expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

domingo, 7 de junho de 2020

Cabo-verdianos em S. Tomé e Príncipe – Continuam a ser alegria e os sorrisos da principal comunidade a resistir nas antigas roças coloniais –

JORGE TRABULO MARQUES - JORNALISTA


São os antigos contratados, cabo-verdianos, então chamados de serviçais e os seus filhos e netos, que ali vão ainda conseguindo manter alguma vida . Após a independência, , abandonados à sua sorte, sem meios, sem condições, buscam na agricultura o pão-nosso-de-cada-dia.



Segundo a imprensa cabo-verdiana, "fazem das roças abandonadas, seu antigo posto de trabalho, o local de residência, onde exploram a terra numa agricultura de subsistência. As casas onde habitam, normalmente não têm as mínimas de condições de salubridade.

No entanto, apesar de todas as dificuldades, a comunidade tem tentado organizar-se de modo a ajudarem uns aos outros, no chamado “Djunta-Mó”.

Foi nesse sentido que criaram duas associações: A “Ké Morabeza”, na Ilha do Príncipe e a “Djunta Mó”, em São Tomé, ambas a funcionarem como espaço de formação, informação, convívio e solidariedade entre os cabo-verdianos e não só.

Para complicar a situação, a relação entre os cabo-verdianos e os santomenses não é a melhor. A colonização deixou marcas que até hoje são difíceis de apagar. De acordo com o Instituto das Comunidades, muitos santomenses olham para os cabo-verdianos como pessoas que em muitas situações estiveram mais perto dos colonos do que dos nativos santomenses e, consequentemente, terem beneficiado desse relacionamento, em detrimento da população local.

Esta animosidade tem levado a que muitos descendentes de cabo-verdianos escondem as suas origens em diversas situações, com medo de serem discriminados.


Se muitos desejam regressar a Cabo Verde, alguns que conseguiram esse intento tiveram de voltar para São Tomé e Príncipe, por falta de adaptação. Ao chegarem às ilhas de Cabo Verde, ao depararem com um nível de desenvolvimento superior, e por terem níveis de formação profissional e académica bastante baixos, que não lhes permite arranjar emprego, são obrigados a voltar para S. Tomé, para o meio rural subdesenvolvido.

(...) A situação dos cabo-verdianos em S. Tomé só poderá ser resolvida com acções concertadas entre os Governos de Cabo Verde e S. Tomé, com alto apoio do Governo Português, responsável pela emigração forçada de muitos cabo-verdianos para as ilhas santomenses. https://noticias.sapo.cv/actualidade/artigos/cabo-verdianos-em-s-tome-e-principe-precariedade-sem-fimgado




Estas imagens foram registadas na Roça Água Izé, em Fevereiro de 2016, durante a visita do Chefe do Governo do arquipélago de Cabo Verde, José Maria Pereira Neves, depois de ter sido recebido, em audiência, pelo então Presidente Manuel Pinto da Costa, que aproveitou a visita oficial a STP para constatar com algumas comunidades originárias do seu país.

De recordar, que  o então PM de Cabo Verde, José Maria Pereira  Neves, teve encontros com o seu homólogo, Patrice Trovoada e o Presidente  da República, Manuel Pinto a Costa, para além do Presidente do Governo Regional do Príncipe,José Cardoso Cassadra e de vários contatos, em ambas as ilhas, com a comunidade cabo-verdiana.
O Primeiro-ministro de Cabo Verde, fazia-se acompanhar pela Ministra das Comunidades de Cabo Verde, Fernanda Fernandes, um seu assessor e a Encarregada de Negócio de Cabo Verde em S. Tomé; e pelo Ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Teodorico Campos – Encontro este de cortesia, que serviu para se passarem em revista vários projetos de cooperação, que unem os dois países e povos, assim como da atual situação política internacional



Palavras do Governante Cabo-verdiano, aos seus compatriotas, na Roça Água Izé,  Ilha de São Tomé, que  lhes veio falar da dupla nacionalidade, do complemento das pensões, do programa saudade, que permite viagens à terra natal, suportadas pelo Governo e de outras palavras em crioulo de encorajamento e de esperança, na sua quarta e última visita a STP,,  enquanto Primeiro-Ministro de Cabo Verde.

Nenhum comentário :