expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Patrice Trovoada -Traído por outro vira-casaca: José Ribeiro e Castro, promotor das suas campanhas, na televisão, rádio e variada artigalhada mercenária, em vésperas de eleições: "São Tomé à Porta do Futuro", - 10/10/2014;São Tomé e Príncipe: mudança e estabilidade (06-08-2016) É importante que as eleições sejam um virar de página, gerando uma maioria estável e duradour"a - Vem agora a dar o dito por não dito: "Não o apoiei propriamente… apoiei o processo democrático" - E declarar que "o processo de nomeação dos Juízes do Tribunal Constitucional" lhe "pareceu bastante atabalhoado» - Claro, o oportunismo descarado, em não perder o barco, quando, prestigiadas instituições internacionais, condenam o regime do nativo gabonês

Jorge Trabulo Marques - Jornalista - Informação e análise


JOSÉ RIBEIRO E CASTRO – UM DAQUELES QUE VOARAM À PALA NO MESMO JATO, TROCARAM SORRISOS E BRINDES DE CHAMPANHE, JÁ LHE ESTÁ A TIRAR O TAPETE – O filho do último Governador colonial de Angola,  vem agora dar o dito pelo não dito, afirmando, que, afinal,  «Não o apoiei propriamente… apoiei o processo democrático», Disse,  numa recente entrevista ao Jornal N´Dependenxa, citada  pelo Téla Nón, Acrescentado que. « Não tenho falado com ele, não sei o que se passa…» - 

Pois, então, que acerte o diálogo com ele, tal como sempre tem feito na condução das suas manobras e propagandas  manipuladoras : Ou será que, o Sr. Ribeiro e Castro, experiente na  “prática de legitimar e promover a imagem de governantes africanos duvidosos”, tal como faz o jornalismo “mercenário,  guiado por cinismos e hipocrisias a que convenientemente chamam realpolitik”   já lhe virou as costas, tal como Emery  fez aos amigos de Taiwan, que andou a chular, com o pai Miguel, durante mais de 20 anos ou  vai de não querer destoar e ficar isolado na condenação internacional, que, ultimamente, tem sido veiculada acerca das prepotências da  sua ditadura? 

VEJA COMO  ESTES CAMALEÓNICOS OPORTUNISTAS, SE CONFESSAM AGORA SURPREENDIDOS  - Desconhecia que, em Patrice Trovoada, só confia quem não quer ver  ou partilha com ele nos mesmos jogos de cumplicidades, em misteriosos interesses ou negócios?.

Veio então dizer que a reforma implementada por Patrice Trovoada, e que culminou com a criação de um Tribunal Constitucional composto apenas e só, por juízes escolhidos pelo seu partido ADI, e eleitos sob intervenção de forças especiais da polícia, “os Ninjas”, surpreendeu o deputado português. « Surpreendeu-me de facto o processo de nomeação dos Juízes do Tribunal Constitucional que me pareceu bastante atabalhoado», afirmou José Ribeiro e Castro na entrevista ao N´Dependenxa.

Acrescentando que « esta exoneração dos juízes do Supremo Tribunal de Justiça que pelo que pude me aperceber, mereceu um repúdio generalizado dentro e fora, causou-me imensa tristeza, e acho ser um mau caminho»,



Pois, mas o seu desapontamento, soa mais por arrastamento e a descarado oportunismo de que com o propósito de se juntar à voz dos indignados;  aos que tiveram a coragem de denunciar as arbitrariedades de Patrice, sobre as quais nunca ousou escrever uma linha, senão carradas de elogios e mais elogios ao seu regime, sobretudo em vésperas de eleições, com desenvergonhados e violentos ataques aos seus adversários.

Será que o Sr. Ribeiro e Castro, já se esqueceu destas  palavras insultuosas?  



É, não é, é, não é, é, não é...É uma pena ver um antigo Presidente da República (ainda o actual) e uma antiga primeira-ministra a alimentarem, de modo deliberado, a confusão contra as instituições democráticas do país.” :


Em resposta, referia eu neste site: "O Povo de S. Tomé e Príncipe, sofreu muito ao longo de séculos - Pelos vistos, há gente que desconhece essa memória e que tem saudades de antigamente, juntando-se aos novos neocolonialistas e seus propagandistas, disfarçados de Messias -  Veja-se este documento dos anos 50, que defendia à entrada da Piscina Municipal, uma tabuleta para vedar a entrada a negros e até a alguns brancos http://www.odisseiasnosmares.com/2015/01/sao-tome-39-anos-depois-memoria.html

 PROPAGANDISTAS , SEM ESCRÚPULOS

JOSÉ RIBEIRO E CASTRO 10/10/2014 - 03:25 É importante que as eleições sejam um virar de página, gerando uma maioria estável e duradoura e um novo clima de relação entre as principais forças e actores políticos.São Tomé, à porta do futuro - PÚBLICO




AS BANHADAS NÃO AS FAZ O PATRICE - Diz  Ribeiro e Castro - "Depois há aquele fenómeno do banho, desagradável, que as autoridades têm combatido, mas que, aparentemente, não teve efeito nos resultados, tudo indica; até, se tiveram foi ao contrário de que aqueles que o promoveram e, o povo santomense, deu uma enorme demonstração de civismo"

OPINIÃO  - Ribeiro e Castro - "S. Tomé e Príncipe: mudança e estabilidade"  - São Tomé espera por nós e bem merece a nossa ajuda, compreensão e apoio, no quadro importantíssimo da região do Golfo. 6 de agosto de 2016,

Amanhã, 7 de Agosto, Evaristo Carvalho deverá ser eleito Presidente da República de São Tomé e Príncipe. É a consolidação de uma mudança de ciclo, facto da maior relevância a que as autoridades portuguesas deverão dar o melhor acolhimento e destaque. Evaristo Carvalho não é novato nestas andanças, mas um dos mais experientes políticos são-tomenses. Começou com Miguel Trovoada, um dos dois grandes nomes históricos da política do país. E seguiu longa e dedicada carreira: deputado, ministro, duas vezes primeiro-ministro, Presidente da Assembleia Nacional. – Excerto de https://www.publico.pt/2016/08/06/mundo/noticia/sao-tome-e-principe-mudanca-e-estabilidade-1740452

Presença de deputados portugueses em São Tomé "é uma vergonha"

JN - 12/10/2014 O presidente são-tomense, Manuel Pinto da Costa, considerou este domingo que a presença em São Tomé e Príncipe de deputados de Portugal é uma autêntica vergonha e contribuíram para "sujar o nome" do país com pretensões que não são as do povo. 


"O povo são-tomense não percebe como gente de países amigos vem a São Tomé e Príncipe - deputados de Portugal do PS e PSD -, mas estou convencido que não foram os partidos que os mandaram", disse o Presidente em declarações aos jornalistas depois de ter votado numa secção de voto em Pantufo, no distrito de Agua Grande.


No entanto, o presidente considerou que a presença dos deputados "não vai perturbar as relações com Portugal, mas é uma autêntica vergonha que tenham contribuído para sujar o nome de São Tomé e Príncipe com pretensões que não são as do povo".

Algumas figuras portuguesas como o juiz Rui Rangel, o ex-ministro da Administração Interna Rui Pereira ou os deputados socialistas Mário Ruivo e João Portugal, Nuno Serra, do PSD, e José Ribeiro e Castro, do CDS-PP, subescreveram um manifesto em defesa da democracia em São Tomé e Príncipe.


Os quatro deputados integraram mesmo a comitiva do candidato a primeiro-ministro da Ação Democrática Independente, Patrice Trovoada, no seu regresso ao país, dois anos depois de ter sido afastado do poder por uma moção de censura.  https://www.jn.pt/mundo/palops/interior/presenca-de-deputados-portugueses-em-sao-tome-e-uma-vergonha-4175409.html

 "Patrice surpreende deputados portugueses que acompanharam-no em 2014 no regresso do exílio voluntário" - Diz o Téla Nõn -

30-07-2018 - "Em Outubro de 2014, e pela primeira vez desde a instalação da democracia pluralista em 1991, 4 deputados da Assembleia da República portuguesa, desembarcaram em São Tomé e Príncipe na companhia do líder de um partido político, no caso Patrice Trovoada presidente do partido ADI, para defender a democracia e participar na campanha eleitoral.

Mário Ruivo e João Portugal, do Partido Socialista de Portugal, Nuno Serra, do Partido Social Democrata-PSD e José Ribeiro e Castro, do Centro Democrático e Social – Partido Popular o CDS-PP. Os 4 deputados portugueses e Patrice Trovoada chegaram em São Tomé num voo privado.

Depois de chular Taiwan

Trouxeram Patrice Trovoada de regresso após 2 anos de exílio voluntário do Presidente da ADI, em Portugal. Um exílio que aconteceu após o parlamento são-tomense ter aprovado em 2012, uma moção de censura contra o XIV Governo constitucional, na altura liderado por Patrice Trovoada.
Regresso “escoltado” por 4 deputados portugueses, que também foram subscritores na altura, de um manifesto lançado em Portugal, que alertava a comunidade internacional para o perigo que corria a democracia em São Tomé e Príncipe, e exigia à protecção do Estado de Direito Democrático em São Tomé e Príncipe.
Virou-se para Pequim

Um sistema democrático que até 2014, era alvo de rasgados elogios da comunidade internacional como referência no contexto da África Central, e mesmo do continente africano, estava assim a ser confrontado pela primeira vez, com protestos por parte de um movimento criado em Portugal durante o periodo do exílio voluntário de Patrice Trovoada.
Patrice Trovoada e os 4 deputados portugueses, chegaram ao país e participaram na campanha para as eleições legislativas e locais de 12 de Outubro de 2014. Eleições organizadas e realizadas pelas autoridades nacionais, e que teve a classificação da comunidade internacional como tendo sido  livres, justas e transparentes. Aliás, como era tradição em São Tomé Príncipe.
O amigo dos deputados portugueses foi o grande vencedor. Patrice Trovoada, através do partido ADI ganhou com maioria absoluta. O povo respondeu nas urnas à promessa feita de fixar o preço de venda do arroz em 13 mil dobras o quilo, e a juventude apostou no projecto político que garantia acesso gratuito à internet, assim como de cerca de 2000 empregos por ano, de acordo ao programa máximo de construção do Dubai Africano.
(...) Os deputados portugueses em missão de salvaguarda da democracia são-tomense, na altura considerada pelo movimento criado em  Lisboa, como estando muito ameaçada, constataram que o Supremo Tribunal de Justiça nas Vestes do Tribunal Constitucional, agiu de forma livre e independente, na qualidade de Tribunal Eleitoral, na gestão de todo processo eleitoral até o anúncio do resultado definitivo das eleições.
Perceberam que o Governo da altura, o XV Constitucional, não era dono do Supremo Tribunal de Justiça, e muito menos do Tribunal Constitucional. Deram conta também que até 2014, os Juízes decidiam sem temer que o teor das sentenças ou dos acórdãos, seja em casos de natureza pública ou privada,  pudesse provocar imediatamente uma reacção da maioria parlamentar, que culminasse com a exoneração e a aposentação compulsiva de todo o colectivo judicial.
Era um Estado democrático apesar das muitas limitações e imperfeições. O Estado de Direito funcionava, e havia a interdependência dos poderes, elemento sacrossanto no Estado democrático EXCERTO DE  https://www.telanon.info/politica/2018/07/30/27509/patrice-surpreende-deputados-portugueses-que-acompanharam-no-em-2014-no-regresso-do-exilio-voluntario/
 PARA REFRESCAR A MEMÓRIA AOS  PROPAGANDISTAS DE DITADORES  -“Como políticos sem escrúpulos em Portugal se prestam a trabalhos de spin doctors para governantes africanos duvidosos “ –  Titulo de um artigo de Alberto Castro, publicado a 23 de Outubro de 2014, em  Vitrina


(…) Ribeiro e Castro foi um dos quatro políticos portugueses que, fora do quadro de observadores da UE e da CPLP, acompanhou Patrice Trovoada, o candidato que volta ao cargo de primeiro-ministro em São Tomé e Príncipe numa altura de plena campanha eleitoral. De acordo com o África Monitor, AM, a presença de quatro deputados portugueses, entre eles Ribeiro e Castro, na comitiva de regresso de Trovoada à STP, teve como propósito o tentar dissuadir, por meio de sua presença, eventuais ''procedimentos'' das autoridades contra o ex-novo primeiro-ministro. Os referidos ''procedimentos'' relacionam-se com suspeitas de corrupção e branqueamento de capitais que pesam contra o dirigente santomense enquanto primeiro-ministro numa anterior legislatura.
Curioso é que a viagem em jatinho particular (a noticia não informa quem a custeou) teve escala em Luanda onde Trovada se encontrou, segundo a AM, com figuras fortes do regime como o vice-presidente Manuel Vicente e o tido como todo poderoso ministro de Estado e chefe da Casa Militar da Presidência da República, general Hélder Vieira Dias ''Kopelipa'', com o objetivo de vincar a importância que atribui a Angola como parceiro." - 

(…) Com o cheiro a petróleo nas ilhas fica agora a suspeita de que não foi inocente a estratégia montada com a criação da STPtv, um projeto de televisão online da Companhia de Ideias, a principal produtora, via RTP África, de conteúdos para os países africanos lusófonos.  Oficialmente lançado em Novembro de 2013 e tendo as ilhas prodigiosas como foco principal, a STPtv conta na sua grelha de programação com um segmento semanal ancorado por Abílio Neto (analista e crítico feroz da política nas ilhas no programa ''Debate Africano'' da RDP África), tendo Patrice Trovoada como comentador residente. Ribeiro e Castro foi ele mesmo um dos convidados para falar das relações de Portugal com os PALOP. Acessando as emissões do canal durante o período de campanha eleitoral em STP, nota-se uma inequívoca cobertura do mesmo em apoio à candidatura da Acção Democrática Independente (ADI) de Patrice Trovoada. 

Esses desenvolvimentos mostram que são fundamentadas algumas das críticas mais viscerais que surgem das capitais africanas lusófonas apontando no sentido de Lisboa como um centro de conspirações por excelência contra os PALOP. E de grandes negociatas também, com empresários, políticos e advogados corruptos disputando sem escrúpulos a sua parte nas chorudas ''gorjetas'' proporcionadas por seus pares africanos não menos corruptos. Excertos de http://paginaglobal.blogspot.pt/2014/10/sao-tome-como-politicos-sem-escrupulos.html





Como é do conhecimento público, Manuel Pinto da Costa anunciou que recusa disputar a segunda volta das presidenciais, prevista para 07 de agosto, por considerar que "participar num processo eleitoral tão viciado seria caucioná-lo". – Tendo frisado, "Vive-se hoje uma situação em que se deve poupar o país de uma rutura fratricida. É importante agir com serenidade e sentido de Estado. Foi a maneira como sempre pautei os meus atos", disse o chefe de Estado, num encontro no palácio presidencial com os representantes das missões diplomáticas acreditadas no país.

Presença de deputados portugueses em São Tomé "é uma vergonha"

12/10/2014 O presidente são-tomense, Manuel Pinto da Costa, considerou este domingo que a presença em São Tomé e Príncipe de deputados de Portugal é uma autêntica vergonha e contribuíram para "sujar o nome" do país com pretensões que não são as do povo. 


"O povo são-tomense não percebe como gente de países amigos vem a São Tomé e Príncipe - deputados de Portugal do PS e PSD -, mas estou convencido que não foram os partidos que os mandaram", disse o Presidente em declarações aos jornalistas depois de ter votado numa secção de voto em Pantufo, no distrito de Agua Grande.



(...) Algumas figuras portuguesas como o juiz Rui Rangel, o ex-ministro da Administração Interna Rui Pereira ou os deputados socialistas Mário Ruivo e João Portugal, Nuno Serra, do PSD, e José Ribeiro e Castro, do CDS-PP, subescreveram um manifesto em defesa da democracia em São Tomé e Príncipe.


Os quatro deputados integraram mesmo a comitiva do candidato a primeiro-ministro da Ação Democrática Independente, Patrice Trovoada, no seu regresso ao país, dois anos depois de ter sido afastado do poder por uma moção de censura.  https://www.jn.pt/mundo/palops/interior/presenca-de-deputados-portugueses-em-sao-tome-e-uma-vergonha-4175409.html


Tal como também afirmei neste site, Patrice Trovoada, censor-mor da inquisição politica e religiosa em S. Tomé e Príncipe, não é digno de continuar a desempenhar o alto cargo de Primeiro-Ministro, nestas Ilhas Abençoadas pela Mãe-Natureza – É um perigo  para  a evolução do pensamento democrático, o controlador e castrador do pluralismo dos órgãos de comunicação social e da livre expressão consagrada  na Declaração Universal dos Direitos Humanos – O dirigente corrupto e corruptor, que se recusa a prestar contas  do destino  dos milhões de  fundos que o Governo recebe da comunidade internacional mas que depois se desconhece como e onde  são  aplicados. O dirigente  que passa a maior parte da Governação fora do pais, em viagens de costas voltadas às dificuldades e aos problema reais da sacrificada população, envolvendo avultadas despesas e, mais das vezes, sem se saber, em concreto, com propósitos ou finalidades – Em 2015 só esteve no país 75 dias que custaram perto de 2 milhões de euros -.Patrice só cá esteve 75 dias em 2015-1 , em 2016, também pouco mais tempo esteve – E, em 2017, vai pelo mesmo caminho
 O assumido e deliberado fomentador da intriga e da calúnia, fazendo acusações levianas, que não justifica e se recusa depois a provar. Sim, o apóstolo da intolerância para uma saudável convivência  politica e cívica e religiosa, que não nasceu em S. Tomé nem nunca aqui fez questão de criar  laços afetivos, quer desde quando aqui veio, já adulto, quer mesmo com as suas ligações politicas e governativas.



NÃO RETIRO UMA LINHA DO QUE ESCREVI - Em 3 DE Agosto de 2016

 - PROVOCAÇÕES  À NAÇÃO  SANTOMENSE   - Deputado José Ribeiro e Castro, de novo a  MENTALIDADE COLONIAL DO JORNALISMO PORTUGUÊS  AO ATAQUE  - Depois das     piadas sem piada mas azedas e ressabiadas ao Chefe de Estado, na sua página do facebook, durante a campanha eleitoral:  Agora com nova  artigalhada encomendada  pelo Padrinho , em vésperas do Evaristo ir tomar o visto  – Quem paga a fatura disto? -  A este despudorado mercenarismo? -  A estes escribas da pirataria politica  disfarçados de jornalistas

JORNALISMO PORTUGUÊS NA MIRA  DE  INTERESSES NECOLONIAIS  - Defendidos através de um dos  herdeiros do último Governador de Angola  - Fernando Augusto Santos e Castro -  Possivelmente, saudosos dos tempos em que se banqueteavam em lautas jantaradas com o papá, ao mesmo tempo que soldados portugueses e guerrilheiros, caiam nas matas, por teimosia cega de fascistas colonialistas - Com que descaramento estes   comissários escribas, sem escrúpulos,  que se prestam a branquear imagens de duvidosa reputação?...

Donde vieram os dinheiros para lhes pagarem viagens em jatos particulares, luxuosas estadias, opiparas comezainas, tanto em S. Tomé, como em Portugal, a estes garimpeiros?  - Sendo mais que evidente que este tipo de gente, não faz nada que não seja pela avidez insaciável da sua pança em encher os bolsos  do vil metal  e não por amor ao sacrificado Povo de S. Tomé
QUEM  PAGA OS ESCANDALOSOS CUSTOS  DO MARKETING NOS MEDIA ESTRANGEIROS E DAS SUAS PASSEATAS  A UM DOS PAÍSES MAIS MARAVILHOSOS MAS TAMBÉM DOS MAIS POBRES DE ÁFRICA?... Do "trabalhos de spin doctors para governantes africanos duvidosos"? 

De resto, é o próprio, José Ribeiro e Castro, numa entrevista à RDP-África, a  confirmá-lo, que fomos transcrever de um vídeo e do qual  passamos aqui alguns excertos :






"Nós deslocámo-nos a S. Tomé e Príncipe, no quadro de um grupo de portugueses, que se viam preocupados de notícias que vinham de perigos para a democracia de S. Tomé: nomeadamente de notícias de expulsões, de exclusões e que eram dirigidas contra pessoas do Partido Maioritário e nomeadamente de Patrice Trovoada e de outras pessoas"

(...) eu recordo, que, nós fizemos escala em Luanda e ainda em Luanda nos chegavam notícias, enfim, de que o Patrice Trovoada, corria o risco de ser preso quando chegasse a S. Tomé; portanto, nós não queríamos acreditar mas foi no quadro dessa preocupação, que o acompanhámos e creio que fizemos bem. Portanto, a nossa presença foi bastante discreta e acompanhámos, Patrice Trovoada, no regresso ao país; testemunhámos a forma calorosa como foi recebida no aeroporto e depois fizemos alguns contactos com diversas entidades: empresários, organizações da sociedade civil, nomeadamente, a Cruz Vermelha, entidades religiosas e nomeadamente a igreja católica para ter uma sensibilidade da situação no país e obervávamos numa visita muita curta, as eleições eleitorais.

DONDE VEM O DINHEIRO DO BANHO? - QUEM O FINANCIA?


Confessa,  ainda o deputado do CDS-PP, a este propósito, na mesma entrevista: (...)  portanto, há aquele fenómeno do banho, desagradável, que as autoridades têm combatido, mas que, aparentemente, não teve efeito nos resultados, tudo indica; até, se tiveram foi ao contrário de que aqueles que o promoveram e, o povo santomense, deu uma enorme demonstração de civismo"

Quem desembolsou esses gastos? Quanto tocou ao mercenarismo de políticos, sem escrúpulos,  que se prestam a branquear imagens de duvidosa reputação?... Donde vieram os dinheiros para lhes pagarem viagens e luxuosas estadias? - Sendo certo que este tipo de gente, não faz nada que não seja atrás do vil metal, não corre por amor ao Povo de S. Tomé e Príncipe, aos ideais humanistas e de alcance social para o grosso das populações,  senão atrás dos seus próprios interesses pessoais, desmedida ganância e vaidades ou de servirem de testas de ferro a garimpeiros de grupos capitalistas do  liberalismo selvagem neo-colonial.


02/02/2018 "EUA alerta o poder são-tomense para garantia da liberdade de imprensaUm dos principais alicerces de qualquer Estado Democrático, é a Liberdade de Imprensa, e o acesso nomeadamente pelas forças políticas da oposição aos órgãos de comunicação social. Foi um dos principais temas que a embaixadora dos Estados Unidos de América em São Tomé e Príncipe, Cynthia Akuetteh, debateu com o Presidente da Assembleia Nacional, José Diogo. https://www.telanon.info/politica/2018/02/02/26352/eua-alerta-o-poder-sao-tomense-para-garantia-da-liberdade-de-imprensa/

RELATÓRIO DEMOLIDOR DA OXFORD ANALYTICA - A PARTIR DE AGORA QUAL  O PAÍS QUE PODERÁ CONFIAR A SUA DIPLOMACIA  NUM JOGADOR DE TANTAS TRAFULHICES? 

   20 de Julho 2018 – Sao Tome's government will further stifle dissent - Oxford Analytica .  Attempts to muzzle the judiciary and other critical voices are increasing. O governo de São Tomé continuará sufocando a oposição.. As tentativas de amordaçar o judiciário e outras vozes críticas estão aumentando.

TAL COMO HÁ DOIS ANOS - A MESMA OBSESSÃO PELO CONTROLO DA RÁDIO E DA TELEVISÃO DO ESTADO  - COMO SE FOSSE PROPRIEDADE PRIVADA DE PATRICE   - 20/07/2018 - Tentativas de amordaçar o judiciário e outras vozes críticas estão aumentando - Denuncia o relatório da Oxford Analytica

Foto de Tela Nón

"A  insatisfação popular está crescendo com o estilo autoritário do Primeiro Ministro Patrice Trovoada e o fracasso do governo em cumprir suas promessas eleitorais. Alegações de manipulação de instituições judiciais vêm em meio a uma crescente defensiva por parte do governo, com o ministro da Defesa recentemente alegando ter frustrado uma tentativa de assassinato contra Trovoada.

O governo de Trovoada tentará fortalecer o controle do judiciário ainda antes do fim de outubro, eleições legislativas e locais, ao mesmo tempo que intimida a oposição e limita o seu acesso a mídia própria. Em um esforço para aumentar seu apoio popular, o governo revelará vários novos e projetos de infraestrutura. Ele também vai se mover com cuidado para apaziguar os militares como dissensão interna cresce.  

 PORMENORES EM  Sao Tome's government will further stifle dissent





TOMÉ – (1) VIOLAÇÃO DA LEI ELEITORAL – A DESMONTAGEM DE GIGANTESCA FRAUDE NO DIA DO ESCRUTÍNIO – PATROCINADA PELO PODER GOVERNAMENTAL (video alargado, além de dois mais à frente - Um deles abreviado)

      Artigo 133.º Deveres dos Profissionais de Comunicação Social) Os profissionais de comunicação social que, no exercício das suas funções, se desloquem às assembleias de voto não podem: Colher imagens e aproximar-se das câmaras de voto de forma que possam comprometer o segredo de voto; Obter outros elementos de reportagem no interior da assembleia de voto ou no seu exterior até à distância de 500 metros que igualmente possam comprometer o segredo do voto; De qualquer outro modo perturbar o acto eleitoral.


QUEM É QUE PODE DAR CREDIBILIDADE A UM INSULTUOSO MANIPULADOR  8 Dez, 2017 Há uma máfia instalada nos tribunais do país de São Tomé e Principe .diz Patrice Trovoada, que "anunciou a vinda de agentes da justiça portuguesa ao país e prometeu apoio técnico e material às instituições judiciais do arquipélago".  Sim, para completarem o saneamento da equipa anterior aos juízes que não são da  confiança politica do regime 15/05/2016  Patrice- “Juízes medíocres podem ser úteis noutros sectores” – 13/05/2016Associação dos Magistrados Judiciais denuncia intervenção política Patrice Trovoada: criação do Tribunal Constitucional é "inalterável"....... MSD/PVSTP também não reconhece Tribunal Constitucional de 15 de   .....
 Supremo Tribunal são-tomense anula promulgação pelo Presidente .

Nenhum comentário :