader's Digest

Nenhum comentário :