expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

terça-feira, 26 de maio de 2020

São Tomé – João Santiago, uma das figuras emblemáticas santomenses, desde o desporto à diplomacia - Foi empresário, adido cultural em Lisboa, chefe da casa civil do presidente da República Democrática de São Tomé e Príncipe, durante 4 mandatos: dois na presidência de Miguel Trovoada e dois na de Fradique Menezes – Recordando o casual encontro, quando regressei à maravilhosa Ilha, 39 anos depois de ter partido para uma aventura numa piroga, que acabaria num longo tormento de 38 dias.

JORGE  TRABULO MARQUES - JORNALISTA




SÃO TOMÉ - A ILHA VERDE EMOLDURADA POR  UM AZUL DE PÉROLA LUMINOSO E TRANSPARENTE, ONDE OS SORRISOS SE ABREM ESCANCARADOS OLHOS NOS OLHOS - Sim, na sua população, não há os sinais de uma África faminta, há muitos frutos e riqueza natural ao alcance de todos, mas há muitas outras carências a necessitarem de apoio da Comunidade Internacional  num país que está mobilizando enormes esforços e abrir caminhos de progresso, bem-estar social e económico  - Mesmo assim, ante as duras dificuldades, o visitante pode encontrar, em cada rosto, um sorriso e um  olhar de calorosa simpatia e de boas-vindas, gestos de natural cortesia e afabilidade que não são fáceis de encontrar em parte alguma



Hoje venho aqui recordar-lhe o registo, em vídeo, de um casual encontro com João Santiago, graças ao meu amigo Gilberto Gil Umbelina, que naquele dia de Outubro, 2014, me acompanhou por vários pontos da cidade e me apresentou a velhos amigos, alguns deles ainda muito jovens, quando os deixei,  mas que não me esqueceram, sim, nem eu os esqueci.

João Santiago, uma das figuras históricas santomenses, desde o desporto à diplomacia - É o que se pode dizer um homem de sete ofícios: cedo despertou para o futebol, depois foi empresário, adido cultural em Lisboa, chefe da casa civil do presidente da República Democrática de São Tomé e Príncipe, durante 4 mandatos: dois na presidência de  Miguel Trovoada e dois na de Fradique Menezes.

- De recordar, que foi, João Santiago,  que, em 19 de Maio de 2008,  esteve no aeroporto para apresentar, pessoalmente, cumprimentos à comitiva do Benfica, quando,  a caminho de Angola, depois de três dias em Cabo Verde,  fez escala em São Tomé e Príncipe. Benfica recebido em apoteose em São Tomé -  -  Sim, porque, ele também teve uma brilhante carreira no futebol, nomeadamente no Sporting, Vitória de Guimarães, União de Coimbra e Rio Pele

Fez muita coisa na vida mas confessa que não tem queda para a escrita. Mas, em jeito de humor - pois a boa disposição é indissociável da sua maneira de viver – sempre me foi confessando  – ou antes, desafiando, que se lhe mandar de Lisboa uns pincéis e uma tela, num dias destes, talvez comece  “a pintar umas coisas da minha infância”. O que não seria de surpreender, dado o seu talento multifacetado. Entretanto, e como as reformas em São Tomé, são modestas, diz que lá se vai entretendo, “arranjando qualquer coisa para a 3ª idade".

Santiago,  é, de facto,  um dos intelectuais santomenses,  que conheceu a dureza colonial, reconhece que há ainda muito por fazer mas está otimista quanto ao futuro da sua terra. E dá vivas à Revolução de Abril, que trouxe a liberdade e a independência ao Povo de São Tomé e Príncipe - “Digam lá o que disserem, valeu a pena o 25 de Abril! – Só quem não conheceu a era colonial é que pode dizer o contrário. Temos é de arranjar maneira de produzir mais mas também arranjar maneira de escoar os nossos produtos” Acredita que “vamos ter que vencer!”.


 O PAPEL DA  HISTÓRIA É O DE  FAZER LUZ PARA QUE AS TREVAS NÃO A ENSOMBREM OU A IGNOREM   - De modo que as  futuras gerações conheçam as vicissitudes e as raízes dos seus antepassados – julgo que tem sido esta a preocupação dos intelectuais santomenses e não com o propósito de alimentar ódios ou trazer à tona humilhações e ressentimentos recalcados. 

Nenhum comentário :