expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sábado, 3 de agosto de 2019

Tributo à poeta Maria de Assunção Carqueja"Só conseguimos viver fora de nós o que dentro de nós podemos ver...

De Peregrino da Luz   - Auto-retratos do Heterónimo de Jorge Trabulo Marques.
 em suas peregrinações



FORA DE NÓS" -Poema de Maria de Assunção Carqueja" Que Deus a tenha no seu sagrado altar dos justos"
"Só conseguimos viver fora de nós
o que dentro de nós podemos ver...
Deve parar também a nossa voz
nos limites do nosso conhecer!
No íntimo de nós estamos sós
sem podermos sair do nosso ser
que, como rio , vai passar a foz
e no desconhecido vai morrer...
Que sabemos do "nada" que já fomos?
Antes do nosso ser nós nada somos
e desejar saber é ousadia...
O que fora de nós vamos pensando
e só nos horizontes que sonhando
sabemos construir no dia a dia !...
Poema de Maria de Assunção Carqueja
Já falecida, vitima de câncer
Do seu livro "As nuvens passam..."

VIDEO - "A Velhinha” – Clike e Ouça este lindo poema da saudosa, Maria de Assunção Carqueja” do seu livro “As Nuvens Passam" - Lido pelo seu marido, Adriano Vasco Rodrigues, , na celebração do Equinócio do Outono, no dia 23 de Setembro, de 2014, nos Templos do Sol - Em Chãs - V. N de Foz Côa


Maria Assunção Carqueja  - Adriano Vasco Rodrigues - https://pt.wikipedia.org/wiki/Adriano_Vasco_Rodrigues

Licenciada em Ciências Históricas e Filosofia pela Universidade de Coimbra. Curso de Ciências Pedagógicas (U.C.). Estágio e Exame de Estado para a docência em Filosofia.
Dirigiu o Centro de Docência Científica do Instituto de Investigação Científica de Angola. Metodóloga.

Técnica Científica da União Europeia na área da Filosofia da Schola Europaea. Membro da Association International des Professeurs de Philosophie. Autora de trabalhos de investigação, de que distingue: “A dimensão moral nas comunidades africanas de expressão bantu”, in Áfricana, n.º 3, s.l., 1988; Felgar: história, indústrias artesanais, património, s/d; Noções de Filosofia: 7.º ano liceal, Porto, Porto Editora, s/d; Personalismo, Liberdade e Compromisso; Documentos medievais de Torre de Moncorvo, Torre de Moncorvo, Câmara Municipal de Torre de Moncorvo, 2007.


Nenhum comentário :