expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sábado, 31 de agosto de 2019

Escalada da Torre dos Clérigos, no Porto, em 1917 para promover uma marca de bolachas – Por dois artistas espanhóis de circo - “Os Homens Aranha” - Perante o espanto de 150.000 pessoas Um dos quais conhecido pelo Rei das Alturas

Jorge Trabulo Marques - Jornalista e investigador - Seja um dos nossos seguidores deste site 
Amantes que somos da escalada vertical, aproveitamos para aqui lhe recordarmos um feito extraordinário, que ocorreu na cidade do Porto, em julho de 1917 - Com algumas imagens e um video extraido de um filme - E o que se escreveu  da espantosa façanha:

"Portugal vive os tempos liberais da Primeira República e com eles vem a oportunidade de experimentar coisas novas e irreverentes. Como escalar a Torre dos Clérigos sem qualquer proteção, por exemplo. Especialmente se for para promover uma marca de bolachas. Mesmo que não pareça, é uma história real, recordada agora no livro “Porto D’ Honra”. Foi editado este mês pela Esfera dos Livros e escrito por Manuel de Sousa, o autor da página de Facebook “Porto Desaparecido”.

Dois acrobatas espanhóis, José e Miguel Puertollano, pai e filho, escalaram o monumento mais icónico do Porto. Quando chegaram ao topo, tomaram chá acompanhado por bolachas Invicta, uma marca recente que estava a ser promovida na altura. Depois lançaram panfletos para as 150 mil pessoas que estavam na rua a assistir.
Melhor do que tudo, há imagens disso — o feito ficou gravado para a eternidade para se fazer um filme publicitário chamado “Chá nas Nuvens”, produzido por Raul de Caldevilla. As bolachas Invictas esgotaram rapidamente. https://nit.pt/coolt/livros/sabia-que-a-torre-dos-clerigos-foi-escalada-para-promover-uma-marca-de-bolachas





"A ESCALADA Á TORRE DOS CLÉRIGOS DE 1917. Foi um feito extraordinariamente arriscado, inédito e literalmente Histórico. Dois homens, absolutamente arrojados, trepam é a palavra, por torre acima, qual avenida em perfeita planície, zero graus de inclinação. Sempre acreditei naquilo que meu pai me contou, portanto, neste caso, sempre as palavras valeram mais que mil imagens, que, não as possuía para mas mostrar. Somente agarrados, com a força das suas mãos e o impulso de seus pés, com a energia dos seus músculos, obstáculo após obstáculo, “degrau após degrau”, saliência após saliência” a subida vertiginosa fez-se, ali sem vertigens, sem quaisquer auxílios humano extra, sem quaisquer instrumentos auxiliares, sem uma única corda que seja para ajuda de elevação, sem protecção contra quedas, - nem gancho, nem cinto, nem rede. IMPRESSIONANTE. Assim meu pai me passou a ocorrência, assim hoje os vi. Bem lá no alto, subiram ainda mais alto, ao máximo ponto; ainda deu para fazer trapézio, fazer o pino, içar e acenar a Bandeira Nacional, lançar confettis e, até trepar pelo mastro mais elevado da bandeira; a última exibição no topo.
Contava-me meu pai que, a descida foi tão ou mais exibicionista do que a subida. Bem calculados e bem distribuídos os movimentos e o local onde assentavam os pés degrau após degrau com imensa e absoluta precisão, com a mesma energia como que treparam, com a mesma segurança, porém, talvez, com uma maior ansiedade, com muito maior perigo provocado por aquela razão; a da ansiedade da chegada a chão seguro para receberem os abraços e ovações dos milhares de mirones presentes. Importante história me foi contada para aquele GRANDE FEITO. https://sites.google.com/site/majosilveiro/escalada-a-torre-dos-clerigos-em-1917
  QUEM FORAM ELES?  -O HOMEM-ARANHA ERA DE GRANADA
Estes os corajosos escaladores - pai e filho: "José Puertollano nasceu em Granada em 1873. Mas quando em 1890 fundou o circo mais importante que a Espanha teve na época, o Circo Feijoo (que criou seu nome ao seu fundador, o galego Manuel Feijoo-Salas) que ainda não sabe o que é esse mudará a vida. No Corpus de 1892, esse ano a cidade se prepara para viver o frustrado IV Centenário da Descoberta acima do circo. O jovem José Puertollano aparece diante do circo e explica suas habilidades. É capaz de caminhar em alturas consideráveis ​​sem medo de cair. Um mito de Espanha desde o primeiro século XX acaba de nascer: nossa compatriota será, desde então, o REI DAS ALTURAS.

No circo, Feijóo sentiu aquele que terminou por se tornar sua esposa, outro equilibrador sem medo, com o que fez como duplas mais incríveis da Espanha da época. O circo chegou a Estepona (Málaga) e uma função não pôde ser executada porque havia sido desencadeada uma tempestade sem precedentes. O vento forte ameaçava os telhados da igreja paroquial de Esteponera e o cata-vento já estavam dobrados. Provavelmente, o peso do ferro ameaçará derrubar os telhados, por isso José Puertollano se oferece para desmontá-lo. Ele acabou de perceber que poderia usar sua habilidade para mais do que o circo. Ele sai da empresa, fica para a Morar entre Estepona e Cádiz, na Linha de Conceição seu filho Miguel e inicia uma jornada, que valerá um membro da família e um novo nome: LOS ESCALA TORRES.

Anos depois, descobrimos na Galiza. Alfonso XIII visita Santiago de Compostela em 25 de julho de 1909 para apresentar uma oferta até o momento e inaugurar uma exposição histórica galega celebrada nesse ano sagrado. O jovem rei aguarda uma surpresa e, na Praça do Hospital (hoje do Obradoiro), vê-se como José Puertollano, nascido em Granada, com 85 metros de altura "MAJESTAD". O rei, o presidente do governo, Antonio Maura, e o prefeito de compositores, Francisco Piñeiro, observa ou pára-raios que coroam a Torre do Relógio da Catedral para a nossa compatriota, que se esconde em segredo para dar a conhecer o rei, pois O Cabildo da Catedral ou a proibição de subir; em todo o topo de Berenguela, foi recebido como "como torres de escala de Granada". Para fazer isso, ele subiu ao amanhecer, amarrou-se ao pára-raios,
Horas após essa fachada, Puertollano, nascido em Granada, desejável se aproximar do rei. Não sem dificuldades, ele conseguiu alcançar uma presença real e entregar um memorial ao rei com suas fachadas, além de solicitar a solicitação de Alfonso XIII para escalar como torres de Espanha. A partir desse momento, Puertollano alcançou seu objetivo: ganhar a vida com suas subidas. Uma arquitectura de Compostela ou contrato para pintar torres, pára-raios e milhares de outras tarefas que ele ocupou na Galiza até 1917 (oito anos). A família cresceu e com ela como virtudes que batizariam como HOMEM ARANHA. É o que diz uma imprensa de 1911.

Sendo mais barato que um andaime e causando um entretenimento popular sem precedentes, José Puertollano trabalha nas paróquias de Silleda, nas bases de Mondoñedo, Ourense e Lugo. Nas celebrações de San Froilán de 1910 da capital Luguesa fez delírio. A imprensa nacional ou repete e tem repercussão nacional quando subir para a Paróquia de El Grove para realizar seu trabalho. Como chefes industriais de Vigo e Corunha ou conhecidos até que a popularidade ou o uso de seus filhos Miguel e Glória em suas manifestações sejam incluídos. No início, realizando acrobacias no meio das exibições de filmes. Em março de 1912, em Noya (Corunha), sua esposa morre e o homem-aranha, que já é conhecido como tal, continua na Galiza até 1918.

150.000 pessoas assistiram com espanto no Porto sua ascensão à Torre dos Clérigos.
Um ano antes, em 1917, ele selecionou suas habilidades em Portugal, onde foi expulso depois de ser acusado de espionagem. Uma primeira república portuguesa acreditada que Puertollano era um serviço de espionagem da Alemanha. Estamos no curso da Primeira Guerra Mundial e nossos vizinhos são aliados ingleses. Quando nosso compatriota José decide aceitar uma proposta de Raúl de Caldevilla, suba Torre de Clérigos no Porto para promover uma marca de biscoitos “Petit beurre Invicta” jogam panfletos em quase 150.000 pessoas reunidas lá para assistir a um evento tão interessante e surpreendente quanto o vídeo mostra. no site do Museu de Cinema “Cinemateca Portuguesa” .No início do filme, veja como Raúl de Caldevilla dá um cheque a nossas acrobatas de Granada. Com essas imagens, um filme de Caldevilla registrou um anúncio público intitulado "Um chá nas nuvens". No dia 25 de novembro do mesmo ano, o espetáculo seria repetido na capital portuguesa com uma subida na Basílica da Estrela.
Mas outras promoções permitem os russos nervosos e, finalmente, pedem ao Puertollano que deixa o país vizinho http://www.revistaalhondiga.com/hombre-arana-granadino/

Nenhum comentário :