expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Quem sou eu

Minha foto
Entre outros assuntos, falo da escalada ao Pico Cão Grande e das minhas aventuras em canoas – Visam defender a teoria de que antigos povos africanos, podiam ter sido os primeiros povoadores das Ilhas do Golfo da Guiné, antes dos colonizadores – Parti à meia-noite, disfarçado de pescador, ligando a ilha do Príncipe. Para me orientar, uma rudimentar bússola – A canoa era minúscula, à segunda noite adormeci: rolei na escuridão das vagas. No regresso fui distinguido com sopapos da policia salazarista, enviado para os calabouços – Cinco anos depois, numa piroga maior, fiz a ligação São Tomé-Nigéria. Partindo igualmente à noite, 13 dias depois atingia uma praia de Calabar, tendo sido detido 17 dias por suspeita de espionagem. - No mesmo ano, já com São Tomé e Príncipe independente, tentei a travessia São Tomé ao Brasil, usando os mesmos recursos. Além de pretender reforçar a minha teoria, desejava evocar a rota da escravatura e repetir a experiência de Alain Bombard. Porém, quis a ironia do destino que vivesse a difícil provação de um naufrágio de 38 longos dias, tendo aportado numa praia de Bioko (Bococo)onde fui recambiado para a famosa prisão de Black Beach

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

S. Tomé - Primeiro-Ministro, Patrice Trovoada, recebe pastor brasileiro líder da igreja adventista do 7º Dia, um mês depois de dois pastores da mesma seita, em Angola, terem sido condenados a cinco anos de prisão por rapto e sequestro, a mesma ceita em que um pastor foi condenado por crimes contra a humanidade no genocídio do Ruanda, tal como o ditador do Ruanda, em cujos militares confia a sua segurança e o comando para a intimidação de deputados da oposição na AN – Isto, enquanto ostraciza a igreja católica, insulta o seu Bispo e privilegia o islamismo e as ceitas sem expressão nas Ilhas.

Jorge Trabulo Marques - Jornalista

EM ANGOLA – PASTORES DA IGREJA DO 7º DIA, CONDENADOS A CINCO ANOS DE PRISÃO POR  RAPTO E SEQUESTRO

Obviamente que não se pode generalizar que o comportamento dos Bispos da  chamada Igreja Adventista do 7º Dia, cometam os mesmos erros ou crimes, mas é um facto que, esta e outras seitas, sobretudo sob orientação de pastores brasileiros, têm protagonizado vários escândalos, quer no Brasil, quer nos países em que se implantam.   Mas não só sob a orientação brasileira,  ao estilo da propaganda dos milagres da banha da cobra, também um pastor ruandês e o seu filho médico, foram condenados   - Aqui lhe apontámos alguns crimes e bem graves

- 29/12/2017  - Pastores da Igreja Adventista do Sétimo Dia, acusados de rapto e sequestro de Daniel Cem, ex-líder da União Nordeste dos Adventistas, foram condenados  a penas que variam entre um e cinco anos de prisão efectiva.

João António Francisco, juiz da causa da 13ª Secção dos Crimes Comuns do Tribunal Provincial de Luanda, alega em acórdão que os réus ora condenados cometeram os crimes de rapto e sequestro do líder Daniel Sem, antigo secretário da União Nordeste dos Adventistas do 7º Dia. Líderes do Sétimo Dia condenados a penas entre um e cinco anos de prisão ...




ENQUANTO ISSO, A MESMA IGREJA É RECEBIDA PELO PRIMEIRO-MINISTRO DE STP PATRICE TROVOADA

São-Tomé, 02 Fev. ( STP-Press) –  O pastor e  conferencista brasileiro, Luís Gonçalves da Igreja Adventista do 7º Dia do Brasil, foi esta tarde recebido em audiência, pelo primeiro-ministro são-tomense, a quem manifestou a vontade da Igreja de cooperar “nas áreas da educação, saúde e família”.

Tendo declarado que “a Igreja Adventista do 7º Dia é uma parceira do governo” são-tomense, o pastor da Divisão Sul Americana sublinhou que “ nós (Igreja) podemos ajudar de maneira voluntária nas áreas da educação, saúde, família e também na vida espiritual”.
O pastor conferencista brasileiro disse ainda que “nós apresentamos ao senhor Primeiro Ministro esta mensagem de integração entre a Igreja Adventista de 7º Dia e a sua visão administrativa”, numa perspetiva do reforço de amizade e de cooperação entre as duas partes. Pastor Luís Gonçalves da Igreja Adventista do Brasil ... - STP-PRESS

PRIMEIRO-MINISTRO TEM OSTRACIZADO A IGREJA CATÓLICA, EM STP  E INSULTADO O SEU BISPO, DOM MANUEL DOS SANTOS – PRIVILEGIANDO O ISLAMISMO E SEITAS SEM EXPRESSÃO LOCAL  Não deixe de ler http://www.odisseiasnosmares.com/2017/09/o-muculmano-patrice-trovoada-quer.html
A IGREJA CATÓLICA NÃO PARTICIPOU NO ACTO CENTRAL DE 3 DE FEVEREIRO EM VIRTUDE DAS AGRESSIVAS POSIÇÕES PÚBLICAS QUE O PRIMEIRO-MINISTRO, TEM TOMADO

O Bispo da Igreja Católica D. Manuel António, à semelhança do ano passado, também não participou no ato central em Fernão Dias em memória do massacre de 1953.
É referido nas redes sociais, que, “desde a independência que o ato central é realizado em formato de missa em memória das vítimas de 1953, no qual as principais confissões religiosas fazem-se representar com algumas peças litúrgicas.
A igreja católica sempre foi a presença de maior relevância no acto.
O repórter da Rádio Nacional destacou a ausência da Igreja Católica dizendo que desconhecia a justificação oficial”.



ESTA A EXPLICAÇÃO 
DE RECORDAR QUE PATRICE TROVOADA, ATIROU-SE AO  BISPO DA DIOCESE DE STP, COMO NUNCA ACONTECEU, NAS RELAÇÕES SECULARES ENTRE A IGREJA E  O ESTADO   - Na sua distorcida miopia considera que o Bispo da Diocese de S. Tomé e Príncipe tem de ser refém dos caprichos e de um Primeiro-Ministro irresponsável e intolerante. Não pode livremente expressar-se, sem primeiro consultar Sua Excelência o Sr. Primeiro-Ministro - Se não o fizer é um pecador. 

NÃO ACEITOU QUE O BISPO FIZESSE ESTA OBSERVAÇÃO NA SUA PÁGINA DE REFLEXÃO DO FACEBOOK. - Acerca da presença de  um pelotão da Tropa Ruandesa no país 

"O que se questiona" - escrevia D. Manuel no Facebook  " é porquê que os militares ruandeses foram fazer treino na casa da democracia. Será para intimidar os deputados
Uma operação militar que impediu a entrada de dois líderes das bancadas parlamentares da oposição para o interior da casa parlamentar. "

E REAGIU  COM  FEROZ VIOLÊNCIA E ÓDIO  ATRAVÉS DA TELEVISÃO

  NESTES TERMOS - Quando se encontrava na Ribeira Afonso. Uma vila onde a tradição católica é dominante. «Somos um país em que há liberdade de expressão e de opinião. Por isso o Bispo é Pecador como eu sou, felizmente. A única diferença, é que o Bispo para além de ser pecador tem responsabilidade. E o Bispo deve procurar informar-se antes de falar e de contribuir aos boatos. Porque não lhe fica bem», declarou Patrice Trovoada.  http://www.telanon.info/politica/2017/09/02/25181/patrice-em-rota-de-colisao-com-o-bispo-da-igreja-catolica-de-stp/





Genocídio é o crime em que um grupo tenta aniquilar outro, nomeadamente por razões de ódios étnicos, ideológicos, raciais e religiosos. Essa intolerância foi perpetrada ao longo dos séculos. E o mais lamentável é que os massacres continuam persistindo no século XXI, com o extremismo islâmico, causado em parte pela intervenção militar estrangeira . 

Recuando, ao século passado, ficará para sempre a  terrível memória do Genocídio Nazi contra os judeus e os ciganos; o Genocídio ucraniano  pela União Soviética; A  Morte em massa na Armênia pelos Turcos otomanos; a morte de 2 milhões de refugiados bósnia, por Milícias e exército sérvio Terror no Timor Leste de 150 mil timorenses pela Indonésia, entre outros. Não faz parte do top nas pesquisas internacionais, dado o silêncio em que tudo ocorreu, mas o massacre do Batepá, que no dia 3 completou 65 anos, não deixou, no entanto,  de ser  outra macabra perversão racial.


Entre Abril e Junho de 1994, cerca de 800 mil ruandeses foram mortos no espaço de 100 dias. Segundo grupos de defesa dos direitos humanos, vários líderes religiosos de várias denominações desempenharam papéis de destaque nos assassinatos, usando sua autoridade para encorajar o massacre de tutsis que tentaram se abrigar nos locais de culto.

ENTRE OS ACUSADOS DE CRIMES CONTRA A HUMANIDADE NO GENOCÍDIO DO RUANDA, FIGURA   À  CABEÇA  UM PASTOR DA IGREJA ADVENTISTA DO 7º DIA E O ATUAL PRESIDENTE PAUL KAGAME

Presidente ruandês Kagame acusado de ter provocado  o genocídio de 1994 - E só não é preso por gozar de imunidade do cargo que ocupa.

"Em 2006, um juiz francês acusou o Sr. Kagame e seus aliados de matar o Sr. Habyarimana - uma alegação que ele descartou como "ridículo", insistindo que o extremista Hutus derrubou o avião e culpou o RPF de pregar a matança premeditada.
Um antigo aliado do presidente ruandês, Paul Kagame, acusou-o de cumplicidade com a morte de um ex-presidente que provocou o genocídio de 1994.

"Ao cometer esse tipo de crime, Kagame tem a responsabilidade no crime de genocídio", disse ele à BBC.. http://www.bbc.com/news/world-africa-15165641

PASTOR ADVENTISTA DO 7º DIA E UM MÉDICO, SEU FILHO – NO TOP DOS CRIMINOSOS DE GUERRA NO RUANDA


 A noticia não é recente mas não pode ser esquecida: O Tribunal Penal Internacional (TPIR), (ONU) condenou 61 acusados por crimes contra a humanidade, entre os quais  o Pastor presidente da Associação Adventista de Ruanda e o filho dele, um médico que dirigia o hospital adventista, responsáveis diretos pela morte de mais de mil adventista

Existem ex-líderes militares, líderes governamentais, empresários, religiosos e milicianos, mas também jornalistas e pessoas responsáveis ​​pela mídia.


Um pastor de Ruanda e o filho,  condenados a 10 e a 25 anos de prisão, respetivamente, por um tribunal da Organização das Nações Unidas (ONU) que os considerou culpados de terem contribuído para o massacre de membros da etnia tutsi.

Elizaphan Ntakirutimana e o filho Gerard foram acusados de terem reunido um grande número de homens, mulheres e crianças tutsis em uma igreja e em um hospital da região de Kibuye (oeste de Ruanda) em 1994 antes de chamarem hutus para matá-los.

Elizaphan Ntakirutimana e o filho Gerard foram acusados de terem reunido um grande número de homens, mulheres e crianças tutsis em uma igreja e em um hospital da região de Kibuye (oeste de Ruanda) em 1994 antes de chamarem hutus para matá-los.

O pastor, de 78 anos, da igreja Adventista do Sétimo Dia, foi considerado cúmplice no crime de genocídio, disse um porta-voz do Tribunal Internacional Criminal para Ruanda (ICTR), um órgão da ONU. Gerard, um médico de 45 anos, foi considerado culpado do mesmo crime e de genocídio.

"O pastor Ntakirutimana distanciou-se de seu rebanho tutsi no momento em que ele mais precisava dele", disse um dos juízes do caso, o norueguês Eric Mose, segundo a agência de notícias independente Hirondelle.

"Na qualidade de médico, (Gerard) tirou vidas ao invés de salvá-las." Folha Online - Reuters - Pastor de Ruanda e filho são condenados ...19/02/2003 - .


EM ÁFRICA AINDA HÁ UM LONGO CAMINHO A PERCORRER - RUANDA ONDE AS CRIANÇAS-SOLDADOS SÃO USADAS COMO CARNE PARA CANHÃO DO MESMO PAÍS QUE, PATRICE TROVOADA SE SERVE PARA TREINAR OS MILITARES SANTOMENSES 


 - 
A CONDENAÇÃO DO ANTIGO PASTOR RUANDÊS FOI ROTULADO COM ESTE TÍTULO  -   "ESCÂNDALO NA SEITA (igreja) ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA" -

A acusação do  teve um enorme impacto no Brasil, onde as seitas religiosas proliferam através de eficiente marking mediático e das suas promessas milagreiras  

Refere um analista que "o escândalo do Pastor da seita Elizaphan Ntakirutimana e do seu filho, médico da ADRA, condenados por um Tribunal da ONU pela responsabilidade direta na morte de mais de mil praticantes da seita adventistas em Ruanda.", causou  grande abalo  - E só não foi maior por  o livro, que descreve os pormenores, não ter sido traduzido para português

"Nenhuma dessas crises ou escândalos são lembrados por mais que 2 anos e logo ficam apagados no tempo.

Conradi quando denunciou as cópias de Ellen White, no princípio do século vinte, sacudiu a IASD por ter sido um destacado administrador, mas logo se tornou um pastor batista e com isso ajudou a sarar a ferida.

O livro do pastor e professor Walter Rea - White Lie - ocasionou mais danos à IASD que os adventistas do Brasil tiveram notícia. O livro não foi traduzido para outras línguas e os seus efeitos ficaram circunscritos aos Estados Unidos, onde milhares de adventistas abandonaram a igreja e a administração passou por uma grave crise financeira.
Tenho um jornal de Washington que reporta em meia página, a desolação nas "igrejas" Adventistas da região e a profunda crise financeira por que passava a IASD. ESCÂNDALOS NA SEITA (igreja) ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA

CEITA ACUSADA DE PENSAR MAIS  EM SACAR O DIZIMO AOS FIÉIS DO QUE SERVIR A DEUS


 EX ADVENTISTA DEPÕE CONTRA A FARSA ADVENTISTA - Outro dos ex-pastores  dececionado não com esta igreja - https://www.youtube.com/watch?v=hPMEsLEe290&t=102s


O PRESIDENTE DO RUANDA PAUL KAGAME,  TEM-SE APRESENTADO COMO O LIBERTADOR NO MASSACRE, MAS O DITADOR NÃO ESTÁ IMUNE DA BARBÁRIE.


Ruanda: décadas de ataques, repressão e assassinatos  - Em julho 2017, antes de ser reeleito por 98% este era o ambiente: 07/07/2017 Duas décadas de ataques à oposição política, meios de comunicação independentes e defensores dos direitos humanos criaram um clima de medo em Ruanda antes das eleições do próximo mês, advertiu a Amnistia Internacional em um novo relatório hoje.
(..) Uma vez que a Frente Patriótica Ruandesa responsável tomou o poder há 23 anos, os ruandeses enfrentaram obstáculos enormes, e muitas vezes mortais, para participar da vida pública e expressar críticas às políticas governamentais. Rwanda: Decades of attacks repression and killings set the scene for ...



KAGAME, segue pelo mesma cartilha  que o regime que o anterior Presidente Juvénal Habyarimana – Em 6 de abril de 1994, ele foi morto quando seu avião, transportando também o presidente do Burundi, Cyprien Ntaryamira, foi derrubado perto do Aeroporto Internacional de Kigali. Seu assassinato inflamou as tensões étnicas na região e ajudou a desencadear o genocídio de Ruanda.

O anterior Presidente, durante seu mandato de 20 anos, favoreceu o seu próprio grupo étnico, os hutus, com eleições forjadas  que chegaram ao descaramento de  99,97% dos votos em 19 de dezembro de 1983, e 99,98% dos votos em 19 de Dezembro de 1988. O atual Presidente, Paul Kagame, de etnia  tutsis, já o ultrapassou   e poderá ficar o tempo que ele quiser se ninguém o derrubar: tido como o impiedoso reconciliador de Ruanda, controla os media, não tolera a oposição e favorece o seu grupo étnico.




Ruanda: papel do Banco Mundial e do FMI no genocídio de 1994

As causas da sublevação  dos dois principais grupos étnicos, também tiveram origem no exterior:  Usando empréstimos internacionais para se preparar para o genocídio: Para que o projeto genocida fosse alcançado, mais do que apenas um governo era necessário para desenvolvê-lo, adquirir as ferramentas necessárias; as pessoas também tiveram que ser empobrecidas e levadas a um nível de desespero no qual eles estavam prontos para fazer qualquer coisa.

(..) Poucas semanas antes, a Frente Patriótica do Ruanda lançou sua ofensiva em outubro de 1990, o governo do Ruanda assinou um acordo com o FMI e o Banco Mundial em Washington para implementar medidas de ajuste estrutural.

(,,) As consequências sociais desastrosas das políticas implementadas pelo FMI e pelo Banco Mundial, combinadas com a queda do preço do café (em si, uma consequência das políticas aplicadas pelas instituições de Bretton Woods e dos EUA que acabaram com o cartel dos produtores de café naquela época) mas desempenharam uma chave papel na crise do Ruanda. O regime de Habyarimana explorou o descontentamento social generalizado para realizar o genocídio. http://links.org.au/node/3797


COLONIALISMO SEPAROU POVOS POR FRONTEIRAS ARTIFICIAIS E PROMOVEU ÓDIOS ÉTNICOS

"Quando os colonos belgas chegaram em 1916, eles produziram cartões de identidade classificando as pessoas de acordo com sua origem étnica.

Os belgas consideravam os tutsis como superiores aos hutus. Não surpreendentemente, os tutsis congratularam-se com esta ideia e, durante os próximos 20 anos, gostaram de melhores empregos e oportunidades educacionais do que os seus vizinhos.

O ressentimento entre os Hutus foi gradualmente construído, culminando em uma série de tumultos http://www.bbc.com/news/world-africa-13431486

A VERDADE QUE INCOMODA O REGIME RUANDÊS 

23/10/2014 Kigali – Parlamentares ruandeses pediram a proibição da transmissão da BBC em Ruanda, após a exibição de um polémico documentário que, segundo eles, “nega” o genocídio de 1994.


O documentário “Rwanda’s Untold Story” (“Ruanda, a história não contada”), volta a acusar a governante Frente Patriótica Ruandesa (FPR) de Paul Kagame de ter derrubado em 1994 o avião do então presidente do país, pouco antes do genocídio, no qual foram massacrados 800.000 tutsis e hutus opositores.


A BBC rejeita a acusação de que o programa é uma “negação do genocídio”.
Em 6 de abril de 1994, o avião do presidente ruandês, o hutu Juvénal Habyarimana, foi derrubado sobre Kigali.
No dia seguinte, o primeiro-ministro Agathe Uwilingiyimana, um hutu moderado, 10 capacetes azuis da ONU responsáveis por sua proteção e vários ministros foram assassinados. Assim começaram os massacres. Ruanda pede proibição da transmissão da BBC após documentário ...

(…) Em 4 de julho, a FPR tomou Kigali, acabando com os massacres. A vitória dos rebeldes provocou a fuga de centenas de milhares de hutus para o vizinho Zaire (atualmente República Democrática do Congo). https://exame.abril.com.br/mundo/ruanda-se-revolta-com-documentario-que-nega-genocidio/

Ruanda, 20 anos depois: o depoimento trágico dos filhos do estupro
Duas décadas depois do genocídio de 1994, repórter televisiva retorna para ouvir os extraordinários depoimentos de mulheres estupradas durante a onda de violência –e das crianças nascidas como resultado dissoRuanda, 20 anos depois: o depoimento trágico dos filhos do estupro ...


CONSIDERADOS OS DEZ PIORES CRIMES CONTRA A HUMANIDADE

10. Hererós e Namaquas  – 1904-1907 VÍTIMAS – 65 mil hererós e 10 mil namaquas AUTOR DO CRIME – Alemanha; 9. Terror no Timor Leste  – 1975-1999 VÍTIMAS – 150 mil timorenses AUTOR DO CRIME – Indonésia; 8. Crueldade na Bósnia – 1992-1995 VÍTIMAS – 200 mil bósnios mortos, 2 milhões de refugiados AUTOR DO CRIME – Milícias e exército sérvio 7. revolta Circassiana Últimas décadas do século 19 VÍTIMAS – 400 mil circassianos mortos, 1,2 milhão de exilados Império Russo; 6. Porajmos, a caçada aos ciganos 1939-1945 VÍTIMAS – 500 mil romanis (ciganos) AUTOR DO CRIME – Nazistas; 5. Massacre em Ruanda  – Abril de 1994 VÍTIMAS – 700 mil tútsis mortos e 200 mil refugiados; centenas de hutus mortos AUTOR DO CRIME – Milícias hútus; 4. Morte em massa na Armênia  – 1915-1917 VÍTIMAS – 1,5 milhão de armênios mortos, 500 mil deportados AUTOR DO CRIME – Turcos otomanos; 3. Sangue no Camboja  – 1975-1979 VÍTIMAS – 1,7 milhão de pessoas AUTOR DO CRIME – Khmer Vermelho; 2. Genocídio ucraniano  – 1932-1933 VÍTIMAS – 5 milhões de ucranianos AUTOR DO CRIME – União Soviética; 1. Holocausto judeu QUANDO – 1939-1945 VÍTIMAS – 6 milhões de judeus AUTOR DO CRIME – Nazistas Pormenores em: Quais os dez piores crimes contra a humanidade? | Mundo Estranho

AS 15 PIORES TORTURAS DA HISTÓRIA DA HUMANIDADE

A humanidade ao longo dos anos foi realizando uma série de evoluções naturais até chegarmos aonde estamos. Ao longo dos séculos foi se aprimorando para o bem de todos, as noções de direitos humanos.
Se passarmos um pente fino na Idade Média, e fossemos analisar os níveis de crueldade que o ser humano pôde chegar ao se deparar com alguma adversidade ou por professar uma fé que diferia da tradicional, ou mesmo pela suspeita de que isso ocorria – Imagens e pormenores em https://www.fatosdesconhecidos.com.br/as-15-piores-torturas-da-historia-da-humanidade/


Pastor, son guilty in Rwandan genocide ; Ecumenismo Macabro: Católicos, Protestantes e Adventistas 


Nenhum comentário :