expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sexta-feira, 31 de maio de 2019

Ante-estreia sobre Linhagem (homenagem a Fernão de Magalhães), de Eurico Carrapatoso VISITA GUIADA - APRESENTAÇÃO - 3 jun. ´19 - 17h30 / 18h30 - Sala de Exposições - Auditório - Entrada livre


 
Para os amantes da boa música e da Epopeia Marítima Portuguesa  - Oportunidade a não perder -  “Sessão com Eurico Carrapatoso e o maestro Paulo Lourenço, numa conversa moderada por João Chambers. Antecedida de visita guiada à exposição Em demanda da biblioteca de Fernão de Magalhães por José Manuel Garcia.
No ano em que se comemoram os 500 anos da viagem de circum-navegação comandada por Fernão de Magalhães, terá lugar no CCB, no dia 21 de junho, a estreia Mundial da obra Linhagem de Eurico Carrapatoso, que pretende prestar uma homenagem a este navegador português
.

No dizer do compositor “A Linhagem tenta traçar uma linha principal, através do olho clínico de Fernando Pessoa (1888-1935) e do grande farol da identidade portuguesa que soube lograr na sua Mensagem, tenta traçar a linha principal, dizia, entre os primeiros sinais evidentes do nosso desígnio marítimo e o corolário máximo que Magalhães representa nesse tempo de ganas façanhudas na demanda do desconhecido.”

Além dos textos de Fernando Pessoa retirados da Mensagem, o compositor utiliza igualmente poemas de D. Dinis, Joam Zorro, António Machado e Camilo Pessanha, conduzindo-nos através da época das grandes navegações, desde D. Dinis, “o plantador de naus”, até Fernão de Magalhães, passando pelo Infante Dom Henrique, Diogo Cão, Bartolomeu Dias e Vasco da Gama.

Sobre a utilização dos textos de Fernando Pessoa Eurico Carrapatoso diz-nos que “O Pessoa senti-o assim, com uma grandeza contida aqui, heráldica ali, esotérica mais além. Não pode haver pressas no tratamento destes poemas identitários. Mas pode a abordagem ser explosiva, por fim, quando a fera, naqueles poemas derradeiros, nos vai directa à jugular.”

A obra será executada no CCB pelo Coro Participativo e Orquestra Filarmonia das Beiras, dirigidos pelo maestro Paulo Vassalo Lourenço e terá como solistas João Rodrigues (tenor) e Cecília Rodrigueses (soprano).

 






Nenhum comentário :