expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Perdido no Golfo da Guiné, - Há 29 dias - "Passei uma noite todo encharcado! Envolvido num plástico mas por fim até adormeci e acordei a falar!...Supondo que tinha chegado realmente a terra" " Voltei a ver a Ilha de Fernando Pó no horizonte. O horizonte ficou descoberto depois da chuvada e avistei ligeiros contornos da costa de África...." Diário de Bordo 18-11-75


Algures no Golfo da Guiné, 18 de Novembro de 1975 - Há 44 anos


"Bem  sei que estou endoidecendo.
 Bem sei que falha em mim quem sou.
 Sim, mas, enquanto não me rendo.
Quero saber por onde vou"
 Fernando Pessoa - 15-9-1934










José Afonso - "Canção do Mar" do disco "Cantares de José Afonso" (1ª edição, EP 1964) 




"MAR PORTUGUÊS"

"Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
" -  Fernando Pessoa



MESMO QUE NÃO CHOVA A CANOA METE SEMPRE ÁGUA POR ALGUMAS FISSURAS E PELA CARLINGA, ALÉM DE ALGUMAS VAGAS QUE A TREPAM

  Diário de Bordo - 5  -Eu ainda não fiz referência à noite passada: passei uma noite todo encharcado! Envolvido num plástico mas por fim até adormeci e sonhei..Sonhei e tive uns sonhos muito esquisitos, acordei a falar!...Supondo que tinha chegado realmente a terra. Tive assim  sonhos muito esquisitos...


Diário de Bordo  - 1 É manhã  do 29ª dia. Ainda não tive tempo de comer qualquer coisa. A manhã amanheceu brusca. De noite não choveu. Não há sol. Está um tempo enevoado e há um vento  no sentido de oeste este. 

Coloquei a vela para tirar partido deste vento, que parece estar a dar resultado. Veremos como é que será o dia de hoje....Aliás, já avistei contornos de África, desde ontem e se não fosse o tornado, com certeza que estaria já muito próximo, pois o tornado é que veio desfavorecer a minha aproximação.

Diário de Bordo  - 2 Devem ser aí umas 9.30 a 10 horas da manhã do 29º dia. Já tive que enfrentar mais uma trovoada; não muito violenta mas que me deu bastante trabalho. Agora volta a estar mais calmo, volta haver calmaria. Não há muito vento. embora o mar se apresente com uma ligeira ressaca...Veremos até quando isto vai durar...

 Diário de Bordo  -3  É provavelmente meio-dia do 29º dia. A manhã esteve bastante trovejada, choveu! A canoa ficou toda alagada!...Agora está enxuta e já volta haver uma certa calmaria. Não há vento. O céu está nevoado... Sinto fome!... Comi um bocado de tubarão mas sinto fome!...O tubarão sabe-me mal... Sinto uma certa fraqueza...

Meu Baú - Caixote do lixo onde guardei o gravador e máq. fot.

Voltei a ver a Ilha de Fernando Pó no horizonte. O horizonte ficou descoberto depois da chuvada e avistei ligeiros contornos da costa de África.... 
Entretanto, depois da chuvada, estive a fazer uma limpeza da canoa. Deixei-a limpa, sem água  e pus a roupa a enxugar. A canoa, neste momento, está um estendal autêntico! Com tudo a enxugar!... A aguardar, com certeza, outra chuvada (sorrio), que entretanto é capaz de aparecer.

Âncora flutuante
Apesar de todos estes trabalhos. De todas estas dificuldades, sinto-me otimista neste momento. Embora fraco e cheio de fome... Não consigo pescar. tenho deitado o anzol mas não pesco nada. Quando não precisava, eu pescava; agora não consigo. Mas estou otimista. Espero chegar a terra...Hei-de chegar a terra! Pois sinto uma esperança em mim; não estou desiludido...Apesar dos perigos a que me tenho exposto serem muito grandes...

 Os meus tubarões martelo continuam a guardar a canoa...Os outros, por enquanto ainda não apareceram.



Diário de Bordo  - 4 Serão neste momento umas quatro horas da tarde do 29º dia. A tarde tem estado muito serena. O mar apresenta-se ligeiramente ondulado. O céu coberto com uma ligeira neblina. No horizonte há nuvens que o limitam mas onde posso vislumbrar outros contornos da costa africana...Não totalmente, mas já se vislumbram perfeitamente, quer para norte quer para noroeste. Vê-se também a Ilha de Fernando Pó. Claro que só a parte mais alta... A Ilha de Fernando Pó (Bioko, situada na Baía de Biafra ) é muito alta. Tem picos com mais de 2000 metros de altura (Pico Basilé – com 3011 m de altitude).

 Passei a tarde a ler...Claro que tenho fome, evidentemente, mas procuro esquecer esse aspeto, ouvindo rádio...Música africana... Estou a ouvir rádio, enfim... a divagar.

Diário de Bordo  - 5 É já o fim de tarde do 29º dia. Passei uma tarde calma. Agora a minha preocupação começa a estar precisamente no local  onde irei aportar...Não sei...Será um local habitado?!...Pode ser desabitado...Enfim, o que me interessa é que seja terra, fundamentalmente, é que seja terra! Local seguro... Porque, em terra, há sempre muitas possibilidades de sobrevivência...Aqui, estou exposto  às tempestades... O que realmente me põe a vida em grande perigo...Portanto, estou com a moral bastante elevada, apesar de não comer...Tenho ali um resto do tubarão mas já cheira mal...Não estou desmoralizado de maneira  alguma. Estou até bastante e otimista.

 Eu ainda não fiz referência à noite passada: passei uma noite todo encharcado! Envolvido num plástico mas por fim até adormeci e sonhei..Sonhei e tive uns sonhos muito esquisitos, acordei a falar!...Supondo que tinha chegado realmente a terra. Tive assim  sonhos muito esquisitos...

Neste momento olho para o mar...Vejo o olhar para o mar sereno. Calmo! A cor é uma cor bronzeada. Agora não o receio ...Ontem eu estava realmente muito preocupado! Dizia-lhe: ó mar ! Tu não me leves! Ó mar não me voltes a minha canoa!..Eu quase falava com o mar...Realmente, ontem, o mar estava pavoroso.

À medida que o tempo ia passando, as vagas fortes iam avançando contra a canoa!...Eu via que a canoa, apesar dessas impetuosidades não se virava! Eu ia ficando mais tranquilo!...Mas sempre à espera!... À espera que alguma vaga mais alterosa, com maior força, me pudesse voltar a canoa...Eu não tinha qualquer hipótese!...Vi um tubarão grande! Enorme! Ás voltas da canoa. parecia que estava adivinhar que a canoa se ia voltar!...Mas isso, felizmente, não sucedeu! Não sucedeu!... Porque, eu apesar de tudo,  também mantive a minha calma! Fiz tudo por tudo por enfrentar a situação...Sim, realmente, uma pessoa nestas condições, nunca pode cruzar braços!...O nosso cérebro tem que estar sempre a pensar! Sempre a pensar!...Sempre a pensar em novas coisas!... Em poder  dispor dos modestos recursos precários que tenhamos connosco.. Essa deve ser a preocupação dominante.


Diário de Bordo  -6 Já se pôs o sol, do 29º dia. Finalmente, estou muito satisfeito! Em dois ou três minutos, acabo de pescar dois peixes! aqui debaixo da canoa...Arranjei outro anzol e consegui, num ápice, pescá-los! Vou pois assá-los, com um bocadinho de álcool que disponho...Já não preciso do tubarão...O tubarão está estragado e já o posso deitar fora.É da maneira que já não vou passar dieta!...Ah! eu tinha aqui o estômago a bater horas!...

Diário de Bordo  -7  Neste momento é já noite. Aparece ali a lua-cheia à minha frente!...Mas, tenuemente, visto  fazer uma certa neblina... Confesso que estou satisfeitissímo! Os dois peixes souberam-me que nem um pato!...Comi a carne deles crua e gostei! Gostei realmente!...E cheguei à conclusão que é melhor crua de que assada em álcool. Os dois peixes deviam pesar aí 200gramas. A carne era saborosa! Tinham a pele muito dura e foi preciso esfolá-los primeiro. Portanto, o novo anzol resultou. Aliás, eu insisti várias vezes, pois os tipos, cada vez que lançava o anzol, iam à procura da isca, comiam-na e não fiavam lá... Finalmente caíram!

A noite apresenta-se plácida! Absolutamente serena! O mar é um mar chão! Não há vento nenhum. Mas também não há calor...Corre uma ténue aragem apenas..

.Eu devo estar muito próximo da costa de África...Estão a reluzir os contornos...Por este andar, amanhã devo estar muito próximo, a menos que apareça alguma trovoada a puxar para outro lado....Mas não deve haver esta noite ou amanhã, com certeza, porque hoje não fez sol. Hoje o dia esteve brusco...Portanto, não houve evaporação... É capaz de não haver nenhuma chuvada! E, se houver, é muito fraca...Normalmente as trovoadas seguem-se a quando há períodos  de sol... Aparece logo uma trovoada ou um tornado.

Daqui a pouco vou-me deitar no fundo da canoa... O estômago é que não ficou assim muito bem...Estou satisfeito mas o estômago, com esta dose de carne, que não estava habituado... 
Tenho ainda ali um bocado do tubarão, que já está estragado, mas só o guardo para iscas para apanhar outros peixes, porque já não presta; já não está muito bom....Estou mais animado, visto estar próximo de terra e também por poder dispor  de peixe aqui à volta de mim.
 Tinha  dado tantas voltas à cabeça...Tinha inventado tantos processos!... Pus um anzol num pau. Experimentei tanta coisa e não resultou...Finalmente, lá encontrei um outro anzol mais pequeno e a coisa com esse anzol deu mesmo efeito. E ainda bem!... E que o mar fosse sempre assim...Com esta calma, com esta aparência tranquila...Ah! era muito agradável!... Mas o mar de vez em quando mostra a sua face!...O mar tem muitas faces...Uma face serena!..Suave!...Ondulante!..Depois, grave!...Violenta! Tempestuosa! Essa é que é a face mais dura!...Escura!... Torrenciosa!... Agora a  noite no mar ... mantém-se  plácida... A canoa, claro,  desequilibrada, está sempre a tombalear, o que é bastante chato, visto ter esse defeito. Se não fosse isso a coisa era melhor.

Há um pormenor muito importante que ainda não registei: é  que eu tenho medicamentos a bordo..Tenho vitaminas... Claro que isso não dispensa a comida mas dá muito jeito. E isso graças à boa colaboração  do Dr. Epifâneo da Franca. Que me resolveu  realmente um grande problema...Até para a água doce...Quer dizer, eu apanhei água das chuvas.. Ele tinha-me arranjado um preparado químico, com o qual podia fazer água potável. E isso deu resultado. E ainda bem que contei com essa preciosa ajuda.

Cada um à sua maneira -  Os sonhadores chegam a ser revolucionários - Não é assim ó grande Che?...  - "Lutam melhor os que têm belos sonhos."- Tu com os teus, eu com os meus

Fui marinheiro mas também o poeta do sentir.
Quis sentir, com todos os meus sentidos e até à flor da pele
e à flor do oceano - olhos, língua, olfato, estômago, veias e tato,
na brisa marítima que respirei e na própria água salgada que bebi,
no deslumbramento das tardes serenas e noites plácidas de luar
ou mesmo no assombro da fúria das tempestades que vivi
- sustos, inquietações que o meu coração ainda hoje perpetua - 
 todas as emoções possíveis e imagináveis - E entendi
que só  nos horizontes esbatidos da imensidão do mar,
perdendo-me livremente à superfície  das suas vagas,
no contínuo enrolar das soltas ondas, sobre a crista
ou no fundo da sua cava, as poderia sentir e encontrar.
 ++++
"Ah, quando nos fazemos ao mar

Quando largamos da terra a vamos perdendo de vista.

Quando tudo se vai enchendo de vento puramente marítimo,

Quando a costa se torna uma linha sombria,

Nessa linha cada vez mais vaga no anoitecer (pairam luzes) -

Ah então que alegria de liberdade para quem se sente.

Cessa de haver razão para existir socialmente.

Não há já razões para amar, odiar, dever.

Não há já leis, não há mágoas que tenham sabor humano...

Há só mar a Partida Abstracta, o movimento das águas.

O movimento do afastamento, o som

Das ondas arrulhando à proa,

É uma grande paz intranquila entrando suave no espírito."
Álvaro Campos (Fernando Pessoa)

"Sente-se palpitar o coração do Oceano
Que pela lua tem um coração humano.
(...)
E nas correntes d'ar que as ondas arrefecem
Vibram as sensações que os nervos estremecem
Teixeira de Pascoaes

Nenhum comentário :