expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sábado, 18 de agosto de 2018

EL PAIS – edição de hoje - “Os três cidadãos espanhóis presos em São Tomé e Príncipe , acusados de envolvimento em uma tentativa de golpe, dizem que estavam montando uma empresa de segurança privada e isso explica por que eles adquiriram armas e uniformes, segundo fontes diplomáticas.

Jorge Trabulo Marques - Jornalista - Informação e análise 


Um muçulmano a beber  champanhe?
DIÁRIO ESPANHOL , EL PAÍS, NA SUA EDIÇÃO DE HOJE, DÁ DESENVOLVIDO DESTAQUE AO ALEGADO SEGUNDO GOLPE INVENTADO POR PATRICE TROVOADA -  Nós estamos em posse de mais informação, que contamos  desenvolver numa das  próximas postagens, que poderá esclarecer ainda mais uma novela de um Governo que, em pouco mais de um mês, se diz ameaçado por dois golpes - Ou melhor - por duas inventonas  -Em São Tomé e Príncipe, os chamados órgãos competentes não existem, tudo quanto divulgam ou informam, é de duvidosa credibilidade - Isto, porque estão todos subordinados e amordaçados por um regime ditatorial aldrabão, corrupto, manipulador  e desacreditado


Foto que faz a manchete de hoje no Jornal El País


Num interessante e desenvolvido artigo, que, com a  devida vénia, tomamos a liberdade de aqui transcrever, começa por referir que:

Os três espanhóis, cuja identidade não transcendeu, foram presos no início de agosto junto com dois cidadãos de Santo Tomé, ex-ministro e ex-oficial militar.

A suposta tentativa de golpe é cercada por um manto de opacidade e suspeita. O Governo de São Tomé e Príncipe (um arquipélago de 1.000 quilómetros quadrados e 200.000 habitantes no Golfo da Guiné) anunciou no dia 3 a prisão de cinco pessoas, três espanhol, "que operam no país como mercenários" e dois santomense , todos acusados ​​de participar de uma "operação terrorista para subverter a ordem constitucional".

Segundo a nota oficial, o grupo planejou "o sequestro do presidente da República [Evaristo Carvalho] e o presidente da Assembléia Nacional; e a eliminação física do Primeiro Ministro [Patrice Trovoada]. " Este último assegurou que o objetivo dos terroristas eram os representantes das instituições do Estado e solicitou o apoio da Interpol e dos Governos de Portugal e Espanha para continuar a investigação do caso.

Os três espanhóis foram apreendidos, segundo as autoridades locais, "material de guerra, computadores, facas de montanha, granadas, óculos de visão noturna e uniformes estrangeiros com distintivos nacionais". Em relação aos dois Santotomenses, é Albertino Francisco, Ministro da Juventude e Desportos do Governo  Costa (2012-14), e ex-membro do chamado Batalhão de Búfalo, unidade de elite a serviço da África do Sul. do apartheid que lutou na guerra em Angola.

A Espanha não tem uma Embaixada em São Tomé e Príncipe, mas ofereceu assistência aos detidos através de seu cônsul honorário no país, María Teresa Mendizábal, e da Embaixada de Portugal. Representação diplomática em Libreville (Gabão) também tomou medidas, de acordo com o Gabinete de Informação Diplomática (OID).

Fontes diplomáticas asseguram que os espanhóis negam todos os cargos e asseguram ser profissionais da segurança privada cujo objetivo era montar uma empresa deste setor no país, o que explicaria a aquisição de armamentos e uniformes. Para implementar este projeto, eles teriam sido inviados pelo Ministro do Interior do Governo de  Gabriel Costa, mas não pelo atual.

Esta é a segunda tentativa de golpe que as autoridades de São Tomé e Príncipe denunciaram em poucas semanas. Em 21 de junho, o ex-ministro da Agricultura e deputado de oposição Gaudencio Costa e o sargento do Exército Ajax Managuem foram presos "por tentativa de subversão da ordem constitucional".

Para a irritação do governo, o juiz os libertou, alegando falta de provas para mantê-los presos. Desta vez, um juiz decidiu, no dia 9, mandar os cinco detentos para a prisão provisória, apesar de vários de seus colegas terem sido inibidos, o que a mídia local atribuiu à tensão entre o Executivo e o Judiciário.

Uma das conseqüências do caso foi a demissão do chefe da guarda presidencial, Lepoldo Fernandez, mais conhecido como Rambo. de cuja unidade supostamente procedeu as armas apreendidas do grupo.

UM PAÍS NA PRÉ-CAMPANHA ELEITORAL
A instabilidade que São Tomé e Príncipe está experimentando não é alheia às eleições gerais que o país realizará em 7 de outubro, nas quais o primeiro-ministro Trovoada aspira à reeleição. Uma das decisões mais importantes de seu primeiro mandato foi adotada em 2016, quando ele rompeu relações com Taiwan e fez parceria com a China, cujo ministro das Relações Exteriores visitou o arquipélago africano em janeiro passado. O desembarque da capital chinesa coincide com o interesse das petrolíferas em explorar os poços de óleo detectados nas águas do Golfo da Guiné.  - Extraido de




Nenhum comentário :