expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

sexta-feira, 10 de julho de 2020

MÉN - NOM promove a X Feira do Livro de são Tomé e Príncipe em Portugal (Feira virtual) de 12 ao 19 de Julho. “Fique em casa! Nós levamos o livro até si”. – Em São Tomé, foi inaugurada a 1ª em Outubro passado – Bons caminhos em prol da cultura santomense – Estivemos na II há 7 anos. Num caloroso encontro com autores e leitores

JORGE TRABULO MARQUES - JORNALISTA 


A Mén Non – Associação das Mulheres de S. Tomé e Príncipe em Portugal, convida a todos os são-tomenses e amigos de São Tomé e Príncipe a participarem na X- Feira do Livro de São Tomé e Príncipe em Portugal, enquadrada nos festejos do quadragésimo quinto aniversário da Independência de S. Tomé e Príncipe.

Em tempo de confinamento, devido à pandemia provocada pelo novo coronavírus, o digital e as redes sociais permitem-nos encurtar as distâncias e, de certa forma, continuar “de portas abertas”. Fique em casa! Nós levamos o livro até [Ler mais...] http://mennon.org/
Nos finais do ano passado, arrancou a dinamização da primeira Feira do Livro em São Tomé e Príncipe, orientada para as temáticas dos direitos humanos e desenvolvimento, com vista à sensibilização da população e dos decisores políticos sobre a questão dos direitos humanos no país.


Em Outubro de 2013, de entre outras imagens e textos, referíamos o seguinte a propósito iniciativa  da  Mén Non – Associação das Mulheres de São Tomé e Príncipe em Portugal em parceria com a UNEAS - União dos Escritores e Artistas de São Tomé e Príncipe

Missão - Atingir jovens imigrantes e portugueses que queiram conhecer melhor São Tomé e  Príncipe, promovendo um programa de inclusão social através da literatura e da  cultura.

Objetivo - Promover, divulgar e valorizar a cultura de São Tomé e Príncipe, renovar apostas, conquistar novos leitores, fazer a divulgação dos livros, fomentar e estimular sobretudo nos jovens o gosto pela literatura e pela leitura.

SURPRESA CALOROSA QUE NOS ENCANTOU E EMOCIONOU

De facto, não estávamos a contar com tão interessante mostra cultural – Pois, quem diz que, em S. Tomé, não há bons escritores, músicos e poetas? está redondamente enganado!  Aliás, sempre houve – Mas agora ainda há mais . A música é que dificilmente voltará a ser como dantes. O mundo das novas tecnologias, em toda a parte,  trouxe avanços em muitos aspetos mas desvirtuou e provocou grandes roturas noutros – Alterou sonoridades, melodias, ritmos,   tradições que deviam manter-se. Perderam-se e desvirtuaram-se, sons, irreparavelmente! - Muitos desses importantes valores, dessa riquíssima memória, foi pervetida.

Desconhecia-mos  o evento. Foi um amigo santomense que nos alertou - Daí que  só pudéssemos estar na tarde de Domingo – Perdemos um conjunto de iniciativas,  muito enriquecedoras, que ter-nos-iam dado  muito prazer. Em todo o caso, tivemos oportunidade de conviver e de participar, em bons momentos. Ao entrarmos  na sala, onde se encontravam expostos os vários livros, vem junto de nós, um jovem santomense,  a rondar os 30, que inesperadamente nos coloca esta pergunta: O Sr. Jorge, sabe quem eu sou?!... A sua imagem não nos era totalmente desconhecida mas não a conseguimos situar. Vendo o nosso embaraço, responde: “Sou o sobrinho do Marinho Costa! - Claro, não podia faltar o natural abraço. - Excertos de Excertos de http://www.odisseiasnosmares.com/2013/07/stome-e-principe-feira-de-livros-no.html








Nenhum comentário :