expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Fernando Pessoa, nasceu há 130 anos- Revelações inéditas: O escritor Luíz Oliveira Guimarães, seu contemporâneo, nascido em 1900, disse-me: O “Fernando Pessoa, foi meu vizinho; muitos dos seus versos deitava-se aos cesto dos papéis, que eu e outras pessoas amigas, apanhávamos



Jorge Trabulo Marques - Jornalista
- Há ainda um outro vídeo que conto editar - Em que, o escritor Luís Oliveira Guimarães, fala do seu livro – “O Espírito e a Graça de Camões” e tece algumas considerações sobre o que se tem escrito sobre a obra do autor do Lusíadas, do qual - diz - se desconhece o local, o ano do  seu nascimento e da sua morte, cujas efemérides, por falta de documentação, têm sido objeto de muitas e especulativas interpretações.  - Entretanto, aqui fica um registo, do qual - dada a sua extensão - apenas transmitira alguns excertos na extinta Rádio Comercial RDP  - que julgo poderá contribuir para um melhor aprofundamento do perfil de Fernando Pessoa, com o qual partilhou vários momentos de amizade e de convívio,

MEMÓRIAS INÉDITAS DE FERNANDO PESSOA - Hoje completaria 130 anos - O escritor   -Luíz Oliveira Guimarães - 1900-1998 -  Amigo e contemporâneo de Fernando Pessoa - Entrevistado por mim, em 1981, disse-me:   "O Fernando Pessoa, foi meu vizinho. (...) “Não ligava a  mais pequena importância aos versos que fazia…”   Eu morava em Campo de Ourique, ele morou também lá: - muitas vezes, íamos os dois para a baixa; ele frequentava aquele Café da Arcada! Eu, às vezes, ia lá a cavaquear com ele e dávamo-nos muito bem.(..)  “Não ligava a  mais pequena importância aos versos que fazia…”   Fazia-os, em regra, à mesa do café… E depois lia-os a um ou outro amigo, que estava à mesa do café, que estava presente… E outras vezes, nem sequer o fazia… Estava ele sozinho… e pegava neles de deitava-os ao cesto dos papéis!...

- Muitos dos versos, que foram publicados, depois dele, foram retirados dos cestos dos papéis... Alguns por mim próprio. E dos chão do café.. 



 Figura Luís Oliveira Guimarães -  Figura  ímpar da Vila do Espinhal, em particular, mas também uma figura do panorama cultural português do século XX, que assumia na mesma pessoa, a singeleza da cultura de raiz popular, com o fino espírito dos intelectuais do seu tempo - A par de um gracioso sentido de humor e de simplicidade

Ouça as palavras de um grande escritor português,  no video que aqui tenho o prazer de lhe apresentar, que fui recuperar das memórias do meu vasto arquivo de repórter e de jornalista na extinta Rádio Comercial - RDP, com algumas imagens da cidade de Lisboa, algumas das quais registadas, hoje mesmo, a 13 de Junho de 2018, bem como as capas de alguns dos muitos livros publicados pelo escritos , assim como  fotografias do autor e familiares, ainda ilustradas com os magníficos desenhos do pintor João Neves de Ó, meu estimado amigo e genial artista, devotado admirador e grande apaixonado pelo perfil e obra de Fernando Pessoa, tendo-me recebido no seu atelier no qual tive oportunidade de fotografar alguns dos muitos trabalhos artísticos que lhe dedicou

LUÍZ OLIVEIRA GUIMARÃES - O SINGULAR PERFIL DE INTELETUAL PORTUGUÊS

Magistrado, escritor, jornalista, dramaturgo, ensaísta, cronista,  advogado, conferencista, humorista, com cerca de meia centenas de obras publicadas, inúmeras crónicas e artigos da imprensa  - Nascido na Quinta do Castelo em Espinhal (Penela), de seu nome completo  Luíz de Abreu Alarcão de Oliveira Guimarães, tendo ido para Lisboa, aos 6 anos de idade, cidade na qual passaria depois toda a sua vida.

Jurista de profissão, Luís de Oliveira Guimarães considerado  um criativo e humorista por convicção, tendo colocado o seu saber e a sua pena ao serviço das letras como pedagogo humorista, como cronista irónico e como dramaturgo satírico. Figura ímpar da Vila do Espinhal, em particular, mas também uma figura do panorama cultural português do século XX, que assumia na mesma pessoa, a singeleza da cultura de raiz popular, com o fino espírito dos intelectuais do seu tempo.


POSSUIDOR DE UM VASTO E NOTÁVEL CURRÍCULO

Luíz de Oliveira Guimarães, o Espírito de uma Época

Por: Osvaldo Macedo de Sousa

19 de Abril de 1900 - Nasce na Quinta do Castelo em Espinhal (Penela) Luíz de Abreu Alarcão de Oliveira Guimarães, filho de António Alves de Oliveira Guimarães e Maria da Glória Alarcão Vellasques Sarmento A 16 de Julho de 1900 - Baptizado na Igreja Matriz do Espinhal pelo vigário Manuel Parada d’Eça.
Os primeiros passos e as primeiras letras aprendeu-as no Espinhal, onde o seu primeiro mestre escola lhe ensinou que “a instrução serve, principalmente, para avaliar, não o que sabemos, mas o que ignoramos!”. E toda a sua vida será uma eterna pesquisa sobre o que ele ignora, e mais ainda o que todos nós ignoramos.
Ainda criança foi viver para Lisboa, onde acabou seus estudos primários. O primeiro ano Liceal fê-lo no Liceu da Lapa (1910-11), passando depois para o Pedro Nunes (1911-1915) acabando no Liceu Camões.


1917 - Está na Universidade de em Coimbra a cursar Direito, transferindo-se em 1918 para Lisboa onde terminaria o curso a 4 de Dezembro de 1922. A tradição familiar, ligada à Jurisprudência levou-o ao curso de direito, mais não seja por uma questão civilizacional: “/…/ uma civilização só merecerá o nome de civilização quando a luta pela vida se travar no campo do direito. O ideal seria que todas as manifestações da actividade humana coubessem dentro duma fórmula jurídica. Mas se ainda não foi possível atingir esse ideal, se essa possibilidade pode muito bem-estar até, cada vez menos, ao alcance da nossa mão, nada nos aconselha a renunciar á glória suprema de procurar atingi-lo: pelo contrário o nosso esforço deverá redobrar dia a dia, no convívio desse misterioso capricho humano que nos faz desejar mais ardentemente os frutos que não podemos colher. A mais nobre missão do homem e, sobretudo, do homem de leis é a de concorrer, de algum modo, para efectivação desse ideal.” (O Direito ao Riso pág. 11).


1918 - Jornalismo - Inicia-se no jornalismo como corresponde do jornal portuense “Vida-Moça”, um periódico cultural que como ele próprio se definia semanário de teatros, arte, literatura, sport e nas páginas de “A Capital”. Depois nos inícios da década de vinte colaborará com “A Manhã”, “O Mundo”… abrindo assim um caminho de experiências e contactos.

“Ninguém ignora que o verdadeiro escritor, como o verdadeiro artista, não se faz: nasce. O estudo e a prática podem dar, e dão sem dúvida, a cultura e a experiência, - mas não dão a vocação, que constitui uma bênção dos Deuses. O que sucede, frequentemente, é a vocação do escritor e do artista conservar-se adormecida até que uma causa a desperte, em regra uma causa literária ou artística” (O Espírito e a Graça de Fialho pág. 21)


“Há quem se queixe da impertinente curiosidade dos jornalistas. Não é justo. O dever do jornalista é informar. Para informar necessita, previamente, de se informar. A curiosidade constitui parte do seu ofício.
- O que fazia Deus Nosso Senhor antes de criar o Mundo? - Perguntava, uma vez, na catequese, um garoto de dez anos ao padre-mestre.
O padre ficou uns momentos, perplexo e, depois, explicou:



- Preparava o Inferno para os curiosos.
Se assim foi, enganou-se, salvo o devido respeito. Os curiosos não estão no Inferno: estão no jornalismo ou, como agora se diz, na Comunicação Social. A menos que a Comunicação Social não seja o tal Inferno preparado por Deus Nosso Senhor para os curiosos.” (Segredos a Toda a Gente – 7/3/1982).



1923/1932 - O Escritor– Data das suas primeiras publicações bibliográficas:
“Bonecas que amam” (Poesia)
“Arte de conhecer mulheres” (crónicas)
“O Direito ao Riso” (Monografia)
“As Blagues do Dr. Bonifrates” (blagues)
1924 – “O Chiado” (c/ João Ameal) (fait-divers)
“Loló, Biri, Záza” (Novela) (Capa de Fernando Santos)
1925 – “As Criminosas do Chiado” (c/ João Ameal) (novela)
“Saias Curtas” (capa de Cunha Barros) (crónicas)
1926 – “Caixa de Amêndoas” (Poesia) (capa de Ramalho Pedro)
1927 – “Cabelos Cortados” Diálogos)
1928 – “O Diabo , mestre de Dança” (crónicas)
1929 – “O Rei Maganão” (Subsídios para a História)
1931 – “Os Santos Populares” (Monografia)
“O Direito no Teatro de Gil Vicente” (Estudo)
1932 - “O Problema Jurídico do Transito” (comentários juridícos)
…..
1923 - CARREIRA JURÍDICA – Inicia-se a sua carreira profissional no universo do Direito a 8 de Agosto, primeiro como Ajudante da 2ª Conservatória do Registo Predial de Lisboa e a partir 8 de Dezembro como Subdelegado do 3º Juízo das Transgressões de Lisboa.
A sua carreira profissional desenvolver-se-á sempre no Ministério Público ao longo de década e meia:

1923/1932 - O Escritor– Data das suas primeiras publicações bibliográficas:
“Bonecas que amam” (Poesia)
“Arte de conhecer mulheres” (crónicas)
“O Direito ao Riso” (Monografia)
“As Blagues do Dr. Bonifrates” (blagues)
1924 – “O Chiado” (c/ João Ameal) (fait-divers)
“Loló, Biri, Záza” (Novela) (Capa de Fernando Santos)
1925 – “As Criminosas do Chiado” (c/ João Ameal) (novela)
“Saias Curtas” (capa de Cunha Barros) (crónicas)
1926 – “Caixa de Amêndoas” (Poesia) (capa de Ramalho Pedro)
1927 – “Cabelos Cortados” Diálogos)
1928 – “O Diabo , mestre de Dança” (crónicas)
1929 – “O Rei Maganão” (Subsídios para a História)
1931 – “Os Santos Populares” (Monografia)
“O Direito no Teatro de Gil Vicente” (Estudo)
1932 - “O Problema Jurídico do Transito” (comentários juridícos)
…..
1923 - CARREIRA JURÍDICA – Inicia-se a sua carreira profissional no universo do Direito a 8 de Agosto, primeiro como Ajudante da 2ª Conservatória do Registo Predial de Lisboa e a partir 8 de Dezembro como Subdelegado do 3º Juízo das Transgressões de Lisboa.
A sua carreira profissional desenvolver-se-á sempre no Ministério Público ao longo de década e meia:


 PROSSEGUE EM


EM TEXTO, ALGUMAS PASSAGENS DA  ENTREVISTA QUE ME CONCEDEU, EM 1981 - Alguns excertos da honrosa e amável entrevista, que  me concedeu em sua casa, em 1981.




"O Fernando Pessoa, foi meu vizinho. Eu morava em Campo de Ourique, ele morou também lá: vínhamos. Muitas vezes, íamos os dois para a baixa;

ele frequentava aquele Café da Arcada! Eu, às vezes, ia lá a cavaquear com ele e dávamo-nos muito bem.



Uma dia… Eu não sabia, muito bem onde o Fernando Pessoa, tinha nascido e perguntei-lhe: - Ó Fernando Pessoa! Onde é que você nasceu?

E ele volta-se para mim, e diz-me: “Numa aldeia!”
- Numa aldeia?!...
- Sim, numa aldeia, que, quando se sobe o Chiado, fica à esquerda”… Mete-se à Rua Serpa Pinto e há aí um largo!...É aí o Largo da minha aldeia!...Foi nesse largo, dessa aldeia, que eu nasci!”
Mas, de repente, sentiu um certo remorso de chamar  a Lisboa e àquele largo, onde ele tinha nascido,  e diz:
 - “Mas, você, fique sabendo uma coisa: “É uma aldeia!... Talvez a única no mundo que tem um teatro lírico!”
Era o Teatro São Carlos: ele nasceu de fronte.

JTM – Portanto, ele considerava essa zona…
LOG – Considerava Portugal, considerava Lisboa. Uma aldeia!... E, naquele tempo, aquilo era uma aldeia.
JTM – E porquê, Sr. Doutor:
LOG – Porque todos se conheciam! As pessoas todas se conheciam e conviviam umas com outras!... O movimento era pouquíssimo, nas ruas!...
-JTM – Fernando Pessoa, acha que era uma  pessoa sociável…
LOG – Em certos dias!... Era sociável em certos dias!.. Outros dias, era impossível… Era uma questão de temperamento! Era uma questão de temperamento!… Pois lá tinha os seus desgostos, as suas preocupações…Havia dias, intoleráveis!... E havia dias em que falava… Era muito comunicativo!... Isso acontece a quase todos nós..

JTM – Mas ele andava sozinho  ou gostava de se juntar?....
LOG – Não, não gostava… Tinha duas ou três  pessoas com quem se dava… Mas, do resto, não gostava muito de se relacionar.


Não ligava a  mais pequena importância aos versos que faziaFazia-os, em regra, à mesa do café… E depois lia-os a um ou outro amigo, que estava à mesa do café, que estava presente… E outras vezes, nem sequer o fazia… Estava ele sozinho… e pegava neles de deitava-os ao cesto dos papéis!...
- Muitos dos versos, que foram publicados, depois dele, foram retirados dos cestos dos papéis... Alguns por mim próprio. E dos chão do café.. Escrevia aquilo…
JTM – Sr. Doutor, quer então dizer, que muitos dos melhores versos, não foram publicados…
LOG – Foram! Foram!... É possível que ele tivesse mais!...Mas, muitos dos versos, que estão publicados, ele não fazia caso nenhum  deles!...

JTM – E andavam, então pessoas, de vez em quando?...
LOG – E andavam ali os amigo à voltas, que nos sentávamos à  volta dele no café… Escrevia uns versos, li-os: “Ah!... Isto é uma porcaria!... E depois deitava-os fora!... E nós apanhávamo-los! E foram muitos desses versos, que constituem hoje os livros de Fernando Pessoa.

JTM – E por que é que fazia isso?
LOG – Ah, não ligava!... Era um boémio! Um boémio literário.
JTM – Há quem diga, que uma vez apareceu na baixa a passer com uma galinha presa por um cordel.
JTM – Ah.. era  um boémio!... Um boémio literário!... Era o chamado boémio literário, autêntico!

JTM – Era um homem que gostava de viver a sua vida…
Sim…. Sozinho… Depois teve uns amores!... Teve uns amores!...
JTM – Fale-me desses amores…
LOG -  Pois,  os amores, não foram por diante!... Por várias razões…  Não foram por diante!... E ele ficou sempre desgostoso!...  Desgostoso!
JTM – Ele teve assim muitas paixões?
LOG – Uma! Única!...
JTM – Conheceu a…
LOG – Conheci a senhora…  Agora, queria lembrar-me do novo dela e não há maneira de me lembrar…
JTM – Morreu...
LOG – Morreu… Agora não há maneira de me lembrar o nome dela…
JTM – Ele não era correspondido?
LOG – Era correspondido… Era.. Mas a família dela, não simpatizava assim comum namoro, dado à boémia do Fernando Pessoa… E tal… E aquilo continuou … Mas depois ele morreu!...

JTM – Era uma espécie de marginal, na época…
LOG – Era um boémio!... Um boémio literário!... A gente não pode dizer marginal!... Era um boémio literário!... Tinha lá a sua moda!... Mal visto, como todos os boémios!.. Pelas famílias!... Por certos extratos sociais…Era um boémio! – Em regra, o ator, o poeta!... São boémios!...

LOG – Olhe, não nasci em Lisboa… Embora muita gente, diz que eu nasci no Chiado.. Não… Nasci numa aldeia, que é hoje vila, distrito de Coimbra: E vim para Lisboa, aos seis anos!... E depois aqui fiquei!...
JTM – Então, dedicou-se….
LOG – Aqui fiquei… Fiz a instrução primária, onde tive, como professora, uma filha do poeta, João de Deus! … E depois fiz o liceu… Depois fui para a faculdade de direito… Formei-me e fui para a magistratura… E então fui magistrado!
JTM – Durante quantos anos?
LOG – Durante muitos anos!... Fui magistrado, mas acumulando sempre  com a atividade literária.

Continua no vídeo


LUÌZ OLIVEIRA GUIMARÃES. HOMENAGEADO POR UMA BIENAL ARTÍSTICA DE HUMOR



Criada em 2008, em homenagem ao jurista, jornalista e dramaturgo Luiz d’Oliveira Guimarães (1900-1998), natural de Penela e membro do Grupo dos Humoristas entre 1938-40, a Bienal é organizada pela Humorgrafe, Câmara Municipal de Penela e Junta de Freguesia do Espinhal.



Bienal é uma iniciativa da Humorgrafe, de Osvaldo Macedo de Sousa, com a Câmara Municipal de Penela e a Junta de Freguesia do Espinhal, criada em 2008 para homenagear Luiz d’Oliveira Guimarães (1900-1998), jurista, jornalista, dramaturgo, e ilustre humorista que integrou o Grupo dos Humoristas entre os anos de 1938-40.
Embora natural de Penela a sua atividade foi desenvolvida sobretudo em Lisboa, cidade onde viveu quase toda a sua vida. Por esse motivo as exposições produzidas no âmbito da Bienal apresentam-se nestas duas cidades.
Este ano, em que o tema é a “Liberdade”, e se comemoram os 40 anos do 25 de Abril, foi solicitado ao Centro Nacional da BD e Imagem da Amadora que acolhesse a exposição. Ler mais: https://jregiao-online.webnode.pt/products/bienal-de-humor-luiz-d%E2%80%99oliveira-guimar%C3%A3es-apresenta-se-na-amadora/




Nenhum comentário :