expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

domingo, 14 de outubro de 2012

27º Dia - No mar nunca se podem fazer cálculos seguros!....Quem manda é o mar! ...É o vento!...São as correntes!...Essas forças é que determinam... Nada se pode fazer contra elas... A menos que se disponha de uma boa embarcação..Caso contrário, é-se o que as correntes e os ventos quiserem e determinarem

Algures no Golfo da Guiné, 16 de Novembro de 1975

 Diário de Bordo  1 -É já manhã do 27º dia. Passei uma noite muito chuvosa! Quase sempre acordado!..para tirar água...Estou molhado, todo alagado!....Esta manhã está serena. O mar calmo. O céu praticamente descoberto. ...Já tive aqui a visita do perigoso tubarão que investiu logo contra a minha canoa! Dei-lhe uma machinada! e foi-se embora!...

Os ataques de perigosos tubarões gigantes, era uma constante  - O registo de um deles.
 


Diário de Bordo - Entretanto, já chegaram os martelos...Vejo aqui dois tubarões martelo e fiquei mais descansado. Para dar uma ideia do que o tubarão martelo, para já eu não tenho muito que dizer deles...Mas parecem autênticos jacarés! O aspeto deles é de autênticos jacarés pré-históricos!...Com um cabo de martelo na cabeça. No entanto, não parecem ser os mais perigosos! Pelo menos não têm investido....Andam aqui às voltas da canoa, nunca investiram contra a canoa. Os escuros é que realmente são mais perigosos!...

Vi,  a sudeste, contornos, muito ao longe!...Bastante afastados, a largas milhas daqui...Aliás, estou a ver novamente contornos de terra!...Mas eu penso que não devo estar muito longe. Porque, efetivamente, têm havido uma série de trovoadas e ventos dominantes a arrastarem-me para norte e nordeste....Tenho aqui água doce (das chuvas), Já não tenho é comida....Vou tentar pescar para comer qualquer coisa.

Diário de Bordo .... 15ª dia -  UM GRANDE BARCO PASSOU AO MEU LADO ***** ******.....17ª Dia - Se me perguntassem qual era o meu maior desejo ..... ....;BIOKO À VISTA - ILHA DO “DIABO......***.;NÁUFRAGO - 18ª DIA – MAIS UM BARCO PASSOU A CURTA DISTÂNCIA ......; 19º Dia – Sinto muita sede  ...     ...; 20ª Dia Estou envolvido por enorme cardume,...........;21º DIA – “Sinceramentejá tenho pena de ter ferido aqueles tubarões n............;Náufrago 22.º dia - A canoa esteve há pouco à beira de se virar .......;23º Dia -Vi uma borboleta!    ..24º Dia - É tubarão!.... Filho da mãe....... 25º diaEstou cheio de sede e de fome............26ª Dia Não tenho comidaÁgua também não. .      .........28º Dia - Grandes vagas alterosas entravam dentro da minha canoa!.        29ª dia - Passei a noite todo encharcado.....       30º Dia - Não comi nada: limitei-me a comer uma das barbatanas do tubarão. .......... 31º Dia - A canoa a meter água cada vez mais!.... .............. .32º Dia -Estou comendo o coco! Avidamente!... Sofregamente!................33º Dia - Estou exausto!.........Dia 34º -  Sinto uma grande dureza no estômago..........35ºDia - Acordei com o barulho de uma enorme baleia aqui próximo da canoa ....36º Dia - Comi a ave que apanhei ontem! (...) Tenho a costa de África muito próxima... É já noite"... Estou a velejar! Estou-me a precipitar como um suicida. Tenho fome! ... Não posso demorar mais tempo!......37ª Dia Estou partido! Tenho o estômago metido para dentro...Estou realmente bastante fraco...

sem destino e a noite por companheira. poema

O remo improvisado e o contentor para guardar o gravador  
Diário de Bordo 2 -Devem ser aí umas 8 horas da manhã do 27º dia. Há uma calmaria absoluta!...Não há vento. O mar mantém-se sereno!...Praticamente sem ondulação nenhuma. O céu descoberto...Entretanto,  começa a sentir-se calor...Não sei até quando durará isto....

Diário de Bordo 3-Hoje apenas vi dois tubarões martelo...Realmente, tenho dificuldades em pescar. Há aqui uma espécie de peixes, a que eu chamo parasitas!...Estão aqui debaixo da canoa....Sempre à coca das conchazitas que nascem (no bojo e nos costados da canoa) e de qualquer coisa que ali nasça... Mal deito o anzol, vão logo comer a isca e não há maneira  de lá ficarem no anzol... Claro que o anzol é grande demais para eles. E comem-me a isca de uma maneira incrível! 


Ó MISERICORDIOSO CRISTO! - OH O DOCE E  CRUEL TORMENTO! 
MEU CORPO MORTAL ENCAIXADO NUM EXÍGUO ESPAÇO E COM A SEPULTURA SEMPRE AO MEU LADO



A LEMBRANÇA DOS ALIMENTOS (DAS CONSERVAS) QUE ATIREI BORDA FORA NAQUELA NOITE  TEMPESTUOSA (A PRIMEIRA) EM QUE FUI ATINGIDO POR UM VIOLENTO TORNADO, ERA AGORA A OBSESSIVA –  LEMBRANÇA DOS ALIMENTOS (DAS CONSERVAS) QUE ATIREI BORDO FORA

Com a canoa alagada, devido a uma vaga que  a galgara, e, receando que se voltasse ou fosse ao fundo, alijei-me de muitas das minhas coisas – Umas por precipitação, outras arrastadas pela fúria da onda. Sim, estava agora à deriva sobre  um imenso lago. Pesava sobre mim e por toda a superfície do mar, que se estendia a perder vista, uma grande calmaria – Por algumas horas o mar era um imenso tapete sem uma ruga  Todavia, sem nada no estômago, a minha mente fervilhava de pensamentos...Se bem que, tal como mar, sob uma  grande serenidade.

Diário de Bordo 4 - Ah!... Quando me lembro que atirei a comida ao mar por precipitação. cocos, comida que agora me faz tanta falta!... fico realmente ... revoltado,  contra mim!... Não há dúvida nenhuma,  que,  uma pessoa , no mar nunca se deve precipitar...Deve manter sempre a serenidade... Pode vir a trovoada que vier!...O tornado que vier!.. As dificuldades que surgirem!...Nós, as pessoas que naufragarem, que  se sentirem em tais circunstâncias,  nunca se devem descontrolar!... Nunca se devem precipitar.... Por isso mesmo eu agora  tenho fome....Porque, naquela altura, em que surgiu a tempestade, eu precipitei-me um bocado....E também não esperava  demorar tanto tempo...
No mar nunca se podem fazer cálculos seguros!...É impossível fazer cálculos seguros!...Quem manda é o mar!... É o vento!...São as correntes!...Essas forças é que determinam... Nada se pode fazer contra elas... A menos que se disponha de uma boa embarcação.... e um perfeito domínio da mesma. Caso contrário... é-se o que as correntes quiserem e os ventos quiserem e determinarem...

 O que mais me aborrece neste  momento....não é o isolamento!....Não é a solidão!...Não é este silêncio  absoluto.... que se respira em torno de mim... É pensar que, apesar de tudo, apesar de todas as contrariedades, eu podia fazer uma viagem mais agradável....se não me tivesse despojado de certas coisas que trazia...Inexplicavelmente!... Essa é a maior contrariedade...Digamos, o  maior aborrecimento que sinto neste momento...Não é a solidão!...Não, não é o isolamento que sinto em volta de mim... Nem as trovoadas que de noite me sacudiram!... Os relâmpagos que me cegavam ou o troar do ribombar do trovão, que me parecia fazer cair o negro e pesado tecto sobre mim!... Nem as chuvadas fortes! Nem o estar molhado!...Completamente num pingão!...Isso apesar de tudo não me impressionou tanto!... O que mais me desola neste momento ...é pensar  que apesar de tudo,  eu podia agora viver mais agradavelmente!...Um pouco melhor....Se  não me tivesse precipitado!...

 PARECE-LHE UM GRANDE  VELEIRO, NÃO É? - MAS É A MESMA AO LADO




Diário de Bordo 5 - Até agora o mar tem estado calmo...Começa a estar ligeiramente agitado!...Começa a sentir-se uma ligeira brisa também....Vou aproveitar para pôr  a vela, visto também já ter a impressão de ver lá longe, a nordeste, contornos de terra...Se assim for não estarei muito longe! E sou capaz de lá chegar hoje...Vou portanto fazer tudo por tudo para que isso aconteça.

Diário de Bordo 6 -Estou velejando com bastante dificuldade....Devem ser aí 3 de tarde...Há pouco tive a impressão de ter visto terra....Afinal de contas não vejo nada... e continuo a navegar com bastante dificuldade, devido haver bastante calema....Estou cheio de fome...Está um calor de matar!...É mesmo um calor bastante forte!...Sinto-me muito cansado.

Diário de Bordo 7 - Fim de tarde do 27ª dia. Pode dizer-se que já se pôs o sol. Pode dizer-se, que, em resumo, o dia esteve magnífico! Esteve uma manhã esplêndida!... E uma tarde também. De sol!... Houve calmaria. Depois o mar encrespou-se!...Agora não corre muito vento mas o mar está com bastante calema, o que não permitiu  que eu pudesse navegar muito tempo com a vela. E também por desequilibrar muito a canoa....Que tombaleia bastante...De qualquer modo pode dizer-se que o dia esteve bonito...

Como não tenho alimentos, já me utilizei do tubarão.... Acabei agora de comer um bife de tubarão... que consegui assar com um bocadinho de álcool....Estou satisfeito!...Tenho água das chuvas,  água doce.

Não vejo qualquer contorno de terra mas tenho um pressentimento que amanhã por todo o dia, devo aproximar-me... Aliás, já não deve tardar muito....



Diário de Bordo - Assei o tubarão com álcool...Foi com um bocado de álcool. Deitei-lhe um bocado de álcool e realmente o processo resultou em pleno. Foi pena não me ter lembrado há mais tempo....É capaz de chover esta noite...Não sei... Mas como está bastante vento pode não chover....Há formações de nuvens em todo o horizonte. Mas o céu a sul está limpo...De qualquer maneira, cá estaremos para o que der e vier.

Diário de Bordo 8 - Um pormenor curioso nesta tarde: li um bocado... Estive a ouvir música, deitado sobre o fundo da canoa, já que é a posição que melhor se pode ter,  que a  de pé...Eu estou muitas vezes  de pé mas é necessário um equilíbrio muito grande para não se cair ao mar...Pois a canoa balanceia  bastante...Está sempre a balancear... E é preciso cuidado.

*Todas as noites vêm aqui a dormir à popa e à proa da canoa, duas aves, às vezes três, mas parece-me que são as mesmas...Uma branca e outra é preta.

Noticias de cá e de lá

Série Mar Português: tanto mar para tão pouca marinha*****Série Mar Português: pode um navio contar a história da pesca******Piratas do Golfo da Guiné assaltaram navio Grego****Obra artística de Eduardo Malé representou São Tomé e Príncipe.. *******Noites da Roça: As Mulheres da Ilha do Cacau | 12 de outubro...*****Santo Tomé la Isla del Diablo******Navios do porto flutuante não pagaram taxas de estacionamento ao...******     Nova unidade de processamento do pescado inaugurado em Neves*


Nenhum comentário :