expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

segunda-feira, 20 de julho de 2020

Embaixador português António Franco - Falecimento sentido “com tristeza e consternação” pelo Ex-presidente de STP, Manuel Pinto da Costa, que apresentou condolências à família pela morte “do , amigo e pessoa por quem nutríamos sentimentos de profunda amizade, estima e consideração”

Jorge Trabulo Marques - Jornalista 




















Depois do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, ter apresentado sentidos pêsames, à embaixadora Ana Gomes, pela morte do Embaixador António Franco, com quem era casado e restante família, falecido na passada quarta-feira, aos 76 anos, sublinhando as “importantes funções ao longo da sua carreira, na qual também foi chefe da Casa Civil” do antigo Presidente Jorge Sampaio, é agora noticiado pelo jornal Téla Nón, transcrevendo uma nota do Gabinete do Ex-Presidente de STP, Manuel Pinto da Costa, na qual se recordam as qualidades do Dr. António Franco diplomata e homem de Estado, que, “enquanto em vida, deu um inestimável contributo ao reforço da cooperação entre a República Democrática de São Tomé e Príncipe e Portugal, a amizade entre os povos são-tomense e português, e será lembrado sempre pelo seu profundo senso de profissionalismo, inteligência, competência e sensibilidade para lidar com as adversidades”.

A pior dor que alguém pode sentir é ver um ente que ama partir, mas a impotência perante esta realidade incontornável deve reforçar a nossa coragem e tonificar o nosso espírito para que as boas memórias permaneçam depois da morte.A pior dor que alguém pode sentir é ver um ente que ama partir, mas a impotência perante esta realidade incontornável deve reforçar a nossa coragem e tonificar o nosso espírito para que as boas memórias permaneçam depois da morte.
Nesta triste ocasião, associo-me à minha família para oferecer à esposa, filhos e demais membros da família do embaixador António Franco, o nosso ombro amigo, reiterando as nossas sentidas condolências por essa perda irreparável, e toda a nossa solidariedade. https://www.telanon.info/politica/2020/07/19/32173/ex-pr-manifesta-condolencias-pela-morte-do-ex-embaixador-de-portugal-em-stp/

 António Manuel Canastreiro Franco, que era casado com a antiga eurodeputada socialista Ana Gomes, foi embaixador de Portugal no Brasil, cargo que desempenhou entre 2001 e 2004 e onde terminou a carreira diplomática, depois de ter ocupado outros postos, como, por exemplo, o de adjunto do chefe da missão temporária de Portugal no processo de paz em Angola e o de representante junto à Comissão Político-Militar.
Foi ainda embaixador não-residente em Libreville, capital do Gabão, em 1995 e em 1996 foi designado para o cargo de chefe da Casa Civil do Presidente da República, Jorge Sampaio. https://visao.sapo.pt/atualidade/politica/2020-07-16-morreu-o-embaixador-antonio-franco/



Nenhum comentário :