expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

segunda-feira, 13 de abril de 2020

Navio Patrulha Zaire nas águas de S. Tomé e Principe - Presta auxílio a barcaça em dificuldade no cais da Baía Ana de Chaves – A marinha portuguesa continua a prestar o seu apoio em operações de capacitação de fiscalização marítima conjunta: de combate à pirataria, exercício multinacional de segurança marítima do Golfo da Guiné; .de treino e de apoio de socorro a náufragos – E vários têm sido os exemplos de abnegados contributos de cooperação.

Jorge Trabulo Marques – Jornalista  - Informação e análise



“NRP Zaire” presta auxílio a barcaça no porto de São Tomé - A noticia foi divulgada pelo jornal on line Téla-Nón, muitas vezes a dar notícias que a  que imprensa oficial ignora ou não faz reparo .

Diz que que, no passado dia 8 a pedido da Guarda Costeira santomense, “NRP Zaire”  prestou apoio a uma barcaça que se encontrava em dificuldades durante transporte de contentores para o porto de São Tomé.
Respondendo prontamente ao pedido, os elementos de serviço do navio português projetaram uma equipa guarnecida com uma motobomba, através de um bote pneumático. A equipa de apoio efetuou esgoto aos porões da barcaça, tendo assim contribuído para evitar o naufrágio da mesma e a consequente perda de toda a carga, particularmente necessária nos tempos que vivenciamos.

militares do NRP Zaire a bordo da barcaça, apoiaram ainda os elementos da Empresa Nacional de Administração de Portos (ENAPOR), coordenando as manobras de esgoto, até a mesma se encontrar segura.
Como é do conhecimento geral, a inexistência de um porto de águas profundas, leva a que os contentores de mercadorias sejam transportados, entre os navios mercantes e o porto de São Tomé, com recurso a barcaças ou batelões rebocados. Estas barcaças, não obstante o seu estado vetusto, são utilizadas de uma forma intensiva, mas continuam a desempenhar um papel vital para o abastecimento do arquipélago. https://www.telanon.info/sociedade/2020/04/11/31488/nrp-zaire-presta-auxilio-a-barcaca-no-porto-de-sao-tome/

É do conhecimento público, o  valioso  contributo que a Marinha Portuguesa, tem vindo a prestar a STP, quer na fiscalização e combate ao contrabando e pirataria, nas suas águas territoriais,  em operações de socorro e de salvamento  de náufragos,  quer em várias atividades de formação e treino conjuntos com as Forças Armadas, assim como ações de apoio técnico  para devolver a operacionalidade a algumas embarcações, de apoio social, com a realização consultas médicas à população, e entrega de material social a várias instituições, missões essas enquadradas no  âmbito da cooperação no domínio da defesa, com o objetivo principal de contribuir para o reforço internacional de capacitação dos países do Golfo da Guiné, em particular dos países de língua oficial portuguesa, em matéria de segurança marítima e no combate às atividades ilícitas no mar.

Tendo oferecido,  em Fevereiro de 2018, tal como foi noticiado, um navio patrulha para melhor controlo da sua costa, cooperação técnico-militar financiada no âmbito do Programa Estratégico de Cooperação (PEC) que inclui a formação de quadros, fornecimento de equipamentos, fardamentos e botas e fiscalização das suas águas..
e
De sublinhar,  a participação de Portugal no âmbito do exercício internacional, que se realiza anualmente,  promovido pelo comandante das forças navais norte-americanas para a Europa e África e 6ª Esquadra (United States Naval Forces Europe-Africa/United States 6th Fleet), em cooperação com países africanos (Angola, Benim, Cabo Verde, Camarões, Costa do Marfim, Gabão, Gambia, Gana, Guiné, Guiné-Bissau, Libéria, Namíbia, Nigéria, São Tomé e Príncipe, Senegal, Togo, República do Congo, República Democrática do Congo e Serra leoa), bem como com a Alemanha, Bélgica
Por exemplo, essa missão,  designada OBANGAME EXPRESS 2018,  de recordar que, a Marinha portuguesa, esteve presente com três navios, uma aeronave e 342 militares, 311 eram da Marinha e 31 da Força Aérea, apoiados por três navios da Marinha - a fragata “Álvares Cabral”, o reabastecedor “Berrio” e o patrulha “Zaire” - e uma aeronave P-3C de vigilância marítima da Força Aérea.



  DESTACAR  MISSÕES NO PRESENTE ANO 2019

NRP Zaire socorreu veleiro inglês nas águas são-tomenses

O Navio patrulha da Marinha Portuguesa, NRP Zaire, prestou auxílio durante quase dois dias a um veleiro inglês em águas de São Tomé e Príncipe.

Na tarde do dia 24 de março, o NRP Zaire, cuja tripulação já é em parte constituída por elementos da Guarda Costeira são-tomense, esteve empenhado numa missão de busca e salvamento marítimo, tendo largado do porto de São Tomé, pelas 16h00, com o intuito de prestar auxilio a um veleiro de pavilhão inglês, com um ocupante a bordo de nacionalidade australiana. A embarcação, um catamarã de 12 metros de nome Mon Ami, encontrava-se à deriva a cerca de 20 milhas náuticas a norte de São Tomé, em virtude de ter a vela danificada e os motores inoperacionais. https://www.telanon.info/politica/2019/03/27/28929/nrp-zaire-socorreu-veleiro-ingles-nas-aguas-sao-tomenses/

Navio português ajuda autoridades de São Tomé e Príncipe na deteção de navio em infração – A operação de apoio, ocorrei em meados de janeiro, do corrente ano



11-01-2019 O navio patrulha “Zaire”, da Marinha portuguesa, em missão de capacitação da Guarda Costeira de S. Tomé e Príncipe participou nos últimos dois dias numa missão de fiscalização marítima conjunta com a Guarda Costeira e com a Direção das Pescas deste país.
Entres os dias 9 e 10 de janeiro foi realizada uma ação de vistoria, a cerca de 50 milhas náuticas a Este da cidade de São Tomé, ao navio “Nata 2”, com bandeira de Namíbia e Armador de Taiwan, numa operação que durou cerca de 20 horas.
O responsável técnico em matéria de fiscalização da pesca, um inspetor da Direção das Pescas, foi projetado para o navio namibiano, de 55 metros de comprimento e três metros e meio de calado, com uma guarnição de 28 tripulantes, a partir do navio patrulha da marinha portuguesa.


Para garantir a segurança durante toda a operação, foi igualmente projetada uma equipa de Fuzileiros Navais de São Tomé e Príncipe, formada para este efeito por Fuzileiros da Marinha portuguesa, ao abrigo do projeto “Zaire”. A ação foi observada a bordo por dois militares da Marinha portuguesa.
(…) O “Zaire” prossegue a sua missão de Capacitação da Guarda Costeira de São Tomé e Príncipe, dando continuidade ao apoio a ações de fiscalização conjunta, tendo-se até ao momento, efetuado dez missões desta natureza https://www.emgfa.pt/pt/noticias/1311

A fragata “Álvares Cabral”, da Marinha portuguesa, durante a sua passagem por São Tomé e Príncipe, desenvolveu, entre os dias 20 e 25 de fevereiro, várias atividades de formação e treino conjuntos com as Forças Armadas de São Tomé e Príncipe, assim como ações de apoio técnico, para devolver a operacionalidade a algumas embarcações, de apoio social, com a realização consultas médicas à população, e entrega de material social a várias instituições. https://www.marinha.pt/pt/media-center/Noticias/Paginas/Fragata-da-Marinha-portuguesa-leva-forma%C3%A7%C3%A3o-e-apoio-social-a-Sao-Tome-e-Principe.aspx




O navio "Ville Abidjan", que, no passado  dia 25 de abril, ajudou a a socorrer os 55 sobreviventes do naufrágio do "Amfitriti", que ocorreu perto da ilha do Príncipe, e que agora se encontrava acostado no cais de S. Tomé, foi . alvo de um súbito incêndio, ao início da tarde de ontem. 

Foto - Jornal Téla Nón
A referida embarcação, segundo refere o Téla Nón,  que estava a receber mercadorias diversas para transportar para a ilha do Príncipe, foi engolida pelo fogo. A intervenção dos militares da guarda costeira não evitou o pior, ou seja, a destruição da casa de máquinas e da torre de controlo.”
Frisando que "era o último navio cargueiro, que aventurava no mar que liga as ilhas de São Tomé e do Príncipe. Todos outros navios foram engolidos pelo mar do Príncipe. Fogo foi o destino reservado ao “Ville Abjan” no cais de São Tomé https://www.telanon.info/sociedade/2019/05/21/29293/fogo-engoliu-o-ultimo-navio-que-transportava-mercadorias-entre-as-duas-ilhas/

Nenhum comentário :