expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

SÃO TOMÉ – MARGINAL DA BAIA ANA DE CHAVES VAI TER NOVO ROSTO? Jorge Bom Jesus quer reabilitar os pavimentos, dar novo aspeto às ruas esburacadas da cidade e aos degradados passeios e corrimões da Baia – Que poderia bem ser a pérola do Golfo da Guiné se ao menos a soubessem preservar e valorizar no pós colonial - 12, 5 milhões de empréstimo do Banco Europeu de Investimento para a requalificação da marginal de São Tomé - A obra foi concessionada a empresa chinesa

Jorge Trabulo Marques - Jornalista - Cidade de S. Tomé - No tempo colonial em que o maior problema era o campizal que não dava tréguas aos serviços camarários - Depois do pós independència, passaram a ser os buracos, o lixo e o desleixo.-  Fui testemumha dos dois periodos, tal como   o demonstro nas imagens .
No mesmo síito - Maio 2019 - 46 anos depois
Estive lá -  1973  - Frente aos Correios - Passeios em arranjo
1973


Depois de tantos milhões desencaminhados, será desta que a capital de S. Tomé e Príncipe é reabilitada nos pavimentos das suas ruas, esgotos, pontes  e passeios?  - Jorge Bom Jesus, envergando as vestes e os instrumentos de pedreiro, e mesmo sob  forte chuvada, tal como foi noticiada,  quis assinalar o arranque das obras, com vista à reabilitação e à modernização do centro da cidade  e acessos
.

Os atos públicos decorreram em vários sítios, atraíram atenção de muitos populares e foram também acompanhados pelo Ministro das Obras Públicas,  Osvaldo Abreu, Presidente da Câmara Distrital de Água -Grande, José Maria Fonseca  e pelo responsável da empresa chinesa.

MILHÕES QUE CAIRAM EM SACO ROTO

Como é do conhecimento público,  vários milhões têm sido canalizados, em sucessivos governos, das mais diversas proveniências para  devolver à cidade de S. Tomé o aspeto que chegou a ter nos últimos anos da colonização, mas pouco mais se fez que ir além de palavreados.


Diz o Téla Nón, que, na última semana em dois momentos, o Primeiro Ministro Jorge Bom Jesus, transformou a cidade de São Tomé num estaleiro de obras.
Primeiro Lançou pedras que cortaram o Rio da Cidade. O Rio Água Grande, que atravessa a cidade de São Tomé, entrou em obras. Três pontes sobre o rio, estão a ser reconstruídas. O Governo de Bom Jesus, desbloqueou mais de 1 milhão de euros, para a empresa ECA, recuperar as pontes que já estavam a ruir. 
https://www.telanon.info/politica/2019/12/15/30723/jbj-transformou-a-capital-sao-tome-num-estaleiro-de-obras-publicas/

 12, 5 MILHÕES PARA REQUALIFICAR A CIDADE 

Todavia é de recordar que, no passado dia 13 de  de Novembro,  o Banco Europeu de Investimento, BEI,  anunciou a aprovação de um empréstimo de 12,5 milhões de Euros a São Tomé e Príncipe  para cofinanciar o projecto de requalificação e valorização da marginal da capital de São-Tomé,

 Foi ainda referida, na mesma noticia, que. “além do Banco Europeu de Investimento, o projeto de requalificação  e valorização  da marginal da capital de São-Tomé avaliado em cerca de 21 milhões de dólares contará ainda com cofinanciamentos do governo da Holanda e do Banco Mundial. http://www.stp-press.st/2019/11/13/banco-europeu-de-investimento-da-emprestimo-de-125-milhoes-para-requalificacao-da-marginal-de-sao-tome/

JORGE BOM JESUS QUER UMA CIDADE LIMPA E BONTA

“Esta cidade é muito antiga, é uma das primeiras cidades que os colonos construíram nesta zona do Golfo da Guiné, e da parte ocidental de África durante muito tempo, a nossa cidade foi vista, como a cidade mais bonita desta zona, por isso temos que reconhecer que a nossa cidade está envelhecida, todos estes problemas de buracos, de tapete, estão completamente danificados”, sublinhou Jorge Bom Jesus na ocasião.

O governo entrou, e completou um ano no poder, adianta Bom Jesus que normalmente um ano, o bebé não nasce e começa a correr, e portanto tivemos algum tempo para mobilizarmos financiamentos para começarmos a dar início  às nossas actividades, e neste momento, os primeiros dinheiros que conseguimos, estamos a fazer o investimento, a cidade capital é importante, portanto, estamos começar, esclareceu ainda o chefe do executivo” – Escreveu Adilson Castro., Jornalista do jornal Transparência.

S. TOMÉ –  CIDADE PACIFICA E TRANQUIA MAS COM AS RUAS ESBURACADAS A LEMBRAREM  O ASPECTO DE CERTAS  VILAS E CIDADES ANGOLANAS NA SEQUÊNCIA DA GUERRA CIVIL – JORGE BOM JESUS PARECE QUERER INVERTER O DESLEIXO E DAR MAIS BELEZA À CAPITAL.

Em S. Tomé e Príncipe, a evolução democrática, pós a independência, pese algumas fases de  instabilidade politica, decorreu, no entanto, sem as imagens de ruinas e destruição, sem a  conturbada  violência e os sobressaltos do que se passou em Angola ou em Moçambique – Contudo, o atávico fenómeno “moli moli”, do deixa andar  e o da falta de rigor nas contas públicas, obviamente que não tem contribuído ao tão desejado bem-estar das populações por mais fundos de apoios canalizados


.O MAIOR PROBLEMA NO TEMPO COLONIAL ERA O CAMPIZAL 

Dizem, certas vozes, que no período colonial, a cidade de São Tomé se encontrava mais limpa e embelezada – Em certa medida, sim; agora o desleixo é incomparavelmente bem pior.

Não só não souberam conservar as calçadas das bermas das ruas e as balaustradas das avenidas junto à Baía Ana de Chaves


ESTA CIDADE DE UM VERDE EXAUSTIVO” – Título de um artigo de duas páginas publicado na revista “Semana Ilustrada”, de Luanda 


Quando a revista Semana Ilustrada, não trazia artigo, já sabia que a censura, mo havia cortado – Mesmo assim, com pouco mais de imaginação e jeito, de vez em quando, lá se iam dizendo umas coisitas, que podiam fazer alguma comichão – 

"Esta S. Tomé de um verde exaustivo… Alguém teria começado assim o seu poema. Um poeta pode 'encontrar beleza até no capim que brota livre e espontaneamente no passeio da rua, da avenida, ou cresce desmesuradamente entre o viço das flores de um jardim ou nos canteiros de um simples parque. Tudo, enfim, para o poeta pode ser poesia. 

Mas capim, a despontar aqui e ali, no passeio, na avenida de uma cidade, no quintal, a assomar dentro ou fora do muro que e, veda, ou à entrada da residência deste ou daquele cidadão, a tapetar este ou aquele jardim particular ou público,será de facto mesmo poesia? De certo que não é.

S. Tomé 1873

Ora, parece-nos, que a esmagadora maioria da população da ridente e laboriosa pequena S. Tomé, não é construída por poetas. Haverá, enfim, uns poucos, mas que é isso em comparação com a grande ‘maioria não poética· Com aquela para quem o capim é mesmo capim. Nem são rosas, nem são flores, é mato. Coisa que não dá bom aspecto, Nem sabe o ponto de vista de higiene, nem de embelezamento. Embelezamento sobretudo numa cidade que se pretende seja bonita, arranjadinha, limpinha, cheia de belos e lindos jardins, onde se respire o ar fresco da relva, da relva que não existe, ou se existe raramente se percebe. 

São Tomé - Março 2016


S- Tomé 1973 - Com o Presidente da CM

O capim cobre-a. Amarelece-a. Sufoca-a. E principalmente quando não  é regada cuidadosamente. Ou quando é cortada à-pai-adão, à  machinada, como vulgarmente sucede, pois não há máquina sequer para cortar relva. É com  lâmina de machim. Que corta mal. Porque corta tudo. Aos altos e baixos. Por cima e pela raiz. Depois tudo fica feio, logo de entrada. Os jardins que existem, excepção de um ou outro, mas que também nem sempre estão arranjados, são verdadeiro matagal, onde as plantas ornamentais se confundem    com o capim. Onde tudo, digamos, é capim. E capim  é mato.


Mas isto que se passa nas praças, avenidas, nos jardins ou parques, nos lugares públicos acontece igualmente à volta de alegres e características  moradias que se vêm alinhadas ao longo de certas ruas ou avenidas, nas quais o desmazelo é também evidente. Que começa logo pela pintura dessas mesmas moradias cuja cor há muito perdeu a verdadeira tonalidade e se confunde com o espesso manto  verde que as envolve.

Não compreendemos pois tal situação,' Quer-nos parecer mesmo que nunca vimos esta nossa cidade tão mal cuidada no que respeita ao aspecto exterior de certas casas e ao mau estado em que se apresentam alguns jardins. Claro que todos nós vemos diariamente as brigadas de pessoal da Câmara de volta e meia com o machim em riste. Agachados aqui ou acolá . ,A limpar este ou aquele local. A cuidar deste ou daquele jardim que passado, pouco tempo, volta a estar na mesma, a precisar de igual operação. Porque aqui o clima é de facto pródigo. O solo normalmente é fértil e as chuvas abundam

.Mas, perguntámos· não haverá forma, não haverá uma solução de seguir um meio termo. entre o trabalho do homem e as forças da natureza? Uma maneira de evitar extremos? De conseguir jardins não muito bonitos e muito bem cuidados mas pelo menos com aspecto de jardim onde o capim não seja o elemento predominante?
É desolador. E então os porquês?

Ah, desses nem é bom falar. Desde as  árvores mal cuidadas a crescerem e alargarem à mercê da própria natureza, por vezes com os ramos quase a tocarem no chão. Já não falando das que se abatem. · Mas isso é outra história. Às vezes, embora não  pareça, há mesmo necessidade de se cortarem…

Argumenta-se normalmente que a Câmara Municipal não tem verba que chegue para recrutar o pessoal de que necessitaria para todo o seu serviço. Isso é um facto. Sabemos que as disponibilidades financeiras da Edilidade são modestas para fazer face às suas necessidades e aspirações. Aos trabalhos, às obras e projectos que o seu responsável gostaria de concretizar.


No entanto, no tocante a pessoal, afigura-se-nos que o mal é outro. Um mal que não só afecta a própria Vem de há muito e predominarem muitos outros lados. Saco vazio, dizem, não se aguenta em pé. Lá isso é verdade. Mas isso é um aspecto…

Nenhum comentário :