expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sábado, 12 de outubro de 2019

Dia Nacional do 51ª aniversário da Independência da Guiné Equatorial - Assinalado hoje, dia 12 de Outubro, com o tradicional desfile e a presença de várias representações diplomáticas , que felicitaram o Presidente He Obiang Nguema Mbasogo, que dirigiu à população uma mensagem lembrando que "O povo da Guiné Equatorial conheceu e conhece a tranquilidade, paz, estabilidade e desenvolvimento socioeconômico nos últimos 40 anos."


Jorge Trabulo Marques  - Jornalista Excetuando as imagens da cerimónia, as demais são de nossa  autoria, que tivemos o prazer de registar  há dois anos  - Com as quais, o leitor poderá ficar com uma ideia, mais aprofundada do desenvolvimento deste pequeno mas belo e próspero país do Golfo da Guiné, graças à sábia orientação como tem sabido aplicar os rendimentos petrolíferos e criado as indispensáveis estruturas de âmbito empresarial e social



Hoje foi um dia de festa e muito especial para a Guiné Equatorial, que recebeu felicitações da China, que ali tem desenvolvido um trabalho muito importante, bem como de outras países, com os quais tem mantido relações amistosas e de saudável cooperação.


Estudos referem que, a Guiné Equatorial, tem o maior índice de rendimento `per capita` do continente africano e uma economia assente nas riquezas naturais, quer do subsolo,  o petróleo, mas também na extração de madeira, dos seus produtos  agrícolas - 

O visitante, encontra excelentes condições, tanto na parte continental como insular,  podendo espraiar o olhar através de amplas estradas e avenidas, sem os constrangimentos da instabilidade e da insegurança da maioria dos países africanos – E mesmo do resto do mundo. 




Galego Afonso - Ecantado e enamorado  por este país
Belas praias de águas azuis e quentes, com extensos e suaves areais,  a perder  de vista, tal é o exemplo, que hoje lhe oferecemos, com fotos de nossa autoria, que registámos há dois anos, `à beira-mar num verdadeiro paraiso, poucos quilómetos de Bata, servido por uma excelente  estrada, fonteiro a uma praia de areia fina e branca, com 40 km de extensão, propicia ao mergulho e à contemplação mas também ao deleite de aqui poder apreciar saborosos frutos do mar pescados em águas quentes, calmas  e  transparentes, sempre convidativas ao mergulho em qualquer altura do ano


A entrevista que lhe fizemos, decorreu há dois anos, mas o seu registo é intemporal de um galego que diz não usar relógio mas reger a sua vida,  tal como a dos negros deste próspero e pacifico país, longe do stresse, que atormenta  a vida modera nas sociedades ocidentais. - Ver em 

DIA HISTÓRICO PROPÍCIO Á REFLEXÃO E À MEMÕRIA

Refere a página oficial do Governo da Guiné Equatorial, que,  ruas de La Paz, receberam neste sábado, 12 de outubro, o grande desfile militar e popular por ocasião da comemoração do 51º aniversário da independência nacional; uma ocasião que reuniu centenas de pessoas da geografia nacional e dos países vizinhos da Oitava Província da Guiné Equatorial.

A presidente da Guiné Equatorial, HE Obiang Nguema Mbasogo, e a primeira-dama, Constancia Mangue de Obiang, que usava um vestido nas cores da bandeira nacional, presidiram às cerimónias, a que se associaram, além de vários diplomatas, estrangeiras, o Vice-Presidente da República, Oficial de Defesa e Segurança do Estado, Teodoro Nguema Obiang Mangue; os presidentes de órgãos constitucionais; o vice-presidente do Conselho da República; o Provedor de Justiça; membros do governo; corpo diplomático e denominações religiosas. Presentes também o núncio de Sua Santidade, o papa Francisco, nos Camarões e na Guiné Equatorial, Julio Murat e o bispo da diocese de Mongomo, monsenhor Juan Domingo Beka, entre outros.

Os eventos começaram às 10h. com a marcha das diferentes unidades do exército de terras que carregavam a bandeira nacional, o levantamento dessa bandeira e a homenagem àqueles que deram suas vidas por causa da independência.

(…)No desfile participaram cerca de dois mil soldados de diferentes exércitos, aviões, helicópteros, motociclistas do corpo de segurança nacional, veículos da brigada canina, veículos de manutenção da ordem pública, carros-tanque, ambulâncias para evacuações, caros para missões de apoio , equipamento anti-motim e veículos blindados.
A província de Bioko Norte, dirigida por seu governador, León Elo, inaugurou a segunda parte deste grande desfile com as delegações das oito províncias que compõem nossa nação, partidos políticos da oposição democrática, o Partido Democrático da Guiné Equatorial e suas estruturas, agrupando de mulheres, funcionários dos departamentos que compõem a administração estadual, empresas de participação estatal, setor de turismo, o Comitê de Apoio à Criança da Guiné Equatorial, CANIGE, firmas que executam obras de infraestrutura, grupos de animação, colônias estrangeiras e população de oito províncias

O momento mais emocionante dessa manifestação de cerca de duas horas foi durante a passagem dos membros do PDGE, com Jerónimo Osa Osa e Jesusa Obono Engono na frente, que receberam a grande ovação dos cidadãos que aguardavam a marcha, e eles também lembraram com aplausos os pais que conquistaram essa independência: Acacio Mañe Ela, Enrique Nvo Okenve e Salvador Ndong Ekang, para citar alguns.
Com esta celebração, a República da Guiné Equatorial já completou 51 anos de vida independente, uma soberania nacional obtida da Espanha, em 12 de outubro de 1968, durante o décimo primeiro governo do ditador Francisco Franco, como parte do processo de descolonização da África, ONU suportada.

Terminada a turnê, a bandeira foi abaixada e o casal presidencial HE Obiang Nguema Mbasogo e Doña Constancia Mangue de Obiang foram ao Grand Hotel Djibloho, onde a tradicional recepção foi realizada, com a presença de centenas de convidados.
12/10/2019
Na sua mensagem, o Presidente da República considera que não há outra Guiné Equatorial para amanhã, como é o sonho do detrator da oposição ", que confia em uma aliança política com os eternos inimigos da África e da Guiné Equatorial ".

O Chefe de Estado também reafirmou que a sorte não se repete na vida das pessoas: “ Convido esses compatriotas a quem respeitamos seus direitos a serem oponentes do Meu Governo, para que eles ajam com lógica política comum e deixem de usar a violência e recorrer a quem não sente amor pela República da Guiné Equatorial, porque a violência sempre gera violência e é uma provocação que ameaça a paz e a estabilidade do povo da Guiné Equatorial.

A República da Guiné Equatorial está comemorando com alegria e alegria transbordando o Quinquagésimo Primeiro Aniversário da Independência Nacional, conquistado em 12 de outubro de 1968 da antiga potência colonial espanhola, após uma permanência de 200 anos do sistema colonial em nosso país. Com esse motivo, com grande emoção, parabenizo o povo da Guiné Equatorial amplamente distribuído em todas as áreas territoriais e da diáspora; pela vitória histórica que será permanentemente lembrada como um ponto de virada que marcou o nascimento da nação equatoguínica. A conquista da independência total da República da Guiné Equatorial não foi fácil, porque desde a ocupação de nosso país pelos colonialistas em 1778 até 1968,

Além disso, o Presidente disse que a presença do colonialismo em nosso país estava manchada com o sangue de nossos líderes, heróis nacionais e muitos nacionalistas que foram vítimas de maus-tratos, trabalho forçado sem remuneração, deportações, prisões sem julgamento prévio e sem mais respeito mínimo pelos direitos civis, políticos, sociais e culturais reconhecidos para todo ser humano: “ Esta é a ocasião mais propícia que devemos lembrar e lembrar os bravos líderes e compatriotas que deram a vida naquela luta de libertação de dois séculos. Honra e glória para eles que o povo e a história sempre se lembrarão ”.

MENSAGEM DE TRAQUILDADE E DE CONFIANÇA


Em sua mensagem, o Presidente Obiang, e confirmou que os fatos históricos indicam que a independência da Guiné Equatorial não era um presente do poder colonial administrador, nem de uma organização internacional; Foi o resultado de uma mobilização popular do povo que reivindicou suas liberdades absolutas violadas pelos colonialistas. Depois de 200 anos, a mudança teve que ocorrer de qualquer maneira, sem uma condição prévia, porque as pessoas entendiam que o que não poderia ser feito durante dois séculos de ocupação colonial, era impossível conseguir com eles.

 "Como foi observado na Lei da Independência Nacional, assinada em 12 de outubro de 1968, não inclui a entrega ao novo Estado dos elementos necessários para manter e defender a nação; nem a economia como fundo para manter a operação da nova administração, muito menos a equipe técnica para garantir serviços sociais e administrativos. 


Eles partiram como vieram sem deixar nada para o país. Esta é a razão pela qual sempre afirmei que a independência da Guiné Equatorial era um ato corajoso, arriscado e revolucionário do povo, não havia pagamento em troca, mas sua determinação era simplesmente conquistar sua liberdade. Essa realidade viria à tona alguns meses depois que nosso país tivesse acesso à independência, a falta de entendimento entre os líderes que lutavam pela libertação nacional; vários interesses constituíam o ponto de divergência dos principais partidos políticos. Naturalmente, seguiram-se a crise econômica e administrativa, a instabilidade, a anarquia e o totalitarismo que desmembraram o tecido social frágil da nova nação.



É o que chamamos hoje de "o tempo da triste memória" em que os guineenses equatoriais se dispersaram em vários países do mundo. Não nos faz fobia lembrar dos fatos históricos, porque eles pertencem ao passado e esse passado do 


nosso país foi enterrado. No entanto, devemos contar essa triste história às novas gerações, para que as mentes perversas e ocultas não intoxiquem ou tentem reproduzir os fatos monstruosos de nossa história. Diz-se vulgarmente que quem ignora o passado corre o grande risco de repetir e cometer os mesmos erros novamente. ”


O Sr. Obiang Nguema Mbasogo condenou que a história e a política são sempre dinâmicas e correspondem à mesma essência das sociedades humanas que estão inter-relacionadas e sempre será assim até o curso dos séculos. Graças a esse dinamismo de nossa sociedade, as mudanças históricas produzidas em 1979 foram outro po

Na ocasião da próxima celebração, em 12 de outubro do 51º aniversário da independência nacional, os embaixadores da Bélgica, Camarões e Etiópia enviaram seus parabéns ao Presidente da República, SE Obiang Nguema Mbasogo. Anexamos o texto completo das suas mensagens.Excerto de https://www.guineaecuatorialpress.com/


Nenhum comentário :