expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

quarta-feira, 25 de março de 2020

Aguarelas de Lisboa - O poema e a voz de Euclides Cavaco

Jorge Trabulo Marques - Jornalista






 



 Aguarelas de Lisboa
Euclides Cavaco

Queria ser como a gaivota
Que de manhã sobrevoa
Toda feliz e sem rota
As colinas de Lisboa...

Queria ser como o ardina
Cuja voz bem cedo entoa
A imprensa matutina
Pelas ruas de Lisboa...


Queria ser como a varina
Que a sua venda apregoa
Sempre lesta e libertina
Pelos bairros de Lisboa...

Eu queria ser marinheiro
P'ra bem firme junto à proa
A bordo dum cacilheiro
Ver as docas de Lisboa...

Queria ser o Cristo Rei
Que lá do alto abençoa
Como patrono da grei
O céu da nossa Lisboa...

Queria ser como a guitarra
Para à noite acompanhar
O fado com toda a garra
Por quem o sabe cantar !...


Euclides Cavaco, poeta e declamador

Nasceu no concelho de Mira, distrito de Coimbra onde concluiu a instrução primária.
Devido às carências económicas de então não lhe foi possível ingressar de imediato nos estudos secundários.
Contudo a sua vontade de estudar era manifesta, por isso ainda muito jovem decidiu ir para Lisboa a fim de arranjar um emprego e poder simultaneamente conciliar o seu grande sonho de estudar, anseio que consumou   tendo assim concluido em Lisboa o curso geral dos liceus e frequentado posteriormente os estudos superiores.

Euclides Cavaco começou a escrever poesia nos seus anos académicos e dela tem feito uma constante da vida.
Incondicionalmente apaixonado pelo FADO, foi talvez no FADO que encontrou a sua inspiração maior.
Por ele nutre uma transparente admiração consagrando-lhe grande parte da sua obra.
Escreve-o para fadistas , declama-o com grande estro poético e essencialmente dá-o a conhecer ao mundo.

Na década de 60 parte para Angola, onde fez o seu estágio para locutor da Rádio.
Em 1970 num impulso de aventura optou por se radicar no Canadá, onde continua a residir.
No Canadá concluiu o curso em Gestão Administrativa e alcançou o estatuto de empresário.

Em 1974 com um grupo de amigos funda o programa de televisão Saudades de Portugal, de que foi apresentador. Em 1976 é nomeado Comissário Público pelo Governo do Ontário.
Em 1980 liga-se à criação da RÁDIO VOZ DA AMIZADE, de que é director e locutor há mais de 25 anos.

A obra de Euclides Cavaco é resumidamente a tenacidade de mais de 35 anos dedicados à divulgação da Língua e Cultura Portuguesa, dignificando com convicção patriótica a Nossa Gente, as nossas coisas e o nome de Portugal no mundo. Pelo seu mérito tem recebido diversas distinções honoríficas entre as quais se destacam: - Mais pormenores em https://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/76829.html







Nenhum comentário :