expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

segunda-feira, 13 de maio de 2019

O NOVO CANTO DA MÃE “ – DE TOMAZ MEDEIROS - Atualmente, sofrendo a solidão da mais completa invisibilidade mas de coração bem presente nas suas amadas Ilhas - Poema que dedico ao aniversário da Mãe de Octávio Bandeira, e a todas as mães santomenses e filhos que hoje comemorem os seus anos


 Jorge Trabulo Marques - Jornalista
 




 
"Mãe.
Nós somos os teus filhos
Que sem vergonha
Quebraram as fronteiras do silêncio.
Os filhos sem manhãs
Que rasgaram as noites que cobriram
As carnes das duas carnes.




Nós somos, Mãezinha,
os teus filhos,
Os pés descalços
Esfomeados,
Os meninos das roças,
Do cais,
Os capitães d’areia,
Os meninos negros à margem da vida,
Que despedaçaram o destino do teu ventre,
Que endireitaram os instantes
Que marcaram socalcos na terra firme,
Na profundidade das trevas da tua vida.
 


Nós somos, Mãezinha, os teus filhos
Sexos que germinaram vida,
Forças que desfloraram a virgindade dos dogmas,
Fecundaram minérios de esperança,
Olhos diamantes de amor,
Mãos que esfacelaram  a esperança dos obós
E em cujo silêncio verde
Germina a CERTEA:

Mãezinha:
Nós somos os teus filhos

Tomaz Medeiros 



Tomás Medeiros (cidade de S. Tomé, 05.11.1931)  escritor, poeta e  pensador actualmente cego e a residente em Portugal. "Foi médico, activista e dirigente político e militar. Concluiu formação em Medicina e estudos em Medicina Militar. Participou em inúmeras associações estudantis, na criação da UGA (União Geral dos Estudantes da África Negra Portuguesa) e foi co-fundador e dirigente de organizações de representação de estudantes africanos fora do seu continente. Participou activamente em organizações políticas de libertação de países africanos. Tem poesia, prosa e ensaios publicados em Portugal e no estrangeiro e figura em várias antologias temáticas




Nenhum comentário :