expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

quarta-feira, 15 de maio de 2019

ANTIQUISSIMAS CIVILIZAÇÕES, OS SEUS GIGANTESCOS ÍDOLOS E CALENDÁRIOS SOLARES

Jorge Trabulo Marques - Jornalista e investigador  - O solstício de verão de 2019 ocorre a 21 de junho (sexta-feira), mais precisamente às 16h54 em Portugal. Tal como nos anos anteriores, contamos igualmente celebrar o dia mais longo do ano no hemisfério norte


ÍDOLOS ROCHOSOS  QUE TRANSMITEM CIÊNCIA, SABERES E MISTICISMO ANCESTRAL PERDIDO  NO TEMPO MAS PERPETUADO EM MAJESTOSOS MONUMENTOS DE  PEDRA

ANTIQUÍSSIMAS  CIVILIZAÇÕES, CONQUANTO NÃO DISPUSESSEM DOS INSTRUMENTOS CIENTÍFICOS DA ATUALIDADE, NEM POR ISSO DEIXAVAM DE ORIENTAR AS SUAS VIDAS ATRAVÉS DOS CICLOS DAS ESTAÇÕES – E de erguer gigantecos megálitos, alguns dos quais com feições humanas - Existem também enigmáticas imagens dessas no maciços dos Tambores, configurando bustos de seres humanos, de falos e animais, onde se situam vários calendários pré-históricos, reportado noutro dos meus sites

As imagens que lhe mostramos, identificam, pois, alguns   magníficos exemplos, dos vários alinhamento sagrados ou calendários solares, que ainda se encontram em várias partes do mundo 

– Diz o texto o seguinte: “ o  ancestral guardião chamado também o Guerreiro mostra olhos, boca, nariz ... São misteriosos megálitos, de origem até agora desconhecidos o lugar é formado por rochas gigantescas de milhões de anos que se caracterizam por formas particulares de rara beleza se apresentam em uma atmosfera sugestiva em uma planície entre as Montanhas Peloritani e os Nebrodi, na província de Messina.


Andando pelo caminho que está tocando aqueles enormes blocos de pedra calcária, estão os símbolos da fertilidade: o Menir, masculino e feminino, entre os quais o nascer do sol é observado. Mais adiante estão o Mamute e o Rosto, pedra de expressivo perfil humano. Mais ao norte, você pode ver a Águia, cujo pico parece indicar a presença de uma necrópole. No centro do planalto, há os dois megálitos mais enigmáticos: a deusa Orante, um perfil de mulher em posição de oração, tão perfeita que é difícil acreditar que seja apenas obra da natureza. Ao observar com cuidado, você pode ver as mãos juntas, o longo véu, o rosto e o halo. Alinhado à deusa, existe a Grande Rocha e no espaço entre estas duas você pode ver o pôr do sol.


No platô há também numerosos Mehir, testemunho de uma antiga necrópole; o Cubburi, monumentos funerários de pedra transformados e usados ​​pelos pastores.
Todos esses depoimentos imóveis parecem supor que esse território, em uma posição estratégica, teria sido um lugar sagrado, onde rituais ligados ao ciclo de estrelas e solstícios foram desenvolvidos ...Extraido de https://www.facebook.com/eduar.cerna.9/media_set?set=a.2011817499050791&type=3


 “Há muito tempo, houve um evento catastrófico. Tudo na terra mudou. Um grupo de gigantes (10-12 pés de altura mais ou menos) com crânios alongados queriam arrumar tudo novamente... não restavam muitos deles... mas se dirigiram aos lugares de poder na terra e começaram a construir megálitos de. Pedra que recativaram a rede da terra com a esperança de que retornará uma nova era dourada. Estudar isso é fascinante mas, a verdadeira razão é também queremos criar uma idade de ouro e queremos entender como eles estavam usando pedras para aproveitar a energia natural da terra. 

Então podemos usar essas tecnologias para nos tornar felizes a todos novamente. É a fusão do velho e o novo. É a fusão da ciência e da espiritualidade. E é a fusão do sagrado e da diversão. Esse é o projeto céu na terra. Os gigantes deixaram monumentos e registros de como eles se viam em todo o mundo em pedra. Este é no colorado

DE SEGUIDA ALGUMAS DAS  IMAGENS, EDITADAS AQUANDO DA  NOSSA CELEBRAÇÃO DO EQUINÓCIO DA PRIMAVERA - 2019 - NOS TEMPLOS DO SOL - CHÃS - VILA NOVA DE FOZ CÔA


A Primavera, no Hemisfério Norte, começou nesta última quarta-

feira, dia 20 de Março, às 21h58 (hora de Lisboa) e o dia amanheceu  deslumbrante e  limpo,  tendo sido assinalada, nas já tradicionais celebrações dos Templos do Sol, no maciço dos Tambores, aldeia de Chás, de Vila Nova de Foz Côa, com momentos esplendorosos de luz e de  poesia –  



De manhã, no interior do recinto amuralhado do Santuário Rupestre do monumental megálito da  Pedra da Cabeleira de Nª Srª, antiquíssimo local de culto e de sacrifícios, mas também verdadeiro posto de observação astronómico ,  alinhado com  o nascer do sol  nos  equinócios  - 

Numa cerimónia simples  mas de belíssima transcendência mística e significado, com a leitura de poemas de vários poetas. 
E, uma vez mais graças à preciosa colaboração, de António Lourenço, ex-autarca desta freguesia e atual Presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros de  V N de Foz Côa. Desta vez, com uma participação, reduzida a uma presença quase simbólica de amigos, mas o suficiente para o cineasta, Pedro Paiva, residente em Lisboa,  ter ficado encantado com os filmes que ali fez e noutros pontos da minha aldeia.  Encantamento, igualmente partilhado pelo Eng. Pedro Daniel, que ali se deslocou para fazer um apontamento de reportagem, tal como já tem feito em anteriores eventos para o portefólio e arquivos do município

ANTIGO CASTRO DO CURRAL DA PEDRA - EXISTENTE NESTA ÁREA




MEGÁLITO ORIENTADO COM O NASCER DO SOL NOS EQUINÓCIOS 

MEGÁLITO ORIENTADO COM O PÔR-DO-SOL NO SOLSTÍCIO DO VERÃO


ESTUDIOSOS DOS CHAMADOS LUGARES MÁGICOS OU DE PODER, TESTEMUNHARAM O ALINHMANETO DO PÔR DO SOL COM A PEDRA DO CARANGUEIJO - TENDO FICADO MARAVILHADOS PELA CONSTATAÇÃO.

 O primeiro dia da Primavera, no maciço dos Tambores, ficaria ainda assinalado,  junto à que eu batizei de  Pedra do Caranguejo, que  é de facto a configuração que toma um outro megálito, na mesma área, encimado na laje, cuja basse  é atravessada pelos raios solares do pôr do sol. Neste caso, não se tratou, propriamente de ali se dar continuidade à celebração, que decorrera de manhã, mas tão somente de se  prosseguir no estudo da sua observação.

Quiseram os bons acasos – acasos que geralmente acontecem a quem por bem os procura – que, ali pudésse contar com a presença de um grupo de estudiosos e entusiastas pelos chamados lugares de  poder, . António Oliveira, Eng Informático; Antonio Filipe , de Coimbra; Leandro Batista, Terapeuta, Teresa, Engª Geotécnica


Haviam agendado a sua visita para tomarem conhecimento direto com os alinhamentos sagrados, existentes nos Templos do Sol  e quis um feliz acaso que, ao regressarem,  me pudesse cruzar com estes estudiosos investigadores  peregrinos, que, tendo-os informado de que me dirigia para fazer o registo fotográfico a um  megálito alinhado com o pôr-do-sol, igualmente com o equinócio da Primavera, mas ainda em fase de estudo, de imediato aceitassem acompanhar-me até junto do mesmo.


Curiosamente, deu-se a circunstância de poderem fotografar e testemunhar outras das maravilhas existentes nesta área, o que, aconteceu, praticamente sobre o instante em que sol pousava sobre um dos pontos  da cordilheira a oeste, na cumeada das encostas xistosas  que se erguem na margem esquerda da Ribeira Centeeira,  que separa o aprazível e fertilíssimo vale,  dos contrafortes graníticos dos “Tambores”, cujo depoimentos, conto poder vir a editar num vídeo que ali registei – Tendo ficado combinado que, na manhã de hoje, quinta-feira, os poderia acompanhar à Pedra da Cabeleira, para ali também testemunharem o alinhamento com o nascer do sol, uma vez, que, dois dias antes ou dois dias depois, ainda é possível contemplar o espantoso alinhamento.  

O QUE SÃO OS LUGARES DE PODER?

São definidos como locais antigas civilizações,  “entendiam que os locais de poder eram curativos, davam vigor, e geralmente é uma experiência particular. Locais especiais nos ajudam a que possamos reconstruir um momento de plenitude, onde nosso espírito se abre, sentindo abarcar o mundo. http://astroclick.com.br/lugares-de-poder/




ALINHADOS COM O O FIM E O INÍCIO DE CADA UMA DAS  ESTAÇÕES  DO ANO




Local mágico, pleno de história e de misticismo, dos tais lugares  da terra onde a beleza e o esplendor solar  podem repetir-se à mesma hora e com a mesma imagem contemplativa de há vários milénios pelos povos que habitaram a área.


São conhecidos por alinhamentos sagrados, remontam ao período megalítico e existem em várias partes do mundo, mas sobretudo na Europa. Sendo o mais famoso o Stonehenge. Muitos destas gigantes estruturas estão em perfeito alinhamento com os corpos celestes, especialmente com os Equinócios e os Solstícios - Perpetuam memórias de verdadeiros calendários astronómicos, que antigas civilizações elegeram como especiais locais de culto – No maciço dos Tambores

SETE ALINHAMENTOS 


No Maciço dos tambores, até à presente data, foram descobertos sete alinhamentos: Pedra da Cabeleireira de Nª Senhora, atravessada pelos raios solares do nascer do sol nos Equinócios; a Pedra  do Solstício, alinhada com o pôr do sol do Solstício do Verão; "As Portas do Sol, alinhada com o nascer do sol  do Solstício do Inverno e o pôr do sol do Verão;  Pedra Phallus Impudicus, alinhada com o nascer do sol do Solstício do Inverno ;a Pedra da Ursa Maior com as sete fossetes, alinhada com os Equinócios e com simbologia ou enquadramento com  Ursa Maior e a Pedra Caranguejo,  atravessada pelos raios solares do pôr do sol dos equinócios

Espantoso achado, encontrado nos Tambores  – pelo autor deste site – Denota faltar-lhe uma parte e a ponta - J. Leite de Vasconcelos, em Religiões da Lusitânia, designa um parecido, de troféu



Na anta da Cunha·Baixa (Mangualde), a que me referi a cima, Pág.71, encontrei um objecto de granito, com a conformação indicada na figura 73: o objecto tem de comprimento 1m,20 e de maior largura om,20, apresentando ao longo uma serie de sulcos feitos com toda a regularidade; estava deitado à entrada da camara. Não me parece fácil determinar precisamente o uso d'este objecto. Nunca vi outro igual, conquanto tenha encontrado dentro das antas pedras mais ou menos compridas e irregulares, que talvez lá não fossem postas sem especial intuito I. Num livro do sr. Joly s vem o desenho de um objecto que represento na fig. 74, o qual não deixa de ter alguma parecença com o de cima, embora  talvez seja muito menor, e de outra substância; o A. denomina-o registre-se de  comptes, Inclino-me a crer que o objecto Cunha-Baixa representa um troféu, designado os sulcos


 
De facto, a avaliar pelos vestígios 

arqueológicos,  já estudados, o maciço dos Tambores, é um importantíssimo livro aberto da pré-história: sobranceiro a um dos mais belos e férteis vales da hidrografia do Vale do Côa,  ali se refugiaram povos muito antigos, nomeadamente do neolítico, calcolítico, da idade do ferro e do bronze, que, aproveitando os naturais abrigos, as cavernas abertas nos enormes megálitos, as concavidades e grutas dos encastelados afloramentos,  ali implantaram os seus  acampamentos, valendo-se de grotescas lascas e pedras soltas, de cujas construções ainda prevalecem  abundantes vestígios - 

Ali sepultaram os seus mortos, cultuaram os seus deuses, ergueram  sagrados altares, que tanto podiam servir como locais de culto e de sacrifícios, como de espantosos observatórios astronómicos.  - Assim o testemunham os vários alinhamentos sagradosjá descobertos - direcionados com fim e o inicio de cada estação do ano - Assim o testemunha o olhar maravilhado de todos aqueles que têm assistido às nossas festas e celebraçõesjunto desses mesmos altares

Adriano Vasco Rodrigues
E, assim, o tem comprovado, a  especial atenção, dispensada por   vários investigadores e estudiosos: nomeadamente, Adriano Vasco Rodrigues, o primeiro investigador a debruçar-se sobre o estudo da Pedra da Cabeleira de Nossa Senhora; bem como  das monografias (Chãs - de Foz Côa e "Por Veredas do Vale do Côa), de Joaquim Manuel Trabulo)dos achados (punhal em bronze) do Eng. Paulo Almeida); dos valiosos contributos dos arqueólogos, Sá Coixão e Gonçalves Guimarães, que, igualmente, desde há vários anos, se têm debruçado sobre o estudo desta área - Além  das observações do astrónomo Máximo Ferreira – , que já ali se deslocou por duas vezes, assim como Mila Smões e das visitas de arqueólogos do Parque Arqueológico do Vale do Côa, no perímetro do qual  os vários monumentos megalíticos, se encontram localizados  - De recordar, particularmente, as escavações levadas a cabo, nas Quebradas, na mesma área, relativamente perto da Pedra da Cabeleira, por António Faustino de Carvalho Carvalho, A. F. (1999) - Os sítios de Quebradas e de Quint Faltava-nos um especialista em Arqueoastronomia  mas também já contamos com os seus valiosos estudos  -  é  o Dr. Albano Chaves. http://www.vida-e-tempos.com/2012/03/1-solsticio-do-inverno-nos-templos-do.html

Assim, como Tom Graves: o radiestesista e escritor inglês,

vindo
 "Eu sou a Luz do Mundo, diz o Senhor"
   
expressamente da Austrália, onde reside, para ali confirmar a sua teoria de que «Em toda a parte existe uma intersecção entre as pessoas e o lugar – e o lugar também tem as suas escolhas.» E, no fundo, cremos ter sido também, este, um dos princípios seguidos por Moisés Espírito Santo  Professor Catedrático Jubilado da Universidade Nova de Lisboa, com o qual trouxe à luz do conhecimento, novos dados e revelações, verdadeiramente espantosas, que não constam na Historia de Portugal, facultando-nos um interessantíssimo  estudo  interpretativo da toponímia da área -


 

Diz o distinto investigador - Moisés Espírito Santo - "Visitei o monte dos Tambores para observar o calendário rupestre e dei particular atenção aos nomes dos sítios e das pedras  que constituíram o calendário. Vou interpretá-los neste artigo"



"Tambores é nome do monte onde encontramos o calendário rupestre. Tambores é uma corrupção fonética do vocábulo cananita e hebraico tabor que, literalmente, significa «umbigo» e, metaforicamente, «centro da terra, parte mais elevada da terra, umbigo da terra», quer dizer, um monte sagrado. Jerusalém é classificada de «umbigo da Terra» (Ezequiel 38:12). Também existiu na Palestina (antiga Fenícia) um monte Tabor onde o Antigo Testamento (Juizes, 9:38, Deuteronómio 33:19)"





"Pedra da Cabeleira. É o nome da pedra grande 
através de cuja fenda se vê o sol nascer nos equinócios. Excluímos a lenda da «cabeleira que Nossa Senhora aí deixou» por ser uma adaptação recente do nome original à religião católica popular. Como a fenda da pedra serve para ver, nos equinócios, o nascer do sol, Cabeleira é uma corrupção de qabal awra [lê-se: cabalaura] em que qabal (do acádico) significa «no meio, mediano, posição ao meio», e awra (do cananita e hebraico) «aurora, nascer do sol». Portanto qabal awra significou literalmente «posição ao meio do nascer do sol», isto é, «posição do nascer do sol ao meio» do ano, «posição mediana do nascer do sol», sendo os equinócios a posição do sol «ao meio» do seu aparente percurso celeste." - Moisés Espírito Santo - Mais pormenores em  - 
estudo inédito do prof. moisés espírito santo, associa nomes à toponimia dos Templos Históricos, no Monte dos Tambores aldeia de Chãs.


O Altiplano de Argimusco

O megálito em forma de águia
"Megálitos misteriosos, de origem desconhecida, são apresentados em uma atmosfera sugestiva em uma planície entre as Montanhas Peloritani e os Nebrodi, na província de Messina.

planalto de Argimusco , do grego Argimoschion , planalto das grandes ramificações, ergue-se a 1200 metros acima do nível do mar, perto da aldeia medieval de Montalbano Elicona. Extraído de 

Nenhum comentário :