expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sábado, 18 de julho de 2020

AVEIRO – E a 5ª edição do Festival dos Canais – Dos coloridos moliceiros aos alegres tocadores de concertina Conhecida como a “Veneza portuguesa”, atravessada por um canal e é tida como “um dos destinos mais encantadores do país, graças aos seus coloridos moliceiros, aos edifícios em tons pastel de estilo Arte Nova e à sua tranquila atmosfera urbana – um cenário ideal para as suas férias. “ – Recomendam os especialistas e as imagens e os vídeos que lhe oferecemos .

JORGE TRABULO MARQUES - JORNALISTA



Pese as limitações do confinamento, nem por isso os tradicionais moliceiros deixarão de  sulcar a ria da cidade e ostentar as suas garridas cores – E, naturalmente, os sorrisos de quem neles navegar

É noticia de que,  a quinta edição, de menor dimensão, não perde a ligação ao território aveirense, com espetáculos de rua, concertos, novo circo e instalações espalhados pela cidade. O Festival dos Canais começa esta quinta, 16, e prolonga-se até dia 26

AVEIRO NOSSA VENEZA – Tributo  Poema e Récita de Euclides Cavaco.


"Neste vídeo do talentoso amigo Afonso Brandão, partilho esta dedicatória
à cidade que assaz admiro e aos muitos amigos que tenho o privilégio de lá possuir".

A envolvência é dada pelos canais da ria de Aveiro, a marcar de forma tão particular a cidade. O Festival dos Canais aproveita este cenário para construir uma programação que vive muito (mas não só) dos espetáculos de rua e da proximidade com o público. “Temos esta dimensão do espaço público, valorizando praças, jardins e equipamentos culturais da cidade”, sublinha José Pina, responsável pela programação.



A ligação forte com o público, construída ao longo de quatro edições, levou a organização a manter máximo possível da programação que já estava a ser pensada, adaptada aos tempos de pandemia. “Seremos dos primeiros festivais do País a passar por esta experiência, mas é um desafio aliciante e motivador, porque estamos a contribuir para o relançamento das dinâmicas culturais”, aponta o programador. A entrada é gratuita, sujeita às limitações impostas pela segurança, tendo os bilhetes que ser levantados na bilheteira do Teatro Aveirense

 A identidade do Festival dos Canais foi preservada, nomeadamente a aposta na criação artística contemporânea. “O programa terá coproduções, algumas delas a estrear aqui, além de encomendas a artistas e companhias, tendo por base matérias da agenda local, nacional ou internacional, como as alterações climáticas, a sustentabilidade ou a inclusão”, refere José Pina.

Entre as estreias, destaque para O Outro, de João Paulo Santos, mestre do mastro chinês e uma das figuras com mais destaque do circo contemporâneo português, que conta com a participação do dançarino de hip hop Iliass Mjouti. O espetáculo decorre no Rossio, desta sexta, 17, a domingo, 19, em vários horários. Entre as propostas mais originais está Ilhas Suspensas, a criação de Wura Moraes e Daria Efrat, que propõe um “percurso a bordo de um barco pela ria de Aveiro, ao longo de uma paisagem silenciosa e contemplativa”, com o público a cruzar-se com diferentes performances site specific (18-19, 25-26 jul, sáb-dom às 12h e 18h, já com algumas apresentações esgotadas).

Este ano, a criação local será reforçada, enquanto forma de “potenciar o território”, sublinha o programador. É o caso de Isto Aconteceu de Repente – Distorção, o novo espetáculo da companhia Red Cloud Teatro de Marionetas, com texto de Jorge Louraço Figueira, uma peça com marionetas, atriz, cinema de animação e vídeo, “em torno da venda do último bilhete para a última volta no carrossel”, para ver no Teatro Aveirense (24-26 jul, sex-dom).

Também em sala, desta vez no Conservatório de Música de Aveiro Calouste Gulbenkian, decorrerá o cine-concerto Surdina, a partir do filme do realizador Rodrigo Areias, com música de Tó Trips e argumento de Valter Hugo Mãe (16 jul, qui 22h30). A maior lotação será a do recinto com 630 lugares (devidamente distanciados) da Praça Marquês do Pombal, onde decorrerão os concertos de Dino D’Santiago (18 jul, sáb), Cuca Roseta (24 jul, sex) e do saxofonista Henk Van Twillert com Hélder Moutinho (25 jul, sáb), sempre às 21h30. Em versão mais intimista serão os concertos da Orquestra Filarmonia das Beiras, ao final da tarde, às 19h30, na escadaria Fernando Távora e no claustro da Misericórdia (dias 19, 25 e 26 jul).

De referir, ainda, as instalações que invadem a cidade, como as do projeto City Lab, com duas criações: Totems, de Alijia Biala e Iwo Borkowicz, no Jardim do Rossio; e We Are All in the Same Boat, de Samuel Zealy, no largo do Parque da Cidade. Já no canal central, com a água como protagonista, será a apresentação de Wave Shape (18-19 jul, sáb-dom), uma fusão de escultura, som, instalação e dança, interativa, com o público a ler um conjunto de códigos QR distribuídos pelo local. Uma forma curiosa de promover a paisagem.
Festival dos Canais > Aveiro > 16-19, 24-26 jul, qui-dom > grátis, levantamento de máximo de dois bilhetes no Teatro Aveirense > festivaldoscanais.p

Nenhum comentário :