expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

JORGE BOM JESUS POUSOU NA FOTO DE FAMILIA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA 32ª CIMEIRA DA UA, EM ADDIS ABEBA, ETIÓPIA, COM A PRESENÇA DE ANTÓNIO GUTERRES, EM CUJA CERIMÓNIA SE REGISTOU O PRIMEIRO FRACASSO: O Tema principal da cimeira, sobre os refugiados, desinteressou aos países do Norte de África, que estiveram ausentes das conversações sobre a migração.– EGIPTO ASSUME A PRESIDÊNCIA DA UNIÃO EUROPEIA, COM Abdel Fattah al Sissi, QUE sucede, ao ruandês Paul Kagame – A África do Sul foi designada para presidir em 2020 - O chefe de Estado Ali bongo Odimba esteve representado..

JORGE TRABULO MARQUES - JORNALISTA - INFORMAÇÃO E ANÁLISE



JORGE BOM JESUS, NA ESTREIA DO MAIOR EVENTO DA DIPLOMACIA AFRICANA  - Entre os representantes dos  países convidados e várias organizações internacionais, com uma mensagem de democracia:  firmada na paz social, na estabilidade, rumo ao desenvolvimento sustentável -  Numa África esfacelada por maus exemplos  - Abdel Fattah al Sissi,  sucede, ao  ruandês Paul Kagame –  A África do Sul foi designada para  presidir em 2020.


Foi recebido por António Gutteres Secretário Geral das Nações Unidas que felicitou pessoalmente Jorge Bom Jesus, enquanto Primeiro Ministro e Chefe do Governo de São Tomé e Príncipe. As felicitações do Secretário Geral das Nações Unidas foram extensivas ao povo de São Tomé e Príncipe, reconhecido pelas Nações Unidas, como sendo exemplo de maturidade democrática no contexto da África Central.



A 32a reunião de cúpula da União Africana foi aberta em 10 de fevereiro, na sede da organização continental em Adis Abeba, perante uma audiência de chefes de estado, governo, ministros e diplomatas. A maioria dos chefes de estado dos 55 países membros fez a viagem para participar desta reunião, à exceção do presidente argelino Abdelaziz Bouteflika,  mantido na Argélia por motivos de saúde, e do senegalês Macky Sall, . Outra ausência foi o Presidente nigeriano,  em campanha para a reeleição.


Por outro lado,  foi noticiado, que,  uma mesa redonda organizada à margem da referida cimeira, sobre as migrações, não cotou com qualquer representante dos países do Norte de África. A Líbia, o único país convidado, não estava representada.




ANTÓNIO GUTERRES, PRESENTE NA 32ª CIMEIRA DA SUBLINHOU, NO PRIMEIRO DIA DA REUNIÃO,  QUE O CONTINENTE AFRICANO É UM EXEMPLO DE SOLIDARIEDADE PARA MIGRANTES E REFUGIADOS  - Mas, pelos vistos, a ausência dos países do Norte de África, os  mais afetados pelos dramas, que têm atingido milhares de pessoas,  abandonam esses países, parece não ser um bom indicador.

As nações africanas estão dando um exemplo aos países mais ricos no tratamento de refugiados,  disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, em uma entrevista coletiva,  no sábado, após uma reunião com o presidente da Comissão da União Africana em Adis Abeba, Etiópia

Nesse mesmo dia, o Secretário-geral da ONU,  elogiou o trabalho dos codificadores  africanos na linha de frente para mudar as relações de poder de género:
 Jovens codificadores africanos estão “na linha da frente” da batalha para mudar as relações de poder tradicionalmente masculinas e conseguir um equilíbrio mais equitativo entre homens e mulheres, disse o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, durante a sua visita à Etiópia para participar na União Africana Cimeira em Adis Abeba.

Serviço e sacrifício de forças de paz africanas "na vanguarda de nossas mentes": chefe da ONU  - No final da sessão, do segundo dia dos trabalhos,  último domingo, o  Secretário-Geral da ONU, António Guterres, agradeceu aos Estados Africanos e à Comissão da União Africana pelo apoio às operações de paz em África, dizendo que o serviço e sacrifício de forças de paz africanas está “na nossa mente”. Capacetes azuis e outros funcionários de manutenção da paz fizeram parte de seu discurso aos Chefes de Estado reunidos na Cúpula da União Africana em Adis - Fonte
https://news.un.org/en/news/region/africa

 Na sessão de abertura da 32ª Cimeira da UA,em Addis  Abeba,  o chefe de Estado Ali bongo Odimba esteve representado



JORGE BOM JESUS - A SUA PRIMEIRA SAÍDA OFICIAL,  NUM DOS MAIS IMPORTANTES EVENTOS AFRICANOS.


O Primeiro-ministro santomense, Jorge Bom Jesus,  foi uma das figuras, que estiveram presentes,   na cerimónia da abertura oficial da 32.ª Cimeira dos chefes de Estado e de Governo da União Africana,, que decorre de Sábado a esta segunda-feira.

 Oportunidade que, o líder da coligação Governamental,  quando usar da palavra, nesta segunda-feira, desejará aproveitar   para passar a mensagem de que, a  democracia e as suas instituições, em São Tomé e Príncipe, num pequeno país do Golfo da Guiné  - que chegou a ser  considerado, em toda a a África, por vários analistas internacionais,  um caso exemplar  de transição de regime único para o pluralismo democrático, não se extinguiu, pese as vicissitudes por que passou nos últimos  quatro anos do regime autoritário de Patrice Trovoada:“ está em marcha”,  “houve alternância” e nós gostaríamos que este exemplo pudesse inundar toda a África", declarou, Jorge Bom Jesus aos jornalistas antes da  sua partida para a capital da Etiópia, . 


PM de Cabo Verde  defende mais sensibilidade para as especificidades e vulnerabilidades dos países insulares

 O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, que já usou da palavra, alertou hoje para a necessidade de uma União Africana mais sensível às questões da insularidade e de se “fazer valer cada vez mais” as especificidades dos países insulares. Disse, em declarações à RFI Português.
Apelou neste sentido a uma maior sensibilidade para as especificidades e vulnerabilidades dos países insulares no que se refere às alterações climáticas, choques externos e pelo facto de serem países de pequena dimensão. https://www.inforpress.publ.cv/cimeira-ua-pm-defende-mais-sensibilidade-para-as-especificidades-e-vulnerabilidades-dos-paises-insulares/






DRAMA DOS REFUGIADOS E DESLOCADOS - ENTRE AS GRANDES QUESTÕES 

O tema central da cimeira tem a ver com o drama dos refugiados e deslocados –  "No passado colonial, o ventre de África foi esvaziado em termos de emigração. Hoje nós reparamos que noutros moldes essa emigração continua, mas é uma emigração económica. Pessoas continuam a morrer no mediterrâneo em prol de uma vida melhor, para combater a fome", lamentou Jorge Bom Jesus” – Momentos antes de tomar o avião..





 NOVO PRESIDENTE DA UA REVELOU OS TRÊS PILARES PELOS QUAIS PRETENDE NORTEAR A SUA AÇÃO.
Abdel Fattah al-Sissi é agora presidente em exercício da União Africana (UA). Na sessão de abertura da sua 32ª cimeira em Adis Abeba , o seu antecessor, Paul Kagame, deu-lhe a sua cadeira depois de um ano em que ele empurrou a instituição pan-africana .
Em seu primeiro discurso, o egípcio revelou os três "pilares" de sua presidência  : o desenvolvimento de infra-estrutura, a aceleração da entrada em vigor da Área Continental de Livre Comércio (CFTA) e a criação de empregos para a juventude do continente. Ele também enfatizou a luta contra o terrorismo e a reconstrução de sociedades pós-conflito.
Ramaphosa para a presidência rotativa
Esta sessão foi também uma oportunidade para revelar a identidade da próxima presidência, em 2020. Será a África do Sul e, portanto, seu presidente Cyril Ramaphosa, se ele for confirmado em seu posto durante eleições gerais a realizar este ano .

Pretória se impôs, em detrimento de Eswatini (novo nome da Suazilândia), que era candidato ao posto que voltaria para a África Austral . Mbabane, no entanto, deve ter muito consolo, saudando os ministros das Relações Exteriores do continente em meados de 2020, por ocasião de um conselho executivo, tendo as tradicionais cúpulas do meio do ano sido removidas como parte da reforma do programa. AU.


O presidente congolês recém-eleito foi capaz de falar por cinco minutos de sua cadeira no final da sessão, como seu novo homólogo de Madagáscar, Andry Rajoelina.
Desde a sua chegada a Adis Abeba, a 9 de fevereiro, Felix Tshisekedi falou com os seus homólogos egípcios Al-Sissi e Marfinense Alassane Ouattara, bem como com o Secretário-Geral da ONU, António Guterres.
Antes deles, Guterres havia falado na galeria para saudar o exemplo da África no acolhimento de refugiados, o tema desta cúpula .
Bilionário bilionário e filantropo Bill Gates, Presidente da Autoridade Palestina Mahmoud Abbas, Secretário Geral da Liga Árabe Ahmed Abdoul Gheit, Presidente da FIFA Gianni Infantino e, é claro, Presidente da Comissão da União Africana Moussa Faki Mahamat e o ruandês Paul Kagame também se dirigiram à assembléia no pódio. https://www.jeuneafrique.com/732898/politique/legypte-prend-la-presidence-de-lunion-africaine-lafrique-du-sud-lui-succedera/


OUTROS PORMENORES DA CIMEIRA
Noticias divulgadas,  no sábado, pela RFI, diz-se, que, dentre “os principais tópicos de notícias africanos estão na agenda da Cúpula dos Chefes de Estado da União Africana atualmente realizada na capital etíope. 


(...) A 32a reunião de cúpula da União Africana foi aberta em 10 de fevereiro, na sede da organização continental em Adis Abeba, perante uma audiência de chefes de estado, governo, ministros e diplomatas. A maioria dos chefes de estado dos 55 países membros fez a viagem para participar desta reunião, com a notável exceção do presidente argelino Abdelaziz Bouteflika, que foi mantido na Argélia por motivos de saúde, e do senegalês Macky Sall, bem como sua A contraparte nigeriana está em campanha para a reeleição.
Esta nova edição da cúpula é a primeira para os recém-eleitos chefes de estado, assim como os presidentes de Serra Leoa, Madagascar, Zimbábue e República Democrática do Congo. Eles foram calorosamente recebidos pelo Presidente da Comissão da UA, Chadian Moussa Faki Mahamat, em seu discurso principal.

Refugiados e pessoas deslocadas
Depois do dividendo demográfico e da corrupção, o tema da Cimeira deste ano é " Refugiados, repatriados e pessoas deslocadas internamente em África ". As reuniões do Comité de Representantes Permanentes (CRP) e do Comité Executivo da União, composto principalmente por Ministros dos Negócios Estrangeiros dos países membros, realizadas como um prelúdio para a Cimeira, ajudaram a definir o assunto.


A nota conceitual que saiu dessas reuniões recomenda medidas para aliviar o sofrimento dos refugiados e ajudar os Estados a cuidar melhor das necessidades dos refugiados. Chefes de Estado usarão este documento como um roteiro para os governos.
Segundo números publicados pelo ACNUR, a Agência de Refugiados da ONU, o problema dos refugiados piorou em todo o mundo, especialmente no continente africano, onde 26% dos 25 milhões de refugiados planeta. Os países africanos mais afectados este ano por este problema são o Uganda, o Sudão do Sul e a Etiópia, que estão a sofrer graves violências intercomunitárias.
Deve recordar-se que o ano de 2019 marca o décimo aniversário da assinatura da Convenção de Kampala, que é o primeiro instrumento jurídico vinculativo para a gestão de refugiados. - Excerto de

Oito prioridades para a União Africana em 2019 - São as propostas de Rubert Malley

Começando por frisar que, m 2019, a União Africana enfrentará muitos desafios à medida que velhos e novos conflitos atravessam o continente. Para ajudar a resolvê-los - identificamos aqui sete crises particularmente agudas - a organização regional também deve buscar suas reformas institucionais.


 
Introdução de Robert Malley, Presidente e CEO do International Crisis Group  

Neste comentário, que está de acordo com a nossa lista anual de Dez Conflitos para vigiar e a nossa Lista de Observação da UE , o Crisis Group está analisando os desafios de 2019 para o continente africano e a União Africana (UA) na véspera de sua cúpula de fevereiro. As principais tendências identificadas nessas duas publicações podem ser encontradas aqui: transições interligadas entre si.


A primeira transição é no nível local, onde os governos bem estabelecidos enfrentam uma mistura perigosa de agitação social e protesto político. O ano de 2019 está apenas começando, mas já traz as marcas da repressão violenta no Sudão, no Zimbábue e em Camarões e em feridas mais antigas causadas por crises persistentes na República Centro-Africana, no Mali, na Somália e no Sudão. do Sul. A notável transição na Etiópia serve como um poderoso contrapeso, mas em muitos lugares - como em outras partes do mundo - regimes autocráticos, elites imutáveis, comportamento estatal predatório e corrupção alimentam a raiva popular. A União Africana será capaz de enfrentar esses desafios? Essa é a questão que estamos tentando responder aqui. - Prossegue em




Nenhum comentário :