expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sexta-feira, 5 de abril de 2019

Sr. Patrice Emery Trovoada, onde estão os 17 milhões que recebeu de Sua Alteza Sheikh Sabah Al-Ahmed Al-Jaber Al-Sabah, o emir do Estado do Kuwait ou as obras para ajudar no financiamento da Construção do Projeto do Hospital Central Dr. Ayres de Menezes? – Que obras fez? Onde meteu a guita?!... TEMOS A PROVA FOTOGRÁFICA E DOCUMENTAL E OS TERMOS DO ACORDO DOS 17 MILHÕES DISPONIBILIZADOS PELO FUNDO KUWAIT - Ex-Primeiro-Ministro diz que as diligências do MP são “politicamente motivadas – Por sua vez, o PGR , reage agora em sintonia com o seu ex-patrão, depois de ter ordenado as diligências..

Jorge Trabulo Marques - Jornalista - Informação e análise





Desculpe lá o mau jeito...
PATRICE TROVOADA MENTIU AO DAR ESTA NOTICIA - O ENTÃO PRIMEIRO-MINISTRO DE STP ANUNCIOU,  EM 5 DE MAIO DE 2016, O FUNDO KUWAITIANO DE 17MILHÕES DE DÓLARES  POIS O ACORDO SÓ FOI ASSINADO EM NOVEMBRO E EM MALABO - -

PATRICE TROVOADA MENTIU AO DAR ESTA NOTICIA - O  ENTÃO PRIMEIRO-MINISTRO DE STP ANUNCIOU,  EM 5 DE MAIO DE 2016, O FUNDO KUWAITIANO DE 17MILHÕES DE DÓLARES  - Para a requalificação, modernização e equipamento do principal hospital de São Tomé, que o governo quer tornar em "referência na sub-região africana", disse hoje o primeiro-ministro são-tomense.

Patrice Trovoada, declarava, deslocar-se  hoje para uma visita de trabalho de três dias às ilhas Maurícias e Djibuti e momento antes de viajar disse que a cooperação com o fundo koweitiano "vai permitir a mudança de paradigma e de uma série de serviços a nível do Hospital Ayres de Menezes incluído o serviço de hemodialise".
No final da tarde de quarta-feira os dois países assinaram um acordo de financiamento no valor de 17 milhões de dólares (14,8 milhões de euros) para esse efeito.
"O que é preciso é que as coisas corram bem: na execução do projeto, no relacionamento com o financiador e toda a credibilidade do sistema", acrescentou Patrice Trovoada.
As obras de requalificação do hospital central de São Tomé, o principal do país deverão iniciar já em julho, altura em que a verba estará à disposição das autoridades são-tomenses.
O chefe do governo considera esse investimento no setor da saúde como "uma boa noticia para os são-tomenses", e aproveitou a ocasião para anunciar também o desbloqueamento de cerca de 25 milhões de dólares (21,8 milhões de euros) pelo Banco Europeu de Investimento (BEI) para investimento no setor energético que atravessa atualmente uma grave crise com cortes de energia elétrica sucessivas e demoradas.
Patrice Trovoada, que vai às Ilhas Maurícias e Djibuti acompanhado do ministro das finanças e administração pública, Américo Ramos e do presidente do Governo Regional, José Cassandra, sublinhou que essa visita visa avançar num acordo com as Ilhas Maurícias nas áreas da formação profissional, turismo, serviços financeiros e pescas.

O ACORDO FOI ASSINADO EM  22 DE NOVEMBRO, 2016  EM MALABO  A nossa pesquisa localizou-o e traduzi-o   O acordo existe foi assinado por Sua Excelência o Exmo. Américo de Oliveira Ramos, Ministro das Finanças e Assuntos Econômicos, e em nome do Fundo do Kuwait para o Desenvolvimento Econômico Árabe, por Sua Excelência o Senhor Shaikh Sabah Khaled Al Hamad Al Sabah, Primeiro Vice-Primeiro Ministro e Ministro das Relações Exteriores, em atendimento a Sua Excelência Anas Khaled Al Saleh, vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças – 

O ACORDO FOI ASSINADO EM MALABO, GUINÉ EQUATORIAL,  NO DIA 22 DE NOVEMBRO DE 2016
Assinatura de um Acordo de Empréstimo para o Financiamento do Projeto do Hospital Central Dr. Ayres de Menezes na República Democrática de São Tomé e Príncipe

22/11/2016 Por ocasião da  Cimeira África-Árabe "em Malabo, na Guiné Equatorial, em 21 e 24 de Novembro de 2016, foi assinado um Acordo de Empréstimo entre o Governo da República Democrática de São Tomé e Príncipe e o Fundo do Kuwait para o Desenvolvimento Económico Árabe, a presença graciosa de Sua Alteza o Xeque Sabah Al-Ahmed Al-Jaber Al-Sabah, o emir do Estado do Kuwait, por meio do qual o Fundo fará um empréstimo no valor de cinco milhões de Dinares do Kuwait (KD 5.000.000 / -), equivalente a US $ 17 milhões, para a República Democrática de São Tomé e Príncipe, para ajudar no financiamento da Construção do Projeto do Hospital Central Dr. Ayres de Menezes. Vale ressaltar que o Fundo depende exclusivamente de seus próprios recursos para prover seus empréstimos e assistência ao desenvolvimento.
O empréstimo foi feito em virtude de uma iniciativa de Sua Alteza Sheikh Sabah Al-Ahmed Al-Jaber Al-Sabah, o emir do Estado do Kuwait, anunciado na  Cúpula África-Árabe, realizada no Kuwait, no período de 19 a 20 de novembro. 2013 para concessão de empréstimos concessionários aos países africanos no montante de um bilhão de dólares americanos distribuídos pelos cinco anos seguintes para o financiamento de projetos de desenvolvimento nos países africanos.

O Acordo de Empréstimo foi assinado em nome da República Democrática de São Tomé e Príncipe por Sua Excelência o Exmo. Américo de Oliveira Ramos, Ministro das Finanças e Assuntos Econômicos, e em nome do Fundo do Kuwait para o Desenvolvimento Econômico Árabe, por Sua Excelência o Senhor Shaikh Sabah Khaled Al Hamad Al Sabah, Primeiro Vice-Primeiro Ministro e Ministro das Relações Exteriores, em atendimento a Sua Excelência Anas Khaled Al Saleh, vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças.
O projecto visa apoiar o desenvolvimento do sector da saúde de São Tomé e Príncipe, satisfazendo o aumento da procura de serviços de saúde, melhorando a sua qualidade e assegurando serviços hospitalares e cobertura de saúde em São Tomé e Príncipe. O Projeto fornecerá infraestrutura adequada e instalações técnicas, além de atender às necessidades de modernos equipamentos médicos e serviços especializados de atendimento diagnóstico e terapêutico, com o objetivo de reduzir a morbidade e a mortalidade. Assim, contribuindo para a melhoria do estado de saúde das populações, o que terá impacto positivo nos indicadores socioeconômicos do país. O projeto compreende a construção e o equipamento do Hospital Central Dr. Ayres De Menezes

O projeto inclui as obras civis: compreende todas as obras de construção civil e obras de engenharia eletromecânica necessárias para reabilitar dois edifícios existentes (o edifício principal e UTI, operação e banco de sangue) e para construir um novo com a conexão entre eles trazendo o total camas no novo desenvolvimento em cerca de 132 camas, a reabilitação da cozinha do hospital, várias instalações de serviço, estacionamento e paisagismo. E a aquisição e instalação de equipamentos médicos e auxiliares para atendimento laboratorial, pronto-socorro, banco de sangue, UTI, Ortopedia, ambulatório, fisioterapia, telemedicina, imagem, otorrinolaringologia, oftalmologia, cardiologia, hemodiálise, arquivo e departamento de TIC, que serão proporcionais os serviços especializados previstos. O projeto também inclui, a provisão de duas ambulâncias, geradores e incineradores e fornecimento de mobiliário para os referidos edifícios. Programa de treinamento para médicos especializados e equipe técnica médica e Serviços de Consultoria: para (a) a preparação do projeto detalhado, especificação técnica e documentos contratuais das obras necessárias e equipamentos médicos; (b) preparação de documentos de licitação e assistência na avaliação de licitação e serviços de licitação; (c) supervisão da implementação do Projeto, incluindo a instalação do equipamento. 
O projeto está previsto para começar no quarto trimestre de 2016 e estar concluído até o final de 2019. especificações técnicas e documentos contratuais das obras de construção e equipamentos médicos necessários; (b) preparação de documentos de licitação e assistência na avaliação de licitação e serviços de licitação; (c) supervisão da implementação do Projeto, incluindo a instalação do equipamento. O projeto está previsto para começar no quarto trimestre de 2016 e estar concluído até o final de 2019. especificações técnicas e documentos contratuais das obras de construção e equipamentos médicos necessários; (b) preparação de documentos de licitação e assistência na avaliação de licitação e serviços de licitação; (c) supervisão da implementação do Projeto, incluindo a instalação do equipamento. O projeto está previsto para começar no quarto trimestre de 2016 e estar concluído até o final de 2019.
O custo total do Projecto é estimado em cerca de 425,6 mil milhões de DOBRA, equivalente a cerca de 5,6 milhões de KD, dos quais cerca de KD 4,7 milhões serão em moeda estrangeira e representando cerca de 84% do custo total do Projecto. O empréstimo concedido pelo Fundo cobrirá cerca de 89% do custo total do projeto, enquanto o saldo será coberto pelo governo de São Tomé e Príncipe.
 O empréstimo vence ao longo de um período de 24 anos, incluindo 4 anos de carência, e será amortizado em 40 parcelas semestrais, a primeira das quais serão devidos em 1 stdata em que quaisquer juros ou outro encargo para o empréstimo cairá devido após o decurso do período de carência acima mencionado. O empréstimo tem uma taxa de juros de 1% ao ano, além de 0,5% ao ano para cobrir custos administrativos e outras despesas incorridas na implementação do Acordo de Empréstimo.
Vale a pena mencionar que, ao prolongar este empréstimo, o Fundo e a República Democrática de São Tomé e Príncipe marcam o início da sua cooperação para o desenvolvimento.  https://www.kuwait-fund.org/en/web/kfund/current-news-events/-/asset_publisher/8Vn82dPrFd8B/content/signing-of-a-loan-agreement-for-the-financing-of-dr-ayres-de-menezes-central-hospital-project-in-the-democratic-republic-of-sao-tome-and-principe


República de São Tomé e Príncipe
Projeto do Hospital Central Dr. Ayres de Menezes
Mutuário: República de São Tomé e Príncipe
Montante do empréstimo: 5 milhões de KD
Taxa de Juros: 1,5% aa
Período de Empréstimo: 24 anos
Período de Carência: 4 anos
Reembolso de Empréstimo: 40 parcelas semestrais
Elemento do subsídio: 58.63%
Objetivos do Projeto:
O projecto visa apoiar o desenvolvimento do sector da saúde de São Tomé e Príncipe, reunindo
aumento da demanda por serviços de saúde
cobertura de saúde em São Tomé e Príncipe. O Projeto fornecerá infra-estrutura adequada
instalações médicas, equipamentos médicos e equipamentos médicos
e serviços de cuidados terapêuticos, com o objetivo de reduzir a morbimortalidade. Assim, contribuindo para o
melhoria do estado de saúde da população, o que terá um impacto positivo na saúde do país.
indicadores socioeconômicos. O Projeto incluindo a construção e equipamento do Dr. Ayres De Menezes
Hospital Central.
Componentes do Projeto:
O projeto inclui as obras civis: eletromecânica
obras de engenharia necessárias para reabilitar dois edifícios existentes
e banco de sangue) e construir um novo com a conexão entre eles e o total de leitos
Camas de hospital, a reabilitação da cozinha do hospital, serviço múltiplo
instalações, estacionamento e paisagismo. E a aquisição e instalação de médicos e auxiliares
UTI, ortopedia, ambulatório, pronto-socorro, banco de sangue, UTI
fisioterapia, telemedicina, imagem, otorrinolaringologia, oftalmologia, cardiologia, hemodiálise,
departamento de arquivo e TIC, que será proporcional aos serviços especializados previstos. O projeto
inclui também o fornecimento de ambulâncias, geradores e incineradores
os ditos edifícios. Programa de treinamento para profissionais médicos e equipe técnica médica
Serviços: para (a) a preparação do projeto detalhado, especificação técnica e documentos contratuais
das obras de construção necessárias e equipamentos médicos; b) Preparação de documentos do concurso
assessoria na licitação e serviços de compras; (c) supervisão da implementação do Projeto,
incluindo a instalação do equipamento. O projeto está previsto para começar durante o quarto trimestre de 2016
e a concluir até ao final de 2019.

Custo do Projeto:
O custo total do projeto é estimado em 425,6 bilhões de Dobra, equivalente a cerca de KD 5,6
milhões, dos quais cerca de 4,7 milhões de KD e 84% da
custo total do projeto. O empréstimo concedido pelo Fundo cobrirá 89% do custo total do Projeto, enquanto
São Tomé e Príncipe.
Guardado


O GOVERNO DE JORGE BOM JESUS TEM DE OBRIGAR O FORAGIDO A EXPLICAR ONDE METEU A GUITA



O comunicado de Jorge Bom Jesus  explica, claramente, que foi o executivo quem moveu uma queixa junto a Polícia Judiciária contra o ex-ministro das Finanças e Economia Azul. O Governo diz que a queixa apresentada contra Américo Ramos tem a ver com dois casos de alegada corrupção financeira, nomeadamente o crédito de 30 milhões de dólares contraído em nome do Estado são-tomense junto a empresa “China International Fund” e também o crédito de 17 milhões de dólares que Américo Ramos assinou com o fundo kwaitiano, cujo valor nunca entrou em São Tomé e Príncipe.

«Desconhecendo até o momento a utilização desses empréstimos, foi o governo surpreendido com uma carta do fundo kwaitiano, reclamando o pagamento de juros, por desembolso do empréstimo já efectuado no valor de 246 mil dólares norte americanos»

O Governo acrescentou ainda que «não tendo em seu poder qualquer documentação que comprove o paradeiro dos 20 milhões de dólares em falta do empréstimo»,  contraído com a empresa “China International Fund”.

E por outro lado «desconhecendo a quem terá sido pago o montante já desembolsado do empréstimo Kwaitiano, o actual governo procedeu a uma vasta recolha de informações que o levaram a concluir estar na presença de indícios bastante fortes que podem constituir graves crimes económicos previstos e punidos pela nossa legislação penal e outras legislações de combate à prática de crimes económicos e financeiros».

O Governo diz que com base na lei apresentou tais denúncias a Polícia Judiciária, que também com base na lei, deu início às investigações que culminaram com a detenção do ex-ministro das Finanças e actualmente assessor económico e financeiro do Presidente da República Evaristo Carvalho.





PATRICE TROVOADA ESCAPOU-SE E ABANDONOU ATÉ OS  SEUS MAIS FIEIS  SERVOS À SUA SORTE -  DIFICILMENTE VOLTARÁ A DISPOR DAS OPORTUNIDADES POLITICAS QUE JÁ TEVE  MAS  É DEMASIADO AMBICIOSO, EXPERIENTE E MALICIOSO PARA SE DEIXAR ENTALAR - MAS TÃO DEPRESSA PODERÁ FAZER OUTRO GIRO  DE REGRESSO E MEIA VOLTA - SENÃO O DE SER POSTO ATRÁS DAS GRADES

Américo Ramos
Carlos Vila Nova
Mas vamos à questão principal:
 O ex-ministro das Finanças Américo Ramos,  ouvido na quinta feira pelo juiz de instrução do Tribunal da Primeira Instância,  decretou a sua prisão preventiva  Por sua vez,  o ex-ministro das Obras Públicas, Recursos Naturais e Ambiente, Carlos Vila Nova  interpelado na noite de quinta – feira pela Polícia Judiciária no aeroporto internacional de São Tomé, quando se preparava para deixar o país no voo da TAP, já não pode seguir viagem para Lisboa  -   Diz o Téla Nón. 

 COITADINHIO DO DESGAÇADINHO MISTERIOSO EMPRESÁRIO


Eis que, entretanto, depois das diligências ordenadas pelo MP, aí temos o antigo PM são-tomense a vociferar  que as diligências sobre ex-ministros são "politicamente motivadas 

À  LUSA, vem declarar que   a detenção e a audição pela Polícia Judiciária de dois ex-ministros do seu executivo são "politicamente motivadas e à margem da lei".
Na quarta-feira, a Polícia Judiciária (PJ) deteve Américo Ramos, antigo ministro das Finanças do Governo liderado por Patrice Trovoada, que ficou em prisão preventiva após ter sido presente ao tribunal de primeira instância, e na quinta-feira, esta polícia impediu o ex-ministro das Obras Públicas Carlos Vila Nova de viajar para Portugal e convocou-o para ser ouvido hoje de manhã nas instalações da PJ.
"Estamos na presença de uma operação politicamente motivada e à margem da lei", disse à Lusa Patrice Trovoada, que se encontra ausente de São Tomé e Príncipe.

O Governo são-tomense afirmou na quinta-feira que fez uma queixa à Polícia Judiciária (PJ), relativa a empréstimos contraídos pelo executivo anterior, e que admitiu que estará na origem da detenção do ex-ministro das Finanças Américo Ramos.
O executivo refere-se a um empréstimo de 30 milhões de dólares (26,7 milhões de euros), contraído a um fundo privado internacional com sede em Hong Kong, e outro de 17 milhões de dólares (15,1 milhões de euros), contraído ao Fundo Soberano do Kuwait para a requalificação do hospital da capital são-tomense.
Questionado pela Lusa, Patrice Trovoada disse não ter conhecimento de estar a ser investigado e garantiu que não é arguido.
"Nunca fui notificado de nada, nem como testemunha, nem como declarante e muito menos como arguido", referiu.
Carlos Vila Nova
Segundo o Governo, chefiado por Jorge Bom Jesus (Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social Democrata e coligação PCD-UDD-MDFM), dos 30 milhões de dólares, apenas 10 milhões (8,9 milhões de euros) foram depositados na conta do Banco Central são-tomense na Caixa Geral de Depósitos (CGD) em Portugal, não se sabendo do paradeiro de outros 20 milhões de dólares (quase 19 milhões de euros).
O valor destinava-se à construção da cidade administrativa, que nunca se concretizou.
A investigação foi aberta pelo anterior procurador-geral da República, Frederique Samba, em 2017, que enviou cartas rogatórias a Portugal, e que tiveram resposta no início de 2018.
O ex-primeiro-ministro confirmou que dos 30 milhões de dólares iniciais, apenas entraram nos cofres são-tomenses 10 milhões porque entretanto o interlocutor do empréstimo e responsável do fundo, Sam Pa, "desapareceu" -- foi preso na China e o então executivo são-tomense "ficou sem interlocutor".
Sobre os 10 milhões de dólares que "entraram para o tesouro público", o atual Governo "pode seguir-lhes o rasto", disse.
"Por que razão não pedem ao fundo prova da transferência do montante restante? Será que o fundo, caso tenha desbloqueado 30 milhões, não ficou com traços da transferência? Se fosse para pagar favores aos governantes, por que razão fazê-lo via um empréstimo ao Estado", questionou.
Relativamente aos 17 milhões emprestados ao Fundo do Kuwait, "até ao momento desconhece-se a utilização destes empréstimos", disse o Governo na comunicação ao país na quinta-feira.
De acordo com o executivo, as autoridades kuwaitianas exigiram das autoridades são-tomenses o pagamento de juros de desembolsos no valor de 246 mil dólares (quase 220 mil euros).
"Perante a gravidade desta situação, o Governo apresentou uma denúncia à Polícia Judiciaria para que, no quadro das suas competências, pudesse investigar os factos e apurar a verdade", indica o comunicado.
Sobre este caso, Patrice Trovoada afirma que o acordo previa que uma empresa kuwaitana fizesse consultadoria sobre a requalificação do hospital, devendo agora o Estado são-tomense começar a pagar os juros relativos a esse primeiro desembolso.
O Ministério Público (MP) e a defesa de Américo Ramos, que é atualmente assessor do Presidente são-tomense, Evaristo Carvalho, contestam a atuação da Polícia Judiciária, afirmando que é o MP o "titular da ação penal" e que a polícia não tinha competências para realizar estas diligências.
O Governo de Jorge Bom Jesus sublinha não querer pôr em causa "o poder de fiscalização processual" do Ministério Público e defende que a PJ "tem poderes para investigar os crimes de corrupção, peculato, participação em negócios, tráfico de influência e branqueamento de capitais, denunciados por qualquer cidadão, e poderes para deter suspeitos da prática dos mesmos".

PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA DE S. TOMÉ - VEM AGORA CONTRADIZER-SE DEPOIS DE TER ORDENADO AS DILIGÊNCIAS 

Uma nota do Ministério Público, e assinada pelo Procurador Geral da República Kelve Carvalho, anuncia que o ex-Primeiro Ministro Patrice Trovoada é arguido nos autos de Instrução preparatória, nestes termos:

MP - Kelve Carvalho
"Estando a correr seus termos nesta Procuradoria, uns autos de Instrução Preparatória registados sob o número 1633/2017 – 1º B), em que são arguidos Patrice Emery Trovoada e Américo Ramos, relativo ao empréstimo  contraído em nome do Estado Santomense, nestes termos, havendo imperiosa necessidade de se prosseguir com as investigações, venho solicitar os bons ofícios de V. Ex.ª. no sentido de nos enviar com e urgência, o extrato da conta do Tesouro Público nesse Banco, no período entre 2015 á 2017,
Outrosim que nos seja enviada o extrato da conta do extrato vostro do Banco Central na Caixa Geral de Depósitos entre os anos 2015 e 2017
Com os melhores cumprimentos
Gabinete do Procurador-Geral da República, aos 29 dias do mês de Março 2019
Kelve Carvalho
 -
ENTRETANTO, EIS COMO MUDA DE POSTURA- COMO É POSSÍVEL IGNORAR AS LEIS QUE O ANTERIOR  GOVERNO APROVOU?

PGR são-tomense condena "veementemente" atuação da PJ sobre dois ex-ministros
O procurador-geral da República são-tomense condenou hoje "veementemente" a atuação da Polícia Judiciária envolvendo dois ex-ministros e garantiu que vai procurar "restabelecer a legalidade", advertindo para o risco de o país caminhar "para um Estado policia

O Ministério Público condena veementemente este modo de atuar da Polícia Judiciária e irá usar todas as suas prerrogativas para o controlo e restabelecimento da legalidade, seja em sede de ação penal ou no exercício do poder disciplinar de que dispõe enquanto órgão que superintende a Polícia Judiciária, a fim de garantir e efetivar a responsabilização e a reposição da legalidade", afirmou hoje Kelve Nobre de Carvalho, numa comunicação ao país.
.
(...) "Continuaremos a não aceitar quaisquer tipos de interferências nefastas, embora estejamos sempre abertos à colaboração institucional dos diversos órgãos da administração pública com vista à descoberta da verdade material", sublinhou.
Esta quinta-feira, também numa comunicação ao país, o Governo são-tomense disse ter feito uma queixa à PJ relativa a empréstimos contraídos pelo executivo anterior, que pode ter estado na origem da detenção do ex-ministro das Finanças Américo Ramos.
Num comunicado lido pelo secretário de Estado da Comunicação Social, Adelino Lucas, o executivo refere-se a um empréstimo de 30 milhões de dólares (26,7 milhões de euros), contraído a um fundo internacional com sede em Hong Kong e outro de 17 milhões de dólares (15,1 milhões de euros), contraído ao Fundo Soberano do Kuwait para a requalificação do hospital da capital são-tomense.
Adelino Lucas sublinhou que os dois empréstimos foram assinados por Américo Ramos, enquanto ministro das Finanças do anterior executivo (2014-2018), liderado por Patrice Trovoada (partido Ação Democrática Independente, agora na oposição).
O Governo é chefiado por Jorge Bom Jesus (Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social Democrata e coligação PCD-UDD-MDFM).

https://www.sapo.pt/noticias/internacional/pgr-sao-tomense-condena-veementemente-atuacao_5ca76e3964ff0b05926eb43e





IMBRÓGLIO  SEM FIM À VISTA -ESTE O TEXTO QUE EDITAMOS  NESTE SITE  HÁ DOIS ANOS

Qual a razão pela qual o Governo de Patrice Trovada autoriza um avultado empréstimo de 30 milhões de dólares a um empresário Chinês, que, meses depois,  o Governo de Pequim, por via de guerrilhas internas na luta do poder, haveria de enviar para trás das grades? –

No  dia 20 de Julho do ano 2015, o Primeiro-ministro, da República Democrática de São Tomé e Príncipe,  Patrice Trovoada, assinou um mandato, dando  poderes ao ministro das Finanças Américo Ramos para assinar um acordo de crédito com a empresa designada “China' International Fund Limited, Suites 1003-1006, 10F Two Pacific Place, 88 , Queensway, Hong Kong (The Borrower), no valor de 30 milhões de dólares

Segundo o mandato assinado por Patrice Trovoada a empresa chinesa com morada em Hong Kong, deveria emprestar ao seu Governo o valor de 30 milhões de dólares, para construir uma cidade administrativa na ilha de São Tomé e alojamentos para funcionários públicos e a juventude Patrice mandou emprestar 30 milhões de dólares a uma empresa chinesa alegadamente a margem das leis” 

"O acordo de crédito a que o ministro das Finanças Américo Ramos foi mandatado a assinar, foi celebrado também no dia 20 de Julho do ano 2015 e segundo o texto do acordo o valor de 30 milhões de dólares deveria ser depositado na conta número 9520-599713-973 – SWIFT: CGDIPTL, da Caixa Geral de Depósitos em Portugal, e com o endereço – RUA JOÃO XXI – 63 -1100 – 300, Lisboa.  http://www.telanon.info/wp-content/uploads/2016/06/acordo0001.pdf


A questão do polémico empréstimo  foi levantada num dos últimos debates da Assembleia Nacional  pelo líder parlamentar da bancada do MLSTP-PSD , Jorge Amado, que, à pergunta onde está   o paradeiro dos 30 milhões, obteve como resposta o silêncio 

Catamarans, Vedetas da guarda costeira, os 30 milhões, e o chinês ...Na sua edição de 07 junho de 2007, o Jornal Téla Nón, sob o título “Catamarans, Vedetas da Guarda Costeira, os 30 milhões, e o chinês Sam Pa”,   voltou a abordar os contornos da misteriosa transferência, com a seguinte observação: 
“O mesmo silêncio é sentido em São Tomé e Príncipe, em torno do crédito de 30 milhões de dólares, que a empresa do Chinês Sam Pa assinou com o Ministro das Finanças Américo Ramos, a mando do Chefe do Governo” http://www.telanon.info/politica/2017/06/07/24585/catamarans-vedetas-da-guarda-costeira-os-30-milhoes-e-o-chines-sam-pa/


NEGÓCIOS OBSCUROS COM UMA DAS FIGURAS MAIS SINISTRAS DAS MÁFIA ORIENTAL "Catamarans, Vedetas da guarda costeira, os 30 milhões, e o chinês Sam Pa"

E QUEM É, AFINAL, SAN PA? -- Durante a última década, o empresário discreto chinês, que partiu  do zero para construir um super império de negócios - "Queensway Grupo" Esta ramificação de uma grande raiz da rede da empresa em África (…)  Esta pessoa de 56 anos de idade, baixa estatura, alta de linha fina, um cavalheiro puro.  Vestido em um terno preto, gravata vermelha, usando lentes quadradas. Ele tinha pelo menos sete nomes, que é mais conhecido por Sam Pa (Sam Pa).

Há muita coisa publicada, em várias línguas – Vamos aqui reduzir-lhe alguns excertos do que tem sido dito do magnata chinês, que caiu  em desgraça, com as expurgas da atual liderança chinesa nas implacáveis  lutas e afirmação do poder entre as várias elites.  – Vou –lhe aqui transcrever alguns excertos, podendo nos linkes prolongar a sua leitura


Perfil  de Xu Jinghua (Sam Pan) - Empresário da China International Fund (Fundo Internacional de China) Nasceu em 1958 na China continental, com uma infância a mover-se para Hong Kong. Ele é um cidadão chinês, com dupla nacionalidade  angolana e inglesa e tem dois filhos. Em 8 de Outubro de 2015,foi detido  na Província de Fujian Su Shulin depois da alegada violação grave sob investigação,

Primeiro semestre de 2015, China Petroleum e Chemical Corporation (doravante referido como Sinopec) - um cartão é utilizado por Xu Jinghua, um misterioso intermediários ativo no bloco de petróleo Sinopec em Angola.


Xu Jing Hua, também conhecido como Sam Pa, a partir de 2003. Obtém blocos petrolíferos em Angola e, portanto, ganhos de uma riqueza fabulosa (…) . Ele estava andando em aviões particulares entre a China e a África, também convidando muitos  funcionários chineses e parceiros de negócios. Dono de uma emissora de televisão, em avião particular a Xu na "inspeção" na capital de Angola Luanda. [1]

"A Fundação do Império em África, Luanda, os arranha-céus cintilantes são a base. Xu Jinghua grupo de Queensway - A partir de Angola e Angola, como centro, com os africanos ricos em recursos autocracias desenvolveram estreitos laços económicos, Xu Jing Hua do zero, construir sua enorme chamado " grupo de Queensway " (grupo de Queensway) Império de negócios.

Grupo de Queensway, não só tem o controlo da BP, total e Glencore tem negócios também com a Coreia do Norte e a Rússia, sua indústria de gás natural incluem Indonésia, óleo de Dubai refino indústria, high-end projetos residenciais em Cingapura e uma frota de aeronaves Airbus. Duas grandes empresas baseadas na companhia nacional de petróleo de Angola (Sonangol), uma empresa de Hong Kong-registrado. –

Sete jatos particulares /Xu Jinghua [empresário]; Aquisição de Wall Street, 23 /Xu Jinghua [empresário] -Em  2005, a empresa anunciou US $ 2,9 biliões em empréstimos para o governo de Angola para a reconstrução da infra-estrutura nacional petrolífera angolana, empresa conjunta foram registradas em Hong Kong (China Sonangol), de Angola para a China venda corretores de óleo. Desde então, Angola como uma importante fonte de importações de petróleo da China.

Construção de biliões de óleo  -Xu Jinghua negócios em Angola como "Petrolífera angolana",
Excertos de 徐京_徐京[业家]_动百科  
 Clikando em traduzir poderá ler em Português o extenso artigo, tal como outras referidos mais à frente .....Traduzir esta página

Sam Pa é detido! Viva a Sam Pa!
30/10/2015 O misterioso magnata chinês finalmente foi preso. Mas a menos que as redes globais obscuras que explorou para fazer suas riquezas são desmanteladas, outros indivíduos simplesmente vão tomar seu lugar.
Quando o magnata do investimento chinês Sam Pa foi levado pelas autoridades na noite de 8 de outubro no Sofitel em Pequim, ele pôde ter marcado o fim de sua ascensão meteórica e um tanto improvável de relativa obscuridade para um dos mais influentes empresários chineses em África.  Supostamente detido em conexão com um negócio azedo com uma empresa de petróleo do poderoso estado chinês em Angola, o que lhe rendeu enormes lucros.


O culto dos cifrões não olha às poluições
PA deve parte de seu sucesso para amigos poderosos em Pequim. Em 2004, a Queensway formando China Sonangol, um empreendimento comum de chinês-angolano que viria a ser a mais importante parceria da Queensway. Em 2005, Sinopec, da China é maior das empresas estatais petrolíferas, servidas como garantia para um empréstimo de US $ 3 bilhões para China Sonangol de um grupo de bancos privados ocidentais, permitindo a Queensway para jumpstart suas operações em setores de infraestrutura e petróleo de Angola. Empresas estatais chinesas continuam a ser parceiros-chave em empreendimentos ultramarinos de Queensway.


Ainda, em última análise, aqueles laços de longa data não foram suficientes para proteger o padrinho. Por um lado, ele há muito tempo tem gerado polémica, muitas vezes em parceria com corretores duvidosos  (…)


PA, muitas vezes, o extorquidor de Estados ricos em recursos com governos financeiramente desesperados ou diplomaticamente isolados. Em 2008, ele investiu centenas de milhões de dólares no sector de diamantes do Zimbabwe durante crise pós-eleitoral do país. Mais tarde, Queensway  lida com Madagascar, Níger e Guiné logo após o golpe de estado em cada país. Em Pyongyang, intermediou negócios com 39 escritório, uma agência de estado norte-coreano envolvida em tudo, desde falsificação de tráfico de drogas. Projetos de Queensway, em muitos desses países tem sido marcados por atrasos crônicos, má gestão e alegações de enxerto.


(…) Algumas das operações do Pa, no entanto, cruzaram a linha de moralmente questionável para o inquestionavelmente ilegal. Em 2011, Jon Swain relataram o envolvimento do Pa no contrabando de diamantes do Zimbabwe e no tráfico de armas e  Marfim em violação das sanções. Em 2013, os registos do Tribunal revelaram que suas empresas fez pagamentos ocultos para diplomatas na Coreia do Norte e Moçambique, enquanto os relatórios de investigação adicionais alegam que concessões de petróleo subornou altos funcionários em vários países, incluindo a Nigéria, para acesso ao lucrativo. Em abril de 2014, o departamento do tesouro colocado Pa sob sanções para prestar assistência a Central Intelligence Organisation do Zimbabwe, polícia secreta do presidente Robert Mugabe, que tornou-se sinônimo de violência patrocinada pelo Estado.


Durante anos, Queensway atraiu críticas de diplomatas chineses também, que muitas vezes emitiram declarações distanciar Beijing atividades Queensway e alertaram as empresas e governos estrangeiros em fazer negócios com PA falar, no entanto, é mais barato.

(…) Depois da Pa Mas mais importante, a queda do Pa de graça não é um sinal de que o modelo de negócio de Queensway falhou. Em primeiro lugar os desafios estruturais e sistémicas lacunas que nutria Pa e a ascensão do grupo Queensway permanecem intactas. Predatórios investidores Sam Pa ou Viktor Bout pode ainda ancorar seu negócio em uma jurisdição que é despreocupado com suas empresas de forma comportamento no exterior, sem revelar suas identidades e Estados de destino com estruturas de supervisão fraca e líderes que estão mais preocupados com enriquecer-se do que a prestação de serviços aos seus cidadãos.

J.R. Mailey é autor de 'The Anatomy of a maldição dos recursos naturais: investimentos predatórios em indústrias extractivas do África', uma reportagem especial publicada pelo centro da África para estudos estratégicos. Segui-lo no twitter em @MaileyJR.  …Sam Pa is detained! Long Live Sam Pa! - …Traduzir esta página


Muito antes de Sam Pa demitido um ano, o britânico "Financial Times" 11 de outubro de 2014 teria feito intitulada "Quem é Sam Pa?", Relata que ele chamou de "parece ter nascido em 1958 na China continental, mudou-se em criança para Hong Kong: é um cidadão chinês, também com cidadania angolana e dois filhos. "

(…)Durante a última década, o empresário discreto chinês, que partiu  do zero para construir um super império de negócios - "Queensway Grupo" Esta ramificação de uma grande raiz da rede da empresa em África (…)  Esta pessoa de 56 anos de idade, baixa estatura, alta de linha fina, um cavalheiro puro.  Vestido em um terno preto, gravata vermelha, usando lentes quadradas. Ele tinha pelo menos sete nomes, que é mais conhecido por Sam Pa (Sam Pa). Ele é mais discreto do que os de dignitários chineses para visitar países africanos para promover a cooperação comercial e económica na África Central. petróleo e minerais da África fornecer as matérias-primas para o impressionante crescimento económico da China.

 Nos últimos 10 anos, o original desconhecido Sam Pa, nos cinco continentes, atingiu dezenas de bilhões de dólares em contratos. Ele ajudou  a construir uma rede de negócios enormes, que liga empresas através proprietários ou diretores conjuntas e endereços são registrados, 88 Queensway, Hong Kong (88 Queensway). Preocupações sobre o seu desenvolvimento chamou de "Grupo Queensway."

 (...) Segundo conceituados  especialistas do setor de energia do Grupo Queensway disse Sam Pa negócio multinacional é um "fantasma", mas também "super-império."

A fundação do império na África, Luanda arranha-céus de altura magnífica é a sua base. Sam Pa não aparece na lista de acionistas ou administradores de qualquer empresa em Queensway, mas está presente nas reuniões com presidentes, chefes e barões.  Ele estava no processo da China em África (que, desde o fim da Guerra Fria, mudou dramaticamente os assuntos políticos do continente mais pobre do mundo e perspectivas) desempenha o papel de intermediário, em  poder e riqueza  acumulada.
As autoridades chinesas têm repetidamente negado a existência de ligações do governo chinês ao  Grupo Queensway, entre as atividades em África.

(…) Empresas do Grupo Queensway se tornaram alguns dos parceiros regimes autoritários de escolha, estes regimes para controlar alguns dos recursos mais abundantes dos países africanos. A corrupção desenfreada no país, milhões de pessoas em profunda pobreza, e dos governantes que acumularam enorme riqueza, como • Robert Mugabe (Robert Mugabe) Zimbabwe, Guiné, Angola e nigéria. .Repórteres pediu Sam Pa a comentar este artigo, mas não recebeu resposta. (…)

San Pa - em Angola
Ele parece ter nascido em 1958 na China continental, mudou-se para Hong Kong infância. Ele é um cidadão chinês, também tem cidadania angolana, e eles têm dois filhos. Os registros da empresa mostram que ele esteve envolvido no negócio na década de 1990, mas não deu em nada.

(…)Sam Pa é um produto da era da globalização, a integração das estatais, empresas e indivíduos ao poder, pense nisso do jeito que está longe de uma época anterior. ." (…) O autor é o "Financial Times" investigação repórter britânico, ex-correspondente em Joanesburgo e Lagos. Ele descreveu o livro de petróleo e mineração Africano "máquina predatória" (Máquina de pilhagem) no próximo ano, publicado pela Harper Collins (HarperCollins) e PublicAffairs.Tradutor / He Lamigos veneno" – Leia mais desenvolvidos pormenores no link traduzir
徐京华:被查中国"战争之王" 去年上美国制裁名() | www.wenxuecity ...  …..Traduzir esta páginai http://www.ftchinese.com/story/001058547?full=y




Nenhum comentário :