expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

quinta-feira, 21 de novembro de 2019

VIAJAR SOLITÁRIO NO ALTO MAR - É tão só a resposta ao silêncio do espaço e ao deslumbramento do lugar..


OBRIGADO Ó DEUS POR ME TERES CONCEDIDO A SEMENTE DA LIBERDADE E DA GRAÇA DE SER TAL COMO SOU - HUMANO MAS ESPIRITUAL E TRANSCENDENTE - "Penso numa linguagem desconc
ertantemente simples, falsamente transparente, um pouco tosca. Térrea e pétrea. E aí brilha uma lâmpada, uma pedra, o ar. Uma linguagem de restituição”

António Ramos Rosa

SIM, PROCURO O INDECIFRÁVEL DIVINO - A VIDA SÓ TEM SENTIDO SE FOR VIVIDA COM TRANSCENDENTE ESPIRITUALIDADE - VALE A PENA IR AO ENCONTRO DO SILÊNCIO ONDE A VOZ DE DEUS MELHOR SE PODE ESCUTAR - 

Sou o peregrino, e assim tem sido A MINHA SINA, num peregrinar constante: seja na imensidade e solidão dos mares, sob as suas violentas tempestades ou paralisantes calmarias, seja nos mais solitários, ermos e altos penhascos, procuro, não me canso de procurar, não propriamente o rumor de uma palavra marítima ou terrestre, mas algo que esteja para além de mim e até da minha própria compreensão e do espaço circundante.


«Celebro-me e canto-me 
E aquilo que assumo tu deves assumir
Pois cada átomo que me pertence a vós pertence também.
(…) Não sou uma terra nem função de terra alguma,
sou o colega e companheiro de pessoas,
todas elas tão imortais e inesgotáveis como eu próprio
(não sabem quão imortais, mas eu sei)
Walt Whitman

Nenhum comentário :