expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

segunda-feira, 22 de abril de 2019

Ilha do Príncipe - 29 de Maio 2019 - No Olhar do Mundo - Nos 100 anos da Teoria da Relatividade - Presidente Marcelo vai lá estar mas também os holofotes da imprensa mundial - Prevê-se turismo em alta com hotéis esgotados - Veja como tudo se passou no dia em que, o cientista inglês, Arthur Eddington, ali se deslocou para comprovar a sua célebre teoria.

Jorge Trabulo Marques - Jornalista e investigador  - Imagens e textos recolhidos em várias pesquisas




PRINCESA DAS ILHAS VERDES DO EQUADOR VAI ESTAR NO OLHAR DO MUNDO

Foi na roça Sundy, em 29 de Maio de 1919, que, Sir Arthur Eddington, efetuou uma expedição de observação de um eclipse solar que veio comprovar a Teoria Geral da Relatividade de Albert Einstein (o encurvamento dos raios luminosos, ou a deflexão da luz, o que queria dizer que o espaço e o tempo não eram absolutos, como havia defendido Newton. A Sundy e a ilha do Príncipe, ficavam desta forma associadas a uma das mais importantes descobertas da História da Ciência.

A teoria da relatividade proposta por Albert Eisnteis em 1915 foi comprovada em simultâneo na Roça Sundy no Príncipe e na cidade de Sobral no Brasil, durante o eclipse total do sol no dia 29 de Maio de 1919. O astrónomo inglês Arthur Eddington, foi o autor da comprovação científica que colocou a Roça Sundy na história da investigação científica. 

PRESIDENTE MARCELO REBELO DE SOUSA - PROMETEU VOLTAR AO PRÍNCIPE PARA SE ASSOCIAR ÀS CELEBRAÇÕES DO CENTENÁRIO DA COMPROVAÇÃO DA TEORIA DA RELATIVIDADE - Espera-se que volte a ser palco de uma recepção calorosa e festiva.  

Marcelo no Príncipe - Foto de Hibrahin Reis

Tal como já foi noticiado, o Presidente da República Portuguesa regressa a São Tomé e Príncipe nos finais do próximo mês,  para as celebrações do centenário da comprovação da Teoria da Relatividade.

Marcelo Rebelo de Sousa, que esteve em STP, para uma visita de Estado entre 20 e 22 de Fevereiro de 2018, voltou a confirmar a sua deslocação à Ilha do Principe, no passado mês de Março, durante a curta estadia em S. Tomé, que antecedeu a sua visita a Angola ~

APORTEI,  ali, numa praia da Roça Sundiy, há  48 ANOS, NUMA FRÁGIL PIROGA– Na travessia que então efetuei entre as duas ilhas - 140 km - Na minúscula canoa de 40 cm de altura por 60 cm de largura e 3,5 m de comprimento, tendo recebido como prémio, no meu regresso de avião a S. Tomé, uns dias nos calabouços da PIDE e uma valente sova por suporem que eu viajasse para o Gabáo para ali me juntar ao MLSTP. 


Arthur Stanley Eddington (1882–1944) foi um astrofísico inglês mais conhecido por seu trabalho sobre a estrutura interna das estrelas, que preparou o terreno para nossa compreensão moderna da evolução estelar. Além disso, ele foi um dos primeiros defensores da teoria geral da relatividade de Einstein. Para testar a previsão da teoria de que a luz é dobrada por um campo gravitacional, Eddington liderou uma expedição para fotografar um eclipse total do Sol em 1919 em 29 de maio. O Sol estava na frente do aglomerado de estrelas de Hyades durante o eclipse e o A idéia era ver se as estrelas no aglomerado tinham mudado ligeiramente de posição à medida que a luz passava pelo Sol em direção à Terra.
Eddington observou da ilha do Príncipe, ainda pertencente a Portugal, na costa oeste da África. Embora as observações tenham sido dificultadas pelas nuvens, os resultados foram bons o suficiente para mostrar que a luz das estrelas sofreu uma deflexão semelhante à prevista por Einstein.

Em 2009 – Comemorou-se, na Ilha do Principe, o 90º aniversário deste eclipse, que coincidiu  com o Ano Internacional da Astronomia (IYA), e foi o tema de um evento comemorativo especial. As comemorações do aniversário incluíram a edição de um conjunto de selos das ilhas gêmeas de São Tomé e Príncipe (São Tomé e Príncipe em inglês, que é o nome usado no catálogo de Gibbons). Havia duas folhas no conjunto, como mostrado acima: uma folha de quatro, mostrando fotografias de Eddington contra as vistas da ilha; e uma folha de lembrança separada contendo Eddington com o Sol eclipsado baseado nesta imagem. Embora a imagem venha do relatório de Eddington publicado no Philosophical Transactions da Royal Society, não foi uma das que ele levou em Príncipe; foi de fato tirado de Sobral no Brasil por uma expedição separada montada pelo Greenwich Observatory para ver o mesmo eclipse. Eddington usou os resultados de ambas as expedições para tirar suas conclusões.  http://www.ianridpath.com/stamps/eddington.htm

Quando o Sol se escondeu há 100 anos, na ilha do Príncipe, confirmou-se a Teoria da Relatividade  -Um eclipse solar, no dia 29 de Maio de 1919, na ilha do Príncipe, ajudou Arthur Eddington, astrónomo inglês, a provar que Einstein estava certo. 

 O primeiro ato das comemorações do centenário da teoria , teve lugar no dia 18 de fevereiro de 2019,  na Ilha do Príncipe, onde foi descerrada uma placa na propriedade Roca Sundy,  antiga plantação de cacau e café, prestando homenagem ao astrofísico britânico Sir Arthur Eddington, que confirmou uma previsão por Albert Einstein do teoria da relatividade no mesmo lugar durante um eclipse solar em 1919. Foto: Sebastian Kahnert / dpa-Zentralbild / ZB - ID da Imagem: RYAWHM18 février 2019, São Tomé et Príncipe, Bom Bom : une plaque


PRINCIPAIS TRAÇOS DA CRONOLOGIA DE UM ACONTECIMENTO CIENTÍFICO DE EXPRESSÃO MUNDIAL  - Damos-lhe os    pormenores  e imagens do que foi escrito por estudiosos da astronomia, em pesquisas que efetuámos e traduzimos.
Um eclipse solar lança luz sobre a física  - 26 de maio de 2015  por Helmut Hornung, Sociedade Max Planck

Em 29 de maio de 1919, uma dança de sombra ocorreu sobre o Caribe, que era para fazer história: Enquanto a lua nova cobria o brilhante disco do Sol, os astrónomos em torno de Arthur Stanley Eddington mediram o deslocamento das estrelas que apareceram no céu escuro ao lado do sol totalmente eclipsado. Na realidade, o resultado correspondeu com muita precisão ao que Albert Einstein previra há menos de quatro anos em sua Teoria Geral da Relatividade. "Revolution in Science" foi a manchete do London Times de novembro de 1919. Qual foi o motivo dessa euforia? Como surgiu a confirmação de uma nova visão científica do mundo?












Em 25 de novembro de 1915, Albert Einstein publicou um artigo de apenas três páginas e, com isso, deu os últimos retoques a uma construção de idéias que viam a gravidade sob uma nova luz. Em sua Teoria da Relatividade Especial, que ele havia desenvolvido dez anos antes, o físico de 26 anos descobriu que o comprimento medido de um objeto e a duração de um processo dependem de como o observador se movimenta em relação ao evento. Além disso, Einstein postulou, como conseqüência disso, a equivalência de massa e energia: cada uma pode ser convertida na outra.
 
A Teoria Especial da Relatividade aplica-se apenas a sistemas que estão em movimento uniforme. Einstein agora expandiu seus pensamentos para o movimento acelerado e incluiu a gravitação. Ele combinou espaço e tempo com um espaço-tempo curvo quadridimensional e concluiu que a gravidade determina a geometria desse espaço-tempo.

(…) Seis meses antes do eclipse solar total , os astrónomos tiraram fotografias da região no céu onde o Sol escurecido seria observado em 29 de maio de 1919. Acontece que foi um golpe de sorte que o Sol estivesse então brilhando intensamente. aglomerado de estrelas conhecido como Hyades e as estrelas individuais devem ser claramente visíveis perto do Sol. Os cientistas foram, no entanto, confrontados com uma tarefa difícil. 

Os 1,75 segundos de arco calculados aplicam-se apenas ao caso em que a estrela está diretamente na periferia do Sol. A uma distância de dois raios solares, o ângulo encolhe para 0,6 segundo. Mesmo um deslocamento de um segundo de arco é imaginado na chapa fotográfica de vidro como uma distância de apenas 0,026 milímetros pelo telescópio usado pela expedição na ilha de Príncipe! Além disso, a sempre presente turbulência do ar distorce a imagem da estrela, e a refração na atmosfera também desempenha seu papel. 

Em 8 de março de 1919, duas expedições partiam da Inglaterra, uma destinada à ilha do Príncipe e a outra a Sobral. Arthur Eddington, o famoso cientista e secretário da Royal Astronomical Society, coordenou as duas equipes: o próprio Eddington montou seu acampamento em uma plantação de cocos no Príncipe no dia do eclipse - e de manhã cedo começaram a cair fortes chuvas. Foi só ao meio-dia, durante o eclipse, que as nuvens se separaram repetidamente por alguns segundos. Os astrônomos tiraram 16 fotografias, das quais apenas duas eram utilizáveis. Os pesquisadores da equipe de Andrew Crommelin em Sobral tiveram mais sorte; eles conseguiram tirar oito fotografias adequadas. 

De volta à Inglaterra, Eddington avaliou as placas e anunciou o resultado preliminar em uma reunião em Bournemouth no início de setembro de 1919. Em 6 de novembro, Crommelin apresentou o resultado final em uma reunião conjunta da Royal Society and Royal Astronomical Society: o desvio em a periferia do sol equivalia a 1,98 +/- 0,18 segundos de arco para um telescópio e 1,60 +/- 0,31 segundos de arco para o outro.
Como as dúvidas haviam sido repetidamente expressas sobre a exatidão desses valores, as chapas fotográficas de Eddington foram re-medidas com instrumentos modernos em 1979 no Royal Greenwich Observatory. O resultado: 1,90 +/- 0,11 segundos de arco. A Teoria Geral da Relatividade passou seu primeiro teste com cores voadores!
 
Em 7 de novembro de 1919, o London Times intitulou um de seus artigos "Revolução na Ciência: Nova Teoria do Universo. Ideias Newtonianas Derrubadas". E o New York Times também escreveu em sua primeira página de 10 de novembro: "ilumina todos os mortos no céu". Em contraste com a recepção entusiasmada mostrada pela imprensa estrangeira, a mídia na Alemanha era mais reticente no assunto. Só em 14 de dezembro de 1919 o Berliner Illustrierte Zeitung publicou uma foto de Einstein e um artigo intitulado: "Um novo luminar para a história do mundo: Albert Einstein, cuja pesquisa significa uma revolução total na maneira como vemos o mundo e cujas descobertas são iguais aos de um Copernicus, Kepler e Newton ".
 
O físico, que se tornou famoso da noite para o dia, achou o barulho de sua pessoa irritante. Dizia-se que ele sonhava com um carteiro que, na forma de um diabo, constantemente lhe trazia novas cartas, embora ainda não tivesse respondido às primeiras. E ele escreveu para seu colega Max Born: "É tão horrível aqui que mal posso respirar, quanto mais fazer qualquer trabalho adequado".   https://phys.org/news/2015-05-solar-eclipse-physics.html


"A nossa visita a Príncipe foi recebida com grande entusiasmo e interesse. Durante toda a nossa estada, nossos anfitriões repetidamente sugeriram que eventos semelhantes acontecessem regularmente e com mais frequência. Os governos regional e nacional estão empenhados em estabelecer workshops anuais para professores e alunos, ou um centro permanente no Príncipe para celebrar a experiência. Alguns dos parceiros diplomáticos internacionais de STP também mostraram interesse em apoiar financeiramente os empreendimentos. É claro que a viagem de Eddington a Príncipe é reconhecida como uma parte importante do património cultural santomense e pode ser uma âncora para iniciativas através das quais a população destas ilhas remotas pode, no futuro, participar no conhecimento científico e na descoberta. 

O primeiro experimento para confirmar observacionalmente a Teoria Geral da Relatividade de Einstein foi realizado em maio de 1919, em uma expedição da Royal Astronomical Society para observar um eclipse solar total. Sir Arthur Eddington viajou para Príncipe, uma pequena ilha na costa oeste da África, e enviou outra equipe para Sobral, Brasil, de onde o eclipse também seria visível. Este ano, em uma nova expedição financiada pelo RAS, organizada para o Ano Internacional da Astronomia, voltamos a Príncipe para celebrar este experimento-chave que abalou as fundações da ciência do século XX.

Desde 1687, a lei da gravidade de Sir Isaac Newton foi a força motriz da mecânica celeste. A gravidade newtoniana poderia ser usada para explicar os movimentos de uma série de corpos celestes e os céus eram confiáveis ​​e previsíveis. Havia uma pequena discrepância: medições precisas da órbita de Mercúrio não se ajustavam ao paradigma newtoniano. Observou-se que Mercúrio precessava ao redor do Sol um pouco depressa demais, por um grau extra a cada 8400 anos. No final do século XIX, tentativas de explicar a anomalia com soluções clássicas, como luas invisíveis ou poeira interplanetária, haviam fracassado.

Nova ideia de Einstein 

Novas teorias foram sugeridas em que a gravidade, ao invés de agir instantaneamente, é transmitida apenas à velocidade da luz. A mais elegante delas foi a Teoria Geral da Relatividade de Einstein. Einstein propôs que o tecido do espaço e do tempo é deformado, e que a velocidade com que essas urdiduras podem se propagar é limitada. A precessão de Mercúrio pode então ser explicada: ele está sempre sendo atraído para o lugar onde o Sol estava três minutos antes. O espaço-tempo distorcido em torno dos corpos massivos implica que os raios de luz que passam devem ser desviados. Argumentos podem ser feitos para a deflexão gravitacional da luz, tratando-a como corpuscular dentro da teoria newtoniana; no entanto, se o espaço e o tempo são distorcidos, Einstein calculou que a deflexão deveria ser exatamente o dobro da prevista na teoria newtoniana. Foi rapidamente percebido que o Sol era o único corpo local com massa suficiente para produzir uma deflexão mensurável e, embora as estrelas próximas do Sol não sejam normalmente visíveis, elas seriam durante um eclipse solar total. 

Einstein tentou convencer os observadores a medir a deflexão gravitacional. Ele encontrou um colega entusiasta em Erwin Findlay-Freundlich, cuja expedição à Rússia em agosto de 1914 foi destruída pelo início da guerra no próprio mês do eclipse solar: como cidadão alemão na Rússia, ele foi preso. William Campbell, diretor do Observatório Lick, também teve azar em suas tentativas. Ele perdeu o eclipse de 1914 e outro em junho de 1918 no estado de Washington devido à nuvem espessa. Em retrospecto, foi muito bom para Einstein que ninguém entre 1911 e 1918 tenha encontrado céus sem nuvens; Um cálculo incorreto em seus primeiros trabalhos significava que sua teoria teria sido refutada. Einstein refinou seus cálculos durante a guerra e previu que as estrelas no limiar do Sol pareceriam se mover a 1,7 segundos de arco de suas verdadeiras posições. 

Foi Sir Frank Dyson, o astrónomo real, quem reconheceu a oportunidade única do eclipse de 1919. O Sol estaria em frente ao rico aglomerado de estrelas Hyades, a mais densa população de estrelas brilhantes no plano da eclíptica. Estes forneceriam muitas fontes de fundo para medir uma deflexão. No entanto, Eddington se tornou a força motriz por trás da expedição porque ele foi pessoalmente inspirado pelo significado da teoria de Einstein. O RAS organizou duas equipas paralelas: Eddington e Edwin Cottingham para a plantação de cacau em Roça Sundy, Príncipe; e Andrew Crommelin e Charles Davidson para Sobral, no nordeste do Brasil.
 
No momento da expedição de Eddington, o Príncipe fazia parte do território colonial português, e correspondências recentemente descobertas na Sociedade Geográfica de Lisboa revelam que o RAS já havia começado a pedir mapas e permissão para visitar a ilha durante a guerra. O eclipse seria visível em toda a América do Sul e África, mas era importante estar o mais próximo possível do ponto sub-solar, onde a rotação da Terra mantém os observadores na sombra da Lua por mais tempo, estendendo assim a janela de observação. 

Eddington observou o aglomerado de estrelas Hyades de Oxford durante a noite em janeiro e fevereiro de 1919. Em maio, nuvens pesadas no Príncipe desapareceram a tempo para o eclipse e, durante os seis minutos e meio da totalidade, Eddington tirou fotos de comparação. : as estrelas foram deslocadas pela deflexão completa de Einstein. O resultado foi anunciado ao mundo em jornais e depois nas Transações Filosóficas da Royal Society . Ajudou a reunir um mundo dilacerado pela guerra. Como JP McEvoy escreveu em Eclipse: “Uma nova teoria do universo, fruto da imaginação de um judeu alemão trabalhando em Berlim, foi confirmada por um quaker inglês em uma pequena ilha africana.” Eddington considerou sua verificação da deflexão, que ele vislumbrou via uma análise preliminar de suas placas ainda no Príncipe, o maior momento de sua vida.

Mau tempo
Enquanto alguns historiadores sugerem que a fé de Eddington na Teoria Geral da Relatividade pode tê-lo cegado para evidências contrárias, uma recente análise de D Kennefick dissipou essa noção. A base da controvérsia era que a nuvem parcial remanescente no Príncipe permitia que apenas duas placas astrográficas de sucesso fossem tomadas, com cinco estrelas em cada uma; a deflexão resultante foi de 1,61 ± 0,30 segundos de arco, enquanto Einstein previu 1,75 segundos de arco. Em contraste, várias placas tomadas com um astrógrafo em Sobral, com 12 estrelas em cada, geraram uma deflexão de apenas 0,93 segundos de arco. 

Já foi alegado que Eddington dispensou alguns dos dados de Sobral sem um bom motivo. No entanto, as placas de Sobral estavam fora de foco, levando a uma grande incerteza na solução da placa. Um telescópio independente de Sobral com uma lente de 4 polegadas deu uma deflexão de 1,90 ± 0,11 segundos de arco, consistente com a deflexão observada no Príncipe. E foi de fato Dyson quem inicialmente rejeitou os resultados do astrógrafo de Sobral, não de Eddington. Em 1979, uma reanálise das placas de Sobral utilizando equipamentos modernos mediu uma deflexão de 1,55 ± 0,32 segundos de arco. A expedição foi a primeira a confirmar satisfatoriamente a previsão de Einstein, e as observações de Eddington de Príncipe foram um componente-chave desse processo. 
Controvérsia cacau
Os portugueses descobriram as ilhas desabitadas de São Tomé e Príncipe na década de 1470. Eles introduziram vastas plantações de cana-de-açúcar, seguidas depois por café e cacau. A economia intensiva de plantações foi inicialmente possibilitada pelo trabalho escravo e, a partir do século XIX, pelos chamados trabalhadores contratados e contratados, vindos principalmente de Angola e Cabo Verde. Esses trabalhadores provocaram uma breve polémica entre ingleses e ingleses alguns anos antes da visita de Eddington. 
(...)
O legado de Einstein e Eddington 

A teoria de Einstein e o experimento de Eddington transformaram a paisagem da física e da astronomia. A Teoria Geral da Relatividade estabeleceu, pela primeira vez, um arcabouço matemático no qual era possível rastrear, através de cálculos, a evolução do universo como um todo. A cosmologia do Big Bang provou ser um enorme sucesso na previsão da estrutura geral do universo e muitos detalhes mais sutis. Por exemplo, ele prevê que o universo está se expandindo e que as galáxias distantes estão se afastando de nós a uma velocidade que é aproximadamente proporcional à distância delas. Isto foi amplamente confirmado por medidas redshift ao longo do século XX. O universo do Big Bang era mais quente e denso no passado, e agora vimos excelentes evidências para a bola de fogo primordial no pano de fundo das microondas cósmicas. É no forno cósmico do estado inicialmente quente e denso que acreditamos que os primeiros elementos leves foram forjados, em abundância, novamente compatíveis com as medições modernas. 

Embora até Einstein não tenha visto nenhum uso prático para as lentes gravitacionais, como a curvatura da luz pela massa tornou-se conhecida, o fenômeno emergiu como uma das mais poderosas sondas do cosmos. As lentes gravitacionais funcionam efetivamente como lentes de vidro, focalizando e ampliando a luz - mas em uma escala cósmica. Eles nos permitem ver objetos de outra maneira muito distantes ou muito fracos até mesmo para os maiores telescópios da Terra. A assinatura de lentes também pode ser observada em torno de qualquer concentração de massa próxima, independentemente de o material estar brilhando. 

(,,,)
Nossa expedição 

Príncipe hoje é uma região autónoma do microestado de São Tomé e Príncipe (STP), que com seus cerca de 170 mil habitantes é o segundo menor país africano. Desde a independência em 1975, STP passou por uma fase do socialismo de Estado, seguida, a partir do início da década de 1990, por um processo de abertura política, democratização e privatização de terras e propriedades anteriormente detidas pelo Estado. Sua principal exportação ainda é o cacau, mas a produção atual é apenas uma pequena fração do que já foi extraído das ilhas pelos colonizadores portugueses. Experimentos estão sendo feitos para a produção de cacau e especiarias orgânicos para revitalizar um setor agrícola atualmente voltado principalmente para a subsistência e não para a exportação. 

Dada a ausência de indústrias maiores e o contínuo isolamento de STP, o turismo é o caminho mais promissor para o desenvolvimento econômico e social. As ilhas são famosas por suas exuberantes florestas tropicais, praias isoladas e biodiversidade; esforços estão sendo feitos para desenvolver tanto o convencional quanto o ecoturismo. 

O interesse no pequeno estado insular também cresceu nos últimos anos devido ao anúncio de potenciais recursos petrolíferos offshore, que ainda aguardam exploração. Uma sofisticada lei de gestão de receitas petrolíferas, campanhas de informação pública e medidas similares estão sendo projetadas para reduzir as expectativas dos santomenses quanto à riqueza rápida e fácil. Quer o petróleo de STP seja ou não explorado no futuro, de importância primordial será a introdução e diversificação de medidas econômicas sustentáveis ​​para ajudar o país a sair da pobreza. 

Foi neste contexto que a ideia de celebrar a observação do eclipse foi levantada pela primeira vez por uma de nós, Gisa Weszkalnys, que trabalhou como antropóloga social em STP, numa conversa com o presidente regional em 2007. Discutimos o que poderia ser feito melhorar a situação dos quase 6000 habitantes do Príncipe, que se encontram consideravelmente desfavorecidos. Tudo, exceto os alimentos básicos, tem que ser importado, mas não há porto. Apenas um pequeno avião e algumas naves irregulares conectam Príncipe à sua maior ilha gêmea. Há um pequeno hospital, um punhado de escolas e muito poucas oportunidades para os jovens encontrarem emprego. Em colaboração com Richard Ellis, um plano foi desenvolvido para instalar uma placa informativa que beneficia tanto moradores quanto turistas na plantação de Roça Sundy, onde Eddington fez suas observações. O 90º aniversário da expedição coincidiu com o Ano Internacional da Astronomia de 2009, e Richard e Gisa garantiram o status de “Projeto Especial” da União Astronómica Internacional. Durante uma visita de escotismo a Príncipe em setembro de 2008, foram recebidos pelo Presidente da República, Fradique de Menezes, que ofereceu apoio total ao projeto. A ajuda logística foi fornecida pelo empreendedor holandês de ecoturismo Rombout Swanborn, que opera resorts em ambas as ilhas. 

No Reino Unido, Richard e Gisa se uniram a Pedro G Ferreira e Richard Massey e garantiram os fundos necessários do RAS e da IAU para prosseguir com os eventos de maio de 2009. Richard Massey projetou e supervisionou a construção da placa; Pedro coordenou os planos com uma equipa paralela organizada pela Sociedade Geográfica de Lisboa, sob o comando da antropóloga social portuguesa Sónia Frias.
Celebrações
As comemorações oficiais começaram em 22 de maio em Lisboa, com Pedro dando uma palestra sobre o legado das medições de Eddington. A palestra contou com a participação de dignitários e cidadãos santomense e portugueses, astrônomos, antropólogos e jornalistas. O Ministro da Ciência português encerrou as cerimônias do dia, discutindo a relevância contemporânea da Teoria Geral da Relatividade de Einstein. Naquela noite, Gisa, Richard M e Pedro, juntamente com representantes da Sociedade Geográfica de Lisboa, viajaram para São Tomé para uma semana de celebrações. Durante toda a nossa estadia, fomos acomodados no Omali Lodge de Rombout Swanborn (em São Tomé) e no Bom Bom Resort (em Príncipe). 
A semana em STP foi recheada de uma série de palestras populares sobre Eddington e astronomia. Uma palestra no Centro Cultural Português no centro de São Tomé foi animada, e o público - composto principalmente por acadêmicos, jornalistas e membros do governo - estava comprometido e inquisitivo. Esta atmosfera foi ecoada no Instituto Superior Politécnico, o instituto público de ensino superior da ilha, onde uma multidão considerável de estudantes compareceu para participar de uma palestra sobre astronomia amadora. Projetamos uma série de pôsteres sobre as medidas de Eddington, lentes gravitacionais e astronomia em geral, que permanecerão em exibição no laboratório de física do instituto. 

As palestras públicas foram complementadas por recepções em várias embaixadas e entrevistas com a rádio local, jornais, a filial africana da televisão pública portuguesa e a BBC Online e World Service. Ficou claro em nossas conversas com os santomenses durante a semana da viagem, que Eddington e Einstein rapidamente se tornaram um tópico popular de conversação em São Tomé. 

Uma campanha educativa organizada pelo Ministério da Educação Santomense, que visitou as escolas locais no período que antecedeu o evento, foi indispensável para preparar o terreno e aumentar a conscientização. 

A expedição beneficiou tremendamente de múltiplas colaborações. Durante a nossa estadia em São Tomé, três membros da ONG Cientistas do Mundo viajaram para o Príncipe e ao longo da semana organizaram workshops com os professores e crianças na única escola secundária da ilha. As crianças se engajaram entusiasticamente nas várias sessões, aprendendo sobre física moderna e astronomia pela primeira vez. Os professores viram a visita como uma oportunidade para acessar material novo e interessante para engajar seus alunos. A ligação única que o Príncipe tem com este importante evento científico provou ser uma verdadeira fonte de excitação. 

Na manhã de 28 de maio, fomos levados de avião para Príncipe em um pequeno avião Dornier para nos encontrarmos com nossos anfitriões, o presidente regional José Cassandra e membros do governo Príncipe. Naquela tarde, fizemos duas palestras públicas, após as quais fomos convidados para jantar na plantação Sundy, onde os moradores locais comemoraram nossa chegada. No meio da percussão, cantando e dançando, tiramos alguns telescópios e observamos o claro céu noturno com crianças entusiasmadas, jovens e adultos, e depois comemos uma deliciosa refeição de pratos tradicionais no refeitório do prédio central da antiga plantação, organizada pelo Presidente Cassandra. 

“Está claro que a viagem de Eddington ao Príncipe é reconhecida como uma parte importante do patrimônio cultural santomense”.

A celebração formal começou em 29 de maio nos correios da ilha: uma nova edição de selos comemorativos da visita de Eddington esgotou em uma hora. A peça central das celebrações ocorreu então no pátio da Sundy Plantation, onde o presidente José Cassandra revelou a placa. A comunidade local acabou em massa, e vários vôos foram fretados para voar em mais diplomatas, ministros do governo, funcionários públicos, acadêmicos e jornalistas. Quase 100 pessoas participaram dos discursos e palestras subsequentes, entre outros, do Ministro da Educação de Santana, Presidente Cassandra e Pedro, representando o RAS e a IAU. Os eventos formais foram seguidos de um almoço com entretenimento ao ar livre, uma sessão de dança e da dêxa , uma forma tradicional de música da ilha. Naquela tarde, voamos de volta a São Tomé e na manhã seguinte retornamos à Europa.


(...) A nossa visita a Príncipe foi recebida com grande entusiasmo e interesse. Durante toda a nossa estada, nossos anfitriões repetidamente sugeriram que eventos semelhantes acontecessem regularmente e com mais frequência. Os governos regional e nacional estão empenhados em estabelecer workshops anuais para professores e alunos, ou um centro permanente no Príncipe para celebrar a experiência. Alguns dos parceiros diplomáticos internacionais de STP também mostraram interesse em apoiar financeiramente os empreendimentos. É claro que a viagem de Eddington a Príncipe é reconhecida como uma parte importante do património cultural santomense e pode ser uma âncora para iniciativas através das quais a população destas ilhas remotas pode, no futuro, participar no conhecimento científico e na descoberta. 

Richard Ellis, Pedro G Ferreira, Richard Massey e Gisa Weszkalnys regressam a Príncipe no Ano Internacional da Astronomia para celebrar a expedição de 1919 do RAS liderada por Sir Arthur Eddington.
Sociedade Astronômica Real
1,897 visualizações


Nenhum comentário :