expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

domingo, 4 de novembro de 2018

RELATÓRIO ARRASADOR FREEDOM IN THE WRLD 2018 SÃO TOMÉ END PRÍNCIPE - DENUNCIA VIOLÊNCIA E CORRUPÇÃO - Às vezes, a polícia é acusada de espancar suspeitos durante a prisão - Dia dos mortos recordou que, todos os anos, um jornalista leva o prémio PULITZER mas 100 são baleados - Nas Ilhas Verdes do Equador, PM Patrice Trovoada, confunde jornalistas com agentes armados, não consta que os mandasse matar à bala mas agride-os com violentas calúnias na TV e "falar não pode" como no tempo da censura colonial - Relatório anual exprime graves preocupações: “os tribunais são suscetíveis à influência política e à corrupção. O sistema também é insuficiente e subfinanciado. a polícia é acusada de espancar suspeitos durante a prisão e as prisões sofrem com a superlotação e outras condições adversas. O país está relativamente livre de grandes violências ou distúrbios. No entanto, as tropas ruandesas chegaram em maio de 2017 com a missão de treinar e assessorar as forças de segurança locais e a oposição alegou que sua presença fazia parte da agenda antidemocrática do governo”

Jorge Trabulo Marques - Jornalista - Informação e análise 

ocorre a 3 de Maio, mas,  nesta  sexta-feira, 2 de Novembro, comemorou-se  o Dia Internacional para Acabar com a Impunidade a Crimes contra Jornalistas, criado em 2013, pela Assembleia Geral das Nações Unidas que já soma mais de 1000 jornalistas, numa década, em todo o mundo.  

Falando à ONU, de Genebra, a porta-voz do Escritório de Direitos Humanos da ONU, Liz Throssell, fez um balanço da situação global.
“Este ano, assistimos a repressão a jornalistas em todas as regiões do mundo, da Nicarágua e do México à Turquia, Somália, Camboja e Mianmar. O terrível assassinato do jornalista Jamal Khashoggi no consulado da Arábia Saudita em Istambul foi notícia em todo o mundo. Estes ataques destacam o papel crucial que os jornalistas têm e o preço que pagam muitas vezes por isso. Apesar disso, hoje, mais do que nunca, um jornalismo forte, arrojado e independente é essencial para a democracia e para todos nós.”

“Falando à ONU, de Genebra, a porta-voz do Escritório de Direitos Humanos da ONU, Liz Throssell, fez um balanço da situação global.
“Este ano, assistimos a repressão a jornalistas em todas as regiões do mundo, da Nicarágua e do México à Turquia, Somália, Camboja e Mianmar. O terrível assassinato do jornalista Jamal Khashoggi no consulado da Arábia Saudita em Istambul foi notícia em todo o mundo. Estes ataques destacam o papel crucial que os jornalistas têm e o preço que pagam muitas vezes por isso. Apesar disso, hoje, mais do que nunca, um jornalismo forte, arrojado e independente é essencial para a democracia e para todos nós.” –

O diretor de Informação Pública da Unesco, Vincent Defourny, disse à ONU News que o crime contra jornalistas e a impunidade RELandam juntos.
“A impunidade é quase um convite a seguir. Porque se não tem repercussão, se os atos não têm consequências, isso é uma provocação para seguir nesta dinâmica de mandar matar os jornalistas. Acho que, por isso, a Unesco trabalha muito com os juízes e também com toda a sociedade para justamente dizer que estes crimes precisam ser investigados, que precisam do julgamento correto e até o final, porque é isso que vai permitir criar uma das condições para que os jornalistas trabalhem de uma forma segura. https://news.un.org/pt/story/2018/11/1645842
RELATÓRIO ANUAL DA FREEDOM IN THE WORLD -  DENUNCIA ATROPELOS DE VÁRIA ORDEM   - Relatório The Freedom in the World 2018   - São Tomé e Príncipe -  Liberdade no mundo 2018, - divulgado, dois dias antes das eleições, é expressivo de  graves preocupações:
"A mídia pública transmite pontos de vista da oposição e concede certo acesso aos líderes da oposição, mas apenas um punhado de meios de comunicação privados está disponível, e um grau de autocensura é relatado em locais públicos e privados. Não há restrições à mídia online, embora o setor seja pouco desenvolvido. Menos de um terço da população tem acesso à internet.

A constituição prevê um judiciário independente, e os tribunais são relativamente autónomos na prática, mas são suscetíveis à influência política e à corrupção. O sistema também é insuficiente e subfinanciado. - Outros pormenores mais à frent

EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE NINGUÉM É MORTO POR EXPRESSAR A SUA OPINIÃO – É UMA TERRA MARAVILHOSA E PACIFICA –  MAS "FALAR NÃO PODE"

20-08-2017 - Já não me sinto motivado para continuar a fazer o programa, tendo em conta um conjunto de situações e muita pressão. Sabemos que este programa não agradava o governo que desde há muito tempo tem pressionado sobretudo a igreja católica» para o fechar, disse o jornalista Waldiner Boa Morte.  http://portocanal.sapo.pt/noticia/
Diz o presidente da Associação dos jornalistas São-tomenses (AJS), Juvenal Rodrigues, que a situação dos profissionais da comunicação social assemelha-se a de um "país que vive num estado de exceção disfarçado".

TÉLA NÓN - "Parece que o país vive num estado de exceção disfarçado, porque há comissários políticos e agentes que gravam conversas, mesmo em situações de convívio", disse Juvenal Rodrigues na IV conferência anual por ocasião de 03 de maio, Dia Internacional de Liberdade de Imprensa.


“A descarada censura que chega ao ponto de descaracterizar completamente certas matérias produzidas por jornalistas, a ponto dos autores não reconhecerem o trabalho que deixaram feito; a autocensura, a ausência de debates e do contraditório e a exclusão acentuaram-se consideravelmente desde outubro de 2014», prosseguiu o Presidente da Associação de Jornalistas de São Tomé e Príncipe.



“Bufaria” no seu auge no seio dos profissionais da comunicação social e não só. Uma democracia fragilizada. «Não se pode falar verdadeiramente de um Estado de Direito Democrático neste quadro. O democrata convicto não tem medo do contraditório, não receia críticas e não alimenta a “bufaria”- passe a expressão. O pluralismo é uma das características da democracia», frisou Juvenal Rodrigues.
Perseguição, é a lei decretada contra os órgãos de comunicação social, ou profissionais, que não se vergam a vontade do Chefe.

Obrigou a Voz da Igreja a encerrar programas
«A perseguição tem outros contornos. Por exemplo, acabar com programas nos órgãos públicos, cujos rostos não são militantes ou simpatizantes do partido no poder. A tentativa de asfixiar economicamente os mesmos. Os militantes e simpatizantes é que têm todos os direitos e mais alguns. Existem casos em que a mesma pessoa é assistente de imprensa de vários organismos estatais, além de estarem vinculados a órgãos públicos. Regra geral, o apoio do Estado ao fomento de órgãos de imprensa privados nunca foi expressivo, num país em que o mercado é inexpressivo e o setor privado está de rastos. Mas atualmente, a situação piorou, com a retirada de publicidade de empresas em que o Estado também é acionista, naqueles títulos de imprensa fora do controlo do poder».

Pressão contra os jornalistas que não abdicam da sua liberdade, atingiu níveis invulgares e o Ministério Público, não consegue agir em tempo útil.  «Outra forma de pressão. O Sr.primeiro-ministro,Patrice Trovoada, acusou publicamente numa entrevista difundida a 11 de setembro de 2016 pela TVS e a Rádio Nacional, que jornalista independente recebeu arma de guerra da Presidência da República. A Associação dos Jornalistas solicitou logo depois ao Ministério Público com carácter urgente para investigar o facto. Manifestou-se disponível a colaborar no que fosse necessário e fê-lo. A verdade é que passados quase oito meses, o Ministério Público ainda não divulgou o aguardado relatório», denunciou a Associação dos Jornalistas.

divulgou o aguardado relatório», denunciou a Associação dos jornalistas - Excerto de  STP -  “Falar não Pode” Mais detalhes sobre a verdade dita pela AJS no dia da liberdade de imprensa, podem ser conhecidos aqui – Discurso AJS


O QUE A MEDIA DO REGIME NÃO DIZ - PESE O FACTO DO RELATÓRIO NÃO CITAR OS EPISÓDIOS MAIS GRAVES QUE A OPOSIÇÃO TEM DENUNCIADO NOS DEBATES PARLAMENTARES 


5 de Outubro de 2018São Tomé e Príncipe realiza eleições nacionais regulares e competitivas e passou por múltiplas transferências de poder entre partidos rivais. As liberdades civis são geralmente respeitadas, mas a pobreza e a corrupção enfraqueceram algumas instituições e contribuíram para a disfunção no sistema de justiça. A oposição acusou o partido governista de usar seu controle sobre a presidência e uma forte maioria parlamentar para consolidar o poder.

O presidente é eleito diretamente por até dois mandatos consecutivos de cinco anos. O primeiro-ministro, que detém a maior parte da autoridade executiva do dia-a-dia, é nomeado pelo presidente com base nos resultados das eleições legislativas. As eleições executivas são normalmente consideradas livres e justas.

Na eleição presidencial de julho de 2016, Carvalho, ex-primeiro-ministro e membro do partido governista Independent Democratic Action (ADI), liderou o primeiro turno com pouco menos de 50% dos votos; Inicialmente, ele foi creditado com mais de 50%, mas a Comissão Nacional Eleitoral (CEN) revisou o total para baixo, citando resultados tardios de certas áreas. O principal oponente de Carvalho, o presidente em exercício e independente Manuel Pinto da Costa, foi creditado com quase 25 por cento, mas boicotou o segundo turno de Agosto, alegando irregularidades no primeiro turno. Carvalho foi consequentemente eleito sem oposição. Apesar desta disputa, os observadores da União Africana elogiaram em geral a condução das eleições.
As leis eleitorais e o enquadramento são geralmente justos, mas a implementação sofre de falta de recursos e de pessoal. As eleições no nível municipal e na região autónoma do Príncipe, realizadas pela última vez em 2014, deveriam ser entregues em 2017, mas o presidente anunciou em agosto que elas seriam adiadas para 2018, alegando insuficiência de fundos. 
Também em Agosto, a maioria parlamentar da ADI adotou legislação que reorganizou o CEN. Embora as comissões anteriores tivessem nove membros, incluindo representantes de todos os partidos parlamentares, cumprindo mandatos de quatro anos, o novo órgão teria três membros, sendo dois indicados pelo maior partido e um pelo segundo maior partido, com mandatos de sete anos. . A oposição criticou as mudanças, dizendo que elas poderiam permitir que a ADI manipule futuras eleições.
Corrupção é um grande problema. Mecanismos de supervisão, a oposição e os meios de comunicação têm descoberto repetidamente evidências de prevaricação oficial, às vezes resultando em demissões e outras repercussões, mas em geral as leis anticorrupção são mal aplicadas.


Em dezembro de 2017, o presidente promulgou legislação adotada em agosto que criaria um Tribunal Constitucional separado, conforme previsto na constituição. Teria a autoridade final sobre os resultados das eleições e os seus membros seriam nomeados por uma simples maioria parlamentar se uma votação inicial não atingisse uma maioria de dois terços. Os partidos de oposição criticaram a medida como antidemocrática, observando que ela havia sido promulgada enquanto ainda estava sob revisão  do STJ, que desempenhou funções de revisão constitucional na ausência de um tribunal separado. O STJ determinou que a promulgação era nula na pendência de seu veredicto sobre a lei, mas o presidente alegou que a corte não poderia mais agir em sua capacidade anterior sob a nova legislação. A disputa ainda não foi resolvida no final do ano.

As autoridades policiais geralmente observam salvaguardas legais contra prisões e detenções arbitrárias, bem como garantias para um julgamento justo, mas a corrupção policial é um problema, e houve relatos em 2017 de que os réus indigentes tiveram o acesso negado a um advogado. A associação de advogados do país disse em outubro que o estado não conseguiu financiar esses advogados de defesa.

Às vezes, a polícia é acusada de espancar suspeitos durante a prisão e as prisões sofrem com a superlotação e outras condições adversas. O país está relativamente livre de grandes violências ou distúrbios. No entanto, as tropas ruandesas chegaram em maio de 2017 com a missão de treinar e assessorar as forças de segurança locais, em meio a crescentes laços entre os dois países, e a oposição alegou que sua presença fazia parte da agenda antidemocrática do governo.

A igualdade de tratamento é garantida por lei, mas persiste um certo grau de discriminação social contra as mulheres, dificultando seu acesso a oportunidades econômicas e educacionais. Embora a atividade sexual entre pessoas do mesmo sexo não seja criminalizada, às vezes é denunciada discriminação contra pessoas LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros), e a lei não trata especificamente desse viés.
Existem poucas restrições formais sobre as liberdades sociais pessoais. 


 No entanto, a violência doméstica é supostamente comum e raramente processada. A idade mínima para casar com o consentimento dos pais é 14 para meninas e 16 para meninos, em oposição a 18 sem o consentimento dos pais para ambos. Cerca de um terço das meninas se casam antes dos 18 http://www.refworld.org/docid/5bcdce21a.html


Acho que temos que salvar São Tomé e Príncipe" – Defende  Jorge Bom Jesus, líder do maior partido de oposição, que quer substituir o primeiro-ministro Patrice Trovoada e algumas de suas políticas. Se eleito, ele vai revogar a decisão de autorizar a permanência de estrangeiros sem visto por seis meses

Jorge Bom Jesus, 56, é o presidente do maior partido da oposição em São Tomé e Príncipe, o MLSTP / PSD. Ex-ministro da Educação e Cultura, no executivo que precedeu o atual primeiro-ministro Patrice Trovoada, Bom Jesus assumiu a liderança do partido no final de junho, determinado a reformar essa força política e o país. O facto de em apenas dois meses ter havido dois alegados ataques contra Trovoada e outros órgãos de soberania, levanta questões que ainda não foram respondidas pelo governo, de acordo com o líder da oposição, nomeadamente quanto ao envolvimento de mercenários espanhóis no segundo golpe. Bom Jesus promete reforçar as parcerias de segurança marítima com Portugal e Angola e retificar a decisão que permite que os estrangeiros permaneçam no país sem visto por seis meses. E ele sonha alto: com 200 mil habitantes de São Tomé e Príncipe recebendo educação superior no futuro e com um Secretário de Estado da Cultra. – Excerto de Elections - ″I think we have to save São Tomé and Príncipe″


Patrice Trovoada, o censor-mor da inquisição politica e religiosa em S. Tomé e Príncipe, não é digno de continuar a desempenhar o alto cargo de Primeiro-Ministro, nestas Ilhas Abençoadas pela Mãe-Natureza – É um perigo  para  a evolução do pensamento democrático, o controlador e castrador do pluralismo dos órgãos de comunicação social e da livre expressão consagrada  na Declaração Universal dos Direitos Humanos – O dirigente corrupto e corruptor, que se recusa a prestar contas  do destino  dos milhões de  fundos que o Governo recebe da comunidade internacional mas que depois se desconhece como e onde  são  aplicados. O dirigente  que passa a maior parte da Governação fora do pais, em viagens de costas voltadas às dificuldades e aos problema reais da sacrificada população, envolvendo avultadas despesas e, mais das vezes, sem se saber, em concreto, com propósitos ou finalidades – Em 2015 só esteve no país 75 dias que custaram perto de 2 milhões de euros -.Patrice só cá esteve 75 dias em 2015-1 , em 2016, também pouco mais tempo esteve – E, em 2017, vai pelo mesmo caminho
 DESPUDORADO JOGADOR E MANIPULADOR  assumido e deliberado fomentador da intriga e da calúnia, fazendo acusações levianas, que não justifica e se recusa depois a provar. Sim, o apóstolo da intolerância para uma saudável convivência  politica e cívica e religiosa, que não nasceu em S. Tomé nem nunca aqui fez questão de criar  laços afetivos, quer desde quando aqui veio, já adulto, quer mesmo com as suas ligações politicas e governativas. 

Depois de ter sacado Taiwan 
Voltou-se para os milionários da China
PATRICE TROVOADA - O  EMPRESÁRIO-POLÍTICO SEM LAÇOS AFETIVOS A UMA TERRA ONDE NEM SEQUER NASCEU  -  O caixeiro-viajante inveterado, que tem passado a maior parte da Governação, nos seus voos misteriosos,  deveria era sediar-se, de uma vez por todas no Gabão, a tratar a tempo inteiro dos seus negócios, com a qual  tem afinidades e cumplicidades, desde que ali foi parido mas não nas mais belas Ilhas Verdes do Equador, das quais faz sua plataforma promocional e empresarial, aproveitando-se da pobreza e da generosidade  do  pacífico e já tão sacrificado povo santomense.






LEVIANDADES E INCONSCIÊNCIAS DE UM PERIGOSO GOVERNANTE - Eis o que dissemos neste site, em 18 de Setembro, a propósito das acusações infundadas que fez a um jornalista - CONFUNDE JORNALISTAS COM GUARDAS ARMADOS

O Primeiro-Ministro, Patrice Trovoada, substituindo-se às funções do gabinete do   recém-eleito Presidente da Republica, Evaristo Carvalho (sim, qualquer dia,  por este andar, sempre será mais prático juntar a Presidência e o Governo no mesmo palácio), em entrevista aos jornalistas da  Rádio Nacional e da TVS,  escolhidos a dedo,   faz uma gravíssima acusação, dado se tratar do nome de um agente da guarda do anterior  Presidente da República, que é o mesmo de um jornalista - Em vez de se de certificar da coincidência, vai de fazer torpes acusações e disparar: 
… para mim, deixa muito a desejar, então, não vale a pela nós continuarmos nesse caminho!..

.Nós estamos a fazer um trabalho de recolha de armas!.... Bom, como é que um jornalista recebe da Presidência da República, para seu uso pessoal, uma arma de guerra?!... É jornalista?!... É jornalista?... É independente?!... O que é que ele é?!... É mercenário?!...  Jornalista?!... É o quê?!...
- Mas o Sr, disse que não vai citar nomes? - Pergunta  um dos entrevistadores
- Não vou citar nomes!

- E então por que é que o Governo não cita o nome?
-Não vale a pena!  O que eu estou simplesmente a dizer é que são práticas, que, a mim me deixam um bocadinho duvidoso sobre a independência de muitos jornalistas!...

Um jornalista… é subjetivo, dizer que ele é independente e não é independente!... Mas esse tipo de promiscuidade, de jornalista membro nacional de partido, jornalistas que defendem armas da Presidência da República, etc


Nas ditaduras não se contabilizam os jornalistas que são mortos, porque não há imprensa livre e quem não for da cor dos regime não faz jornalismo – O que acontece é que, os servidores desses regimes, estão habilitados a silenciar, em qualquer parte do mundo, as vozes mais incómodas, sejam jornalistas ou vozes da oposição.  Por isso, o maior risco para o jornalistas, até nem são os acidentes nas coberturas de conflitos armados, mas nas sórdidas e traiçoeiras emboscadas, como represália pela coragem de pôr a nu jogos de corrupção e outros tipo de atividades ilícitas e criminosas.



THE SECRETARY GENERAL – MESSAGE FOR WORLD PRESS FREEDOM DAY ANTÓNIO GUTERRES




. 


A free press is essential for peace, justice and human rights for all.
It is crucial to building transparent and democratic societies and keeping those in power accountable.


Uma imprensa livre é essencial para a paz, justiça e direitos humanos para todos.
É crucial construir sociedades transparentes e democráticas e manter responsáveis no poder.
É vital para o desenvolvimento sustentável.
Jornalistas e profissionais da mídia iluminam os desafios locais e globais e contam as histórias que precisam ser contadas.
Seu serviço ao público é inestimável.
As leis que protegem o jornalismo independente, a liberdade de expressão e o direito à informação precisam ser adotadas, implementadas e aplicadas.
Crimes contra jornalistas devem ser processados.
No Dia Mundial da Liberdade de Imprensa de 2018, apelo aos governos para que fortaleçam a liberdade de imprensa e protejam os jornalistas.
Promover uma imprensa livre é defender o nosso direito à verdade.
Obrigado.


Desde janeiro, o  banco de dados RSF mostra que 29 jornalistas e trabalhadores da mídia foram mortos em diferentes países do mundo desde janeiro deste ano.

Estes incluem 23 jornalistas, 4 jornalistas cidadãos e 2 assistentes de mídia.

Separadamente, um vigilante dos direitos de mídia baseado no Paquistão, o Freedom Network, registrou mais de 150 casos de ataques e violações contra a mídia e seus praticantes, incluindo jornalistas, no Paquistão no último ano.

Segundo o relatório, em média, cerca de 15 casos de violações foram registrados por mês - um a cada segundo dia. http://cirp.pk/world-press-freedom-day-2018-pakistan-ranked-139th/


25/04/2018
ROME, Apr 25 2018 (IPS) - The theme for the 25th celebration of World Press Publicado todos os anos desde 2002 pelos Repórteres Sem Fronteiras (RSF), o World Press Freedom Index é uma importante ferramenta de advocacia baseada no princípio de emulação entre estados. Porque é bem conhecido, sua influência sobre os governos está crescendo. Muitos chefes de Estado e de governo temem sua publicação anual. 2002
Ano da primeira edição do ranking
O Index é um ponto de referência que é citado pela mídia em todo o mundo e é usado por diplomatas e entidades internacionais como as Nações Unidas e o Banco Mundial
https://rsf.org/en/world-press-freedom-index

(…) A situação parece "muito ruim" (negra), especialmente para jornalistas no noroeste da África e na Ásia. Os países “problemáticos”, marcados pela laranja, estão principalmente na América do Sul, na África, mas também cada vez mais na Europa. A situação é “razoavelmente boa” (amarela) principalmente na América do Norte, Europa e no quinto continente. Um total de 180 países foram examinados. Em muitos países, especialmente na Europa, a situação piorou . Assustador? Sim!Onde estão os amigos e inimigos da liberdade de imprensa e qual é exatamente a situação na Alemanha e nos EUA?
Amigos e inimigos da liberdade de imprensa
A Noruega (1) e a Suécia (2) continuam liderando o ranking de liberdade de imprensa, seguidas pelaHolanda (3), que melhorou em três lugares e onde o Cryptshare está rapidamente se tornando líder de mercado. Esses países, portanto, oferecem condições particularmente boas para o cenário da mídia e, portanto, para a democracia.
Revoltas, guerras e comportamento repressivo de estados totalitários estão continuamente interrompendo o funcionamento do panorama da mídia em muitos países do mundo. Tal como no ano anterior, a China (176) , a Síria (177), o Turquemenistão (178), a Eritreia (179) e a Coreia do Norte (180) são os últimos da lista.
Mas em nenhum outro lugar do mundo a situação de liberdade de imprensa se deteriorou tanto quanto na Europa. Nos estados membros da UE de Malta (65, anteriormente 47), República Tcheca (34) e Eslováquia (27) e no país balcânico da Sérvia (76), jornalistas são publicamente criticados e insultados, e ações legais são tomadas. contra eles .
Apreensões e denigração também em países ocidentais
Os jornalistas têm uma responsabilidade profissional e ética para manter suas fontes em segredo.Segundo a RSF, isso está se tornando cada vez mais difícil para jornalistas investigativos nos EUA e em outros países ocidentais. O processo legal contra eles e seus informantes já atingiram níveis alarmantes em 2016.
Eles são detidos na chegada, seus dispositivos eletrônicos são confiscados e revistados. Os relatos indesejados são altamente desacreditados pelos órgãos oficiais como notícias falsas e a "verdade" é reivindicada por eles mesmos sem o benefício da validação editorial. Um país supostamente livre como os EUA caiu dois lugares no ranking pelo segundo ano consecutivo e está agora no 45º lugar .
Violações e proteção insuficiente de informantes na Alemanha
O número de agressões, ameaças e intimidações contra jornalistas na Alemanha ainda é alto. Os jornalistas são repetidamente alvo de serviços secretos e agências de aplicação da lei. O estado está tentando invadir comunicações criptografadas. Isso põe em perigo, acima de tudo, o intercâmbio confidencial de notícias sensíveis entre jornalistas investigativos e seus informantes. A Lei BND, que entrou em vigor em 2017, permite monitorar a comunicação de jornalistas fora da Europa . No momento, uma queixa constitucional foi apresentada pela RSF e outras organizações. A Alemanha melhorou em um lugar e agora ocupa o 15º lugar na lista de liberdade de imprensa em 2018.
Soluções simples de software oferecem proteção

Insultos, ameaças, vigilância - de novo e de novo representantes da mídia em todo o mundo estão sob enorme pressão devido ao seu trabalho. Para proteger a si e seus informantes, jornalistas e blogueiros usam comunicação criptografada . Os dados confidenciais, mesmo quando transmitidos pela Internet, permanecem em segredo até que a investigação seja concluída e todas as evidências sejam protegidas. Com a ajuda de software e tecnologia como o Cryptshare, os jornalistas mantêm o controle sobre notícias explosivas e podem controlar o conteúdo das publicações e proteger suas fontes .
Representantes da mídia que precisam realizar pesquisa investigativa e se comunicar com segurança podem comprar o Cryptshare com um desconto significativo dentro do nosso programa pro-bono. Para saber mais, envie-nos um pedido - se desejar encriptado através da nossa aplicação web !mapa do mundo com função de busca para a liberdade de imprensa pode ser encontrado na página da Repórteres Sem Fronteiras, o ranking completo de 2018 pode ser encontrado aqui .Detalhes sobre a metodologia do ranking podem ser encontrados aqui . - https://www.cryptshare.com/en-us/blog/map-of-press-freedom-2018-too-few-white-spots/Freedom Day is “Keeping ...



Nenhum comentário :