expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

quinta-feira, 11 de junho de 2020

Poeta Moçambicano, Delmar Maia Gonçalves – Escritor e Professor - É urgente semear paz onde há guerra! É urgente fazer justiça onde há injustiça! É urgente semear liberdade, onde reina medo!


JORGE TRABULO MARQUES - JORNALISTA - 








 Na entrevista, que amavelmente nos concedeu, na Feira do Livro, em Lisboa,   além da leitura de dois belos poemas da sua obra, Delmar, declarou-me, ter do seu  país, uma relação de cumplicidade  muito grande, de amor e de paixão
Na sua temática poética, o poeta aborda o moçambique novo que vai surgindo, desde 1975 e que se vai reinventando, que tem a capacidade de se regenerar  de crises e de evolução, de regressão, mas depois de sempre regeneração que existiu e que foi destruído e que volta a renascer

“A nossa identidade está em permanente construção!, manifestando-se, por isso, empenhado em contribuir para a evolução da cultura moçambicana e também em dar a conhecer as várias culturas que existem em Moçambique

Delmar Maia Gonçalves - Professor, especializado e pós-graduado em Relações Internacionais Africanas. É embaixador da paz na organização internacional The Interrreligion and Internacional Federation for World Peace. Premiado  com o prémio literário Africa Today
Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora (CEMD) e Coordenador Literário da Editorial Minerva. Venceu o Prémio de Literatura Juvenil Ferreira de Castro em 1987; o Galardão África Today em 2006; e o Prémio Lusofonia 2017.




Nasceu em Quelimane, em 5 de julho de 1969. Foi membro ativo da Organização da Juventude Moçambicana (O.J.M.) em Quelimane e dirigente estudantil.
Já em Portugal foi igualmente dirigente estudantil quer no Ensino Secundário, quer no Ensino Universitário.
Fez parte do Movimento Encontro de Jovens da comunidade Shalom — Sociedade de Vida Apostólica.
Como professor orientou e dirigiu acantonamentos de jovens estudantes do Ensino Secundário de Educação Moral e Religiosa Católica na Ericeira.
Fundou recentemente o Movimento Jovem Moçambicano de Intervenção Cultural em Portugal.
É um dos coordenadores dos "Cadernos Moçambicanos Manguana".

 É urgente semear paz

onde há guerra!
É urgente fazer justiça
onde há injustiça!
É urgente semear liberdade,
onde reina medo!
É urgente semear fé
onde reina descrença!
É urgente a urgência
da paz perpétua!


Eu queria que o meu país

fosse feito de alegria
Queria que no meu país
não houvesse ódio
Queria que o meu país
não conhecesse a guerra
só amor em abundância
Amor e muita criança.
Mas com a barriga cheia!
Queria que o meu país
fosse um pais sem tristeza
um país sem agressão
e que houvesse sempre pão
Mas pão em todas as mesas!
Queria ver o meu país
como um enorme jardim sem igual
cheio de Acácias,
Buganvílias e Cravos.
Quelimane, 4 de abril de 1084

OUTROS ELEMENTOS BIOGRÁFICOS  – “O Poeta, Escritor  e Professor Delmar Francisco Maia Barrigas Gonçalves nasceu às 10 horas do dia 5 de Julho, no Hospital Central de Quelimane, tendo crescido nos Bairros de Vila Pita e Torrone Velho nos arredores da cidade de Quelimane, na província moçambicana da Zambézia.

Foi baptizado católico na Igreja da Sagrada Família de Quelimane, em 26 de Julho de 1971. Fez a Primeira Comunhão na Catedral Nova de Quelimane, em 15 de Outubro de 1978 e foi Crismado na Paróquia de São Domingos de Rana, em 20 de Outubro de 1991.
 Foi por diversas vezes Acólito do Bispo de Quelimane Dom Bernardo Governo, na Catedral Nova de Quelimane e também nas Paróquias de São Domingos de Rana e Madorna, em Cascais, do Padre Francisco Ribeiro.
 Concluiu o Ensino Primário em Quelimane na Escola Especial da Quarta Classe de Sinacura, tendo frequentado antes a Escola Primária Vasco da Gama.
 Frequentou e concluiu o Ensino Preparatório na Escola Preparatória de Quelimane.
Iniciou o Ensino Pré-Universitário na Escola Secundária 25 de Setembro de Quelimane, tendo concluído o Ensino Secundário já em Portugal na Escola Secundária de Parede, actualmente denominada Escola Secundária Fernando Lopes Graça.
 Concluiu o Curso Plano de Estudo "A Bíblia Responde" em Lisboa a 22 de Outubro de 1988.
 Concluiu o Curso de Relações Humanas do Movimento Encontro de Jovens Shalom em Santo Amaro de Oeiras, a 6 de Novembro de 1994.
 Realizou Encontros de Formação Vocacional em Fátima e na Apelação em 1996 e 1997. 
Foi bolseiro do Instituto Superior de Educação e Ciências (ISEC). Estudou também e fez formação complementar no Instituto Piaget de Almada, na Universidade de Lisboa (Faculdade de Letras e Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação), na Universidade Autónoma de Lisboa (UAL), no Instituto de Línguas e Informática da Parede, na Sociedade Nacional de Belas-Artes de Lisboa e em Centros de Formação de Professores de Cascais, Oeiras e Lisboa.
 Em 1985/1986 vence o Prémio de Jogos Florais da Escola Secundária Fernando Lopes Graça da Parede.
 Em 1987 vence o Prémio Nacional de Literatura Juvenil Ferreira de Castro em Poesia.
 Foi Bibliotecário, em 1993, na Biblioteca Professor Doutor João Morais Barbosa do ISEC, em Lisboa.
 Foi figurante nos filmes "Os Mutantes" de Teresa Villa Verde e "Fintar o Destino" de Fernando Vendrell, ambos em 1998.
 Em 2003 foi nomeado Embaixador da Paz da "The Interreligious and International Federation for World Peace" (I.I.F.W.P.).
 É Formador certificado pelo S.N.C.P. e pelo I.E.F.P/M.T.S.S., desde 19 de Dezembro de 2005.
 Foi reconhecido em 2006 com o Galardão de Literatura África Today, em Luanda/Angola.
 Em 2008 foi distinguido com o Prémio Kanimambo da Casa de Moçambique, em Paços de Ferreira.
 Animador Cultural e Declamador desde o tempo dos estudos superiores universitários, percorre Escolas, Centros Culturais e Comunidades de Poetas, Escritores e Leitores.
 Divulgador de poesia e Contador de Histórias Africanas.
 Pertence à Geração da Lusofonia criada nos anos 80 e à World Poets Society - W.P.S. (organização literária de poetas contemporâneos do mundo inteiro).
 Defensor da solidariedade genuína e da utopia, cidadão do mundo desde sempre e enquanto existir.
 Foi também Professor Bibliotecário, no Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz.
 Delmar Maia Gonçalves utiliza regularmente os pseudónimos Sultan El-Ahmed, Ibn Khan, Maya, Zacarias Faztudo e Malfez Razão.
Mais em      

Nenhum comentário :