expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sábado, 23 de maio de 2020

Covid-19 – Obesidade e diabéticos, nos mais velhos, correm um risco significativamente maior - Os EUA são a nação mais gorda da OCDE e o Reino Unido é a mais gorda da Europa depois de Portugal - Em 2019, estima-se que 38,2 milhões de crianças com menos de 5 anos apresentavam sobrepeso ou obesidade. “A obesidade é hoje uma pandemia muito mais letal do que a da covid-19”Diz em entrevista ao PÚBLICO, John Preto

JORGE TRABULO MARQUES - JORNALISTA  - A GORDURA NÃO É A FORMOSURA IDEAL PARA MELHOR RESISTIR À EPIDEMIA DO COVID-19 



Referem estudos que "O impacto desproporcionado da gripe H1N1 e agora da COVID-19 em pacientes com obesidade e obesidade grave não é surpreendente, dado o impacto da obesidade na função pulmonar. A obesidade está associada a uma diminuição do volume da reserva expiatória, da capacidade funcional e da conformidade do sistema respiratório. Em pacientes com aumento da obesidade abdominal, a função pulmonar é ainda mais comprometida em pacientes superfinos pela diminuição da excursão diafragmática, tornando a ventilação mais difícil. Além disso, o aumento das citocinas inflamatórias associadas à obesidade pode contribuir para o aumento da morbilidade associada à obesidade nas infecções por COVID-19.


Embora os efeitos da COVID-19 nos doentes com obesidade ainda não tenham sido bem descritos, a experiência com a gripe H1N1 deve servir de alerta para os cuidados a prestar aos doentes com obesidade e, em especial, aos doentes com obesidade grave. A prevalência da obesidade adulta e da obesidade grave em 2017 a 2018 aumentou desde 2009 a 2010, sendo agora de 42% e 9%, respectivamente ((5)). Estas observações sugerem que a proporção de pacientes com obesidade, obesidade grave e infecções por COVID-19 irá aumentar em comparação com a experiência do H1N1, sendo provável que a doença tenha uma evolução mais grave nesses pacientes. Estas observações também sublinham a necessidade de uma maior vigilância, prioridade na detecção e teste, e terapia agressiva para pacientes com obesidade e infecções por COVID-19. https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1002/oby.22818


Os EUA são a  nação mais gorda da OCDE e o Reino Unido é a mais gorda da Europa depois de Portugal. Ambos os países também têm desigualdades de saúde repugnantes. Em algumas partes da Inglaterra, existe agora uma lacuna de 12 anos na expectativa de vida saudável entre ricos e pobres. Habitação deficiente, poluição, trabalho inseguro, dietas precárias: tudo isso causa  doenças crônicas , que atingem cada vez mais jovens. Carregamos os dados contra os pobres e isso está sendo cruelmente exposto pela pandemia.

Na  França , EUA e Reino Unido, os números sugerem que os pacientes com excesso de peso correm um risco significativamente maior. Na cidade de Nova York, um estudo  com 4.000 pacientes do Covid-19 descobriu que a obesidade é o segundo predador mais forte, após a idade, se alguém com mais de 60 anos precisará de cuidados intensivos. 
  
Um segundo estudo de Nova York diz que o excesso de peso é o principal fator para saber se as pessoas mais jovens serão hospitalizadas com o Covid-19. Os pacientes com menos de 60 anos, descobriram os  pesquisadores , têm duas vezes mais chances de precisar de cuidados intensivos se tiverem um índice de massa corporal acima de 30 e 3,6 vezes mais chances de precisar com IMC acima de 35. Uma vez na UTI, devemos lembrar as chances de sobrevivência são tragicamente apenas 50:50.

 Um comentário recente da revista Nature afirmou que "pacientes com diabetes tipo 2 e síndrome metabólica podem ter até 10 vezes mais risco de morte quando contraem o Covid-19".  Ambas as condições afetam desproporcionalmente as pessoas de descendência do sul da Ásia e do Caribe, que estão sendo atingidas com força.

Noutro estudo, diz que,  "A pandemia da doença de Coronavirus de 2019 (COVID-19) levou a esforços de investigação a nível mundial para identificar as pessoas em maior risco de desenvolver doenças críticas e de morrer. Dados iniciais apontados para com os indivíduos mais velhos que são particularmente vulneráveis, bem como para com os diabéticos ou cardiovascular (incluindo a hipertensão), respiratória ou renal. Estes problemas são frequentemente concentrados em certos grupos raciais (por exemplo, afro-americanos e asiáticos) que também parecem ser mais propenso a piores resultados COVID-19.


(...)Para além das consequências cardiometabólicas e trombóticas, a obesidade tem efeitos prejudiciais sobre função pulmonar, diminuindo o volume expiratório forçado e a capacidade vital forçada   https://www.ahajournals.org/doi/pdf/10.1161/CIRCULATIONAHA.120.047659

A obesidade é hoje uma pandemia muito mais letal do que a da covid-19” Passadas nove semanas desde o início da pandemia, os doentes que estão lentamente a voltar à consulta externa dizem-nos que engordaram sete quilos, dez quilos. – Defende, John Preto, cirurgião e director do Centro de Responsabilidade Integrada de Obesidade do Hospital de São João, no Porto, confirma que a covid-19 tende a ter um desfecho mais grave nos obesos. E diz-se preocupado com o impacto do confinamento no excesso de peso da população

Numa entrevista, concedida ao Jornal Público, na edição de hoje, diz que, qualquer miúdo com excesso de peso ou obesidade deve ser uma preocupação para os pais . Porque isso vai trazer-lhes muitos problemas na vida futura. E Portugal já é o quarto pior país da OCDE em termos de obesidade, com mais de metade da população acima dos 15 anos de idade obesa ou com excesso de peso.

Reconhece que, embora “ainda sem estudos que quantifiquem esta realidade em Portugal, pode desde já dizer-se que o impacto da covid-19 foi mais grave em doentes obesos ou com excesso de peso, segundo o director do Centro de Responsabilidade Integrada de Obesidade do Hospital de São João, no Porto. Para o cirurgião Jonh Preto, o confinamento vai agravar as taxas de obesidade e excesso de peso que, em Portugal, atingem já 60% das pessoas com 15 ou mais anos de idade. “A obesidade é hoje uma pandemia muito mais letal do que a da covid-19”, garante, neste Dia Nacional de Luta contra a Obesidade. https://www.publico.pt/2020/05/22/sociedade/entrevista/obesidade-hoje-pandemia-letal-covid19-1917734  

O  que causa obesidade e excesso de peso?


A causa fundamental da obesidade e excesso de peso é um desequilíbrio energético entre calorias consumidas e calorias gastas. Globalmente, houve: um aumento na ingestão de alimentos com muita energia e ricos em gordura e açúcar; e um aumento na inatividade física devido à natureza cada vez mais sedentária de muitas formas de trabalho, mudanças nos modos de transporte e aumento da urbanização

Consequências comuns para a saúde do sobrepeso e obesidade.
O IMC elevado é um fator de risco importante para doenças não transmissíveis, como:doenças cardiovasculares (principalmente doenças cardíacas e derrames), que foram a principal causa de morte em 2012;diabetes; distúrbios músculo-esqueléticos (especialmente osteoartrite - uma doença degenerativa altamente incapacitante das articulações);alguns tipos de câncer (incluindo endometrial, mama, ovário, próstata, fígado, vesícula biliar, rim e cólon).

Como reduzir o sobrepeso e a obesidade, bem como suas doenças não transmissíveis relacionadas, são em grande parte evitáveis: 
Limitar a ingestão de energia a partir de gorduras e açúcares totais; aumentar o consumo de frutas e vegetais, além de legumes, grãos integrais e nozes;  pratique atividade física regular (60 minutos por dia para crianças e 150 minutos durante a semana para adultos. 

Em 2019, estima-se que 38,2 milhões de crianças com menos de 5 anos apresentavam sobrepeso ou obesidade. Uma vez considerado um problema de país de alta renda, o sobrepeso e a obesidade estão agora em ascensão nos países de baixa e média renda, particularmente nas áreas urbanas. Na África, o número de crianças acima do peso abaixo de 5 anos aumentou quase 24% por cento desde 2000. Quase metade das crianças abaixo de 5 anos que estavam acima do peso ou obesas em 2019 viveu na Ásia.https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/obesity-and-overweight



Nenhum comentário :